St. Vincent: sobre o disco de causar terremoto e uma certa cover dos Beatles

>>

* Sem lançar nada desde 2017, com “Masseduction”, não podemos dizer exatamente que St. Vincent esteve sumida. De lá para cá, a estilosíssima Annie Clark trabalhou bem o álbum fazendo versões, vídeos e remixes em cima dele. Inclusive neste ano, em outubro, também a vimos apresentar seu próprio Masterclass, sobre escrita criativa e composição.

Mas, em entrevista à revista “Mojo” nesta semana, Clark deu detalhes sobre seu próximo disco de inéditas, pensado para sair em meados do próximo ano e que deve ser como “uma placa tectônica”, seja lá o que ela quis dizer com isso exatamente. Mas já gostamos.

Inspirada em artistas como Stevie Wonder e outros da década de 70, ela também descreveu o álbum como “A paleta de cores do mundo de Taxi Driver” e “Gena Rowlands em um filme do [John] Cassavetes”, acrescentando: “Eu só queria capturar as cores, a essência do filme, e contar essas histórias de estar por baixo e por fora, sem sorte”.

Enquanto esse disco novo de “terremotos e maremotos” não chega, St. Vincent vai nos entretendo, por exemplo, com uma cover chic de Beatles. Ela tocou e cantou “Martha My Dear”, gravada especialmente para a “Ally Coalition’s 7th Annual Talent Show”, evento da entidade Ally Coalition, que luta pelas causas LGBTQ.

No caso desse evento, que foi transmitido online ontem pelo canal do famoso músico bamba Jack Antonoff no Twitch e teve ainda Lana Del Rey, Hayley Williams e a banda Sleater-Kinney, ele serviu para levantar algum dinheiro para ajudar a galera jovem LGBTQ sem uma casa para morar nos EUA.

Annie, my dear, manda aí esta cover de Beatles para nós.

>>