Em ATR:

Top 50 da CENA – Amarante traz seu “Tango” para a liderança do ranking. Zopelar eletroniza nossa história. Bonifrate não larga do topo

1 - cenatopo19

* Tem um clássico da produção do nosso Top 50 da CENA em trocas de mensagem: “Achei que a semana está fraca de lançamentos” seguido de um “Peraí, vou olhar direito”. E invariavelmente a gente cai no meio de muita coisa boa. Nesta semana, em que estavávamos considerando umas três ou quatro músicas de destaque, alcançamos nove verdadeiros achados. Mais um prova do nosso mantra aqui: a CENA brasileira é talentosa. E nós, às vezes, nem tanto.

amarantetopquadrada

1 – Rodrigo Amarante – “Tango” (Estreia)
Uau. Agora só aumenta a expectativa pelo segundo disco solo do Rodrigo Amarante que saí nesta sexta, dia 16. Em “Tango”, a letra usa as instruções da dança para descrever um relacionamento onde existe confiança e parceria. Musicalmente aponta para uma leveza e alegria que lembra as faixas mais bem-humoradas de Amarante tanto nos Los Hermanos quanto no Little Joy. Não é um passo nostálgico, longe disso, ainda que leve a gente novamente para alguns verões de carnavais possíveis. Ouvimos outras do disco, tão boas quanto, adiantamos. Mas não vamos atropelar os processos e vamos com esta primeirona do Top aqui, por ora.

2 – Zopelar – “Jump” (Estreia)
Bem interessante esse espertíssimo trabalho do conhecido DJ e produtor de eletrônica da agitada noite e madrugada paulistana, o Pedro Zopelar, de olhar para o passado da música brasileira a partir das pistas – um dos locais onde a música que o toca respira e vive. E conta história. “Um tributo aos DJs dos Bailes das antigas que foram responsáveis por disseminar a mensagem do Funk e Soul em SP”, ele diz. E, ouvindo, nos sentimos indo a esse passado bonito.

3 – Bonifrate – “Cara de Pano” (13)
Voltamos a levantar esse som do músico carioca Bonifrate por aqui porque, primeiro, a gente curtiu bem e, segundo, finalmente chegou o seu novo álbum solo, “Corisco”, que celebramos single a single neste mesmo espaço. Discaço.

4 – Criolo – “Fellini” (Re-Estreia)
A gente já tinha ficado de cara que, em “Fellini”, Criolo usava os recursos narrativos do cineasta italiano para contar uma história múltipla. As mil faces geniais dessa conversa criada pelo rapper cantor agora ganharam um supervídeo que novamente dialoga com a obra do famoso diretor de cinema. Era obrigatório que esse som voltasse ao Top 50.

5 – Marisa Monte – “Medo do Perigo” (Estreia)
Mais uma da Marisa, especialmente por conta de uma reflexão rápida. A gente já elogiou ela por aqui, hora de reverenciar um de seus parceiros no disco. Se destacam na obra as faixas dela com Chico Brown, filho de Carlinhos, neto de Chico Buarque, um sobrinho de João Gilberto. É com Chico os melhores momentos de Marisa no álbum “Portas”. “Medo do Perigo”, por exemplo, revela que ele está cumprindo a promessa de juntar as peças do quebra-cabeça deixado por João.

6 – Yannick Hara e Dy Fuchs – “Stalkers e Haters” (Estreia)
Duas pragas da vida digital são o alvo em mais um trabalho quase cyberpunk do rapper oriental-paulistano Yannick. Se a estrutura musical não fosse tão eletrônica poderia ser fácil uma letra do Ratos de Porão, saca?

7 – Lucas Ranke – “Alucina” (Estreia)
Ranke, uma referência do rock gaúcho, reuniu outras referências do rock gaúcho para uma série de compactos que celebram sensações. O primeiro tema é a mente, e daí que o título “Alucina” é bem apropriado. A banda desta faixa reúne Marcelo Gross (Cachorro Grande), Giovanni Caruso (Faichecleres, Escambau), Eduardo Dolzan (Identidade, Júpiter Maçã, Wander Wildner) e Tuba Caruso (Faichecleres)

8 – ATR – “Intro’ (Estreia)
Aqui a gente não fala exatamente de uma música só, por isso optamos pela introdução de uma ideia incrível que o ART teve. A banda paulista resolveu criar sua própria trilha sonora para “Encouraçado Potemkin”, clássico do Eisenstein. E, melhor, não é preciso muito esforço para ver o filme com a nova trilha, porque está tudo disponível no YouTube da banda.

9 – Rubel – “O Homem da Injeção II” (Estreia)
Rubel lançou aqui um samba politizado sobre a vacina – onde uma revolta contra o pancrácio que rege o país deixa apenas o “rei” vestido. E em estúdio conseguiu reunir um dos times mais brilhantes de música brasileiros. Pega só: tem Arthur Verocai no arranjo de cordas, Antonio Neves nos arranjo de metais e uma banda com Esguleba e Jaguara na percussão, Mauro Diniz no cavaquinho, Carlinhos 7 Cordas no violão, Teo Lima na bateria e Jorge Helder no baixo. Caramba!

10 – Amaro Freitas – “Sankofa” (1)
Amaro Freitas, pianista de Recife escreveu bastante e bem sobre sua proposta no álbum “Sankofa” e a gente pirou na ideia: “Trabalhei para tentar entender meus ancestrais, meu lugar, minha história, como homem negro. O Brasil não nos disse a verdade sobre o Brasil”. A expressão “sankofa” é justamente sobre esse tipo de processo, visitar o passado para possibilitar novas compreensões e futuros. Uma busca, que como revela Amaro, apresenta as inconsistências do que temos em nossas mãos atualmente. Muita coisa foi contada errado, muita coisa foi apagada e isso é um dos motivos de termos problemas de imaginar futuros novos. Sem dúvida, um mundo trilhado por esse álbum de Amaro não dá chance para fascistas, por exemplo. Essa é a energia aqui.

11 – Rodrigo Brandão – “O Sol da Meia-Noite” (2)
12 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (3)
13 – 2DE1 – “Emersão” (4)
14 – Marisa Monte – “Totalmente Seu” (5)
15 – Letrux – “I’m Trying to Quit” (6)
16 – Giovanna Moraes – “Rosalía” (7)
17 – Taco de Golfe – “Tratados de Obrigação” (8)
18 – Nill – “Singular” (9)
19 – Ana Frango Elétrico – “Promessas e Previsões” (10)
20 – Mineiros da Lua – “Armadilha” (11)
21 – Iara Rennóo – “Ava Viva” (12)
22 – Mallu Magalhães – “Pé de Elefante” (18)
23 – Isabel Lenza – “Tudo Que Você Não Vê” (14)
24 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (15)
25 – Nelson D – “Algo Em Processo” (16)
26 – Ella from the Sea – “Lonely” (17)
27 – Linn da Quebrada – “I Míssil” (18)
28 – GIO – “Joias” (19)
29 – BNegão feat. Paulão King – “Cérebros Atômicos” (20)
30 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (25)
31 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (26)
32 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (27)
33 – Jonathan Ferr – “Amor” (33)
34 – Jadsa – “Mergulho” (34)
35 – Mulungu – “A Boiar” (35)
36 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (36)
37 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (37)
38 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (38)
39 – Zé Manoel – “Como?” (39)
40 – Yung Buda – “Digimon” (40)
41 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (41)
42 – FEBEM – “Crime” (42)
43 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (43)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – BaianaSystem – “Brasiliana” (45)
46 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (46)
47 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (47)
48 – Mbé – “Aos Meus” (48)
49 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
50 – LEALL – “Pedro Bala” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o músico Rodrigo Amarante.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA – Romulo Fróes chama Jards Macalé para o alto. Nelson D mostra algo em processo. Ella from the Sea canta a felicidade solitária. Este é o topo do nosso Top

1 - cenatopo19

* Se a semana dos gringos foi devagar, aqui no nosso Brasil a coisa pegou. Daqueles dias em que a gente cogita o empate técnico para não magoar ninguém. Nem a nós mesmos. Semana de discos duplos, de artistas que gostamos assinando com selo que gostamos, de descobertas, de gente revelando novas vozes em suas obras. É quase um lugar comum, mas a CENA brasileira é a melhor CENA, temos que reforçar isso – e reforçamos – sempre. Chega ali na nossa playlist para ver. E ouvir. Em sua plenitude sonora.

romuloquadradatop50

1 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (Estreia)
Olha o time. Composição de Romulo, Gui Held e Jards Macalé com letra de Nuno Ramos em homenagem a Jards – repare que alguns versos são apropriados de canções do Macau -, “Baby Infeliz” acabou rejeita pelo próprio homenageado. Para que a canção não entrasse em um limbo, Romulo resolveu resgatá-la em seus dois novos álbuns de repertórios iguais e sonoridades bem diferentes – “Aquele Nenhum” (voz e violão) e “Ó Nois” (colagens). E não é que o Jards, quando escutou a música de novo, já na leitura do Romulo, perguntou por que ele não tinha oferecido a ele, Jards, gravar a canção? Perdeu um musicão, Jards. Mas achamos que o Romulo te empresta ela de novo.

2 – Nelson D – “Algo Em Processo” (Estreia)
Brasileiro de tribo indígena da Amazônia criado na Itália, Nelson D é a mais nova contratação de um dos nossos selos prediletos neste país, o Balaclava. E é de casa nova que ele dá sequência ao seu futurismo indígena já testado no disco do ano passado, “Em Sua Própria Terra”. A primeira canção dessa leva é um tratado sobre amizade. “Dedico essa musica a todas as pessoas que tiveram sorte de ter uma amizade importante nos momentos mais difíceis”, escreveu Nelson em suas redes. E nós tivemos sorte de ter uma música assim de tantos referenciais e sotaques na nossa CENA.

3 – Ella from the Sea – “Lonely” (Estreia)
Gabriela Taketani, a tal Ella, escreve por aqui sobre solidão, mas não de um jeito triste. É sobre a liberdade de ser/estar sozinha. “É poder ter auto-satisfação em poder mudar esse sentimento de solidão triste”, escreve Gabi. Já ouviu esta música, David Lynch?

4 – Linn da Quebrada – “I Míssil” (Estreia)
É um barato ler que a Linn quis fazer uma música que pudesse cair no gosto da própria mãe. E aqui temos ela sonoramente mais leve, mas com ideias ainda bem profundas. “Divagar mais, divulgar menos” ressoa em relacionamentos, carreira. É muita ideia em poucos versos. E ainda tem uma segunda coisa rolando que é uma junção da Linn com sua persona além do palcos, a Lina. Fora a tirada esperta do título. Bela música!

5 – GIO – “Joias” (Estreia)
E segue a mudança do Giovani Cidreira para seu novo nome artístico. “Joias” é o segundo single deste novo álbum produzido ao lado de Benke Ferraz do Boogarins, que deve sair em breve. Nos comentários do YouTube alguém mandou uma bela ideia: “Me lembrou as composições da Jadsa. Uma célula poética curta e pronto”. E não é que a Jadsa está na faixa com alguns backing vocals? Conexões. Se o álbum do Gio sair nível Jadsa, teremos um empate técnico ali pelo topo dos melhores do ano, achamos.

6 – BNegão feat. Paulão King – “Cérebros Atômicos” (Estreia)
Sendo um dos nossos grandes rappers é um barato também o aspecto hardcore que ronda alguns trabalhos do BNegão. Daí que deu muita liga ele abraçar um cover da nossa melhor banda punk, Ratos de Porão. A adição gutural do Paulão King só dá um charme a mais na versão “made in Rio” de um rolê tão paulistano.

7 – Rodrigo Amarante – “I Can’t Wait” (Estreia)
Mais um single bem interessante do próximo solo do Amarante, confirmando uma tendência indicada nos outros singles de que teremos um disco menos melancólico que o primeiro. Ainda que os temas sigam sempre cheio de possíveis interpretações. De acordo com o próprio Amarante, que listou umas quatro motivações para a música, a ideia dela é mostrar como liberdade é pertencimento, ao contrário do que muitos imaginam ao ligar independência com liberdade.

8 – ATR – “Corazón (Badsista Remix)” (Estreia)
E a excelente Badsista, que tem suas mãos ali no quarto lugar da Linn da Quebrada, reaparece no nosso top 50 neste belo remix que só confirma e dá novos ares à fase eletrônica do ATR, antigo Aeromoças e Tenistas Russas. Se a gente não entendeu errado, aqui a Badsista faz um movimento até que raro em remixes: em vez de botar pressão na faixa original, ela deixou as coisas mais leves. Repara.

9 – Bonifrate – “Casiopeia” (1)
Quem lê nossos textos por aqui já deve ter sentido que temos uma obsessão por imaginação. Encontrar músicos que estão pensando e produzindo um novo mundo. E não é que o carioca Bonifrate resolveu escrever uma música inteira que se baseia nesse assunto? Isso se aproveitando de uma ideia certeira que o ex-Supercordas encontrou em uma entrevista do escritor uruguaio Eduardo Galeano, em que ele fala de “um mundo em gestação dentro do mundo presente, e de como é um parto difícil, mas que há de acontecer”. Não bastasse a boa ideia, temos aqui um mergulho saudável em guitarras em profusão e um velho teclado Cassio que dá nome à música.

10 – Mallu Magalhães – “Pé de Elefante” (2)
Eis que Mallu solta um álbum novo indo para um clima bossa nova morando na gringa, com parcerias estranhas mas tá valendo. Aqui temos a até que divertida e leve “Pé de Elefante” saltando rápida do disco nas primeiras audições, música que ainda brinca com sons invertidos. E a gente tem certeza que já escutou a introdução desta música em algum lugar.

11 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (3)
12 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (4)
13 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (5)
14 – Marcelo Perdido – “Que Bom” (6)
15 – Gustavo Bertoni – “Old Ghost, New Skin” (7)
16 – Marina Sena – “Voltei pra Mim” (8)
17 – Rincon Sapiência – “Meu Mundo” (9)
18 – Supervão – “Amiga Online” (12)
19 – Master San – “A #05 – Intergalatica” (14)
20 – CESRV – “Soundbwoy Champion” (15)
21 – Taco de Golfe – “Pessoa Que Fala” (16)
22 – Jonathan Ferr – “Amor” (17)
23 – Jadsa – “Mergulho” (18)
24 – Mulungu – “A Boiar” (19)
25 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (20)
26 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (23)
27 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (24)
28 – Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis – “Ladeira” (25)
29 – Zé Manoel – “Como?” (26)
30 – Os Amantes – “Linda” (27)
31 – Rashid – “Diário de Bordo 6” (28)
32 – Saulo Duarte com Luedji Luna – “Lumina” (31)
33 – Salma e Mac – “Amiga” (32)
34 – Yung Buda – “Digimon” (33)
35 – AKEEM MUSIC – “Eu Já Amei uma Ginasta” (35)
36 – Plutão Já Foi Planeta – “Depois das Dez” (36)
37 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (37)
38 – FEBEM – “Crime” (38)
39 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (39)
40 – Boogarins – “Supernova” (40)
41 – Moons – “Love Hurts” (41)
42 – BaianaSystem – “Brasiliana” (42)
43 – Jair Naves – “Vai” (43)
44 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (44)
45 – Yannick Hara – “Raça Humana” (45)
46 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (46)
47 – FBC – “Gameleira” (47)
48 – Mbé – “Aos Meus” (48)
49 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
50 – LEALL – “Pedro Bala” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a imagem é do cantor e compositor paulistano Romulo Fróes.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

Popnotas – Amarante não pode esperar. O whatsapp do Bruce Springsteen rendeu música para o Killers. A Badsista remixando o ATR. E o Foo Fighters contra os antivacina

>>

– Quem está de single novo é o Rodrigo Amarante, que vacilou ao lançar um som na quarta-feira e perdeu a chance de já estrear no nosso Top 50 nesta semana, já. Mas a música é boa e a gente guarda um bom lugar no Top para ela, semana que vem. “I Can’t Wait” é a segunda amostra de “Drama”, segundo álbum solo do (los)hermano(s), programado para chegar no dia 16 de julho. Como sempre, vale mais a explicação elaborada dele do que qualquer tentativa nossa sobre qual é a conversa da música. “Escrevi esta canção porque Jesus é seguido por traidores. Escrevi porque as ideias de Darwin estão a servir para nos voltarmos uns contra os outros, porque acredito que a liberdade não decorre de independência, separação ou desconexão como os dicionários sugerem, mas sim a partir do reconhecimento de nossa interdependência, porque liberdade é pertencer. Escrevi esta música porque a esperança não é suficiente. Escrevi depois de esbarrar em um verbete de um dicionário latino: Noster Nostri – 1: Nosso, seu. 2: Nossos corações batem como um só. 3: Aquele nosso sonho antigo”. Bom, né? Amarante, cola na nossa live da Popload TV um dia desstes? Precisamos conversar. Ah, a música já estreou com um vídeo:

– “Dustland Fairytale” é uma música de muitos significados para Brandon Flowers do Killers. Foi escrita em um momento complicado, com sua mãe muito doente. A canção seria uma homenagem a ela e um jeito de escrever sobre seu pai, um personagem misterioso, de acordo com Flowers. Junte isso a um dia em que ele, voltando para casa com a emergência da covid-19 estourando, recebe uma mensagem de Bruce Springsteen elogiando a apresentação do Killers no Glastonbury. E comentando como quem não quer nada: “A gente deveria fazer Dustland um dia”. E não é que rolou?

CENA – A ATR, banda de música instrumental de São Carlos que há algum tempinho anda em fase eletrônica, está preparando uma versão remix do álbum lançado no ano passado, “Mundi”. Este EP contará com releituras de DJ Nyack, Chico Corrêa, Malka, STRR, Érica e Badsista. E é o remix da produtora paulista Badsista que já está no ar. Uma das nossas melhores DJs recriou a faixa “Corazón”, dando literalmente novos ares e espaços na canção, que ficou mais suingada, pelo que entendemos.

– E o Foo Fighters voltou a fazer shows com público como se fosse 2019. Uma audiência de cerca de 600 pessoas pode ver a banda na última terça-feira, no pequeno The Canyon, em Agoura Hills, na Califórnia. Assim como no show que noticiamos dos Strokes recentemente, ser vacinado era uma obrigação além do ingresso comprado, para todo o público que queria ver as novidades ao vivo de Dave Grohl e companhia. O detalhe é que esse show rendeu protestos do lado de fora da casa por parte de uma turma antivacina, que acredita que a obrigatoriedade é uma nova segregação. Pensa! A covid-19 matou mais de 600 mil pessoas nos EUA e ainda tem gente que… No fim de semana agora, o Foo Fighters reabre o gigantesco Madison Square Garden, em Nova York, que vai ter seu primeiro show para uma audiência completa em mais de um ano. Tomar vacina também é obrigatório para quem quiser ver a banda em ação na famosa arena de Manhattan. Vamos acompanhar os antivax. E, claro, o show. Sobre o concerto de terça, abaixo tem uns sonzinhos, incluindo uma cover de “Somebody to Love”, do Queen, cantada pelo baterista Taylor Hawkins. No vídeo desta dá para ver a galera lindamente sem distanciamento (foto na home).

>>

TOP 50 DA CENA – Boooom! Rapper BK vira nosso líder em movimento. A banda Pluma tira boa nota no nosso ranking. E a Alfamor traz seu reggae-manifesto para chacoalhar as idéias e ao mesmo tempo deixar tudo suave

1 - cenatopo19

* A mescla rítmica, geográfica, de estilos, de personas do (digamos assim) top 5 do nosso top 10 dentro do nosso top 50 traduz novamente a riqueza absurda desta nossa CENA, seus alcances, referências, nuances. A gente sempre diz isso tudo, mas é a pura verdade. E, no caso desta semana, mostra a latência urgente-urgentíssima dessa percepção nada nova mas cada vez mais na cara.
Numa semana impactada pelo lançamento do contundente (não tem palavra melhor, achamos) rapper carioca BK, da galera “estudantil” do Pluma, da suavidade politizada da gaúcha-paulistana-baiana Alfamor, é o que temos, e o que temos é muito.
Aí você mete a eletrônica cool precoce da curitibana Vivian e o tempero psico-texano do Boogarins aí no meio, só para ficar nos cinco primeiros da lista… Vixe!

2 - 960x960_Alfamor

1 – BK – “Movimento” (Estreia)
Ainda sob o impacto do lançamento de seu novo disco, o carioca BK já vem carregado de elementos contundentes que nos faz levar o disco ao topo do nosso ranking sem ainda absorvê-lo como se deve. Não é a primeira vez que ele consegue esse (e)feito, mas vale destacar isso pois joga luz um pouco no alcance de sua obra. Que aqui mais uma vez parece fazer jus à expectativa que foi criada. De cara, é impossível não destacar a primeira e direta faixa, que apresenta o ínicio de um disco conceitual e de história fechada. Vamos ouvir mais para sacar melhor. Mas o primeiro contato com este “O Líder em Movimento” já nos atingiu em cheio. Pelo som, letra, o rapper carioca além da zueira funk, o sotaque, os “êêêê”, a mensagem. Já podemos passar para a faixa 2?
2 – PLUMA – “Leve” (Estreia)
Grupo novo esperto que saiu de um TCC. Todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Que pelo visto foi bom e proveitoso, já que a banda tira um som de muita qualidade no estúdio. Coisa fina.
3 – Vivian Kuczynski – “Pele” (1)
Vivian adianta em seu EP lançado sexta-feira o que será sua nova fase. Voz e letras caprichadas seguem por lá, mas seu comando total na produção dá novos contornos e textura às suas músicas e letras. Mais eletrônica, mais experimental, certeira, tudo a seu controle. Um salto e tanto em uma carreira promissora, não cansamos de avisar. E não cansamos de lembrar: ela tem só 17 anos.
4 – Alfamor – “Semente” (Estreia)
Um recado de força a partir dos efeitos trágicos da eleição de 2018. Amor, união e a mensagem de luta que ficou na trajetória de Marielle Franco, a personagem oculta da canção. Alfamor traz um reggae que reflete o estado de coisas difícil em que nos encontramos, ao mesmo tempo que sua sonoridade e voz gostosas aliviam a alma. Ainda que por três minutos.
5 – Boogarins – “Cães do Ódio” (2)
Após anos loucos e intensos do Boogarins em disco novos e turnês de mil shows mundo afora, a banda resolve olhar o passado e abre o baú em um álbum de sobras e sonhos perdidos por aí. Em um disco especial que parece revelar um pouco sobre como a banda pensa, as músicas e ideias soam mais deliciosas para os fãs, mas ainda interessantes aos novatos. E marcam um fim de ciclo.
6 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (3)
Enquanto 2020 não virar, não vamos parar de elogiar o EP de Jup do Bairro por aqui. Uma de suas melhores faixas, a parceria com Mulambo, ganhou um vídeo e tanto e por isso recuperamos ela aqui no Top 50. O vídeo fecha uma trilogia que completa o papo do disco. Pode ir lá assistir, depois você volta para continuar o ranking. Esta música é gigante, pois necessariamente atual.
7 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (4)
Uma regravação em uma lista de músicas novas não parece a melhor das ideias. Não é o caso aqui. Clássico dos Racionais refeito nas mãos de Kl Jay e seu filho, Will, “Voz Ativa” soa bem ao comando do Dexter e as participações de Djonga e Coruja. O vídeo da nova e velha geração do rap chega a emocionar de tão legal. Um registro que celebra os quase 30 anos de hino dos Racionais e a velha constatação sobre o que trata esse grito da periferia: pouco ou nada mudou.
8 – Hot e Oreia – “Saiu o Sol” (5)
Talvez sem querer a “Saiu o Sol”, que usa batidas do talentoso produtor mineiro Vhoor, resvalou numa questão do rap com marcas esportivas, principalmente quando o assunto é tênis. Nike ou Adidas? Parece uma questão menor, mas vai ver a relação dos maiores nomes do rap com as duas marcas.
9 – Luiza Brina – “Oração 12” (6)
Parte do novo EP de Luiza, sua parceria com Josyara, unindo suas vozes e violão é um momento de paz e reflexão que os dias pedem.
10 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (9)
Amamos o disco do piauiense Valciãn. Tem várias boas e até cogitamos escolher duas para este Top 10 dentro do Top 50. Quem está atento ao ranking se lembra de que a gente já botou ele aqui quando um dos sons do disco ainda era single. Que brasilidade rica.
11 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (7)
12 – Mai – “Bananeira de São Tomé” (8)
13 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (10)
14 – Nuven (feat. Apeles) – “Janela” (11)
15 – Anne Jezini – “Céu de Lurex” (12)
16 – Pedro Pastoriz – “Chicletes Replay” (13)
17 – Wry – “Travel” (14)
18 – Gui Hargreaves – “No Fundo dos Seus Olhos” (15)
19 – ATR (feat. Michu) – “In My Stereo” (16)
20 – Thunderbird – “Insuportável” (17)
21 – Letrux – “Vai Brotar” (18)
22 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (19)
23 – Compositor Fantasma – “Século XXI Antes de Cristo” (20)
24 – Viratempo (feat. Àyié) – “Vento” (21)
25 – Juliano Abramovay – Anzol (22)
26 – Iara Rennó – “Tara” (23)
27 – Ave Sangria – “Vendavais” (24)
28 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (27)
29 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (29)
30 – Marcelo Perdido – “Bastante” (30)
31 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (32)
33 – Nevilton – “Irradiar” (33)
34 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (34)
35 – Tuyo – “Sem Mentir” (35)
36 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
37 – Duda Brack – “Contragolpe” (37)
38 – Don L – “Kelefeeling” (38)
39 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
40 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
41 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
42 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (42)
43 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
45 – Douglas Germano – “Valhacouto” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora gaúcho-paulistana Alfamor.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Vivian Kuczynski chega ao topo. Hot e Oreia chegam de Nike ou Adidas. Boogarins encerra ciclo. Jup do Bairro encerra discussão. Que ranking!

1 - cenatopo19

* Seis faixas inéditas e uma troca de liderança na cabeça desta lista. Semana das mais agitadas na nossa CENA, refletida no nosso ranking. A musicalidade, as variações de composições e ritmos, as letras, as vozes em cada uma das dez mais, as guitarras e não guitarras. Que ranking lindo que ficou, que tem ficado. Uma garota de 17 anos, uma trans, hip hop novo emulando hip hop, banda goiana do Texas, uma dupla zoeira de BH, um rapper japonês, uma cantora de Paragominas-Pará, um bardo piauiense. Que país é este!

Unknown-2

1 – Vivian Kuczynski – “Pele” (2)
Vivian adianta em seu EP lançado sexta-feira o que será sua nova fase. Voz e letras caprichadas seguem por lá, mas seu comando total na produção dá novos contornos e textura às suas músicas e letras. Mais eletrônica, mais experimental, certeira, tudo a seu controle. Um salto e tanto em uma carreira promissora, não cansamos de avisar. E não cansamos de lembrar: ela tem só 17 anos.
2 – Boogarins – “Cães do Ódio” (Estreia)
Após anos loucos e intensos do Boogarins em disco novos e turnês de mil shows mundo afora, a banda resolve olhar o passado e abre o báu em um álbum de sobras e sonhos perdidos por aí. Em um disco especial que parece revelar um pouco sobre como a banda pensa, as músicas e ideias soam mais deliciosas para os fãs, mas ainda interessantes aos novatos. E marcam um fim de ciclo.
3 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (Estreia)
Enquanto 2020 não virar, não vamos parar de elogiar o EP de Jup do Bairro por aqui. Uma de suas melhores faixas, a parceria com Mulambo, ganhou um vídeo e tanto e por isso recuperamos ela aqui no Top 50. O vídeo fecha uma trilogia que completa o papo do disco. Pode ir lá assistir, depois você volta para continuar o ranking. Esta música é gigante, pois necessariamente atual.
4 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (1)
Uma regravação em uma lista de músicas novas não parece a melhor das ideias. Não é o caso aqui. Clássico dos Racionais refeito nas mãos de Kl Jay e seu filho, Will, “Voz Ativa” soa bem ao comando do Dexter e as participações de Djonga e Coruja. O vídeo da nova e velha geração do rap chega a emocionar de tão legal. Um registro que celebra os quase 30 anos de hino dos Racionais e a velha constatação sobre o que trata esse grito da periferia: pouco ou nada mudou.
5 – Hot e Oreia – “Saiu o Sol” (Estreia)
Talvez sem querer a “Saiu o Sol”, que usa batidas do talentoso produtor mineiro Vhoor, resvalou numa questão do rap com marcas esportivas, principalmente quando o assunto é tênis. Nike ou Adidas? Parece uma questão menor, mas vai ver a relação dos maiores nomes do rap com as duas marcas.
6 – Luiza Brina – “Oração 12” (Estreia)
Parte do novo EP de Luiza, sua parceria com Josyara, unindo suas vozes e violão é um momento de paz e reflexão que os dias pedem.
7 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (Estreia)
Yannick sempre está por aqui no nosso top com seu bom disco de hip hop futurístico temático lançado neste ano. Desta vez, destaque ao novo single dele, com outra artista que curtimos bastante, a mineira Sara Não Tem Nome. Que música!
8 – Mai – “Bananeira de São Tomé” (Estreia)
A composição inédita de Luís Carlos Sá, da dupla Sá e Guarabira. ficou bonita na versão da cantora Paraense MAI. Segundo a artista, a música marca uma virada estética em sua carreira, que já teve outros passos. Vamos ficar atentos as novidades.
9 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (4)
A beleza de um disco de Mateus Aleluia em 2020 é um presente que ilumina este ano esquisito. Aqui, na produção de Ronaldo Evangelista e com músicos da CENA por perto, como Thiago França, Sérgio Machado, entre outros, a conversa de Mateus se aproxima da nova geração, que já se ligou na importância dele e dos Tincoãs. “Amarelou” ainda conta com, “apenas”, João Donato. Já frequenta o top 10 daqui há algumas semanas e ninguém tira. Tirar como?
10 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (8)
Amamos o disco do piauiense Valciãn. Tem várias boas e até cogitamos escolher duas para este Top 10. Quem está atento ao ranking se lembra de que a gente já botou ele aqui quando um dos sons do disco ainda era single. Que brasilidade rica.
11 – Nuven (feat. Apeles) – “Janela” (7)
12 – Anne Jezini – “Céu de Lurex” (6)
13 – Pedro Pastoriz – “Chicletes Replay” (5)
14 – Wry – “Travel” (3)
15 – Gui Hargreaves – “No Fundo dos Seus Olhos” (9)
16 – ATR (feat. Michu) – “In My Stereo” (10)
17 – Thunderbird – “Insuportável” (11)
18 – Letrux – “Vai Brotar” (12)
19 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (13)
20 – Compositor Fantasma – “Século XXI Antes de Cristo” (14)
21 – Viratempo (feat. Àyié) – “Vento” (15)
22 – Juliano Abramovay – Anzol (16)
23 – Iara Rennó – “Tara” (17)
24 – Ave Sangria – “Vendavais” (18)
25 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (19)
26 – Ovo ou Bicho – “Moços” (20)
27 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (21)
28 – Jonnata Doll e os Garotos Solventes – “Filtra Me”(22)
29 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (25)
30 – Marcelo Perdido – “Bastante” (28)
31 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (32)
33 – Nevilton – “Irradiar” (33)
34 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (34)
35 – Tuyo – “Sem Mentir” (35)
36 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
37 – Duda Brack – “Contragolpe” (37)
38 – Don L – “Kelefeeling” (38)
39 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
40 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
41 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
42 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (42)
43 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
45 – Douglas Germano – “Valhacouto” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a incrível Vivian Kuczynski.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>