Nevermind 30 Anos – Popcast, o podcast da Popload, lembra o dia em que uma banda normal lançou um disco normal. E depois…

>>

* Naquele 24 de setembro de 1991, num belo dia de lançamentos qualquer, saía o segundo álbum normal de uma banda normal. Um trio de Seattle chamado Nirvana lançava seu “Nevermind”, sucessor de um disco quase metal chamado “Bleach”, com algumas ideias punk e pop ali no meio, mas ainda assim um disco “masculino”, que ganhou alguns fãs em meio a uma galera que curtia som pesado e estava de ouvidos atentos a um levante indie que estava brotando em Seattle. Tudo numa era pré-internet, bom dizer.

Não rolava digitar “Seattle” ou “grunge” ou “Sub Pop”, o nome do selo em destaque, para fuçar online o que estava acontecendo ali, achar músicas em dois cliques, essas coisas.

Grosso modo e sendo bem simplista, em abril de 1991 o Nirvana então realizou um show em Seattle apenas para arrecadar alguns trocados para encher a van de gasolina e “descer” até Los Angeles, onde descolaram alguém para produzir e mixar o segundo álbum que eles tinham em fita. Para lançar dali cinco meses depois, como foi o que aconteceu. Cinco meses entre descolar grana para combustível e o lançamento do disco. Acabou que o Natal de Kurt, Grohl e Krist naquele mesmo ano já não seria mais o mesmo para sempre.

Essa história está mais ou menos contada no episódio desta semana do Popcast, o podcast da Popload, apresentado por Isadora Almeida e um tal de Lúcio Ribeiro, que insiste até hoje em dizer que o Nirvana é seu Beatles, sua banda predileta da vida, tem quadro na parede da sala, bonequinho de pano de Kurt Cobain, essas coisas. E nesse longevo 1991 estava no olho do furacão onde tudo aconteceu primeiro: a Inglaterra.

O Popcast já está no ar. Tem um caminho aqui embaixo.

>>