Há 35 anos, Ian Curtis perdia seu próprio controle…

>>

180515_iancurtis2

Há exatos 35 anos, a música perdia um dos gênios mais perturbados que já pisaram na Terra. Ian Curtis, vocalista e compositor do Joy Division, dava fim em sua própria vida ao se enforcar na cozinha da casa de sua mulher em Macclesfield, região metropolitana de Manchester.

Na época com apenas 23 anos, Ian era epilético e sofria de depressão profunda. O cantor passava por diversos problemas pessoais, entre eles um divórcio conturbado com sua ex-esposa e um caso extra-conjugal com a jornalista belga Annik Honoré, que morreu ano passado. Meses antes, Ian foi internado em um hospital de Manchester após sofrer uma overdose provocada por ingerir excesso de medicamentos controlados que ele tomava devido ao seu quadro epilético.

A morte de Ian chocou o mundo da música, já que o Joy Division embarcaria dias depois para sua primeira turnê na América do Norte e era considerada a principal banda alternativa da época.

Para relembrar e entender um pouco a complicada história de Ian Curtis, a Popload separou 10 registros que explicam bem (ou ao menos tentam) a genialidade destrutiva e perturbadora de um dos maiores nomes da história do rock.

180515_iancurtis_lapide

**********

1 – Em 20 de setembro de 1978, o Joy Division fazia sua apresentação ao vivo na TV, no canal Granada.

**********

2 – O disco “Still”, lançado em outubro de 1981, traz algumas raridades, sobras de estúdio e a gravação completa do último show da banda, em Birmingham, no dia 2 de maio de 1980, duas semanas antes da morte de Ian. O show começa no minuto 38:00 do vídeo.

**********

3 – Lançado em 2007, “Control” é um dos melhores e mais conceituados filmes biográficos do rock. Com direção de Anton Corbijn, que era fotógrafo da banda, a obra conta todos os passos de Ian desde antes do Joy Division até sua morte. O cantor e compositor foi interpretado de forma brilhante pelo ator Sam Riley.

**********

4 – Um compilado de quase 12 minutos mostra a “dança da epilepsia”, como ficaram famosos os passos e movimentos desconexos e imprevisíveis do tímido cantor no palco. Curtis de fato era epilético e chegou a passar mal algumas vezes durante shows do grupo. Nem mesmo seus companheiros de banda tinham certeza se ele estava só dançando ou, de repente, tendo um ataque.

**********

5 – Uma das performances mais lembradas do quarteto foi no programa Something Else, da BBC, em setembro de 1979. Ian morreria oito meses depois. É do programa a famosa performance de “She’s Lost Control”, com Ian e seu olhar perdido mesclando momentos de introspecção e agressividade.

**********

180515_joyposter

Pôster do último show do Joy Division, em 2/5/80 na cidade de Birmigham. Duas semanas mais tarde, Ian se matou

**********

6 – “Unknown Pleasures” é um dos discos mais pontuais da história do rock. Lançado em 1979, ainda é tendência e referência para novas bandas. E também virou estampa de camisa pop hoje em dia.

**********

7 – As sessions mais famosas do grupo de Manchester foram para o lendário John Peel, na BBC. O Joy Division se apresentou no programa duas vezes no ano de 1979, em 21 de janeiro e 26 de novembro daquele ano.

**********

8 – Trilha sonora da morte: quando se enforcou, Ian deixou em sua vitrola o disco “The Idiot”, de Iggy Pop.

**********

9 – Ian assistiu “Stroszek”, filme do cineasta alemão Werner Herzog, momentos antes de sua morte. O longa conta a história de um músico de rua alcoólatra tentando iniciar uma nova vida ao lado de uma prostituta que ele conhece logo após sair da prisão.

**********

10 – Para entender um pouco mais a amplitude de Ian e o Joy Division, um documentário com mais de 100 minutos de duração revisitando a história do grupo. Legendado em português.

* RIP Ian.

>>