Disco de Courtney Barnett sai hoje nos EUA. E ela propõe fundar um clube

Olha a Courtney aí outra vez. Não a Love. A Barnett, predileta da Popload.

Screen Shot 2014-04-15 at 18.54.55

A gente falou sobre o passeio da incrível cantora e guitarrista australiana ontem, aqui no blog, no Coachella e em sessions ao redor do festival. “Courtney Barnett com problemas para respirar na Califórnia” era o título.

Hoje apareceram duas notícias grandes sobre ela vinda dos EUA:

1. Os dois EPs que juntaram para fazer um álbum foram lançados hoje como tal nos EUA. “The Double EP: A Sea of Split Peas” chega ao mercado americano com a fama de “critically acclaimed”, está nos dois releases que eu recebi nesta terça. A minha loja de disco predileta em Los Angeles, a Origami Vinyl (já que a Amoeba Records não é exatamente uma loja de discos e sim um supermercado), vai fazer uma festa de lançamento do disco hoje, com presença de Barnett. Quem comprar o álbum de Courtney Barnett nos EUA ganha um fanzine ilustrado por ela, com desenhos da janela de onde ela tem se hospedado para tocar, “across the world”. O fanzine chama “A View to a Gig”. Barnett, uma das mais legais contadora de histórias em músicas hoje na cena independente, toca de novo no Coachella no final de semana, na parte 2 do festival.

Screen Shot 2014-04-15 at 18.49.17

2. Hoje, para comemorar o lançamento do disco nos EUA, o poderoso jornal “The New York Times” — APENAS o “NYT” –, lançou em seu site o vídeo para a absurda canção “Anonymous Club”, o segundo single do disco, depois da “música do ano”, a “Avant Gardener”. O “NYT” também traz uma entrevista com a australiana.

“Anonymous Club”, o vídeo, é incrível com a música por baixo (ou por cima). Parece uma animação na linha “Where the Wild Things Are”, mas feita com a mão em papel, não em computador. E de um jeito, digamos, australiano.

“Anonymous Club”, a música, é bem lindinha. Tem um backing vocal masculino nela, mas a delicadeza perturbada da voz de Courtney Barnett brilha sozinha, quando ela propõe fazer um clube dos anônimos. Ou um clube anônimo, pode ser. Escola Lorde da não-ostentação. Onde os membros ficam trocando suas roupas e tomando vinho a noite toda.

“Turn your phone off friend, you’re amongst friends and we don’t need no interruptions.
Leave your shoes at the door, along with your troubles”

A música acaba assim:
“Thank you for cooking for me, I had a really nice evening, just you and me”.
Com as duas vozes repetindo “you and me”, primeiro. Depois só a Barnett.

Escrevendo assim, preto no branco, parece simples e comum (e é). Mas essa letra colocada sob uma canção da australiana fica de chorar de bonita.

Essa Courtney Barnett é especial, não?
Ela é a verdadeira Courtney “Love”, eu acho.

>>