Chris Cornell, do Soundgarden, morre de repente depois de show em Detroit. Popload (e a música) em choque

>>

* Chris Cornell, vocalista do Soundgarden, do Audioslave e de significativa carreira solo, morreu ontem ao 52 anos. Segundo comunicado oficial, sua morte foi súbita e inesperada, e a causa ainda não foi divulgada.

Uma das vozes mais aclamadas do rock e um dos soldados grunge da revolução dos anos 90, Cornell esteve no palco ontem à noite em Detroit, em show lotado de sua banda, o Soundgarden. Morreu logo depois, de circunstâncias ainda não revelada, deixando todo mundo em choque. Pouco antes, no Twitter, o roqueiro se manifestou por finalmente estar de volta a Detroit, saudando seus fãs pelo concerto que viria a ser seu último.

Abaixo, imagens de Cornell em performance ontem à noite, depoimento especial Popload, repercussão da morte do roqueiro e um vídeo de ele cantando em Detroit a fantástica “Black Hole Sun”, um dos maiores hits do Soundgarden.

chris-cornell-image-1

O popload Fernando Scoczynski Filho, fã do trabalho do músico e ele mesmo especialista e estudioso do som de Seattle do grunge e de hoje, fala aqui sobre Chris Cornell:

É difícil falar de tudo que Chris Cornell já fez, mas, para manter alguma brevidade, foco no que foi indiscutivelmente seu projeto principal, o Soundgarden.

Por ser muito novo nos anos 90, só fui me apaixonar pelas bandas do período alguns anos após o fim da década – infelizmente chegando no Soundgarden por último. Eu me arrependo um pouco disso, pois logo descobri que, em vários aspectos, me identificava muito mais com o som e a mensagem deles. Discuto com quem for necessário para defender “Superunknown” acima de “Nevermind”, “Ten” ou “Dirt”. E apesar de Soundgarden ser um raro caso onde os quatro integrantes compunham, Chris Cornell ainda fez a maioria das principais músicas da banda, e conseguia se destacar tecnicamente no meio de outros três caras absurdamente talentosos. E não eram só singles: para cada “Black Hole Sun” ou “Rusty Cage” que compunha, havia uma fantástica “4th of July” ou “Holy Water” escondida no catálogo do Soundgarden, todas composições de Cornell.

Eu tive a oportunidade de ver a banda duas vezes: a primeira, em Los Angeles, foi no teatro Wiltern, em 2013. Show de turnê de disco novo, uma maratona de mais de 2 horas com 28 músicas para um público californiano morno, uma performance exata e perfeitinha. A segunda, no Lollapalooza Brasil 2014, foi onde realmente vi o que é Soundgarden ao vivo – mesmo com um show mais curto, a primeira e, infelizmente, única apresentação da banda por aqui foi insana, por conta do público que realmente estava a fim de estar lá, fazendo mosh pits e “pirâmides humanas” durante o show inteiro. Uma performance descontraída e divertida, para entrar no meu top 5 pessoal. Ambos os shows foram incríveis, e incrivelmente únicos. E, como muitos agora, fiquei na agradável ilusão que poderia ver Soundgarden de novo.”

Fotos e vídeos do show de ontem do Soundgarden, em Detroit

O show lotado aconteceu apenas algumas horas antes de sua morte. A banda estava em turnê e, supostamente, preparando um disco novo. Estas são algumas fotos de ontem:

I'm the shape of the hole Inside your heart

A post shared by Chris Cornell (@chriscornellofficial) on

#chriscornell #soundgarden from last night in #detroit it was such an honor to see them play again.

A post shared by mr_jonah (@mr_jonah) on

Cant believe I saw his last show ever #chriscornell #soundgarden #detroit #foxtheatre #rip

A post shared by Melissa Behring (@melissabehring) on

#chriscornell #soundgarden from last night in #detroit it was such an honor to see them play again.

A post shared by mr_jonah (@mr_jonah) on

****
Black Hole Sun ao vivo, ontem:
****

TWITTER

>>