Em atalhos:

Top 50 da CENA: Ninguém rela na Jadsa, em um inédito primeiro lugar repetido. E no alto ainda temos no ranking uma charanga, uma californiana e o melhor do não-Carnaval

>>

* Uma semana um pouco diferente por aqui e talvez seja pelos efeitos carnavalescos do feriado de não-Carnaval. Estamos confusos um pouco.
Para começar, repetimos nosso primeiro lugar da semana passada. Será que isso é inédito aqui? Não lembramos. Mas até vamos repetir a arte.
Falta de criatividade? Não mesmo. É que a Jadsa segue firme com a música mais relevante do momento na nossa humilde opinião. Você tem que escutar essa mina para já.

A outra questão é que estamos com menos novidades que o normal. Por causa da semana tão específica do calendário brasileiro, ainda que o que mais perto de Carnaval que chegamos foi o lançamento do documentário do Castor de Andrade, este é um período geralmente morno de novidades musicais fora do samba, das charangas, dos blocos. Ou estamos perdendo algo? Avisa a gente se pans.

Mas deu para compor bem, até, o top 10 dentro do Top 50. O que garante aquela playlist gostooooosa.

topjadsaquadrada

1 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (1)
Há um quê de divino e de mântrico no primeiro single da guitarrista e cantora baiana Jadsa, “A Ginga do Nêgo”. Acredite quando ler que a música serve para “abrir caminhos” para o primeiro álbum da artista, “Olho de Vidro”, que sai no dia 26 de março. “A Ginga do Nêgo” é atravessada por uma guitarra cortante, evoca Exu, orixá da encruzilhada, o mensageiro da comunicação entre os vivos e as divindades, tem um baixo potente de Caio Terra e certamente deixaria orgulhoso Itamar Assumpção. Que musica gigante, embora com menos de dois minutos de duração.

2 – A Espetacular Charanga do França – “Cadê Rennan?” (Estreia)
Sem poder ir para a rua, A Espetacular Charanga do França aproveitou para soltar um disquinho novo onde tentaram sem sucesso escapar de um som carnavalesco. Esse “fracasso” está no nome do disco, “Nunca Não É Carnaval”. Acabou que o título ganhou significado duplo por conta da pandemia que persiste. Das boas músicas, vale muito esta homenagem a Rennan da Penha que se refere bastante ao funk de BH.

3 – Winter – “Violet Blue” (Estreia)
Se no Top 10 Gringo desta semana demos destaque ao Jevon, um inglês que é quase brasileiro, vamos dar atenção aqui para a Winter, projeto de Samira Winter, curitibana que vive na Califórnia, nos EUA – e é quase mais deles que nossa. É que a gente não deixa. “Violet Blue” é uma viagem deliciosa pela voz de Winter e por uma guitarra que parece se desintegrar e se recompor em uma distorção amalucada.

4 – Pluma – “Mais do Que Eu Sei Falar” (Estreia)
A gente já conversou por aqui sobre esse grupo novo e esperto que saiu de um TCC – todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Tem este single deles aqui que deixamos passar em 2020, mas agora escutamos e amamos demais.

5 – Tagore – “Tatu” (2)
No ano passado, falamos aqui que o músico pernambucano Tagore preparava seu novo álbum, “Maya”. 2020 acabou e nada do disquinho. Mas agora parece que vai e eis “Tatu”, o primeiro single deste novo trabalho. Pelo inspirado refrão “Tatu, tá tudo muito louco”, você já tem um grau da viagem. Um som para aliviar as pressões do mundo ali de fora.

6 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (3)
Experiente rapper da cena paulista, Jamés Ventura, que viu o movimento crescer de perto na rua, anda em seu melhor momento. Após lançar em 2019 o excelente “Espelho” e um EP no ano passado, agora ele já chega com dois singles que mantém o alto nível: “Ser Humano”, nossa escolha, e “Mentiras”. Procurem. Pode não ser o rapper mais badalado do momento, mas quem conhece do assunto sempre indica o som do cara.

7 – Jovem Dionísio – “Copacabana” (4)
Parece uma música que falava de uma certa praia de um outro estado brasileiro, mas é “apenas” a nova do Jovem Dionísio, banda curitibana que a gente sempre posta por aqui e que parece estar em grande fase. Um remix de sucesso de um som da banda colocou os caras com um milhão de ouvintes mensais no Spotify. Acha pouco perto dos grandalhões do pop brasileiro? Pois é um número quase irreal na CENA.

8 – Píncaro – “Leito de Migalhas” (5)
Projeto de Roger Valença, ex-integrante da banda Onagra Claudique. Impossível não ficar impactado de cara com a faixa que abre o álbum “Um Delírio Madrepérola”. Em seus cinco minutos e pouco, “Leite de Migalhas” arrepia pelos diferentes climas, pela bela voz de Roger e por um violão daqueles que você escuta a mão passando pelas cordas, sabe?

9 – Atalhos – “A Tentação do Fracasso” (6)
“Um ótimo dreampop veloz, de pegada oitentista.” Deste jeito que a gente elogiou o single anterior da dupla paulista com conexões argentinas Atalhos, formada pelo vocalista Gabriel Soares e pelo guitarrista Conrado Passarelli. A história se repete aqui em “A Tentação do Fracasso”. A letra que não entrega tanto assim sobre o que se canta é um playground para diferentes interpretações.

10 – Edgar – “Prêmio Nobel” (7)
A gente gosta de dar nossa opinião suuuuuperanalítica, mas aqui vale abrir espaço ao artista. Edgar escreveu um belo texto sobre sua nova composição e seu novo vídeo: “Imagine que o menino João e a menina Ágata poderiam muito bem terem ganhado um prêmio Nobel de literatura ou ciências, Marielle Franco um prêmio Nobel da paz. Diversas vidas que são arrancadas do seu destino todos os dias por uma necropolítica que nos extermina como se fôssemos presas fáceis. No filme “Bacurau” algumas pessoas se identificam com aquele Brasil distante e perto ao mesmo tempo. Só Jesus salva, e nesse filme ele vem armado com diversos inocentes que foram mortos pelas mãos do governo, para poder proteger os trabalhadores e estudantes que moram na favela. Em toda favela tem um prêmio Nobel. Que a polícia caça e mata.”

11 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (8)
12 – BK – “Mudando o Jogo” (9)
13 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (10)
14 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (11)
15 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (12)
16 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (13)
17 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (14)
18 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (15)
19 – Kamau – “Nada… De novo” (16)
20 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (17)
21 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (18)
22 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (19)
23 – MC Carol – “Levanta Mina” (20)
24 – Marrakesh – “To Comprehend” (21)
25 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (22)
26 – Dom Pescoço – “Delicadinho” (23)
27 – Dizin – “Human Bomb (Explode)” (24)
28 – Criolo – “Fellini” (25)
29 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (26)
30 – Cambriana – “Induction Bread” (27)
31 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (28)
32 – Wry – “Absoluta Incerteza” (29)
33 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (30)
34 – YMA – “White Peacock” (31)
35 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (32)
36 – Luedji Luna – “Chororô” (33)
37 – Black Alien – “Chuck Berry” (34)
38 – Vovô Bebê – “Bolha” (35)
39 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (36)
40 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (37)
41 – Liniker – “Psiu” (38)
42 – Tuyo – “Sonho da Lay” (39)
43 – KL Jay – “Território Inimigo” (40)
44 – Boogarins – “Cães do Ódio” (44)
45 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (45)
46 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (46)
47 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (47)
48 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (48)
49 – Don L – “Kelefeeling” (49)
50 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a guitarrista baiana Jadsa.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

Top 50 da CENA: Jadsa e a maior menor música no topo. Tagore bem na playlist e um salve ao Jamés Ventura, que completam o pódio. Mais: Jovem Dionísio, Píncaro e Atalhos

1 - cenatopo19

* A gente peca pela empolgação de vez em quando. É verdade, tudo bem. É a nossa paixão pela CENA. Mas já dá para arriscar dizer que estamos com algumas novidades neste top 50 que perigam permanecer por aí o ano todo. Algumas músicas que são bem fora da curva dos lançamentos de todas as semanas. Quais são esses candidatos? Vamos deixar que os textos te joguem algumas dicas, porque não trabalhamos com spoiler, não.

topjadsaquadrada

1 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (Estreia)
Há um quê de divino e de mântrico no primeiro single da guitarrista e cantora baiana Jadsa, “A Ginga do Nêgo”. Acredite quando ler que a música serve para “abrir caminhos” para o primeiro álbum da artista, “Olho de Vidro”, que sai no dia 26 de março. “A Ginga do Nêgo” é atravessada por uma guitarra cortante, evoca Exu, orixá da encruzilhada, o mensageiro da comunicação entre os vivos e as divindades, tem um baixo potente de Caio Terra e certamente deixaria orgulhoso Itamar Assumpção. Que musica gigante, embora com menos de dois minutos de duração.
2 – Tagore – “Tatu” (Estreia)
No ano passado a gente comentou por aqui que o músico pernambucano Tagore preparava seu novo álbum, “Maya”. 2020 acabou e nada do disquinho. Mas agora parece que vai e eis “Tatu”, o primeiro single deste novo trabalho. Pelo inspirado refrão “Tatu, tá tudo muito louco” você já tem um grau da viagem. Um som para aliviar as pressões do mundo ali de fora.
3 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (Estreia)
Experiente rapper da cena paulista, Jamés Ventura, que viu o movimento crescer de perto na rua, anda em seu melhor momento. Após lançar em 2019 o excelente “Espelho” e um EP no ano passado, agora ele já chega com dois singles que mantém o alto nível: “Ser Humano”, nossa escolha, e “Mentiras”. Procurem. Pode não ser o rapper mais badalado do momento, mas quem conhece do assunto sempre indica o som do cara.
4 – Jovem Dionísio – “Copacabana” (Estreia)
Parece uma música que falava de uma certa praia de um outro estado brasileiro, mas é “apenas” a nova do Jovem Dionísio, banda curitibana que a gente sempre posta por aqui e que parece estar em grande fase. Um remix de sucesso de um som da banda colocou os caras com um milhão de ouvintes mensais no Spotify. Acha pouco perto dos grandalhões do pop brasileiro? Pois é um número quase irreal na CENA.
5 – Píncaro – “Leito de Migalhas” (Estreia)
Projeto de Roger Valença, ex-integrante da banda Onagra Claudique. Impossível não ficar impactado de cara com a faixa que abre o álbum “Um Delírio Madrepérola”. Em seus cinco minutos e pouco, “Leite de Migalhas” arrepia pelos diferentes climas, pela bela voz de Roger e por um violão daqueles que você escuta a mão passando pelas cordas, sabe?
6 – Atalhos – “A Tentação do Fracasso” (Estreia)
“Um ótimo dreampop veloz, de pegada oitentista.” Deste jeito que a gente elogiou o single anterior da dupla paulista com conexões argentinas Atalhos, formada pelo vocalista Gabriel Soares e pelo guitarrista Conrado Passarelli. A história se repete aqui em “A Tentação do Fracasso”. A letra que não entrega tanto assim sobre o que se canta é um playground para diferentes interpretações.
7 – Edgar – “Prêmio Nobel” (1)
A gente gosta de dar nossa opinião suuuuuperanalítica, mas aqui vale abrir espaço ao artista. Edgar escreveu um belo texto sobre sua nova composição e seu novo vídeo: “Imagine que o menino João e a menina Ágata poderiam muito bem terem ganhado um prêmio Nobel de literatura ou ciências, Marielle Franco um prêmio Nobel da paz. Diversas vidas que são arrancadas do seu destino todos os dias por uma necropolítica que nos extermina como se fôssemos presas fáceis. No filme “Bacurau” algumas pessoas se identificam com aquele Brasil distante e perto ao mesmo tempo. Só Jesus salva, e nesse filme ele vem armado com diversos inocentes que foram mortos pelas mãos do governo, para poder proteger os trabalhadores e estudantes que moram na favela. Em toda favela tem um prêmio Nobel. Que a polícia caça e mata.”
8 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (2)
“O Corre – Bixurdia Remix” é a mexida que a multiartista Jup do Bairro deu na faixa de seu incrível EP, o “Corpo Sem Juízo”, do ano passado. A Bixurdia, que assina o remix, é uma produtora de áudio tocada por uma galera 100% LGBTQIA+, que já armaram mais de 30 projetos de pessoas trans, travestis e não-binárias de forma totalmente gratuita. “O Corre”, que já tinha uma levada funky, agora descamba para os clubes – quando tudo voltar, né? Fora isso, a original virou single, ganhou vídeo lindo, voltou a tocar em nós. O ideal é ouvir as duas no repeat, que dá uma liga campeã.
9 – BK – “Mudando o Jogo” (3)
Interessante a escolha do BK. Em vez de abrir em singles seu conceitual álbum “Movimento”, lançado no ano passado, ele chega a 2021 com uma música inédita – curando a ansiedade dos fãs por novidades e deixando intacta a obra que ele escreveu para ser apreciada com começo, meio e fim. Novos tempos exigem novas estratégias.
10 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (4)
Antônio Neves é compositor, arranjador e multintrumentista. E está nos preparativos do lançamento de seu segundo álbum, “A Pegada Agora É Essa”. Entre os singles já lançados, vale notar esta versão supercaprichada para o clássico de Nelson Cavaquinho e Amâncio Cardoso, uma lenta construção instrumental que nos leva à voz maravilhosa de Ana Frango Elétrico, que se derrama pela letra e melodia das mais bonitas já feitas por um brasileiro. Pouca coisa?
11 – BaianaSystem e BNegão – “Reza Forte” (5)
12 – Compositor Fantasma – “Pedestres Violentas” (6)
13 – Zé Manoel – “Saudade da Saudade” (7)
14 – Gustavo Bertoni e Apeles – “Ricochet” (8)
15 – Jair Naves – “Todo Meu Empenho” (9)
16 – Kamau – “Nada… De novo” (10)
17 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (11)
18 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (12)
19 – Rincon Sapiência – “Tem Que Tá Veno” (Verso Livre) (13)
20 – MC Carol – “Levanta Mina” (14)
21 – Marrakesh – “To Comprehend” (15)
22 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (16)
23 – Dom Pescoço – “Delicadinho” (17)
24 – Dizin – “Human Bomb (Explode)” (18)
25 – Criolo – “Fellini” (19)
26 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (20)
27 – Cambriana – “Induction Bread” (21)
28 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (22)
29 – Wry – “Absoluta Incerteza” (23)
30 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (24)
31 – YMA – “White Peacock” (25)
32 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (26)
33 – Luedji Luna – “Chororô” (27)
34 – Black Alien – “Chuck Berry” (28)
35 – Vovô Bebê – “Bolha” (29)
36 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (30)
37 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (31)
38 – Liniker – “Psiu” (32)
39 – Tuyo – “Sonho da Lay” (33)
40 – KL Jay – “Território Inimigo” (34)
41 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (35)
42 – Rohmanelli – “Toneaí” (36)
43 – Vivian Kuczynski – “Pele” (37)
44 – Boogarins – “Cães do Ódio” (38)
45 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (39)
46 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (40)
47 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (41)
48 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (42)
49 – Don L – “Kelefeeling” (43)
50 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (44)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a guitarrista baiana Jadsa.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

POPNOTAS – A música “nova” do Vampire Weekend, a pomposa volta do Departure Lounge, os cabelos do Temples e o atalho para a música nova do Atalhos

>>

– Tem lançamento do Vampire Weekend, mas sem o Vampire Weekend. Como assim? O EP “40:42” conta com duas versões de “2021”, faixa que a banda nova-iorquina lançou ainda em 2019 no álbum “Father of the Bride”. Tanto a versão do jazzista Sam Gendel quanto a da jam band Goose relêem o som de 1 minuto e 30 e poucos segundos em experimentações com 20 minutos e 21 segundos cada – entendeu o nome do EP?. Vale experimentar. Ah, quer mais? Rola também escutar a música de onde o Vampire Weekend arrumou o sample de 2021, “Talking”, do compositor japonês Haruomi Hosono.

– Opa, opa. Quem viveu a música no final dos anos 90 deve lembrar, pelo menos um pouco, da banda inglesa Departure Lounge, liderada pelo guitarrista e vocalista Tim Keegan, que lançou por ali três álbuns que a forte crítica musical britânica da época amava amar. Pois os caras não só voltaram e vão lançar um disco novo em 26 de março, duas décadas depois, chamado “Transmeridian”, como hoje mostram um single deste álbum com uma presença ilustríssima. O Departure Lounge mostra que realmente está de volta ao jogo do indie com a música “Australia”, segundo single dessa ressurreição. E a música tem nas guitarras ninguém menos que Peter Buck, o guitarrista do lendário grupo americano REM. Uma banda cujo som evoca um pop cult que lembra Grandaddy e Wilco e traz as 12 cordas da guitarra de Peter Buck para ajudar na magia merece sua atenção. E conta com um vídeo de imagens de todos juntos separados, como manda a etiqueta sanitária de hoje.

– Saudade do Temples? Apareceu no Youtube nesta semana uma session inédita que a psicodélica banda inglesa, que cumpriu bem o zeitgeist indie-colorido anos atrás com Tame Impala lá na Austrália e Boogarins por aqui, fez para uma das nossas rádios indies prediletas, a americana The Current, de Minneapolis, EUA. As gravações aconteceram no começo do ano passado, quando o Temples excursionou por aqueles lados de Minnesota e fez um show sold-out naquele mesmo dia. Para a emissora, tocaram “The Howl”, “Holy Horses” e “You’re Either on Something”, do disco “Hot Motion”, de 2019. Aguardamos coisas novas-novas do Temples, que anda resguardado desde que a pandemia tomou conta de tudo. Devem ter algo vindo por aí da banda dos cabelos mais bonitos do indie (foto na home da Popload).

– CENA – A banda binacional Atalhos, conexão Birigui-Buenos Aires, espera o “momento certo” para neste ano lançar seu próximo disco, o quarto, batizado de “A Tentação do Fracasso”. Enquanto o álbum novo não vem, eles soltam hoje como single, e ao vivo ainda por cima, a faixa-título. A boa “A Tentação do Fracasso”, a música, tal qual a banda está mostrando, com todo mundo que não usa a boca tocando de máscara, tal qual vemos e ouvimos a partir de agora, saiu de uma live session que gravaram no final de 2020. Foi a primeira vez que seus integrantes se reuniram para um som depois da pandemia. Aqui embaixo um atalho para a música nova do Atalhos.

>>

CENA – Música nova do Atalhos nos aproxima do futuro com a nova e retrô “Mesmo Coração”. Veja o vídeo

1 - cenatopo19

* Se serve de alento, ainda que num momento distante, tem banda já olhando para 2021, pulando este 2020 bizarro. É o caso da dupla paulista com conexões argentinas Atalhos, formada pelo vocalista Gabriel Soares e pelo guitarrista Conrado Passarelli.

O duo de Birigui (SP) prepara seu próximo disco, o quarto, chamado “A Tentação do Fracasso”, para o próximo ano, a ser lançado pelo selo Scatter Records, de Buenos Aires, conhecido do indie brasileiro por ter lançado trabalhos de Macaco Bong, Superguidis e Autoramas.

Uma mostra desse “disco do futuro” da música, já chamado de o primeiro ano do resto de nossas vidas, é o single “Mesmo Coração”, lançado hoje com vídeo, que pode ser visto com exclusividade aqui na Popload, mais abaixo.

atalhos

“Mesmo Coração”, a canção em si, um ótimo dreampop veloz, de pegada oitentista, chega às plataformas amanhã. Ela é toda uma obra do Mercosul, que pelo menos na música independente mostra que ainda funciona. A composição é assinada por Rolim e por Ives Sepúlveda, do grupo chileno The Holydrug Couple. A faixa foi mixada no famoso estúdio Panda, em Buenos Aires, com o uso de uma mesa analógica vintage API dos anos 70, o que dá o toque temporal de “Mesmo Coração”.

E não é à toa que você possa sentir que a música nova do Atalhos remeta a viagens de bandas como a americana War on Drugs, na pegada, textura. “Mesmo Coração” teve masterização de Greg Calbi, no Sterling Sound, em New Jersey, EUA. Calbi é o engenheiro de som que masterizou os últimos discos do Tame Impala, do The War on Drugs, Angel Olsen, entre outros.

O visual de “Mesmo Coração” é de responsabilidade de Gabriel Rolim, que assina as projeções de “Mesmo Coração” e já dirigiu vídeos de galeras como Boogarins e Brvnks.

Boa trip com a nova do Atalhos.

>>

Popload Session apresenta… ATALHOS

>>

BN-01

* Banda de Birigui, no interior de São Paulo, com um pé na capital e outro na… Argentina, a Atalhos comparece à Popload Session com dois belos vídeos para duas músicas não menos belas.

O grupo que nasceu com um “S” maiúsculo em AtalhoS e como trio, hoje na pegada quarteto goza a boa repercussão e até certo ponto boa veiculação de seu disco, lançado no final de 2014, o consistente “Onde a Gente Morre”, que tem mixagem de Mark Howard, engenheiro de som britânico cujos trabalhos enfileiram alguns artistas aí, tipo Bob Dylan, REM e Neil Young.

Screen Shot 2015-05-11 at 11.07.06

Para quem já foi produzida num passado não distante por mãos do thrash metal, o indie algo folk do Atalhos poderia facilmente tocar na Sirius XMU, que não causaria estranheza.

Hoje com a formação de Gabriel Soares (baterista que canta), Conrado Passarelli (guitarra), Marcelo Sanches (guitarra) e o “new entry” Alexandre Molinari (baixo, ex-The Name e atual Schoolbell), o Atalhos lançou mês passado o lindo vídeo de “Só o Amor no Fim”, com imagens frias da Patagônia, Argentina (onde a banda já fez duas turnês), misturadas a cenas da atriz e gata Marisol Ribeiro sofrendo de lingerie e maquiagem borrada a dor de um amor perdido, indo na contramão do nome da música.

É esta “Só o Amor no Fim” que aparece aqui em performance exclusiva para a session da Popload. Na sequência, a interpretação ao vivo de “Painbirds”, do saudosíssimo grupo americano Sparklehorse, do mais que saudoso e complicado guitarrista Mark Linkous (morto em 2010).

Senhoras e senhores, com vocês… ATALHOS.


*** A Popload Session é apresentada pela Heineken. Se beber, não dirija.

>>