POPLOAD ENTREVISTA: JUNGLE. Falamos com Josh Lloyd-Watson sobre o disco novo, “Loving in Stereo”, que sai nesta sexta-feira

>>

Captura de Tela 2021-08-12 às 6.20.40 PM

* Em tempos difíceis, ouvir uma boa música pode ser uma cura para a alma.
E se essa cura vier num disco inteiro? Bom, é isso que vamos descobrir nesta sexta-feira, 13, quando “Loving in Stereo”, terceiro álbum de estúdio do duo inglês Jungle, estiver entre nós. Mas, pelos “spoilers” que já tivemos, os singles lançados, e pelas palavras de Josh Lloyd-Watson (o da esq. na foto acima) em entrevista à Popload, podemos esperar um disco cheio de “good vibes”.

“O terceiro álbum é algo difícil, algo diferente. Queríamos fazer de um jeito que fôssemos curtir ao tocar ao vivo, sabe? Fazer músicas atemporais, clássicas. Mas acho que finalmente chegamos onde queríamos chegar, e estamos muito felizes. Tem a energia, o funk, o soul…
Com os discos anteriores, por mais legais que eles sejam, eu sentia como se eles estivessem presos dentro de uma caixa em que você não consegue tirar todo o conteúdo. ‘Smile’ e ‘Casio’ foram ponteiros que nos levaram à direção certa e agora finalmente pudemos tirar essa cobra da caixa.”

A metáfora da cobra na caixa pode parecer meio confusa, mas o fato é que o Jungle se sentiu muito mais livre compondo desta vez, apesar dos dilemas do último ano: pandemia, os lockdowns, as restrições… E nisso tudo juntar uma banda de sete músicos para gravar.

jungle disco

O álbum foi gravado no Church Studios em Londres, conhecido local de gravação onde nomes bacanas da música já passaram por lá, como Adele, Radiohead e U2.

“Basicamente eu e o Tom [McFarland, a outra metade do Jungle] fizemos a maior parte das canções e depois fomos fazendo sessions com os vocais. É complicado, porque não existe uma fórmula para gravar. Às vezes você precisa fazer 25 versões de uma mesma música e em outras da certo logo de cara. Aí você pensa: ‘Vamos tentar isso’ ou ‘Precisamos mais daquilo’. Fazer música é como fazer arte, ter uma tela em branco, você sabe quando parece certo e te faz sentir bem.”

Sobre as possíveis inspirações também não há muito mistério. O hoje duo está sempre bem referenciado, mas neste caso o lance foi mais de “revisitar” aquilo já feito e soltar um pouco algumas amarras.

“Acho que a inspiração foi pensar inicialmente em nossa própria música e levar isso a outro patamar. Pensar ‘Gosto disso do primeiro disco, daquilo do segundo’. Se quisermos colocar um coral naquela música, ok vamos colocar um coral. Paramos de cair em algumas armadilhas criadas por nós mesmos. O importante é sentir-se livre no processo criativo.”

E, se vamos falar em criatividade, não podemos deixar de lado os vídeos, uma marca forte do Jungle. Sempre dançantes e muito bem coreografados, desta vez não foi diferente. Começamos com “Keep Moving” meses atrás, passando por “Talk about It”, “Romeo”, “Truth” e chegamos a “All of the Time”, lançado nesta semana. Esses são apenas cinco dos 14 vídeos filmados para o “Loving In Stereo”. Sim, a banda preparou um para cada faixa.

“Eu sempre curti muito essa vibe de briga de gangues, algo meio no estilo ‘Grease’, que tem diferentes tipos de personagens”, diz Josh sobre o vídeo de “Keep Moving” ser inspirado em “West Side Story”, peça que seria uma versão mais “moderna” de “Romeu e Julieta”.

“Nós nunca fomos o tipo que curte muito ficar aparecendo ou que quer ser superestrelas. Não ligamos para essas merdas. Nós nos importamos mais em bolar coisas legais e mostrar isso para as pessoas. Quisemos fazer um vídeo para cada faixa do disco, então filmamos 14 videoclipes ao longo de uma semana, fazendo uns três por dia. ‘Keep Moving’ foi realizado basicamente em uma hora e meia, duas no máximo.”

O vídeo é feito sem cortes. Então digamos que a coreografia também é de câmeras.

“É engraçado que as pessoas pensam: ‘Nossa, mas como vocês fizeram em tão pouco tempo?’. A verdade é que se fizéssemos um vídeo com cortes seria muito mais trabalhoso para editá-lo. Neste caso você filma umas 20 vezes aqueles cinco minutos de música, e, sim, toda vez você fica mordendo as unhas de nervoso torcendo para que saia tudo certo. E, para ser sincero, no começo não achamos que fosse possível fazer tudo isso em uma semana.”

Para você que sempre ficou morrendo de vontade de dançar pelo menos um pouquinho como os dançarinos do Jungle, eis aqui a oportunidade. Os coreógrafos Nathaniel Williams e Cece Nama, responsáveis pelas danças todas que você viu e ainda vai ver de “Loving in Stereo”, fizeram um tutorial disponível no canal da banda no YouTube. Arrasta os móveis e solta o quadril:

O duo inglês já tem shows marcados para este ano e o próximo. Amanhã, sexta, dia do lançamento de “Loving in Stereo”, vai rolar uma livestream com a banda tocando ao vivo as novas músicas. Para mais infos, veja aqui.

Alguém falou “álbum do ano”?

*****

* A entrevista com Josh Lloyd-Watson, do Jungle, foi conduzida por Daniela Swidrak, em um Zoom que ligou São Paulo a Londres.

WhatsApp Image 2021-08-12 at 18.34.22

>>