Em akeem:

Top 50 da CENA – O ranking deixa Gustavo Bertoni e Giovanna Moraes entrarem em primeiro. Um raro e saudoso Jupiter Apple pega o segundo posto. E Yung Buda, em terceiro, deixa tudo mais esquisito

1 - cenatopo19

* E vamos de mais um capítulo da nossa CENA, traduzida numa “parada de sucessos” instantânea. Com um primeiro lugar que parece quase nascido a partir deste Top 50, com a união de dois personagens que já frequentaram este espaço em outras ocasiões. Uma união recente que já nasce com cara de que sempre existiu – algo especial mesmo. Nas outras vagas, novidades do rap nacional, do indie-pop gaúcho e um resgate valioso do acervo de Júpiter Apple, entre outras novidades.

gioguquadradax

1 – Gustavo Bertoni e Giovanna Moraes – “Como Queria Te Deixar Entrar” (Estreia)
Acho que o Gustavo é leitor da Popload, hein? Parceria com a YMA, com o Apeles e agora com a Giovanna. Notamos um padrão com “prediletos da casa”. Mas, brincadeiras à parte, deu muito certo a união dele com a fora-da-curva Giovanna Moraes. Amigos pelas redes sociais inicialmente, aqui eles parecem parceiros das antigas, tal a conexão nas vozes e na letra – que é dela, mas soa muito verdadeira na voz do Gustavo. A música ainda ganha pontos pelos diferentes climas que consegue criar, chegando até a ficar bem abstrata antes de voltar ao “normal” – como um nó que se desfaz para ser refeito.

2 – Jupiter Apple – “Cerebral Sex (The Apple Sound)” (Estreia)
Astronauta Pinguim, Clegue França, Laura Wrona e Júpiter Apple formaram a The Apple Sound, a banda paulistana de Jupiter. Talvez você nunca tenha ouvido falar, porque esse quarteto durou apenas três shows em 2009. “Cerebral Sex”, único registro deles em estúdio, foi revelada pelo diretor de vídeos André Peniche, amigo do músico gaúcho, que já tinha ajudado na descoberta do disco solo perdido dele.

3 – Yung Buda – “Digimon” (Estreia)
Interessante a experimentação do Yung Buda, rapper de Jundiaí, aqui em um som superclimático, com levada de corda e de letra quase enigmática e repetitiva, um formato ousado e raro. Só que a repetição deixa tudo com cara de um som que não parece ter fim e que a gente fica desejando que não acabe mesmo.

4 – AkEEM MUSIC – “Eu Já Amei Uma Ginasta” (Estreia)
E, se eu te falar que você, ao ouvir esta música, vai ficar com o verso “Eu já amei uma ginasta” na cabeça. Parece algo improvável, certo? Mas o músico gaúcho consegue esse feito, ainda que provavelmente você nunca tenha se apaixonado por um ginasta. E o verso inusitado soa lógico neste indie-pop grudento produzido por Akeem.

5 – FEBEM – “Crime” (1)
Quantos jovens estariam encarcerados no Brasil se lidássemos com a questão das drogas de uma maneira mais inteligente que o combate violento que extermina parte da nossa juventude, especialmente periférica e negra? Quando FEBEM comenta “Dizem que cometemos crime” ele pensa essa perspectiva ao sentir que sua existência é criminalizada – por isso que ele começa o refrão com os versos “Uns finge, outros vive o crime”. Como responder a uma violência dessas desde o berço? “Na vida algumas coisa é como um Golf GTI/ Não cura minha dor, mas mesmo assim vou adquirir.”

6 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (2)
Cara, o que acontece no Rio de Janeiro que a CENA local não para de dar bons frutos, hein? E o mais doido é que é tudo um som meio estranho que lembra muito coisas paulistanas. Um Rio mais da cidade do que da praia. Um Rio mais cinza. Mais de falar do que (se) mostrar. Nessas entra o som desse trio tijucano que consegue aliar uma longa narrativa de solidão com um dos refrões mais melancólicos e bonitos do ano.

7 – Boogarins – “Supernova” (3)
No disco de sobras e sonhos do Boogarins, eis uma música que poderia estar fácil em um dos álbuns oficiais dos meninos goianos. Talvez caiba numa lista de melhores deles? É muito? “Supernova” é bonitaça demais, por onde se olhe. Na letra, na dinâmica que vai se alterando sutilmente pelos versos, na voz suave do Dinho. E na mensagem da música: “Se tudo está pronto, que resta eu inventar? O novo é qualquer lugar”.

8 – Moons – “Love Hurts” (4)
Mal lançaram um bom EP, os mineiros do Moons resolveram soltar um single que é dos melhores trabalhos da banda. A gente imagina aqui um Jeff Buckley pirando nesse som superclimático que vai crescendo, ali numa das montanhas próximas a Belo Horizonte, onde nem um café quentinho vai aplacar essa ferida de amor.

9 – BaianaSystem – “Brasiliana” (Estreia)
Quando achamos que o BaianaSystem já tinha apresentado todas as músicas de seu novo álbum, eles revelam que a versão completa de “OXEAXEEXU”, que reúne os três atos lançados em diferentes EPs, tem uma faixa extra, um som com participação de Chico Cesár e Mintcho Garrammone, dono do instrumental de outro hit da banda, “Lucro (Descomprimindo)”. Nos versos espertos desta aqui destacada, recados como: “Vai, Brasiliano, você nunca foi norte-americano”.

10 – Bárbara Eugênia – “Hold Me Now” (Estreia)
Em uma persona diferente, no caso Djane Fonda, uma DJ, Bárbara se arrisca em uma produção eletrônica de clima quase de “Twin Peaks” – soturno e dançante. E, em breve, esse alterego da niteroiense deve lançar mais músicas. Fiquemos atentos.

11 – NoPorn – “Festa No Meu Quarto” (5)
12 – Jair Naves – “Vai” (6)
13 – FEBEM – “México” (7)
14 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (8)
15 – Carmem Red Light – “Faith No More” (9)
16 – Jadsa – “Olho de Vidro” (10)
17 – Giovanna Moraes – “Boogarins’ Are You Crazy?” (11)
18 – Lupe de Lupe – “Resplendor” (12)
19 – Yannick Hara – “Raça Humana” (13)
20 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (14)
21 – Uana – “Mapa Astral” (15)
22 – Mayí – “Sedenta” (16)
23 – BaianaSystem – “Reza Frevo” (17)
24 – Hierofante Púrpura – “Tbm Sou Hipster” (18)
25 – Jadsa – “Sem Edição” (19)
26 – Thiago Elniño – “Dia De Saída” (20)
27 – Luna Vitrolira – “Aquenda” (21)
28 – FBC – “Gameleira” (22)
29 – Rico Dalasam – “Última Vez” (23)
30 – YMA – “White Peacock” (24)
31 – Frank Jorge e Kassin – “Tô Negativado” (25)
32 – Mbé – “Aos Meus” (26)
33 – Giovanna Moraes – “Tudo Bem?” (27)
34 – Rico Dalasam – “Estrangeiro” (28)
35 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (29)
36 – Jadsa – “Lian” (30)
37 – Djonga – “Eu” (31)
38 – Lupe de Lupe – “Cabo Frio” (32)
39 – LEALL – “Pedro Bala” (33)
40 – Barro e Luísa e os Alquimistas – “De Novo” (34)
41 – Filipe Ret – “F* F* M*” (35)
42 – Jadsa – “Raio de Sol” (36)
43 – BNegão – “Salve 2 (Ribuliço Riddim)” (37)
44 – Vanessa Krongold – “Dois e Dois” (38)
45 – Ale Sater – “Peu” (39)
46 – Jupiter Apple – “AJ1” (40)
47 – Apeles – “Eu Tenho Medo do Silêncio” (41)
48 – Rohmanelli – “Viúvo” (43)
49 – Ale Sater – “Nós” (49)
50 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o duo ocasional Gustavo Bertoni e Giovanna Moraes.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – A volta do gaúcho AKEEM ao indie-pop. E seu amor por uma ginasta, no novo single-vídeo

1 - cenatopo19

* Andávamos com saudade do descolado e bem conectado músico indie-pop gaúcho Akeem, que costumava aparecer bastante aqui na Popload uns bons anos atrás. Pois prepare-se. Akeem voltou. E contando uma história antiga de amor por uma ginasta. E com planos de disco novo. E com um nome-entidade complementar ao seu: AKEEM Music.

Então, “Eu Já Amei Uma Ginasta” é o single que o AKEEM Music está lançando hoje, com vídeo tão bizarro quanto bem típico da cabeça produtiva do AKEEM. A música vai estar no futuro álbum dele, “Easy Canciones”, que vai sair em… 2022. E com músicas em português, uma mudança notável.

akeem1

“Eu Já Amei Uma Ginasta” tem sua história real: “Com uns 11 anos de idade, eu jogava basquete, e treinávamos quase que diariamente no clube. Na frente da nossa quadra ficava o ginásio de treinamento, e muitas vezes passávamos um tempo assistindo as meninas da ginástica treinando (e vice-versa). Começamos a virar amigos delas, a acompanhar alguns campeonatos, torcer e ir em festinhas juntos. Elas sempre nos apoiaram também nos jogos e isso servia como um incentivo pra sempre jogar melhor. Me apaixonei obviamente por aquela menina impossível e sempre tava ali na arquibancada olhando ela treinar”.

A música é um grudinho. Com um minuto, parece que sua melodia e a frase “eu já amei uma ginasta” vai perseguir seus ouvidos para sempre. Essa é a mágica de AKEEM, exemplar típico do rock gaúcho das grandes fases, com bom humor e bom timbres na medida, das que têm jeitão de tocar no rádio.

“Eu Já Amei Uma Ginasta” tem produção de outro grande nome do som de Porto Alegre, o sempre esperto meníno prodígio Erick Endres, multi-instrumentista e com tanto tempo de estrada já que calculo hoje em dia ter uns 20 anos de idade. A masterização é de um dos ícones do indie americano dos anos 2010, o malucaço Darwin Deez. Tudo em casa. Completa o time participativo o tecladista e baterista (na música de AKEEM) Pedro Petracco, ex-Cartolas, também produtor e bastante rodado na interação com boa parte da música gaúcha de uns anos para cá.

Confira o vídeo singelo de “Eu Já Amei Uma Ginasta”. E tente tirar a música de AKEEM da cabeça por um segundo nesta loooonga sexta-feira.

***

* As fotos de AKEEM para este post são de Henrique Odi.

>>

CENA – Woodstock dos Pampas, Morrostock Festival convoca de Mutantes a Boogarins para propagar o indie paz-e-amor

>>

popload_cena_pq

morropalco

A Popload já carimbou seu passaporte indie em um número grande de cidades pelo Brasil em 2017 e neste final de semana desembarca no sul do país para conhecer um dos festivais mais pitorescos do circuito independente nacional: o Morrostock, que vai de hoje a domingo “perto” de Santa Maria-RS.

Nascido no interior do Rio Grande do Sul, mais precisamente na cidade de Sapiranga, o Morro (como é carinhosamente chamado pelos conhecidos de longa data), traz uma mistura de características que o faz um dos principais festivais rurais do Brasil. Bandas de todos os lugares do país e até de fora dele. Gente para todo lado e de todos os lados aproveitando as belezas naturais disponíveis no lugar (do banho de rio, cachoeira até a sombra das árvores, com todo mundo pintado na cara com “motivos indígenas”). Um line-up que mistura grandes nomes com novas apostas da cena indie.

Toda essa movimentação fora do centro do estado não é história que começou faz pouco. Ela já existe há um bom tempo ao comando da figura local Paulo Zé e a parceira de produção Marquise 51. De hoje a domingo o festival, que tem 11 anos de realização, traz uma escalação de bandas que começa com os medalhões Mutantes e vai até Francisco, el Hombre, Boogarins, Dingo Bells e a atração do último Popload Festival, o Ventre.

Essa mistura de nostalgia com novos ares ainda traz uma porção de bandas da inquieta cena gaúcha atual, junta de gringos e apostas de outros estados, como é o caso da americana Colleen Green, direto de LA, My Magical Glowing Lens, do Espírito Santo, e os locais Alpargatos, Akeem, Musa Híbrida, Cuscobayo e outros mais que povoam os dois palcos distribuídos pelo Balneário Ouro Verde.

morrostock2016-2

Como nem só de música vive a cena, junto à programação musical o festival ainda promete uma série de oficinas que vão de aulas de Yoga até práticas ecológicas. Quem se interessar pela experiência completa que o Morrostock oferece pode garantir seu ingresso no site oficial do evento e preparar sua barraca, já que a tradição entre os participantes é acampar no próprio festival e aproveitar 100% do contato que o festival pode oferecer com a natureza.

A festa começa hoje a partir das 21 horas e promete se estender durante todo o final de semana, com seu último show programado para perto das 18 horas do domingo.

** A convite da Marquise 51, o Popload acompanha a escalação completa do festival e te conta por aqui tudo sobre o o final de semana mais agitado do ano no Rio Grande do Sul.

*** Line up completo e venda de ingressos no site oficia do evento. Tem o pôster aqui embaixo, anyway.

morro

**** As fotos p&b que ilustram esta página + a chamada da home da Popload são de Tuany Areze.

>>

CENA – Com mãozinha de Darwin Deez e o (pi)taco de Mark Foster, Akeem reconecta a cena gaúcha ao indie lo-fi com seu primeiro disco

>>

popload_cena_pq

2 - Akeem Music - Gabriel Granja (1)

* Alá o indie gaúcho atacando de novo. Figura conhecida da cena local porto-alegrense, o músico Akeem lança hoje, com exclusividade pelo Popload, seu primeiro disco, “The Real Meaning of Revolution, Only Astronomers Know”, usando a alcunha Akeem Music, que engloba sua banda. Com master do ídolo das antigas, Darwin Deez, o álbum ainda conta com a participação do guitarrista fera Erick Endres e de integrantes da Bidê ou Balde, Cartolas e Wannabe Jalva.

Akeem ficou conhecido algo recentemente com o lançamento dos singles “Could You Please?” e “Cyber Love”, que, além de marcarem o início do projeto solo do músico, ainda serviram para anunciar uma turnê com oito shows pela Califórnia. Após se aventurar fora do país e dar rolê com Mark Foster na balada (lembra do Foster The People?) ele apresenta o retorno do bom e velho indie aos lançamentos independentes brasileiros.

3 - 18401875_1682449975397618_5503020860083811062_o

Akeem, à esq., com um People (do Foster, ao centro), em sinuca na Califórnia

Com “The Real Meaning of Revolution, Only Astronomers Know”, Akeem chama um dos principais representantes da velha escola, o norteamericano Darwin Deez, para conectar as referências nostálgicas do indie com referências mais atuais, como Whitney, Unknown Mortal Orchestra e Mac Demarco. Fugindo da moda psicodélica e indo para um lado mais lo-fi dançante, daquele jeito indie pista que já se ouviu bastante por todo Brasil.

O disco aponta para uma boa estreia do gaúcho Akeem que, em anos de atividade com as suas bandas Tabascos e The First Limbo, foi uma figura importante para as noites indie de Porto Alegre e que, agora, em 2017, dá um novo passo em sua carreira. Esse passo coloca o músico à frente de um movimento que aos poucos ressurge na capital e que, há muito tempo, estava esperando por um representante de qualidade.

Meio indie das antigas, mas fã dos novos sons, ele aparece para levar o novo som independente do RS para fora do estado (do país já foi, haha). Seus disco completo, esse bem interessante “The Real Meaning of Revolution, Only Astronomers Know”, pode ser ouvido logo abaixo:

* “Could You Please”, deste álbum de estreia de Akeem, já toca bem na Popload Radio, que pode ser ouvida por apps de iPhone, de Android ou aqui.

>>