Em autoramas:

CENA – Autoramas vasculha o HD e faz um grande disco de sobras. Ouça “B-Sides & Extras Vol. 2”

1 - cenatopo19

* Para uma banda que não para de fazer discos e viajar pelo mundo para shows, o Autoramas viu neste grande período trancado em casa uma coisa útil: organizar todo seu material, arrumar a discografia digital bagunçada, ordenar seu grande catálogo, que não estava inteiramente disponível em suas páginas.

Aproveitando o jeito na bagunça para descobrir músicas engavetadas à espera de uma oportunidade, o Autoramas dá à luz agora a segunda parte do grande material de músicas soltas, “B-Sides & Extras Vol. 2!”. São canções algumas inéditas ou que só haviam sido lançadas apenas em vinil, participações em coletâneas e programas de TV e também versões especias para rádio e vídeos.

São dez músicas, cada uma com uma história, contada pelo próprio guitarrista e cantor do Autoramas, o Gabriel Thomaz.

capa

1 – “Abecedário”
Em 2007, o selo Allegro Discos, de Goiânia, convidou o Autoramas para gravar uma faixa num tributo a músicas infantis chamado “Mofolândia”. Escolhemos a musica “Abecedário”, do disco do seriado Vila Sésamo, canção escrita pelos irmãos Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle para a trilha do programa. Acabou que o projeto “Mofolândia” foi engavetado e a gravação do Autoramas nunca saiu. Mas agora abre este “B-Sides & Extras Vol. 2”. Um grande agradecimento ao Sandro Belo, da Allegro Discos, que nos autorizou a usarmos a faixa.

***

2 – “Energy Joe”
Já havíamos gravado esse clássico do Surfin Bird no tributo à banda japonesa Guitar Wolf, o CD “I Love Guitar Wolf Very Much”, que saiu apenas no Japão. Para lançá-la em outros países optamos por regravá-la em Santiago do Chile, no lendário estúdio da Algo Records, com produção do grande Perrosky. Saiu como bonus track na edição argentina (Scatter Records) do álbum “Teletransporte” (2007)

***

3 – “Surfin’ Bird”
Gravamos o clássico do Trashmen na mesma sessão que “Energy Joe”, no estúdio da Algo Records, E também saiu como bonus track da edição argentina do “Teletransporte”. Sempre foi um grande sucesso nos shows do Autoramas.

***

4 – “In’n’Out of Grace”
Gravamos essa no Rio de Janeiro em 2009, com produção de Fausto Prochet a pedido da Monstro Discos, que a incluiu no tributo brasileiro ao Mudhoney, “March to Sickness”.

***

5 – “A 300 Km/H (Edit)”
Faixa do álbum “Teletransporte” em versão editada, que só havia sido lançada no CD promo invendável do disco, junto com “Hotel Cervantes”. Foi a versão que tocou nas rádios.

***

6 – “Mais ou Menos”
Gravada ao vivo na tenda Brasil no Rock In Rio III (2001). Essa música já vinha sendo tocada ao vivo, mas só foi lançada mais tarde no mesmo ano, no segundo álbum do Autoramas, “Vida Real”.

***

7 – “Mundo Moderno”
Gravada ao vivo em São José dos Campos, em São Paulo, foi lançada pela Groovie Records portuguesa no split com a banda GreenMachine, do Porto, em versão editada e apenas em vinil 7 polegadas, em 2007.

***

8 – “Beleza”
Foram gravadas duas versões dessa música para o álbum “Nada Pode Parar os Autoramas” (2003). Esta versão aqui presente foi a que não entrou. Ela foi produzida pelo Carlos Trilha em seu estúdio no Jardim Botânico, no Rio, juntamente com músicas gravadas na mesma sessão que entraram no álbum, como “Nada a Ver”, “Caso Perdido” e “Resta Um”.

***

9 – “1,2,3,4 (In English)”
Foi gravada em Terneuzen, Holanda, durante a turnê de 2007, produzida por Dylan Nutzmann, que também tocou o órgão Farfisa. Saiu em vinil vermelho 12 polegadas num split com a banda de Dylan, Mr Atom & His Protons, um disco raríssimo que é vendido a preço alto na internet.

***

10 – “A História da Vida de Cada Um (Kassin Remix)”
Gravamos com Kassin em 2005 algumas faixas para a coletânea “RRRRRRROCK!”. E ele aproveitou a voz de Gabriel Thomaz para fazer uma remix com sonoridade totalmente distinta à do Autoramas. Só havia estado disponível antes no perfil do Autoramas na TramaVirtual, portanto fora do ar por muitos anos. Agora não mais.

>>

TOP 50 DA CENA – Luedji Luna reina e a gente tenta explicar por quê. Mais: Chico Bernardes cresceu, o Wry português, Luna França e Ítallo França. O tudo a ver no nada a ver

1 - cenatopo19

* Reparamos que a coisa está no seguinte pé: a cantora baiana Luedji Luna respira, mexe no top 5 do nosso Top 50. Agora ela lançou o discaço novo que ela já tinha lançado, mas desta vez foi para o Youtube (!!!!). Não entendemos nada, mas aceitamos demais. E isso, como é nossa bolsa de valores quando a situação econômica sofre algum abalo de qualquer nível, tem consequências diretas no nosso ranking. Está entendendo? Se tiver, explica para nós.
Nosso jovem Chico Bernardes cresceu, adulteceu. E que bela música ele fez para marcar essa passagem. De resto tem o Wry buscando protagonismo em português, a Luna França buscando protagonismo e ponto, e o Ítallo França (no relation) buscando protagonismo no time de futebol da quebrada dele lá em Arapiraca, Alagoas, mesmo sendo o camisa 2.
Que lindo tudo isso. Que linda nossa playlist da vez!

4 - 960x960_chico

1 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (4)
Ainda mais apaixonados pelo disco novo da Luedji, lançado há quase um mês, que fica nos vindo em ondas, como o mar, porque bom mesmo é estar debaixo dessas ondas. Agora botamos ele no primeiro lugar, já que ela insiste em ficar nas primeiras posições do nosso ranking. “Ain’t I a Woman”, uma das muitas boas faixas, e que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
2 – Chico Bernardes – “Em Seu Lugar” (Estreia)
Com arranjos floreados, a sonoridade do single novo de Chico Bernardes lembra as suas referências, como Fleet Foxes, e traduz uma sensibilidade que vai muito além de seus 21 anos. Desde uma voz mais segura até um violão mais refinado.
3 – Tuyo – “Sonho da Lay” (1)
Você anda sonhando? Ou já acorda apressado e perde o que sonhou? Vai ver a Lay Soares, parte do trio Tuyo, aprendeu com Sidarta Ribeiro, neurocientista que sabe tudo do assunto, a técnica de registrar os sonhos antes de eles sumirem na nossa mente. E transformou isso em canção. E que canção absurda de boa! Tuyo cada vez melhor. O som ainda tem a participação do cantor carioca Luccas Carlos.
4 – Silva – “Passou Passou” (2)
Atualmente entre os gigantes da MPB, Silva visita com esse ska-MPB suas raízes indie. A letra, dele e do irmão Lucas, é uma fofura sem tamanho. Dentro da MPB a caminho do mainstream, Silva é a voz de esperança e de habilidade em seu sentido, porque parece que a música é de fim, mas é de recomeço. E tem um vídeo maravilhoso, em plano sequência. Parece Belle & Sebastian. Com ou sem Anitta envolvida.
5 – Wry – “Uma Pessoa Comum” (Estreia)
“Noites Infinitas”, novo disco do Wry, traz a banda cantando em português em metade das faixas. No caso, em 50% do disco, é o nosso grupo querido de sempre, mas em outra métrica, outra levada, quase uma outra banda. Talvez seja o costume de saber que é o Wry. Problema nisso? Nenhum. Tanto que uma das nossas prediletas está em português.
6 – Luna França – “Minha Cabeça” (Estreia)
Lançamento do selo CENA na área. A gente sempre avisa. Mas nem teria sentido a gente lançar algo que não bate com o nosso gosto, não é verdade? ”Minha Cabeça” muito tem a ver com o momento atípico que estamos vivenciando em 2020 e é um acerto de Luna, cantora, tecladista, compositora e produtora, que já tocou com Tiê, Rafael Castro e Papisa. Ela assume o protagonismo agora e faz bonito. O futuro, dela, é logo ali.
7 – Carabobina – “Pra Variar” (3)
Bem boa a brisa do casal Alejandra Luciani, engenheira de som de primeira, e Raphael Vaz, mais conhecido por Fefel do Boogarins. Um pop torto, eletrônico, ruídos lá e cá, que pega na produção acertada da Alejandra. Para fãs e não-fãs de Boogarins _ mas quem não é fã do Boogarins, hein?
8 – Ítallo França – “O Time da Mooca” (Estreia)
Itallo relembra em uma canção suingada suas lembranças sobre bater uma bola na infância com os colegas. A letra é tão simples quanto rica ao trazer a escalação do time e umas cenas que trazem lembranças: “E eu era a no 02/ de caneta riscada na farda/ a marca da lama da bola/ na parede parda/o pé cheio de ferida”.
9 – Chuck Hipólitho – “Disincaine” (7)
A mão do Chuck para versões é assustadora. Ele pira em uma música e arrepia na sua versão. A da vez é a divertida “Disincaine”, de um outro ex-VJ da MTV, o senhor Gastão Moreira em sua banda R.I.P. Monsters. E o vídeo, feito e editado em pouco mais de uma hora, mostra o capricho audiovisual de Chuck, outra característica sua. Cara bom.
10 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (5)
Parte de uma narrativa multimídia que leva o nome de M8TADATAH, Mahal, que já colaborou com BaianaSystem, Afrocidade e Giovanni Cidreira no EP MANO*MAGO, lança este primeiro som que você só encontra no YouTube. É a porta de entrada de uma história que mescla o real e a ficção e reflete sobre alta tecnologia, extermínio da população negra e a noção de pós-morte.
11 – Lauiz – “Corona Music for Corona People”
12 – Nelson D – “Xenofunk” (6)
13 – Duda Brack – “Toma Essa” (8)
14 – Kiko Dinucci – “Habitual” (9)
15 – Marcelo Callado – “Borboletas” (10)
16 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (11)
17 – Supervão – “Fim de Nós/Fim do Sol” (12)
18 – Gabrre – “Elephants” (13)
19 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (14)
20 – Pessoas Estranhas – “Rubens” (15)
21 – Autoramas – “Carinha Triste” (16)
22 – KL Jay – “Território Inimigo” (17)
23 – Yannick Hara – “Necropolítica” (19)
24 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (23)
25 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (24)
26 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (25)
27 – Carne Doce – “Hater” (26)
28 – Rohmanelli – “Toneaí” (27)
29 – PLUMA – “Leve” (28)
30 – Luiza Lian – “Geladeira” (29)
31 – BK – “Movimento” (30)
32 – Vivian Kuczynski – “Pele” (31)
33 – Boogarins – “Cães do Ódio” (32)
34 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (33)
35 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (34)
36 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (35)
37 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (36)
38 – Letrux – “Vai Brotar” (37)
39 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (21)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do Silva.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Música nova da Tuyo é um sonho. Silva passa passando. Mais: a criação de Duda Brack e a recriação de Chuck Hipólitho

1 - cenatopo19

* Sonho e superação lideram nosso ranking, na semana louca da corrida presidencial americana. O que isso tem a ver? Pensa mais.
A banda Tuyo anda se arriscando, misturando. E acertando cada vez mais. Até em outras dimensões: oníricas, de estilo.
O já consagrado músico capixaba Silva também. Ele é amigo da Ivete Sangalo, mas é amigo do ska independente. E anda caminhando bem em qualquer seara que se apresente. Que ele apresente. E fez uma rádio. E fez um vídeo espertíssimo sobre superação, quando pode se imaginar que é sobre lamento. Quão nobre é esse rapaz?
A gaúcho-carioca Duda Brack lançou um vídeo que contém uma música, não o contrário. O paulista-paulistano Chuck Hipólitho lançou uma música de memória afetiva que contém o vídeo mais rápido de todos os tempos. E que ficou demais.
Nossa geografia musical é muito linda. Não vamos deixar que queimem ela.

3 - 960x960_Silva

1 – Tuyo – “Sonho da Lay” (Estreia)
Você anda sonhando? Ou já acorda apressado e perde o que sonhou? Vai ver a Lay Soares, parte do trio Tuyo, aprendeu com Sidarta Ribeiro, neurocientista que sabe tudo do assunto, a técnica de registrar os sonhos antes de eles sumirem na nossa mente. E transformou isso em canção. E que canção absurda de boa! Tuyo cada vez melhor. O som ainda tem a participação do cantor carioca Luccas Carlos.
2 – Silva – “Passou Passou” (Estreia)
Atualmente entre os gigantes da MPB, Silva visita com esse ska-MPB suas raízes indie. A letra, dele e do irmão Lucas, é uma fofura sem tamanho. Dentro da MPB a caminho do mainstream, Silva é a voz de esperança e de habilidade em seu sentido, porque parece que a música é de fim, mas é de recomeço. E tem um vídeo maravilhoso, em plano sequência. Parece Belle & Sebastian. Com ou sem Anitta envolvida.
3 – Carabobina – “Pra Variar” (1)
Bem boa a brisa do casal Alejandra Luciani, engenheira de som de primeira, e Raphael Vaz, mais conhecido por Fefel do Boogarins. Um pop torto, eletrônico, ruídos lá e cá, que pega na produção acertada da Alejandra. Para fãs e não-fãs de Boogarins _ mas quem não é fã do Boogarins, hein?
4 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (4)
Seguimos aqui apaixonados pelo disco novo da Luedji. “Ain’t I a Woman”, uma das muitas boas faixas, e que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
5 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (Estreia)
Parte de uma narrativa multimídia que leva o nome de M8TADATAH, Mahal, que já colaborou com BaianaSystem, Afrocidade e Giovanni Cidreira no EP MANO*MAGO, lança este primeiro som que você só encontra no YouTube. É a porta de entrada de uma história que mescla o real e a ficção e reflete sobre alta tecnologia, extermínio da população negra e a noção de pós-morte.
6 – Nelson D – “Xenofunk” (2)
Nelson D coloca seu Futurismo Indígena para dialogar com o funk em uma música com diferentes climas e momentos. Parece até um filme. Na letra, um papo sobre xenofobia e a força das diferenças. Afinal, o que temos em comum? As diferenças.
7 – Chuck Hipólitho – “Disincaine” (Estreia)
A mão do Chuck para versões é assustadora. Ele pira em uma música e arrepia na sua versão. A da vez é a divertida “Disincaine”, de um outro ex-VJ da MTV, o senhor Gastão Moreira em sua banda R.I.P. Monsters. E o vídeo, feito e editado em pouco mais de uma hora, mostra o capricho audiovisual de Chuck, outra característica sua. Cara bom.
8 – Duda Brack – “Toma Essa” (Estreia)
A voz da Duda Brack sempre arrepiando em uma música daquelas de fim de relacionamento. O refrão escrito por Bruna Caram já é invejado em diversas pistas do país. Ganhou um filme, como vídeo.
9 – Kiko Dinucci – “Habitual” (Estreia)
10 – Marcelo Callado – “Borboletas” (Estreia)
Ava Rocha aparece nessas duas músicas. Com Kiko, faz a capa do single e as vozes em uma letra do músico cantandoo cotidiano repetitivo dos nossos anos 20 tensos. Com Marcelo, a parceria é na composição na canção de um longa e incansável busca por amor.
11 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (3)
12 – Supervão – “Fim de Nós/Fim do Sol” (5)
13 – Gabrre – “Elephants” (6)
14 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (7)
15 – Pessoas Estranhas – “Rubens” (8)
16 – Autoramas – “Carinha Triste” (9)
17 – KL Jay – “Território Inimigo” (10)
18 – Marrakesh – “Tripin’” (11)
19 – Yannick Hara – “Necropolítica” (12)
20 – Compositor Fantasma – “Banjos e Demônios” (14)
21 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (15)
22 – Mulungu – “A Boiar” (17)
23 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (18)
24 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (20)
25 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (21)
26 – Carne Doce – “Hater” (22)
27 – Rohmanelli – “Toneaí” (23)
28 – PLUMA – “Leve” (25)
29 – Luiza Lian – “Geladeira” (26)
30 – BK – “Movimento” (27)
31 – Vivian Kuczynski – “Pele” (28)
32 – Boogarins – “Cães do Ódio” (29)
33 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (30)
34 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (31)
35 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (32)
36 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (33)
37 – Letrux – “Vai Brotar” (34)
38 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (36)
39 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (37)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do Silva.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – O nome da banda é Carabobina. E tá em 1º lugar. Acostume-se a ela. Nelson D traz o contundente indie-indígena de volta à conversa. E mais: Supervão, Luedji, Tagua Tagua, Gabrre e Pessoas Estranhas no top 10

1 - cenatopo19

* Um Boogarins torto, de som torto como não é o do Boogarins, emplaca o primeiro lugar no Top 50 desta semana. Que música é esta, “Pra Variar”, que vem não sei de onde e nos leva não sei para onde. Gostamos dessa sensação na música. Nos leva para a desafiante zona de desconforto. Fora que o álbum inteiro do Fefel mais sua escudeira Alejandra, os Carabobina, está chegando. Logo falaremos mais, inevitavelmente.
Nosso indie-indígena, tão celebrado na Popload, neste Top 50 e até no jornal inglês “The Guardian’, bota na vice-liderança uma grande liderança deste Futurismo Indígena da música brasileira, o ítalo-amazonense Nelson D.
Os discos do Tagua Tagua e da Liedji Luna continua nos maravilhando, então deixa eles ainda mais perto do topo, para o impacto da playlist (que é o que importa) seja imediato.
Porque daí chegam os meninos da Supervão e nos bagunçam todo. Que semana!!!

WhatsApp Image 2020-10-28 at 10.50.16-2

1 – Carabobina – “Pra Variar” (Estreia)
Bem boa a brisa do casal Alejandra Luciani, engenheira de som de primeira, e Raphael Vaz, mais conhecido por Fefel do Boogarins. Um pop torto, eletrônico, ruídos lá e cá, que pega na produção acertada da Alejandra. Para fãs e não-fãs de Boogarins _ mas quem não é fã do Boogarins, hein?
2 – Nelson D – “Xenofunk” (Estreia)
Nelson D coloca seu Futurismo Indígena para dialogar com o funk em uma música com diferentes climas e momentos. Parece até um filme. Na letra, um papo sobre xenofobia e a força das diferenças. Afinal, o que temos em comum? As diferenças.
3 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (2)
Toques psicodélicos combinados com um charme pop. Um riff daqueles na guitarra e no baixo. Tagua Tagua prontinho para o sucesso, hein? Hit grudento a furar a bolha da música independente brasileira, talvez. Talvez!
4 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (4)
O disco novo da Luedji saiu e isso é um evento, porque já deu para notar que temos várias músicas nota 10 por aqui. “Ain’t I a Woman”, que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
5 – Supervão – “Fim de Nós/Fim do Sol” (Estreia)
Já falamos de brisa nesta edição, mas vale repetir. Que brisa é esta do Supervão? A banda electro-indie (cada vez mais electro e menos indie) segue bebendo uma água diferenciada, para dizer o mínimo. Parece que o trio está vendo alguma coisa que ninguém está vendo. São Leopoldo, RS, cada vez mais perto de Manchester. A gente curte bem. E os cinco minutos dela são muito pouco. Extended mix pra já.
6 – Gabrre – “Elephants” (Estreia)
Com seu indie cantalorável com toques eletrônicos que nos lembra Caribou e Unknown Mortal Orchestra, o gaúcho novinho Gabrre apresenta seu bom álbum de estreia cheio de altas referências para sua idade e com nome um tanto quanto inusitado mas que ele jura fazer sentido: “Tocar Em Flores Pelado”.
7 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (1)
Grande guitarrista da CENA, era de se esperar que em seu primeiro álbum solo Held colocasse seu instrumento para falar (gritar) mais alto. Ela até está lá em vários momentos, mas trabalha mais em função do que é melhor para as composições dele em diversas colaborações. “Corpo Nós” é exemplo disso, onde Held quase não aparece para brilhar a interpretação única de Juçara Marçal na letra de Alice Coutinho e um esperta bateria dupla feita por Sérgio Machado e Décio do Bixiga 70. E olha que ainda estamos no início de degustação desse disco, já discaço para nós.
8 – Pessoas Estranhas – “Rubens” (Estreia)
Classificada pela própria banda como uma música sem vergonha, aprovamos a nova aventura da dupla Guilherme Silva e Stephan Feitsma, da nova porém veterana geração do indie paulistano de música boa. Várias canções em uma só: divertida (é inspirada em um cão de um deles) e bem séria para abrir um disco e apontar todo o caminho de suingue que o duo escolheu para trilhar. Fora, que, às vezes, uma música assim é tudo o que precisamos.
9 – Autoramas – “Carinha Triste” (Estreia)
Ah, o amadurecimento. O Autoramas em releitura de uma velha canção deixa seu som mais solto. Saí a guitarra abafada e entra uma vibe mais divertida. E uma produção mais caprichada, lógico.
10 – KL Jay – “Território Inimigo” (3)
Kl Jay sempre acerta. Aqui ele oferece seu balanço único para as vozes de Jota Ghetto, Amiri e Anarka. Na letra, a denúncia sobre o racismo brasileiro que se evidencia em assassinatos brutais e políticas públicas desastrosas que criminalizam a existências da população negra no país. Um basta daqueles em uma questão urgente.
11 – Marrakesh – “Tripin’” (5)
12 – Yannick Hara – “Necropolítica” (Estreia)
13 – Teach Me Tiger – “Wasted” (6)
14 – Compositor Fantasma – “Banjos e Demônios” (7)
15 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (8)
16 – RRocha – “Rua” (9)
17 – Mulungu – “A Boiar” (10)
18 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (11)
19 – Chuck Hipolitho – “Mais Ou Menos Bem” (12)
20 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (13)
21 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (15)
22 – Carne Doce – “Hater” (16)
23 – Rohmanelli – “Toneaí” (18)
24 – JP – “Eu Quero Perder Você” (21)
25 – PLUMA – “Leve” (23)
26 – Luiza Lian – “Geladeira” (24)
27 – BK – “Movimento” (25)
28 – Vivian Kuczynski – “Pele” (27)
29 – Boogarins – “Cães do Ódio” (28)
30 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (29)
31 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (30)
32 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (31)
33 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (32)
34 – Letrux – “Vai Brotar” (33)
35 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (34)
36 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (35)
37 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (36)
38 – Rincon Sapiência – “Malícia” (37)
39 – Marcelo Perdido – “Bastante” (38)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do Carabobina, a banda do Fefel e da Alejandra, top do nosso Top.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Chuck nos pegou. KL Jay nos balançou. Wry tumultuou. E Plutão nos botou de volta no nosso mapa. Confira o ranking da peculiar música brasileira

1 - cenatopo19

* Confessamos. “Mais ou Menos Bem”, do Chuck, nos pegou. Primeiro por tudo o que a música envolve (lê abaixo). E, depois, porque é uma belíssima de uma música. Ainda que não do Chuck. Mas muito do Chuck, por esse exercício de colocar o português numa música gringa numa época em que “descobriu-se” que o português cabe sim no rock, na música pop, no trap, onde for. Ao contrário do que se acreditava até há pouco tempo. O refrão, de tão simples e o sincero, nos leva a outro lugar. A um lugar que queremos ir, porque nos é confortável.
Aí junta isso com a contundência que se espera de um cara como o KL Jay, em tudo que o que ele carrega nas costas na música, e formamos a dupla líder desta semana deste ranking poderoso. Sendo que o que é poderoso, está poderoso, é o caminho que a música brasileira tem tomado.
E isso, “planilhado aqui”, junto com todas as 48 posições, como a gente vem fazendo semanalmente, fica tão claro. Não fica?

3 - 960x960_Chuck

1 – Chuck Hipolitho – “Mais Ou Menos Bem” (Estreia)
Está aí um som que combina demais com nosso estado quarentenesco. Não só pelo nome do single lançado, mas também por seu vídeo, com imagens de umas colagens na janela enfeitada do quarto onde Chuck gravou grande parte de seu novo álbum, que sai mês que vem. De uma janela em que só podemos ver o tempo de um dia passar. Até um outro começar. E passar. A música é uma versão de “Más O Menos Bien”, da conhecida e muito boa banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado. E, muito além dos conceitos, tem a canção. E que canção! E que refrão!
2 – Kl Jay – Território Inimigo” (Estreia)
Kl Jay sempre acerta. Aqui oferece seu balanço único para as vozes de Jota Ghetto, Amiri e Anarka. Na letra, a denúncia sobre o racismo brasileiro que se evidencia em assassinatos brutais e políticas públicas desastrosas que criminalizam a existências da população negra no país. Um basta daqueles em uma questão urgente.
3 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (1)
Ana vai conquistar o mundo. A gente já sabia e o mundo agora parece que está sendo informado. Indicação ao Grammy, livro e um novo single que deixa a gente com a certeza de que a sua produção segue afiada em um som que ela explica assim: “Pensei numa melodia que pudesse ser cantada para plantas e bebês, trazendo timbres que têm me interessado, como a flauta, órgão e violão, misturando elementos da bossa-nova, chamber-pop e soft-eletro-indie. Quis explorar efeitos, estéreos e repetições trazendo elementos em comum ao ‘Little Electric Chicken Heart’, como dobras, coros, metais, e divergindo em outros aspectos, como forma e timbres”.
4 – Plutão Já Foi Planeta – “Risco de Sol” (Estreia)
No esperto EP em que gravam composições de seus conterrâneos de Natal, a banda saca ideias musicais próprias bem forte e que fala de certa maneira um monte justamente sobre a cidade e sua relação com a banda. Indie-geografia. Tendência linda que temos comentado bem por aqui.
5 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (2)
Em um beat inspirado do Kamau, Rodrigo Ogi deixa mais uma letra nota dez em um disco que não é o seu este ano – o outro exemplo é o som que escreveu pra Kiko Diinucci. Marcelo D2 em uma track sua soa quase como participação de luxo, consequência de sua ideia de montar um superálbum gravado e escrito remotamente durante a pandemia por muitas vozes e canetas. Que sacada e que generosidade com os mais novos.
6 – Revolta – “Hecatombe Genocida” (3)
Nosso “We Are the World” do mundo invertido. “Cem mil mortos entupindo o poço da escuridão/ A justiça vai caindo/ Facistas na contramão/ O terror em forma de governo/ Misturado com ódio e veneno/ Extermina toda a razão/ Patriotas de pele mais clara/ Mundo podre da corrupção”, diz a letra da banda que tem em suas fileiras “apenas” João Gordo (Ratos de Porão), Prika Amaral (Nervosa), Guilherme Miranda (Entombed AD e Krow), Moyses Kolesne (Krisiun), Castor (Torture Squad) e Iggor Cavalera (Cavalera Conspiracy e Mixhell).
7 – Carne Doce – “Hater” (4)
Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”
8 – WRY – “Tumulto, Barulho e Confusão” (Estreia)
A reflexão do Wry sobre tempos nada simples de entender se encaixa em um música bonita e agradável. Sabe aquela simplicidade assobiável? Não é todo dia que sai música assim. Queremos esse álbum que chega no fim do mês.
9 – Daniel Tupy – “Bem” (Estreia)
Uma reflexão pra lá de pessoal – e em alguns pontos até complicados de decifrar – de Tupy da Marrakesh, mas que pega em todos que encararam o isolamento social e suas consequências nadas fáceis pra cabeça.
10 – Romero Ferro – “Fake” (Estreia)
Vale ir ver o vídeo que recupera esse bom som de 2019 de Romero Ferro. A letra e o vídeo cutucam a questão do fake nos termos atuais ao mesmo tempo que lembra que estamos enfrentando um velho problema. “Mas tudo é relativo, incoerente e natural. O resto é fake.”
11 – Leveze – “Aurora” (5)
12 – Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D`água” (6)
13 – SARTØR – “NEVER COMING HOME” (7)
14 – Rohmanelli – “Toneaí” (8)
15 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (9)
16 – Matuê – “Máquina do Tempo” (10)
17 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (11)
18 – The Baggios – “Hendrixiano” (12)
19 – JP – “Eu Quero Perder Você” (13)
20 – Nobat – “Cárcere” (14)
21 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (15)
22 – Cat Vids – “Ash Ketchum” (16)
23 – PLUMA – “Leve” (17)
24 – Luiza Lian – “Geladeira” (18)
25 – BK – “Movimento” (20)
26 – Nana – “Independência ou Morte” (21)
27 – Vivian Kuczynski – “Pele” (24)
28 – Boogarins – “Cães do Ódio” (25)
29 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (26)
30 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (27)
31 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (29)
32 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (31)
33 – Letrux – “Vai Brotar” (33)
34 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (34)
35 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (35)
36 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (36)
37 – Rincon Sapiência – “Malícia” (37)
38 – Marcelo Perdido – “Bastante” (38)
39 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***


***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do multiinstrumentista e cantor Chuck Hipolitho.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>