Em apeles:

CENA – Gustavo Bertoni vê luz dentro dele em música nova. E, fora, uma nova pele. Ouça “Old Ghosts, New Skin”

1 - cenatopo19

* Em produção non-stop do seu lado B, o cantor e instrumentista Gustavo Bertoni revelou hoje mais uma música nova, o single “Old Ghosts, New Skin”, com vídeo e o anúncio de que a canção faz parte do novo EP de Bertoni, “A More Translucent Haze”, a ser lançado em julho. Em 2020, ele sobrepôs sua trajetória musical no grupo Scalene com o caprichado “The Fine Line Between Loneliness and Solitude”, seu terceiro solo, lançado em agosto.

A costura com a CENA, desta vez, se dá não em dueto. Depois de em 2021 vir com um single com parceria com o Apeles e outro mais recente com a cantora Giovanna Moraes, Bertoni conta de novo com a colaboração do Eduardo Apeles Praça, mas desta vez na produção da canção (e num tecladinho aqui e num synthezinho ali).

A introspectiva “Old Ghosts, New Skin”, segundo Gustavo, traz novos timbres e perspectivas na evolução de sua carreira solitária. “Os sentimentos mudam, os erros acabam por movimentar nossa vida para a frente. A faixa, assim como o EP, ecoa essa ideia, traz um lado mais energético que traduz essas descobertas subjetivas também para a construção sonora”, explicou.

Diferentemente da delicadeza na melodia, que faz do single outra de suas músicas para se ouvir no escuro, “Old Ghosts, New Skin” aponta para um tempo de retomada, mais alegre um pouco, pós-pandemia. O trecho “When this whole thing ends; call up your best friend; tell him how you’ve been; schedule your next trip; make sure you go far; don’t swallow your regret” verte esse sentimento ao inglês, seu idioma solo.

“Viver em isolamento social não tem sido fácil. Sinto falta de muita coisa, de muitas pessoas. Direcionei isso para as criações, compus muito. Depois compartilhei demos com o Apeles, que trouxe umas ideias também. Ele contribuiu bastante no processo como um todo, antes e durante o estúdio”, falou, incluindo o parceiro Apeles na conversa produtiva.

“Estamos todos presos dentro de nós mesmos, para além (e antes) da pandemia. A gente se limita e se confina de certa forma. E esta música me deu uma esperança, sabe? Me bateu uma vontade de viver a vida mais livremente depois que isso tudo passar, sinto que lancei um olhar mais otimista para o futuro”, completa, meio que dando pinta de qual é essa “nova pele” que está no título da canção.

Eis, então, a música e o vídeo de “Old Ghosts, New Skin”.

>>

Top 50 da CENA – Rapper carioca Leall manda a reall. Apeles chega mais. Lupe de Lupe quer encrenca. Rincon Sapiência também, de certo modo. Pah!

1 - cenatopo19

* Numa queda produtiva, semana passada pensamos alto sobre as dificuldades da CENA brasileira em seguir lançando músicas e discos em tempos tão impróprios. Mas também ressaltamos que nossa CENA está das mais fortes e tem sabido caminhar na adversidade. Não deu outra. Semana de boas e poderosas canções. Tem um dos raps mais pesados do ano, tem experimentação sobre a função do artista, tem hip hop marqueteiro e apareceu até uma “diss track” indie. Cada ponto está mais explicado nos textinhos. Vamos a eles e a nossa já tradicional playlist, que dá a real dimensão de tudo.

leallquadrado

1 – LEALL – “Pedro Bala” (Estreia)
“Escupido a Machado” é o nome do primeiro álbum do rapper carioca LEALL, uma referência a uma fala do Mano Brown sobre sua história de vida, onde os ensinamentos constroem, mas os erros custam caro. “Pedro Bala”, segundo som do disco, é um pouco sobre isso, mas também sobre o cerco que se apresenta na vida dos jovens negros do Brasil. Um cerco material, mas também do imaginário – aspecto perverso do racismo estrutural brasileiro que consegue culpar suas vítimas na ida e na volta. Embora a referência do título seja do personagem criado por Jorge Amado em “Capitães de Areia”, a gente relembrou aqui do “Pedro Pedreiro” de Chico Buarque, outro personagem da música brasileira que sofre com as questões do imaginário.

2 – Jadsa – “Raio de Sol” (2)
O congraçamento da CENA brasileira em seu momento fértil dos últimos anos se dá à perfeição em “Raio de Sol”, o novo single da guitarrista baiana Jadsa com participações de Ana Frango Elétrico e Kiko Dinucci. Segunda música a ser apresentada de “Olho de Vidro”, o álbum a ser lançado, “Raio de Sol” é tão boa quanto o single anterior, a “A Ginga do Nego”, que você encontra mais abaixo, na sexta posição. E mais cheia de significados. A canção une a musicalidade da Bahia (Jadsa), Rio (Frango) e São Paulo (Kiko). Tem o samba, a MPB de vanguarda, o rock, psicodelia, “lá-lá-lás”, pausa, mudança de andamento. Vem disco do ano – sim, a gente trabalha nesse pique. Amanhã tem outra música dela a ser lançada. Curioso para saber nosso comportamento diante dela no Top 50 da semana que vem.

3 – Apeles – “Eu Tenho Medo do Silêncio” (Estreia)
Indie alta-cultura da CENA paulistana, o caprichoso Apeles vai se virando para se manter ocupado e criativo em tempos pandêmicos. Este single, que não vai fazer parte de nenhum álbum, nem do próximo EP dele, é resultado de um trabalho de reconstrução constante por arranjos diferentes em busca de experimentações. Vale reparar nos versos que ele colocou para tocarem ao contrário dentro da música: “Uma alusão ao sentimento de que precisamos ressignificar na raiz qual a função, hoje em dia, da arte na sociedade”, diz ele. Trabalho caprichado este – tanto que tentamos desvendar o tal verso e não conseguimos. Que truque será que ele usou?

4 – Lupe de Lupe – “Goiânia” (Estreia)
Evento um tanto quanto raro na CENA indie brasileira, o Lupe de Lupe tem aqui uma “diss track”, prática famosa dentro do hip hop americano principalmente, daquelas faixas de um artista construídas para falar mal de outro, falar mal da cena, falar mal de uma pessoa. No caso uma banda mineira espinafrando, veladamente ou não, uma das cenas independentes mais movimentadas do Brasil, a da capital de Goiás. A letra é pesada e versa dentro da cultura do cancelamento irrestrito ou da questão da “passada de pano”. Seja dando nomes aos bois ou não entregando o que se sabe ou acredita saber. Cita os sertanejos locais e o grande festival Bananada. A música em si é boa. Começa indie tipo Cake, com um fundo repetitivo de guitarra para servir de cama ao discurso da letra “dedo-na-cara”, e perto do fim, em clímax, crescendo, vira um hardcore de tom mais denunciador desta perspectiva MG vs. GO clara/não clara.

5 – Rohmanelli – “Viúvo” (Estreia)
Em denso toque eletrônico, até na voz, Rohmanelli vai fundo em uma questão complexa aqui sobre um relacionamento dos mais complicados: o nosso conosco mesmo. Quais amarras descartar? Como ser fiel a si mesmo? Treta pessoal musicada.

6 – Boogarins -“Far and Safe” (Estreia)
“Far and Safe” é a versão com letra em inglês de “Te Quero Longe”, som do álbum “Sombrou Dúvida” (2019), cantada pela Erika Wennerstrom, mais conhecida no underground americano como dona da banda Heartless Bastards, de Ohio. A readequação da letra é de autoria de John Schmersal (do Brainiac, integrante da última fase do Caribou). Se a gente entendeu certo, a gravação do instrumental é a mesma da versão original, mas comparando as duas parece que a nova está mais calibrada sonoramente. Não sabemos com certeza, mas deu essa impressão. O legal é que as duas são boas, seja em Goiânia, seja em Austin.

7 – Rincon Sapiência – “Som do Palmeiras” (Estreia)
A homenagem que o Rincon Sapiência escreveu para o tetracampeonato do Palmeiras na Copa do Brasil é uma propaganda de marca de roupa esportiva, nem devia estar aqui, mas tem o talento puro do hip hop nacional ali, se você perceber bem. Fora que mexeu bastante com um dos autores deste top 50. Então concordamos que a música merecia uma menção aqui, para além de clubismos. A sampleada do hino é classe, a cadência é boa, a letra empolga qualquer um, se você não ver só cores. Futebol evoca espírito esportivo e o momento é do Palmeiras, que tem o luxo de contar com o talento do Rincon para celebrar a fase. Os muitos músicos de outros times _e os outros times em si_ que lutem.

8 – Monna Brutal – “Neurose” (1)
Pega a vibe da rapper Monna Brutal já na chegada de “Neurose”, faixa do recém-lançado álbum “2.0.2.1.”: “Hoje eu acordei na neurose, quero botar fogo em tudo/ Estapear o presidente, dar um tiro em algum puto/ Derrubar umas estátuas, queimar instituições/ Saquear alguns comércios, dar prejuízo a patrões”. Esse é o clima da música. Partir para cima. Ação. Movimento. E tudo fica ainda melhor quando o som chega a um discurso editado da ex-presidenta Dilma que parece uma convocação à rebeldia – na real, a fala era contra os protestos violentos, mas o trecho recortado que viralizou.

9 – Luna França – “Terapia” (3)
O lindo segundo single da cantora entre muitas-outras-coisas Luna França aterrissa de bico nesta onda forte da música nova, aqui e lá, que é o indie-mental health, do qual temos falado bastante na Popload. Na canção, ela descreve um sentimento feio, em suas palavras, ou seja, faz terapia em tempo real mesmo. “Escrevi essa letra como se estivesse escrevendo um diário e refletindo sobre essa sensação de posse que é real e até bem comum. A gente não quer ver a pessoa triste, mas também não quer ver mais feliz que a gente.” Forte. Como é a canção em si.

10 – Yannick Hara – “Antidepressivos” (4)
Ainda no campo da mental health, Yannick Hara aborda por aqui outro aspecto da questão: o abuso de remédios como uma forma de afastar toda e qualquer dor (inclusive a da alma), uma forma de camuflar alguns problemas. O clima do som pega um tanto de The Cure nos momentos mais sombrios, uma vibe ointentista, céu nublado e um frio lá fora. E um frio mais doído lá dentro.

11 – Ale Sater – “Nós” (5)
12 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (6)
13 – Sessa – “Grandeza” (7)
14 – Artur Ribeiro – “Fragmentação” (8)
15 – A Espetacular Charanga do França – “Cadê Rennan?” (9)
16 – Garotas Suecas – “Tudo Bem” (10)
17 – Winter – “Violet Blue” (11)
18 – Pluma – “Mais do Que Eu Sei Falar” (12)
19 – Tagore – “Tatu” (13)
20 – Kill Moves – “Perfect Pitch” (14)
21 – DJ Grace Kelly – “PPK” (15)
22 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (16)
23 – Jovem Dionísio – “Copacabana” (17)
24 – Píncaro – “Leito de Migalhas” (18)
25 – Atalhos – “A Tentação do Fracasso” (19)
26 – Edgar – “Prêmio Nobel” (20)
27 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (21)
28 – BK – “Mudando o Jogo” (22)
29 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (23)
30 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (24)
31 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (25)
32 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (26)
33 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (27)
34 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (28)
35 – Kamau – “Nada… De novo” (29)
36 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (30)
37 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (31)
38 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (32)
39 – MC Carol – “Levanta Mina” (33)
40 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (34)
41 – Criolo – “Fellini” (35)
42 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (36)
43 – Wry – “Absoluta Incerteza” (37)
44 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (38)
45 – YMA – “White Peacock” (39)
46 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (40)
47 – Luedji Luna – “Chororô” (41)
48 – Black Alien – “Chuck Berry” (42)
49 – Vovô Bebê – “Bolha” (43)
50 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (44)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a rapper carioca Leall.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Apeles transforma seu medo do silêncio em colagens musicais. E tempera com um vídeo de dança solitária

1 - cenatopo19

* Indie alta-cultura da CENA paulistana, o caprichoso Apeles vai se virando para se manter ocupado e criativo em tempos pandêmicos. Como muitos, obviamente. Alguns mais, outros menos. E, no caso do projeto do Eduardo Praça, ex-Quarto Negro e ex-Ludovic, a busca é por variadas formas de expressão, por experimentar. Tipo este belo single solitário “Eu Tenho Medo do Silêncio”, que ele lança hoje, com vídeo.

Depois de botar música em trilha de filme (novembro) e experimentar parceria com outro cuidadoso artífice da música independente (hoje) de SP (janeiro), o Apeles discute em música, e por meio de colagens sonoras, a descartabilidade da arte.

Apeles_SingleMarco_FOTOJoséTm_foto3

“Eu Tenho Medo do Silêncio” foi feita e refeita algumas vezes, como num autodesafio, até ganhar a forma que tem agora. “Inicialmente, a música tinha uma base inicial, cheguei a finalizá-la algumas vezes, mas algo não me soava ideal e eu precisava do desafio”, revela Apeles sobre o processo criativo da canção. “Passei a reconstruí-la com arranjos diferentes, estava muito ligado à música experimental, colagens sonoras, samples e exploração de timbres.”

E o que os lockdowns ou a falta de um apropriado tem influenciado em sua criação musical hoje em dia?

“Desde o Quarto Negro já estou habituado à esse processo solitário, que é difícil, mas muitas vezes necessário para que eu possa imprimir algumas experimentações”, diz Praça. “Penso muito na privação de sonhos que habita boa parte da classe artística atual. Na luta para se manter relevante sob um consumo de arte por vezes apressado e descartável. Na parte B da faixa há um verso em reverse, uma alusão ao sentimento de que precisamos ressignificar na raiz qual a função, hoje em dia, da arte na sociedade.”

“Eu Tenho Medo do Silêncio” é uma “one night stand” musical, segundo Edu Apeles. Não é de disco anterior, não vai fazer parte do próximo EP que ele está produzindo.

A faixa, retrato de um momento único, ganhou um vídeo, dirigido pelo duo Cinza, co-responsáveis pelas ótimas filmagens do último festival pernambucano Rec-Beat, na etapa paulistana.

***

* As fotos do Apeles deste post e da home da Popload são de José Tm.

>>

Top 50 da CENA: O indie-mental health alcança solo brasileiro e vem pesado ao nosso ranking. Primeiro lugar: “Terapia”. Segundo: “Antidepressivos”

1 - cenatopo19

* A CENA brasileira parece conectada a uma tendência que já observamos lá fora: a indie-mental health. Se quiser ler mais sobre esse movimento (já consideramos um) vale dar uma lida neste post que publicamos na Semiload, umas semanas atrás. As duas primeiras posições da nossa parada desta semana abordam o assunto de modo explícito já no título. E talvez, até o Ale Sater, em seu olhar ao seu interior, possa ser colocado nessa turma. Sinais dos nossos tempos. Estamos trancafiados, as coisas não estão simples lá fora. Cantar sobre isso, que já vinha ganhando força nos últimos anos, aflorou na pandemia e hoje em dia é uma forma de terapia coletiva. A gente acredita que isso possa ser bom, já que só uma maior interação e comunicação sobre esses papos pode ajudar todos nós a lidarmos com isso. Música sempre é uma terapia. Que aborde isso, então. E vai dar tudo certo no fim.

lunaquadrada

1 – Luna França – “Terapia”(Estreia)
O lindo segundo single da cantora entre muitas-outras-coisas Luna França aterrissa de bico nesta onda forte da música nova, aqui e lá, que é o indie-mental health, do qual temos falado bastante na Popload. Na canção, ela descreve um sentimento feio, em suas palavras, ou seja, faz terapia em tempo real mesmo. “Escrevi essa letra como se estivesse escrevendo um diário e refletindo sobre essa sensação de posse que é real e até bem comum. A gente não quer ver a pessoa triste, mas também não quer ver mais feliz que a gente.” Forte. Como é a canção em si.

2 – Yannick Hara -“Antidepressivos”(Estreia)
Ainda no campo da mental health, Yannick Hara aborda por aqui outro aspecto da questão: o abuso de remédios como uma forma de afastar toda e qualquer dor (inclusive a da alma), uma forma de camuflar alguns problemas. O clima do som pega um tanto de The Cure nos momentos mais sombrios, uma vibe ointentista, céu nublado e um frio lá fora. E um frio mais doído lá dentro.

3 – Ale Sater – “Nós” (Estreia)
“Nós”, com seus dedilhados grandiosos de violão acústico, afastam Ale Sater do clima urbano do som do Terno Rei e o leva, sozinho, para o interior. Talvez o seu próprio interior, onde ele tenha que lidar com fantasmas em tom nostálgico, algo longe do romantismo urgente que embalou “Violeta, o mais recente e bem-sucedido álbum do Terno Rei, de 2019.

4 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (1)
Há um quê de divino e de mântrico no primeiro single da guitarrista e cantora baiana Jadsa, “A Ginga do Nêgo”, que perdurou duas semanas no primeiro lugar deste ranking da CENA. Acredite quando ler que a música serve para “abrir caminhos” para o primeiro álbum da artista, “Olho de Vidro”, que sai no dia 26 de março. “A Ginga do Nêgo” é atravessada por uma guitarra cortante, evoca Exu, orixá da encruzilhada, o mensageiro da comunicação entre os vivos e as divindades, tem um baixo potente de Caio Terra e certamente deixaria orgulhoso Itamar Assumpção. Que musica gigante, embora com menos de dois minutos de duração.

5 – A Espetacular Charanga do França – “Cadê Rennan?” (2)
Sem poder ir para a rua, A Espetacular Charanga do França aproveitou para soltar um disquinho novo onde tentaram sem sucesso escapar de um som carnavalesco. Esse “fracasso” está no nome do disco, “Nunca Não É Carnaval”. Acabou que o título ganhou significado duplo por conta da pandemia que persiste. Das boas músicas, vale muito esta homenagem a Rennan da Penha que se refere bastante ao funk de BH.

6 – Winter – “Violet Blue” (3)
Se no Top 10 Gringo demos destaque ao Jevon, um inglês que é quase brasileiro, vamos dar atenção aqui para a Winter, projeto de Samira Winter, curitibana que vive na Califórnia, nos EUA – e é quase mais deles que nossa. É que a gente não deixa. “Violet Blue” é uma viagem deliciosa pela voz de Winter e por uma guitarra que parece se desintegrar e se recompor em uma distorção amalucada.

7 – Pluma – “Mais do Que Eu Sei Falar” (4)
A gente já conversou por aqui sobre esse grupo novo e esperto que saiu de um TCC – todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Tem este single deles aqui que deixamos passar em 2020, mas agora escutamos e amamos demais.

8 – Tagore – “Tatu” (5)
No ano passado, falamos aqui que o músico pernambucano Tagore preparava seu novo álbum, “Maya”. 2020 acabou e nada do disquinho. Mas agora parece que vai e eis “Tatu”, o primeiro single deste novo trabalho. Pelo inspirado refrão “Tatu, tá tudo muito louco”, você já tem um grau da viagem. Um som para aliviar as pressões do mundo ali de fora.

9 – Kill Moves – “Perfect Pitch” (Estreia)
A banda mineira de dream pop Kill Moves consegue transformar Belo Horizonte, 2020, em Slough, Inglaterra, anos 90. Sabe aquele casamento entre barulheira e melodias quase adocicadas? Rola por aqui. “Perfect Pitch” merece sua atenção pelos diversos momentos que cria – do noise inicial, momentos mais melódicos e um break percussivo.

10 – DJ Grace Kelly – “PPK” (Estreia)
A DJ baiana Grace Kelly, que vive na frenética Berlim, manda aqui uma “ode às sapatonas e bissexuais” que vai muito além do que essas três letras podem significar”, em sua palavras. A música é um batidão funky dentro da house que não perde o fôlego em pouco mais de 3 minutos de som. A faixa faz parte do EP “Dengo”, a ser lançado em breve

11 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (6)
12 – Jovem Dionísio – “Copacabana” (7)
13 – Píncaro – “Leito de Migalhas” (8)
14 – Atalhos – “A Tentação do Fracasso” (9)
15 – Edgar – “Prêmio Nobel” (10)
16 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (11)
17 – BK – “Mudando o Jogo” (12)
18 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (13)
19 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (14)
20 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (15)
21 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (16)
22 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (17)
23 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (18)
24 – Kamau – “Nada… De novo” (19)
25 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (20)
26 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (21)
27 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (22)
28 – MC Carol – “Levanta Mina” (23)
29 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (25)
30 – Criolo – “Fellini” (28)
31 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (29)
32 – Wry – “Absoluta Incerteza” (32)
33 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (33)
34 – YMA – “White Peacock” (34)
35 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (35)
36 – Luedji Luna – “Chororô” (36)
37 – Black Alien – “Chuck Berry” (37)
38 – Vovô Bebê – “Bolha” (38)
39 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (39)
40 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (40)
41 – Liniker – “Psiu” (41)
42 – Tuyo – “Sonho da Lay” (42)
43 – KL Jay – “Território Inimigo” (43)
44 – Boogarins – “Cães do Ódio” (44)
45 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (45)
46 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (46)
47 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (47)
48 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (48)
49 – Don L – “Kelefeeling” (49)
50 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora Luna França.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA: Ninguém rela na Jadsa, em um inédito primeiro lugar repetido. E no alto ainda temos no ranking uma charanga, uma californiana e o melhor do não-Carnaval

>>

* Uma semana um pouco diferente por aqui e talvez seja pelos efeitos carnavalescos do feriado de não-Carnaval. Estamos confusos um pouco.
Para começar, repetimos nosso primeiro lugar da semana passada. Será que isso é inédito aqui? Não lembramos. Mas até vamos repetir a arte.
Falta de criatividade? Não mesmo. É que a Jadsa segue firme com a música mais relevante do momento na nossa humilde opinião. Você tem que escutar essa mina para já.

A outra questão é que estamos com menos novidades que o normal. Por causa da semana tão específica do calendário brasileiro, ainda que o que mais perto de Carnaval que chegamos foi o lançamento do documentário do Castor de Andrade, este é um período geralmente morno de novidades musicais fora do samba, das charangas, dos blocos. Ou estamos perdendo algo? Avisa a gente se pans.

Mas deu para compor bem, até, o top 10 dentro do Top 50. O que garante aquela playlist gostooooosa.

topjadsaquadrada

1 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (1)
Há um quê de divino e de mântrico no primeiro single da guitarrista e cantora baiana Jadsa, “A Ginga do Nêgo”. Acredite quando ler que a música serve para “abrir caminhos” para o primeiro álbum da artista, “Olho de Vidro”, que sai no dia 26 de março. “A Ginga do Nêgo” é atravessada por uma guitarra cortante, evoca Exu, orixá da encruzilhada, o mensageiro da comunicação entre os vivos e as divindades, tem um baixo potente de Caio Terra e certamente deixaria orgulhoso Itamar Assumpção. Que musica gigante, embora com menos de dois minutos de duração.

2 – A Espetacular Charanga do França – “Cadê Rennan?” (Estreia)
Sem poder ir para a rua, A Espetacular Charanga do França aproveitou para soltar um disquinho novo onde tentaram sem sucesso escapar de um som carnavalesco. Esse “fracasso” está no nome do disco, “Nunca Não É Carnaval”. Acabou que o título ganhou significado duplo por conta da pandemia que persiste. Das boas músicas, vale muito esta homenagem a Rennan da Penha que se refere bastante ao funk de BH.

3 – Winter – “Violet Blue” (Estreia)
Se no Top 10 Gringo desta semana demos destaque ao Jevon, um inglês que é quase brasileiro, vamos dar atenção aqui para a Winter, projeto de Samira Winter, curitibana que vive na Califórnia, nos EUA – e é quase mais deles que nossa. É que a gente não deixa. “Violet Blue” é uma viagem deliciosa pela voz de Winter e por uma guitarra que parece se desintegrar e se recompor em uma distorção amalucada.

4 – Pluma – “Mais do Que Eu Sei Falar” (Estreia)
A gente já conversou por aqui sobre esse grupo novo e esperto que saiu de um TCC – todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Tem este single deles aqui que deixamos passar em 2020, mas agora escutamos e amamos demais.

5 – Tagore – “Tatu” (2)
No ano passado, falamos aqui que o músico pernambucano Tagore preparava seu novo álbum, “Maya”. 2020 acabou e nada do disquinho. Mas agora parece que vai e eis “Tatu”, o primeiro single deste novo trabalho. Pelo inspirado refrão “Tatu, tá tudo muito louco”, você já tem um grau da viagem. Um som para aliviar as pressões do mundo ali de fora.

6 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (3)
Experiente rapper da cena paulista, Jamés Ventura, que viu o movimento crescer de perto na rua, anda em seu melhor momento. Após lançar em 2019 o excelente “Espelho” e um EP no ano passado, agora ele já chega com dois singles que mantém o alto nível: “Ser Humano”, nossa escolha, e “Mentiras”. Procurem. Pode não ser o rapper mais badalado do momento, mas quem conhece do assunto sempre indica o som do cara.

7 – Jovem Dionísio – “Copacabana” (4)
Parece uma música que falava de uma certa praia de um outro estado brasileiro, mas é “apenas” a nova do Jovem Dionísio, banda curitibana que a gente sempre posta por aqui e que parece estar em grande fase. Um remix de sucesso de um som da banda colocou os caras com um milhão de ouvintes mensais no Spotify. Acha pouco perto dos grandalhões do pop brasileiro? Pois é um número quase irreal na CENA.

8 – Píncaro – “Leito de Migalhas” (5)
Projeto de Roger Valença, ex-integrante da banda Onagra Claudique. Impossível não ficar impactado de cara com a faixa que abre o álbum “Um Delírio Madrepérola”. Em seus cinco minutos e pouco, “Leite de Migalhas” arrepia pelos diferentes climas, pela bela voz de Roger e por um violão daqueles que você escuta a mão passando pelas cordas, sabe?

9 – Atalhos – “A Tentação do Fracasso” (6)
“Um ótimo dreampop veloz, de pegada oitentista.” Deste jeito que a gente elogiou o single anterior da dupla paulista com conexões argentinas Atalhos, formada pelo vocalista Gabriel Soares e pelo guitarrista Conrado Passarelli. A história se repete aqui em “A Tentação do Fracasso”. A letra que não entrega tanto assim sobre o que se canta é um playground para diferentes interpretações.

10 – Edgar – “Prêmio Nobel” (7)
A gente gosta de dar nossa opinião suuuuuperanalítica, mas aqui vale abrir espaço ao artista. Edgar escreveu um belo texto sobre sua nova composição e seu novo vídeo: “Imagine que o menino João e a menina Ágata poderiam muito bem terem ganhado um prêmio Nobel de literatura ou ciências, Marielle Franco um prêmio Nobel da paz. Diversas vidas que são arrancadas do seu destino todos os dias por uma necropolítica que nos extermina como se fôssemos presas fáceis. No filme “Bacurau” algumas pessoas se identificam com aquele Brasil distante e perto ao mesmo tempo. Só Jesus salva, e nesse filme ele vem armado com diversos inocentes que foram mortos pelas mãos do governo, para poder proteger os trabalhadores e estudantes que moram na favela. Em toda favela tem um prêmio Nobel. Que a polícia caça e mata.”

11 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (8)
12 – BK – “Mudando o Jogo” (9)
13 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (10)
14 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (11)
15 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (12)
16 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (13)
17 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (14)
18 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (15)
19 – Kamau – “Nada… De novo” (16)
20 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (17)
21 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (18)
22 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (19)
23 – MC Carol – “Levanta Mina” (20)
24 – Marrakesh – “To Comprehend” (21)
25 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (22)
26 – Dom Pescoço – “Delicadinho” (23)
27 – Dizin – “Human Bomb (Explode)” (24)
28 – Criolo – “Fellini” (25)
29 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (26)
30 – Cambriana – “Induction Bread” (27)
31 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (28)
32 – Wry – “Absoluta Incerteza” (29)
33 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (30)
34 – YMA – “White Peacock” (31)
35 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (32)
36 – Luedji Luna – “Chororô” (33)
37 – Black Alien – “Chuck Berry” (34)
38 – Vovô Bebê – “Bolha” (35)
39 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (36)
40 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (37)
41 – Liniker – “Psiu” (38)
42 – Tuyo – “Sonho da Lay” (39)
43 – KL Jay – “Território Inimigo” (40)
44 – Boogarins – “Cães do Ódio” (44)
45 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (45)
46 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (46)
47 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (47)
48 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (48)
49 – Don L – “Kelefeeling” (49)
50 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a guitarrista baiana Jadsa.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.