Em bananada 2017:

CENA – Bananada 6 de 7 – Liniker, Mutantes, Carne Doce, JP, Terno Rei…

>>

popload_cena_pq

* Popload em Goiânia. Bananada 2017 teve quase 11 mil pessoas no sábado. Para ver…

poploadbananada2017

Sexto dia do Bananada geral, segundo dia do Bananada “grandão”, este realizado de novo no enorme Centro Cultural Oscar Niemeyer, cenário bonito, noite bonita, shows bonitos, só alegria.

De um lado do ringue, os indies. JP Cardoso, Luiza Lian, os meninos da balada brasiliense Criolina, Tagore, nos palcos menores, de frente para o outro. Do outro lado, os estabelecidos Mutantes, Maria Gadú e, vá lá, a bombada Liniker se revezando nos dois palcões do Bananada, recebendo a “visita” de Carne Doce, Terno Rei, Aeromoças e Tenistas Russas, entre outros.

galera

Do que a Popload viu, “because I was there for the opening bands”, o JP Cardoso, de Belo Horizonte, foi incrível. Energia “teen spirit” pura. Guitarras tão bagunçadas quanto boa, cozinha (baixo e bateria) correta. Uma canja maior de palco e com esse belo disco de estreia lançado, o rapaz deve subir e subir no indie nacional. O vídeo lá embaixo, de música quase-instrumental se não fosse uns berros vocais, não me deixa mentir. Acho.

Falha minha, nunca tinha visto a menina Luiza Lian ao vivo, show inteiro, bem assistido. No Bananada ela se apresentou possuída, acompanhada com um DJ e operador de botões. Possuída, mas não endemoniada. Lian parecia uma fada, principalmente cantando as músicas de seu mais recente disco, “Oyá Tempo”, recém-lançado. Disco-visual, explicando melhor. Show-visual, explicando melhor. Bem bom.

Eu sou cada vez mais fã do Terno Rei. Vi recentemente dois shows do quinteto paulistano e a percepção da leveza pesada de sua música (ou seria o contrário) só cresce, a cada apresentação. Acho engraçado o indie-MPB deles, no sentido de que a voz é bonita, as letras são em português e não parece nada MPB. A parte indie é tão bem trabalhada, tão coesa, que nem parece indie. Sei lá. Bandaça pronta.

Outra bandaça pronta, toda linda, vocalista estonteante no gingado, na dança, banda boa em cada instrumento, porque com eles todos os instrumentos são ouvidos, o Carne Doce, no Bananada, jogou para a torcida. Tinha gente se esgoelando na minha frente, ao meu lado, fãs locais vendo banda local em festival local. Going global but acting local. Os fãs entusiasmados estavam tentando fazer um vocal mais alto do que o da Salma Jô. Falharam. Não dá para competir com ela.

Por fim, que delícia o show do Aeromoças e Tenistas Russas, ATR para os íntimos, rapaziada de São Carlos, “nova banda” que já tem oito anos de estrada. Synthpop-electroindie instrumental gostoso, quando acerta nas músicas é uma beleza. E acerta em várias. Em certos momentos, só um recorte algo exagerado, parecia New Order/Depeche Mode no começo de carreira. A Certain Ratio, manja?

Bom, abaixo alguns dos momentos do sabadão do 2017 lotadão, em vídeos feitos por mim e fotos “de categoria” do Ariel Martini, do I Hate Flash.

***

Liniker2

Frente e verso do showzão da cantora Liniker, uma das grandes atrações do sábado no Bananada, em Goiânia

Liniker3

***

***

Captura de Tela 2017-05-22 às 6.04.22 PM

Salma Jô (Carne Doce), acima, e Luiza Lian: mulheres em ação durante o Bananada

Captura de Tela 2017-05-22 às 6.04.03 PM

***

***

***

mutantes

Show da veterana banda Os Mutantes, ou o que restou dela, um dos grandes nomes da 19ª edição do festival goiano

***

***

TernoRei

O vocalista e baixista do Terno Rei, Alê Sater, durante show da banda no festival goiano

>>

CENA – Bananada 5 de 7 – Baiana System, Céu, Ventre, Hierofante Púrpura…

>>

popload_cena_pq

* Popload em Goiânia. Dando continuidade à…

poploadbananada2017

Vamos encerrar, então, a cobertura do Bananada 2017, evento capilar da cena indie nacional que se encerrou no último domingo na destemida Goiânia, no setor dos indies. Tudo devia estar aqui na sexta passada, mas o mundo ficou meio louco neste último final de semana, então capitulamos. E agora retomamos o especial.

A sexta-feira do Bananada (falamos de 12 de maio) deu início ao festival “de verdade”, grande, cheio de palcos, tudo concentrado no lindo Centro Cultural Oscar Niemeyer. Parou a fase South by Southwest, entrou a fase Primavera Sound. Dois palcões responsa intercalava as atrações principais do dia, apresentados pelo “compere” Carlos Eduardo Miranda. Neles tocaram Baiana System, Céu (foto abaixo), Ventre, Fióti, Barro e mais uma galera.

ceu2

Do outro lado do festival, outros dois palcos representavam o “verdadeiro Bananada”, mais indie, menos gigantesco. O palco Slap, que perto da meia-noite virava o El Club, com DJs e performers para botar o povo para dançar (Jaloo, Selvagem). E, em frente, tinha o palco que reproduzia a Casa do Mancha (casa-clube de São Paulo), com shows do bom Raça, do meio-boogarins Luziluzia, o deslocador de tempo e espaço E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante e o Hierofante Púrpura, que, olha, perdi algumas coisas, vi parte de outras, mas o grupo de Mogi das Cruzes periga ter feito o show mais legal da sexta-feira. Talvez. Esses dois palcos “alternativos” tinham as atrações apresentadas pela incrível radialista Roberta Martinelli.

Abaixo, alguns dos momentos da sexta no Bananada 2017, em vídeos feitos por mim e fotos incrí do Ariel Martini, do I Hate Flashzaço.

Captura de Tela 2017-05-16 às 11.51.21 PM

O show ao vivo mais explosivo da cena brasileira, um “Asian Dub Foundation meets Major Lazer meets Carnaval baiano”, o Baiana System agitou o Bananada

***

***

Captura de Tela 2017-05-16 às 11.48.38 PM

Público do Bananada 2017 no Centro Cultural Oscar Niemeyer, durante show do Baiana System

***

***

Captura de Tela 2017-05-16 às 11.44.15 PM

A MPB do gueto de Evandro Fióti foi um dos destaques do primeiro dia “grande” do festival goiano

***

***

Captura de Tela 2017-05-16 às 9.14.38 PM

O trio carioca Ventre e seu show politizado em ação na 19ª edição do maior evento indie do Centro Oeste

***

***

Captura de Tela 2017-05-16 às 11.48.09 PM

Mais público do Bananada, mais Oscar Niemeyer, mais Baiana System

***

* A foto que ilustra a chamada deste post, na home da Popload, traz a baterista Larissa Conforto, do Ventre.

>>

CENA – Bananada 4 de 7 – Orquestra testou o festival. E o Boogarins psicodelizou o evento

>>

popload_cena_pq

* Popload em Goiânia. Do tamanho de Austin. Quase maior que Barcelona. Ok, brincadeirinha. Mas vai duvidando…

poploadbananada2017

Ontem, no Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON), o Bananada 2017 abriu as portas de seu festival propriamente dito. Em noite gratuita, botou bandas, orquestra e público para experimentar palco e estrutura, numa capacidade bem reduzida.

Captura de Tela 2017-05-12 às 6.09.31 PM

Pode-se dizer que o festival indie abriu de forma clássica. O primeiro som a sair das caixas da 19ª edição do Bananada foi da Orquestra Filarmônica de Goiâs. Em cima de um caminhão de trio elétrico, os desaforados do Rollin Chamas, nome gozado de turma anárquica local, cantou seus impropérios enquanto um dos palcões estava sendo preparado para os Boogarins, heróis da cena goiana de reputação já internacional. A banda foi introduzia ao palco pelo gigante (vários aspectos) Carlos Eduardo Miranda, que enalteceu o dono da porra toda, Fabrício Nobre, um dos maiores articuladores do indie brasileiro, que chamou a galera para olhar, entre tantas coisas para se olhar no espação lindo do Niemeyer, a belezura que é o banheiro do festival. Daí, então, Miranda pediu a entrada dos Boogarins, para fazer coisas como esta abaixo:

Nem começou e já está lindo o Bananada 2017. Abaixo, algumas fotos do que aconteceu ontem no festival:

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.56.19 PM

A Orquestra Sinfônica de Goiás abriu ontem de modo “diferente” o Bananada 2017. Fotos bambas de Ariel Martini, do site bamba I Hate Flash

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.56.52 PM

***

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.57.36 PM

A banda Rollin Chamas fez sua bagunça sonora num trio elétrico no soft opening do festival, e reiterou sua famosa posição “Sou goiano e f•da-se”. Foto de Ariel Martini/I Hate Flash

***

Captura de Tela 2017-05-12 às 6.04.48 PM

Acima, o baterista Ynaiã Bethroldo, durante show do Boogarins nesta quinta. Abaixo, o guitarrista e vocalista Dinho Almeida, na apresentação que durou 1h30. Ambas as fotos são do poploader Fabrício Vianna. A foto do público, que abre o post, e a de Yanaiã, que está na home da Popload, também é de Fabrício

Captura de Tela 2017-05-12 às 6.04.39 PM

>>

CENA – E atenção, o Bananada “começa” hoje

>>

popload_cena_pq

* Popload desbravando Goiânia.

poploadbananada2017

Vista do Palco Chilli Beans, o segundo maior do Bananada, em show de Orquestra Sinfônica de Goiás, no dia gratuito do festival. Foto de Ariel Martini, do I Hate Flash

Depois de muito shows bons em casas legais, desde segunda à noite, mais o “teste” ontem com orquestra e o internacional Boogarins no enorme Centro Cultural Oscar Niemeyer, a sede oficial do evento, o festival Bananada 2017 realmente começa hoje à noite numa área com cinco palcos e quase 30 atrações.

O bombadão Baianasystem é a grande atração do primeiro dia, que ainda vai ter Céu, Ventre, Plutão Já Foi Planeta, Jaloo, Luziluzia e a bagunça disco dance da dupla Selvagem.

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.02.45 PM

O lugar, cheio de edifícios geométricos, tem num canto dele uma deliciosa área com dois espaços de shows, longe dos dois palcos enormes. Um que reproduz a Casa do Mancha, de São Paulo, lugar para bandas indies do indie (Raça, Luziluzia, E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante e Hierofante Púrpura tomam conta do palco, e um outro com uma que tem bandas até 23h (The Baggios toca ali), depois vira palco dance com performance e DJs (Jaloo, Selvagem). Uma parede gigante branca, toda mapeada, dá o tom de qual hora é hora por ali.

Esse bonito parque de diversões indie projetado pelo Niemeyer, que tem até pista de skate no meio, recebe o público a partir das 18h. Os shows começam 19h e só terminam 5h. Ainda tem ingressos, disponíveis para a compra no site do festival.

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.06.17 PM

Untitled-1

Captura de Tela 2017-05-12 às 5.16.48 PM

>>

CENA – Bananada, 3 de 7 – Austin é aqui: a noite de quarta teve Far From Alaska, Black Drawing Chalks, Ventre e o escambau

>>

popload_cena_pq

* Popload em Goiânia. A moleza de ver shows “apenas” em cinco/seis casas noturnas pequenas da cidade está acabando…

poploadbananada2017

* Não consegui ver o show conjunto tudo misturado do Ventre com o E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante, no Sesc Centro, porque optei por outros baladas. Mas quem viu disse que foi o fino da bossa (veja a foto abaixo, de Ariel Martini/I Hate Flash). Esse encontro carioco-paulistano indie teria sido tão legal que as bandas pensam em repetir o formato. A ver.

Captura de Tela 2017-05-11 às 8.52.05 PM

Como o Ventre e Sesc são muito mainstream para mim (brincadeirinha!), optei por ir ver o showcase da valente e velha-de-guerra Midsummer Madness no Rum, que promoveu shows das bandas Justine Never Knew the Rules, da República de Sorocaba, e do Lava Divers (MG). Guitarras desobedientes em clima shoegazer no primeiro, indie-rock mineiro absurdamente bem ritmado com baterista mulher que canta no segundo. Noite bem bacana.

Captura de Tela 2017-05-11 às 8.22.10 PM


Justine Never Knew the Rules, acima, e Lava Divers, abaixo, tocam no showcase da Midsummer Madness, no bar-estúdio Rum, dentro da programação do Bananada. Mais abaixo, imagem de Ana Zumpano (Lava Divers) em ação. Fotos de Fabrício Vianna, poploader de longa data

Captura de Tela 2017-05-11 às 8.22.41 PM

Untitled-10

Enquanto os chilenos Magaly Fields e o famosinho Perrosky internacionalizavam o Rock, do outro lado do Centro uma galera ia enchendo o tradicional clube rrrrrock goiano Diablo Pub, para ver os curitibanos do Trem Fantasma, os locais Black Drawing Chalks e o cada vez mais bombado Far From Alaska, de Natal (RN). Tudo um showcase do site/festival Tenho Mais Discos Que Amigos. O primeiro grupo, do Paraná, exerceu ao vivo uma regressividade sulina que ficava melhor quando o som escapava para algo perto do psicodelismo. Tipo aqui.

Eu pago um pau para o Black Drawing Chalks, daqui de Goiânia, banda que mais se aproxima do grupão americano Queens of the Stone Age no sentido: desempenham um som na fórmula metal (80%) / stoner (20%) caprichada e parecem que estão se divertindo muito entre eles e com a turma deles. Claro, como tradição, tomaram chuva de cerveja da plateia. Sempre um prazer vê-los ao vivo. Vi apenas uma lasquinha do show da atração maior da noite, a banda nordestina Far From Alaska, que encheu seu set, soube, de músicas do próximo disco, “Unlikely”. Mais por minha culpa do que deles/delas. A parte que eu vi, um cara ao lado soltava repetidamente uma frase tipo de dez em dez segundo que parecia um mantra: “Que foda! Que foda!”. Parece que foi assim o show todo.

Captura de Tela 2017-05-11 às 8.54.26 PM

Acima, a banda Black Drawing Chalks em ação no Diablo Pub. Depois, entrou em cena as meninas e meninos do Far From Alaska, de Natal, terminando de quebrar tudo. Estas duas fotos, mais a espetacular da home da Popload, são de Ariel Martini, do grande I Hate Flash, velhos parceiros

Captura de Tela 2017-05-11 às 8.54.47 PM

>>