Em Blog:

Future Islands anuncia primeiro álbum em três anos e divulga novo single lindo, com o Sam Herring botando emoção em um vídeo singelo

>>

120820_futureislands2

Se a pandemia não vai embora, vamos encará-la dançando/chorando ao som das batidas incríveis do Future Islands e a voz emocionante de Sam Herring.

É que a banda norte-americana enfim oficializou os detalhes de seu primeiro disco em três anos. “As Long As You Are” será lançado dia 9 de outubro e é o sexto de estúdio da animada trupe de Baltimore.

O primeiro sinal de que o Future Islands estava tramando algo bom foi a divulgação da ótima “For Sure” no mês passado. Agora, conhecemos através de um vídeo singelo e lindo mais uma faixa do projeto, chamada “Thrill”, esta mais desacelerada do que de costume.

Junto com o lançamento do disco, teremos a oportunidade de ver Sam e suas dancinhas únicas em um show ao vivo, diretor de Baltimore, também em 9 de outubro. No total, o novo álbum tem 11 canções.

“As Long As You Are” – Tracklisting
1. Glada
2. For Sure
3. Born In A War
4. I Knew You
5. City’s Face
6. Waking
7. The Painter
8. Plastic Beach
9. Moonlight
10. Thrill
11. Hit The Coast

>>

Popload Live: hoje, 18h, no Stories da @poploadmusic, conversa e música com Gabriel Serapicos, o Compositor Fantasma

>>

* O convidado da Popload Live, ou Popload Dead quem sabe, é o músico paulistano Gabriel Serapicos. Ele traz para conversa e som hoje às 18h no canal de Stories da @poploadmusic, seu alter-ego Compositor Fantasma.

Nesta vida, Gabriel tem a função de tornar públicas as incontáveis letras e partituras encontradas depois que um compositor desapareceu, muitos anos atrás, e jamais foi encontrado.

Serapicos, que tem um projeto de jazz-blues-samba sob seu nome, atua assim em outro espectro musical, uma indie-MPB, lançando desde 2018 as músicas do seu Compositor Fantasma, em singles e EPs. E fazendo shows, em que o fantasma aparece no começo em áudio, dá seu recado, e depois vai embora, deixando suas antigas obras ocuparem os espaços, via Gabriel Serapicos.

Que história! Hoje, às 6!

1 - PHOTO-2020-08-12-11-44-28

A live da Popload foi criada para proporcionar, em tempos de clausura, papo e performance com pessoas legais da nossa música. Inclusive… tocando música.

Já rolou por aqui conversa e som com Flavio FingerFingerrr, André Aldo, Eduardo Apeles, Vivian Kuczynski, Lucas Fresno, Rita Papisa Oliva e Ale Sater, do Terno Rei, Bianca e Rodrigo do Leela, Lucas da Glue Trip, Fefel do Boogarins, Duda Brack, Clarice Falcão, Gabriela Deptuski, do My Magical Glowing Lens, Jay Horsth, do Young Lights, Salma & Macloys, do Carne Doce, a trinca Naíra, Érica e Caro, do sexteto Mulamba, e João Erbetta, do Los Pirata, o Popoto, da banda Raça, a Sara Não Tem Nome e o produtor paulistano CESRV, o internacional Sessa, o cheio-de-histórias-incríveis Supla, a multimídia Lia Paris, o rapper afrojaponês-andróide Yannick Hara e a guitarrista e cantora Brvnks, o professor Frank Jorge, o brit-paulistano Charly Coombes, Tim Bernardes de O Terno, Mario Bross, do Wry, a diva Ava Rocha, o produtor mashapeiro Raphael Bertazzi, com o engenheiro de som e beatmaker Master San, com o músico mineiro André MOONs, com o enigmático cantor Gevard DuLove, com o músico, agora escritor e eterno VJ Luiz Thunderbird, Tatá Aeroplano, com o Pata, do Holger, com o mineiro JP, Jair Naves, Zé Antônio (dos Pin Ups), com o graaaande Clemente, do Inocentes, com a Giovanna Moraes, com Marcelo Perdido, com o Chico Bernardes, com Mário Arruda, do Supervão, o electroindígena Nelson D, a Larissa Conforto (Àiyé), o Vovô Bebê, o Gustavo Bertoni, do Scalene, Julio The Baggios, o grande Chico César, o rapper Hiran, a multiartista Jup do Bairro, Eduardo Porto (do ATR), o pernambucano Tagore, a baiana Jadsa, o gaúcho Erick Endres, o lendário cantor Odair José, o músico Thiago Nassif, a cantora e guitarrista Fernanda Takai, o cantor baiano Giovani Cidreira, o rapper mineiro Flavio Renegado, o guitarrista Gabriel Thomaz (Autoramas), a cantora e taróloga Ella, o gateiro Pedro Pastoriz (Mustache & Os Apaches), o grande Samuel Rosa, do Skank, o piauiense Valciãn Calixto e o “cigano” Juliano Abramovay.

Tudo regado a som ao vivo, adaptado, rearranjado, diferente, tecnicamente perdoadíssimo.
Já teve DJ set, do ótimo Willian Mexicano, com a digníssima diva pop Pabllo Vittar participando animada. E a do Lúcio Morais, do Database. Do Trepanado, da Selvagem. Do Lúcio Caramori. Do Paulão, do Garagem. Do gaúcho hard-funk Fredi Chernobyl. Do Fetusborg, que virou uma residência mensal de hip hop. Da incrível dupla electroflorestal Xaxim. Dá ótima DJ Kysia, de Fortaleza.

Já teve conversa sobre a história da CENA brasileira com um dos personagens principais dela desde sempre, o agitador Fabrício Nobre. Já teve papo de jornalismo musical com Pedro Antunes, editor da “Rolling Stone”, também conhecido como o inventor do programa “Tem um Gato na Minha Vitrola”. Já conversamos com Bruno Natal, do podcast Resumido, e Thiago Ney, da newsletter MargeM, dois instrumentos ~modernos~ vitais para entender o mundo hoje. Falamos também com Ronaldo Lemos, o maior especialista em internet no Brasil e ex-curador do Tim Festival. Com o jornalista-boleiro Mauro Beting, que tem uma série de serviços prestados à música. Com a jornalista, escritora, DJ e agitadora Claudia Assef. Com Alexandre Matias, o inventor do Trabalho Sujo. Com o conhecidíssimo Zeca Camargo. E com o importante produtor Marcelo Damaso, do festival Se Rasgum (Pará).

A ideia da live é que ela, diária, de segunda a sexta no período de quarentena, não necessariamente tenha um horário padrão para rolar, mas até que tem razoavelmente acontecido às 18h.
A gente avisa aqui e nas redes o horário certo do dia.

Então, hoje, às 6 da tarde, no Stories do @poploadmusic, conversa e música com o Gabriel Serapicos, o Compositor Fantasma.

E lembrando que as Lives passaram a ficar disponíveis no igtv da conta do Popload Music, para outras revisitações ou mesmo para ver pela primeira vez. Escolha sua opção, mas veja.

>>

A session da Bully na KEXP e a graaaaande espera do novo disco dela

>>

Captura de Tela 2020-08-12 às 12.15.44 PM

* Nunca demos aqui a devida atenção à roqueira americana Bully, a persona musical de Alicia Bognanno, de Nashville, faz “rock indie feminino” pela Sub Pop e nos remete aos anos 90 e à eterna Courtney Love e tals. Mas parece que, à luz de seu terceiro álbum, que sai agora em 21 de agosto, é bom passar a dar.

“Sugaregg”, o aguardaaaado novo disco (capa abaixo), já teve três singles lançados. O primeiro, “Where to Start”, em junho, ela diz que foi inspirado em “Tubthumping”, hit bizarro dos anos 90 de autoria da banda inglesa bizarra Chumbawamba, o que torna tudo mais engraçado, mesmo.

Bully_Sugaregg_1080

Em julho agora, Bully, fã do Nirvana e não é difícil entender por quê, lançou seu segundo single desta “guinada” próxima que vai dar em sua carreira indie, a música “Every Tradition”.

Ontem, ela lançou mais um single, “Prism”, e participou de session e entrevista para a rádio KEXP, de Seattle, desde sua casa em Nashville. E tocou ao vivo, ela e sua guitarra, os singles e outras canções do álbum que vai sair. Rolou ainda um cover de “Fade Into You”, da maravilhosa banda Mazzy Star, dos 90.

Então tá. Vamos juntos prestar atenção na nova fase da Bully.

>>

TOP 50 DA CENA – Mateus Aleluia vai ao topo para não amarelarmos. Thunderbird, o hitmaker. Música de 1970. E a viagem do Apeles. Que ranking!!!

1 - cenatopo19

* Novas e novos. Velhos e velhas. Novas do passado, velhas do presente. Não tem tempo (ruim) para a movimentação atual da cena musical brasileira. Tome como exemplo a famoooooosa live do Caetano, haha.
Por aqui, no nosso humilde ranking, fomos obrigados a levar ao topo o grande Mateus Aleluia, como forma de agradecer a ele ter nos levado a altos topos com seu recente disco. Não podíamos amarelar. Aleluia!
E estamos chocados para onde está indo o velho Thunder com suas novas músicas solo. É uma pedrada atrás da outra. Cadê esse álbum cheio logo, meu Deus?
No mais, viajamos com o Apeles, aterrissamos com o Ave Sangria, e por aí fomos. E por aí vamos.

3 - PHOTO-2020-06-02-19-48-34

1 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (2)
A beleza de um disco de Mateus Aleluia em 2020 é um presente que ilumina este ano esquisito. Aqui, na produção de Ronaldo Evangelista e com músicos da CENA por perto, como Thiago França, Sérgio Machado, entre outros, a conversa de Mateus se aproxima da nova geração, que já se ligou na importância dele e dos Tincoãs. “Amarelou” ainda conta com ele: João Donato. Semana passada ficou em segundo. Desta vez, de tanto que não paramos de escutar, só poderia ir ao primeiro lugar, lógico.
2 – Thunderbird – “Insuportável” (Estreia)
Que música absurda de Luiz Thunderbird, o segundo single de seu disco solo novo, que em algum momento vem aí, o já aguardadíssimo “Pequena Minoria de Vândalos”. Esta nova canção-porrada, “Insuportável”, é meio um encontro do Morphine com os Pixies. Eles encontrando com a voz do Thunder. A música foi feita com o inparável Guilhermoso Wild Chicken e a letra é um poema do grande Rodrigo Carneiro. Thunder consegue se cercar de referências e parcerias e ser muito Thunder.
3 – Letrux – “Vai Brotar” (1)
A manutenção de um disco depende em parte de nós, em parte do artista. Letrux lança o vídeo de “Vai Brotar” e nos lembra do ótimo álbum que pegou a gente lá no começo do ano. E, em particular, de uma música. E, mais particular ainda, desta letra. “Você ficou cínico com o tempo/ Eu fiquei muito mais espiritualizada/ Acreditando em carta, sonho e passe”. Só nós achamos que “Vai Brotar” tem uma vibe grandiosa meio Arcade Fire?
4 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (Estreia)
Esta é uma daquelas canções-transporte que te levam para outro lugar. E que quando ela acaba você não queria que tivesse acabado, porque você vai ter que voltar onde estava. É outro espécime da indie-delicadeza que tem feito a CENA parar, sentar e respirar. E isso é um dom de Eduardo Praça, da persona Apeles. E isso não quer dizer que “Tudo Que Te Move” é uma música “devagar”. Pelo contrário.
5 – Ave Sangria – “Vendavais” (Estreia)
A cultuada banda psicodélica pernambucana pegou a faixa “Vendavais” de seu álbum lançado no ano passado, uma das canções escrita entre 1969 e 1972 e recuperadas neste disco, e protagonizou seu primeiro clipe da vida. Um chamado à descoberta do que se quer ser que nunca envelhece. E que solo de guitarra, amigues. Outra coisa que não envelhece (quando é bom).
6 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (3)
Estamos ainda de cara com esse disco que entre outras coisas reúne Negro Leo, Ana Frango Elétrico, Arto Lindsay, Vinicius Cantuária. Esta que escolhemos (poderiam ser outras) lembra os discos do Caetano com a banda Cê. Thiago parece pegar aquela vibe onde Caetano deixou e botar mais barulhinhos. E aproveitamos e matamos a saudade da voz da Ana Frango em uma inédita. Essa cena do Rio…
7 – Ovo ou Bicho – “Moços” (4)
Essa cena do Rio… parte 2. A conexão está escancarada. O Thiago Nassif é quem mixou esse som do ótimo quarteto do Rio, que chama a atenção em uma viagem que tem doses tropicais do Mutantes e um pique Doors na brisa que a música vira lá para o meio dela.
8 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (5)
Elza é sempre obrigatória. Em um acerto desses, então. A união dela com o rapper mineiro Flávio deu jogo. Uma pancada que sabe carregar versos delicados como “Todos os dias me levanto/Olho no espelho sempre me encanto/Com o meu cabelo e a cor da pele dos ancestrais”.
9 – Jonnata Doll e os Garotos Solventes – “Filtra Me”(Estreia)
Música do ano passado resgatada agora por videoclipe bem louco do bem loko Jonnata Doll, que fez parte do terceiro álbum da banda de Fortaleza e consegue trazer um clima pós-punk frio inglês para um tórrido porão da capital cearense. Tudo fazendo muito sentido.
10 – Ella from the Sea – “Side by Side” (7)
Single que puxa o EP dessa cantora paulistana que usa a música como terapia para a alma. Algumas soluções ela também encontra no tarot. O EP nõo se chama “Moon” à toa. A vibe aqui é “Grimes vai para os ano 80 e entra para o Cocteau Twins”. Atmosfera é tão densa que dá para cortá-la com uma faca.
11 – Autoramas – “Boneco” (13)
12 – Nuven (ft. Ale Sater), “Par de Ondas” (6)
13 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (11)
14 – CESRV – ”Mix It Up” (18)
15 – Kalouv – “Talho” (Estreia)
16 – Pedro Pastoriz – “Dolores” (8)
17 – Marcelo Perdido – “Bastante” (9)
18 – Yannick Hara (ft Big the Kiid e Asaph) – “Vida Offline” (10)
19 – Hellbenders – “Pra Entreter” (12)
20 – Jup do Bairro – Pelo Amor de Deize (14)
21 – Rincon Sapiência – “Malícia” (15)
22 – Raça – “Domingo” (16)
23 – Tuyo – “Sem Mentir” (19)
24 – Nevilton – “Irradiar” (21)
25 – Gustavo Bertoni – “Sit Down, Let’s Talk” (22)
26 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (24)
27 – Vella – “Delírio Besta” (25)
28 – Jadsa – “Quietacalada” (27)
29 – Hiran – “Gosto de Quero Mais” (28)
30 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (29)
31 – ATR e Luedji Luna – “Batom” (30)
32 – JP – “Chorei Dendê” (31)
33 – Rohmanelli – “Do Jeito Que o Mundo Está” (32)
34 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (33)
35 – Duda Brack – “Contragolpe” (34)
36 – Compositor Fantasma – “Não Sabendo Que Era Impossível” (35)
37 – Don L – “Kelefeeling” (36)
38 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (37)
39 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (38)
40 – ÀIYÉ – “Pulmão” (39)
41 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (40)
42 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (41)
43 – Edgar – “Carro de Boy” (42)
44 – Douglas Germano – “Valhacouto” (43)
45 – Kiko Dinucci – “Veneno” (44)
46 – Jhony MC – F.A.B. (45)
47 – Djonga – “Procuro Alguém (47)
48 – Vovô Bebê – “Êxodo” (48)
49 – Troá! – “Bicho” (49)
50 – Karol Conka – “Tempos Insanos” (26)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o roqueiro Thunderbird.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Help! Arctic Monkeys rifa guitarra histórica para salvar as casas de shows da Inglaterra

>>

* O estrago que a pandemia fez em diversas áreas da música, o que inclui muito as necessárias casas de shows de médio e pequeno porte que, fechadas, não conseguem se manter, pagar funcionários, afeta essa importante roda econômica do mundo do entretenimento. Em qualquer lugar do planeta.

Na Inglaterra, a banda Arctic Monkeys resolveu lançar nesta semana uma campanha para ajudar a aliviar a situação de casas à beira da falência, do país inteiro e em especial o tradicional clube Leadmill, de Sheffield, a terra deles.

Alex Turner e amigos estão levantando um crowdfunding para arrumar algum dinheiro para não deixar fechar os clubes nos quais bandas e artistas hoje enormes como ele começaram a carreira. O quarteto ainda está promovendo uma rifa para aumentar o $$$, dando como prêmio a guitarra preta Fender Stratocaster que Turner usou tanto no Leadmill (900 pessoas na capacidade) quanto no Reading Festival de 2006, quando o AM estourou na turnê do primeiro disco, o histórico “Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not”.

Quem comprar um número da rifa, automaticamente vai receber um acesso livre e exclusivo para assistir em streaming essa marcante apresentação do grupo no Reading.

Quem quiser fazer um lance pela guitarra de Alex Turner é só ir no crowndfunder.co.uk e tentar a sorte. O bilhete da rifa custa 5 libras, algo em torno de R$ 35.

Até o momento que este post está sendo escrito, quase 40 mil libras, perto de R$ 240 mil, foram arrecadados.

Abaixo, Alex, sua Fender preta e o Leadmill num trecho de show deles no começo da carreira.

>>