Em arcade fire:

Popnotas – Arcade Fire está com saudade de você. Mark Ronson requebrando o Foo Fighters. Salma e Mac botando sua intimidade em EP. E finalmente uma música nova do Unknown Mortal Orchestra

>>

– Bem quietinho desde que a pandemia se abateu sobre nós, o adorado grupo canadense Arcade Fire anunciou em seu Instagram que, enquanto não rolar shows ao vivo, para matar a saudade do palco e de seus fãs vai lembrar nos próximos meses em seu canal de Youtube algumas de suas apresentações passadas. Tm uma hashtag para isso: #AFPastLives. Há dois dias, postaram esta performance para a marcante “No Cars Go”, ao vivo no festival espanhol Primavera Sound, de 2017. Assim eles matam a saudade do palco e a gente mata a saudade deles.

***

– Óbvio, tem novidades do Foo Fighters, como se passassem três dias alguma vez sem a gente as tê-las. Pintou uma nova versão, agora, da música “Making a Fire”, retrabalhada pelo produtor inglês renomadaço, o Mark Ronson. “Making a Fire” é uma das melhores músicas do disco dez, o último que a banda de Dave Grohl lançou há alguns meses, o “Medicine at Midnight”. Baita versão do britânico. “Making a Fire (Mark Ronson Re-Version)” ganhou uma suingada boa, com backing vocal de Violet Grohl, a filha do homem. Para a sonoridade requebrada, Ronson usou uma galera de bandas como Antibala e Budos Band, entre outros. Ó que belezinha. Pode parecer exagero, mas pelo som desta “Making a Fire” retrabalhada parece que a música pertence ao “Screamadelica”, a obra-prima do Primal Scream. Dsclp por isso:

***

Salma e Mac, o casal da banda goiana Carne Doce, lançaram um delicadíssimo porque íntimo EP voz e violão com sete músicas, chamado exatamente “Salma e Mac”. O projeto não é propriamente uma novidade, porque era assim que a dupla marido-e-mulher faziam a música antes de fundarem a Carne Doce, há dez anos. Das canções acústicas presentes em “Salma & Mac”, três delas são inéditas, as outras versões de músicas que estão em discos do grupo que deu fama ao duo. Tudo encharcado de MPB com levadas de bossa nova. Isso é que podemos chamar de versão caseira. Abaixo, neste formato casal apaixonado, uma inédita de Salma e Mac e uma versão de clássica da Carne Doce.

***

* A banda neozelandesa Unknown Mortal Orchestra, vizinha da Lorde, resolveu aparecer em 2021 para compartilhar seu novo single, “Weekend Run”. A faixa, cinco minutos de uma sonoridade beeeem UMO, representa ainda a primeira música oficial desde o disco “Sex & Food”, de 2018. A brincadeira com a vizinhança da Lorde na Oceania é só isso mesmo, uma brincadeira, pois a banda há tempos está baseada em Portland, mas agora seu líder, Ruban Nielson, está vivendo no deserto da Califórnia. E é incrível como a sonoridade do Unknown Mortal Orchestra está geograficamente representado em toda sua trajetória, como esta “Weekend Run”. Não sente um cheiro de Coachella nesta “Weekend Run”? O vídeo, pelo que entendemos, mostra um dia ordinário pandêmico na vida de Nielson.

>>

Popnotas – Arcade Fire lança música de meditação. H.E.R., lutando por você e pelo Oscar. Pet Shop Boys fazendo Blur no Brasil. E o Jarvis Cocker indo pro Reggae

>>

– Nesta semana o apresentador de TV americano Jimmy Fallon está levando atrações musicais com a pegada Oscar. Na terça ele botou em performance a linda Celeste, com a música dela que concorre à canção original pelo filme “Os 7 de Chicago”. Antes ainda, na segunda, a cantora H.E.R. apareceu para interpretar sua “Fight for You”, outra que briga na mesma categoria do prêmio da Academia, esta pelo ótimo “Judas e o Messias Negro”, de Shaka King. H.E.R., nome artístico da talentosa Gabriella Wilson, 23 anos, escreveu a canção especialmente para o filme. E a performance dela no Fallon foi bem classe. Ela começa cantando na bateria solitária, num corredorzão de um galpão, levanta, sai dançando e vai encontrar a banda gigante e feliz dela num outro ambiente.

***

– O dândi Jarvis Coker, que um dia fez música para pessoas rycas que só queriam ser gente comum quando liderava o incrível Pulp, tem esse projeto dele chamado Jarv Is… Sem esquecer as reticências, senão ele fica bravo. Em julho do ano passado, mundo afundado na pandemia em suas primeiras ondas, o Jarv Is… lançou seu primeiro álbum, “Beyond the Pale”. Umas lives aqui, umas aparições na TV ali e foi isso. Agora, do mesmo álbum, que tem só sete músicas, ele surge com mais um novo single, para a faixa “Swanky Modes”, que na verdade vai além da canção que está no disco de estreia. Para este single mexido, Jarvis chamou o pioneiro do reggae Dennis Bovell, para remixá-la. “Swanky Modes” ficou bem mais substanciosa, digamos. O single tem três versões: esta original “interferida”por Bowell e duas enchardas em dub, já que estamos falando nisso. Dá para ouvir todas de algum jeito por este caminho aqui.

***

* Esta eu não lembrava. A gente vem falando por aqui, o sempre importante duo britânico Pet Shop Boys lança agora no dia 30 de abril o CD duplo e DVD “Discovery: Live in Rio 1994”, baseado em apresentação nos anos 90 na casa de shows Metropolitan, no Rio de Janeiro, material que só saiu em VHS há muitos anos e acharam de escarafunchar na pandemia para dar um movimento nos lançamentos. Neil Tennant e Chris Lowe têm divulgado no Youtube da banda uns vídeos dessa performance especial que nos diz tanto. E nesta semana botaram lá, desse show no Rio em 94, eles fazendo “Girls & Boys”, do Blur. Apenas.

***

– O Arcade Fire (foto na home) fez uma música instrumental de meditação de 45 minutos. Esta é a nota. Na verdade, a banda canadense criou a obra musical “Memories of the Age of Anxiety” especialmente para o app Headspace, aplicativo criado para ajudar a meditar e a “limpar a cabeça” das nóias diárias principalmente na hora de dormir. Dentro das muitas seções do Headspace tem uma área de playlist, curada pelo famoso músico e ator John Legend, que além do mais é filantropista. A “Memories of the Age of Anxiety” do Arcade Fire está dentro dessa área do app. Com uns “três álbuns novos escritos”, segundo o líder do grupo, Win Butler, o Arcade Fire está esperando a poeira da covid baixar, para se mexer (mais). A banda não lança álbum desde 2017, quando soltou o “Everything Now”. Por enquanto o negócio é meditar. A faixa de 45 minutos só pode ser ouvida toda ela no app da Headspace. Mas aqui embaixo tem um mísero trechinho.

>>

POPNOTAS: Arcade Fire para esfriar o mundo, o já grande Bartees Strange, Caetano quando João Gilberto mandou chamar e good vibes para a Laerte

>>

– Antes da volta definitiva do exílio em Londres em 1972, Caetano Veloso chegou a visitar o Brasil em 1971 por duas vezes. Uma visita tensa no aniversário de 40 anos de casamento de seus pais e uma segunda viagem a pedido de João Gilberto. Ele queria Caetano na gravação de um especial para a TV Tupi. Nunca lançado oficialmente, o material do programa, que teve Gal Costa se juntando aos músicos, já tinha algumas partes disponíveis espalhadas pela internet, mas um longo trecho inédito do áudio desse especial agora está no ar pela primeira vez. Quem dá mais detalhes dessa história e mostra os áudios é o jornalista GG Albuquerque.

– A gente curte os programas de entrevistas americanos como se fossem a velha MTV, por isso trazemos tantas apresentações musicais deles aqui na Popload. Louvar os novos sons através da velha televisão chega a ser engraçado nos tempos de YouTube, mas está valendo. Tudo isso para dizer que gostamos bem, por aqui, no caso, de “Boomer”, de Bartees Strange, músico inglês que cresceu no Oklahoma mas é radicado em Washington DC. Uma mistura geográfica pouco usual tanto quanto sua música, de elementos do rap e do indie rock que descambam em um refrão com toques emo e um perfume de jazz. Bartees Strange, que aparece em foto na home da Popload, já andou pintando em listas de melhores de 2020 logo com seu primeiro álbum, “Live Forever”, lançado em outubro. Acredite: o cara é bom. A gente viu ele nesta semana no “Late Night” do Seth Meyers e aplaudiu.

***

– Agora às 11h da manhã, em streaming ao vivo, Win Butler e Régine, o casal master do Arcade Fire, vão participar do evento “Make Earth Cool Again”, com “cool” no sentido de fazer a Terra ser bacana de novo apesar dos governantes estúpidos que a destroem e “cool” também no sentido de ser gelada novamente onde ela tem que ser gelada. O evento, anual, traz cientistas, experts e galera da música e do cinema direto de uma base da região polar do Ártico, Arctic Basecamp (@ArcticBasecamp), para lembrar ao mundo a urgência de se lutar contra as mudanças climáticas. O evento é apresentado pelo grande ator e comediante Rainn Wilson, da série “The Office”. O lema do “Make Earth Cool Again” é “O que acontece no Ártico NÃO fica no Ártico”. Para quem quiser ver, vai passar aqui.

– E nosso desejo de pronta recuperação a Laerte Coutinho. A cartunista já tinha relatado que estava com covid-19 havia alguns dias. Nesta terça-feira, a família dela avisou pelo Twitter que ela está internada desde o dia 21 e entrou na UTI na segunda-feira após uma piora de seu quadro. Toda a força para nossa gênia.

>>

Win Butler dá rara entrevista e conta que tem escrito e gravado muitas canções para o Arcade Fire durante a pandemia

>>

121120_arcadefire2

É isso aí. Como o título entrega, o Arcade Fire está aproveitando o mundo de cabeça para baixo para, em casa, registrar novas canções.

Quem confirmou a notícia foi o líder da trupe canadense, Win Butler, em uma rara entrevista para a BBC 6 Music. O papo era sobre os 10 anos do discaço “The Suburbs”, mas acabou parando em next big things.

“Para mim, ficar trancado em casa por seis meses me fez escrever para caramba. Tenho escrito o dia todo, gravando bastante material. Nós precisamos encontrar lapsos de esperança. Há tanta confusão e tantas notícias ruins que se guiar para um lado mais positivo é o que importa”, disse Win, que já vinha compondo antes de toda a história do Covid-19.

“Eu estava escrevendo sobre essas coisas antes de acontecer. Você se pega no fluxo de uma onda para onde o mundo está indo. Você meio que sente alguns aspectos antes que aconteça. Se você ouvir o ‘Kid A’ ou algo do tipo, parece que tudo aquilo veio a acontecer, saca? Não se trata sobre escrever uma grande canção sobre pandemia, mas sim poder reservar um tempo para ser receptivo com seus próprios sentimentos, ter uma mente aberta. Creio que, mesmo passando por tempos ruins, isso me faz sentir revigorado enquanto artista”, completou.

O Arcade Fire recentemente mostrou a inédita “Generation A” no programa do Stephen Colbert. O último disco cheio dos canadenses é “Everything Now”, lançado em 2017.

>>

Popload nas eleições americanas: Arcade Fire chama a nova geração na TV, com música inédita

>>

Captura de Tela 2020-11-04 às 9.14.58 AM

* Que loucura essa contagem de votos da eleição americana. Talvez ajudasse se a gente entendesse pelo menos 5% do que está acontecendo. Mas já que vamos estar mergulhado nela por alguns vários dias, parece, a gente tem a música.

Em nome de dar um recado para a nova geração norte-americana, chamada de geração A, o grupo canadense mostrou ao vivo para o programa do Stephen Colbert ontem à noite, que era um Especial Eleições, a inédita “Generation A”.

A música, que começa no vídeo com um menininho dando uns berros até passar o comando musical para o loirão Win Butler, vai no âmago da situação climática trágica que vivemos, seja lá, seja aqui, questão que está intimamente ligada aos nossos comandantes, maus governos, eleições etc.

E, olha, a música é ótima:

>>