CENA – Sexo, Smiths e tretxs variadxs! Cara, entenda o ótimo vídeo novo da nova fase do Young Lights e a cena mineira

>>

cena

image (1)

Banda da esperta CENA atual de Belo Horizonte e integrante de um movimento local de arte e música entre amigos chamado Geração Perdida, a banda Young Lights, do yankee mineiro Jairo Horsth, faz de seu próximo disco, o segundo, um dos mais esperados do ano no indie brasileiro.

Um show bem falado recentemente (abrindo para o goiano Carne Doce num festival em BH que juntou marcas dos agitadores locais Shake Shake e da paulistana Casa do Mancha), mais esse primeiro single do futuro novo álbum (que está sendo considerado o primeiro, por representar uma nova fase do Young Lights), jogam fortes luzes em direção da banda, em particular, e da cena mineira, em geral.

Captura de Tela 2017-02-16 às 4.12.43 PM

“Understand, Man” é a música, que você ouve aqui em primeira mão acompanhada de seu lindo e caprichado vídeo, em que uma imagem vale mais que mil palavras, tirando as palavras da própria canção-trilha sonora, claro.

“Understand, Man”, single, e o disco cheio do Young Lights são de responsabilidade da Quente, produtora, agência e selo de BH que tem dado uma valiosa ajuda no intuito de chacoalhar a cena mineira. Eles fizeram a produção do festival Coquetel Molotov (de Recife) em Belo Horizonte, fizeram o seminário-festival Sonâncias em outubro de 2016 e estão lançando, entre outros e além do disco novo do Young Lights, o álbum da banda Oceania, que é a reencarnação do Diesel.

A história do Young Lights se confunde com a do próprio Jairo Horsth, seu criador. Ele nasceu em BH, mas foi levado muito novo para os EUA, pelo pai pastor. Cresceu na América ouvindo gospel e folk, mas verteu ao punk para abrigar sua energia adolescente. Voltou ao Brasil aos 20 anos, reencontrou Minas Gerais e fez o Young Lights. O que era apenas um trabalho solo de Jairo dentro da Geração Perdida mineira agora vira banda nas mãos da Quente.

O belo vídeo de “Understand Man” mostra confusões e possibilidades amorosas que envolvem os Smiths e um apartamento em um prédio projetado por Oscar Niemeyer, o famoso edifício JK, que fica na divisa do centrão de BH com os bairros Lourdes e Barro Preto.

E, nesse exato local, acontece a seguinte treta, com bela trilha e a bênção de Morrissey:


** As fotos do Young Lights que ilustram este post e a home da Popload são de Breno Galtier.

>>

  • Fabio Oliveira

    Achei que a palavra “treta” não distinguisse gênero…

  • Guilherme Freire

    Achei bem sem classe…

  • Isaac Gabriel

    meio forçada essa deles mesmo kkk

  • Claudio S. Kinjo

    Bem… bem… “Déjà vu” sonoro… imagens milagres da digital art e o acesso ao “full contact”… muito afetado não… camisetinhas, quadrinhos pendurados… que culpa tens Smiths(?)… loft… cerveja… adesivos e… luzes joviais… uiii.