CENA – Slowdive em Nova York. Slowdive no Japão. Slowdive em São Paulo

>>

cena

* A vinheta CENA, que aponta para posts sobre a bombada cena brasileira como nunca antes na história deste país, se justifica estando aí em cima. Ela entra de carona no grupo britânico Slowdive, redivivos heróis do shoegaze dos anos 90, porque a banda é a atração principal de mais uma edição do Balaclava Fest, já um dos importantes festivais indies do Brasil e que acontece no próximo domingo. Primeiro porque é Balaclava e o Balaclava, seja pelas pessoas ou as ações da marca, tem papel vital no crescimento da nossa… CENA. Segundo porque o festival, que acontece desta vez no lindo Cine Joia (cóf.), com pouquíssimos ingressos ainda à venda, tem na programação o nome da banda paulistana E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante, um dos destaques do indie brasileiro, além do Widowspeak, dupla dream-pop nova-iorquina, e o Clearance, grupo indie de Chicago.

Captura de Tela 2017-05-11 às 4.43.15 PM

Salvo explicações e colocações bem estruturadas, vamos ao que interessa: Slowdive.

O lindo grupo inglês, da Reading do festival mais legal e do time de futebol com torcida mais violenta do mundo, está de volta e com show histórico por onde quer que você olhe. Primeiro porque é bom mesmo (vimos arrepiar fios de cabelo no Primavera Sound do ano passado) e segundo porque tem história bonita dentro do indie britânico, sobrevivendo até ao massacre grunge do Nirvana no comecinho dos 90.

No começo desta semana, o Slowdive tocou duas vezes no novíssimo Brooklyn Steel, em Nova York. No dia seguinte a um dos dois shows um grande amigo local, Marco Lockmann, me escreveu esbaforido no Whatsapp: “Slowdive aqui foi genial. Nada da coisa mecânica da reunião dos Pixies. The Real Thing. Espero que estejam levando as luzes para o Brasil. Beleza surreal” (abaixo, foto do show do Slowdive no Brooklyn, de Adela Loconte).

1-Slowdive_BrooklynSteel_5-8-17-AdelaLoconte

Pedi para o Marco contar melhor essa história. E ele…:

“Para um certo group de new yorkers, os principais acontecimentos culturais de maio seriam Slowdive tocando no Brooklyn e a volta de Twin Peaks (dia 21 aqui). A brincadeira era qual dos dois iria decepcionar… Já não foi Slowdive. A banda lotou duas noites no Brooklyn Steel (o armazem gigante no meio de East Williamsburg, que foi inaugurado há pouco mais de um mês com shows de LCD Soundsystem e PJ Harvey e hoje é a melhor casa de concertos de NYC. Os show do Slowdive foram ambos perfeitos. Rachel Goswell e Neil Halstead continuam cantando com se fossem uma voz só, sobre um oceano de guitarras distorcidas, camadas de microfonias e efeitos e agora um baixo/bateria ainda mais pulsante.
Abrindo com a genial ‘SlowMo’ e ‘Sugar for the Pill’, do disco novo, e misturando clássicos como ‘Catch the Breeze’ (mais intensa ao vivo) e ‘Crazy for You’ (de ‘Pygmalion’, o terceiro e ‘esquecido’ disco da banda, música que virou um ‘hit’ em after/post raves/ambient parties aqui no Brooklyn) com sons novos, a banda carregou num transe de luzes, baixo e distorcão até o final. Parte do público (novo, provavelmente atraído pela lista gigantesca de bandas novas que cita Slowdive como influência, de Tame Impala a Sky Ferreira) dançou até nos momentos mais lentos.
Agora é esperar o Twin Peaks por aqui….”

** Outra coisa é que hoje surgiu uma faixa-bônus do disco novo do Slowdive, lançado na semana passada com o nome de “Slowdive” mesmo, o quarto álbum da banda de de quase 30 anos de carreira e o primeiro disco em mais de 20 anos. A música, “30th June”, saiu apenas na edição japonesa e chega agora à internet. Esta aqui.

>>