POPLOAD ENTREVISTA: Conversamos com Amaro Freitas, pianista pernambucano que trata delicadamente de um nada delicado Brasil

1 - cenatopo19

É um prazer escutar Amaro Freitas fazendo música. É um prazer escutar Amaro Freitas falando de música.

Sobre a primeira afirmação, basta dar play em “Sankofa”, novo álbum do músico recifense. Seu piano cuidadoso, sensível, elaborado, capta nossa atenção de imediato. Não à toa, metemos de cara uma das músicas do álbum no topo do nosso Top 50 da semana passada. “Sankofa” nos revelou um jazz brasileiro moderno, atento ao mundo, mas naquele movimento que gostamos de notar por aqui: é o Brasil informando o mundo, não o contrário.

Sobre a segunda afirmação, a gente imaginou que ele era bom de conversa quando o viu escrevendo sobre o álbum (“Trabalhei para tentar entender meus ancestrais, meu lugar, minha história, como homem negro. O Brasil não nos disse a verdade sobre o Brasil”) e confirmamos isso quando sentamos com ele para um papo na nossa live de YouTube, na Popload TV.

Nessa hora que passamos juntos, fomos de seu começo na música, onde uma complicada situação financeira quase colocou tudo a perder. Passamos pela fase onde ele se virava tocando seu piano em tudo que é banda e chegamos até seu encontro com o jazz e o inicio de um sólida construção autoral que atingiu seu melhor momento até aqui neste terceiro disco solo.

Também sobrou espaço para a gente tratar de um certo amor por Milton Nascimento, com quem foi parceiro em gravações recentes e de quem ganhou um elogio por ter “sensibilidade nas escolhas”.

Melhor do que escrever é deixar vocês com nossa conversa na íntegra:

>>