Ela está ajudando a reinventar o pop e fez sua estreia na TV americana nesta semana: estamos falando do fenômeno King Princess

>>

Foto: Scott Kowalchyk/CBS

Foto: Scott Kowalchyk/CBS

Ela mal entrou na casa dos 20 aninhos e já vem sendo considerada uma espécie de pilar de reinvenção do pop. Ou o novo pop. Ela é Mikaela Strauss, melhor conhecida como King Princess.

Cantora, compositora, produtora e multi-instrumentista, a joia norte-americana, além de tudo, faz de sua arte uma espécie de manifesto de representatividade. Lésbica assumida, ela fala abertamente sobre amor, afeto e as dificuldades dessas classes de representação.

Estourou com “1950”, música que fala de um romance lésbico proibido, e que até o popstar Harry Styles pagou pau ao divulgou a letra em suas redes sociais. Está sob a aba de Mark Ronson e seu selo Zelig Records, pelo qual lançou primeiro o EP “Make My Bed”.

Ela soltou no fim do mês passado seu disco de estreia, “Cheap Queen”, que está dando corda para o fenômeno que ela é na cena musical hoje.

Tanto que a garota do Brooklyn, que já tem dobradinha musical com Fiona Apple e é inspirada por Beatles e Nick Cave, só fez nesta semana sua estreia em rede nacional na TV americana. Ela esteve ontem no programa de Stephen Colbert, ontem onde mostrou justamente “1950” e “Hit The Back”.

Olho na poderosa.

>>