Em been a son:

Aparece “Been a Son”, a “nova” música do Kurt Cobain, tosca e incompleta. Ou seja: imperdível

>>

Na semana que vem, dia 13, sai em disco mais um material inédito ou mais ou menos inédito do cara que um dia mudou a história da música jovem gritando áspero e fazendo o maior barulho possível a partir de uma guitarra. “Montage of Heck: The Home Recordings” é o álbum a ser lançado e que junta tudo de sonoro que o diretor Brett Morgen encontrou na casa do finado Kurt Cobain, para fazer o incrível documentário sobre o líder do Nirvana, que passou em alguns cinemas e na TV americana no começo deste ano. É praticamente um álbum solo do Cobain, com coisas ou não coisas do Nirvana, a ganhar vida no formato de CD e vinil com 13 músicas, ou na versão de luxo indo para 31 faixas, ou pedaços delas, ou falas do guitarrista, tudo achado em fitas cassetes no espólio familiar do roqueiro.

Uma dessas faixas ou um protótipo delas é “Been a Son”, que emerge agora em áudio, na íntegra em seu formato demo, uma semana antes do lançamento do álbum. Bastante conhecida dos fãs do Nirvana, “Been a Son” sempre foi uma música bastarda do Nirvana, porque nunca entrou em disco oficial algum da banda. Apareceu como lado B de single/EP em 1989, depois entrou no álbum de raridades “Incesticide”, de 1992, e foi incluída em disco-coletânea póstumo, sempre em versões diferentes.

É incrível ver como uma versão demo velha e crua do Kurt Cobain como esta “Been a Son” do k7 soa com mais energia, autenticidade e carregando o “espírito de agora” do que boa parte da produção do rock hoje, mesmo tendo sido feita nos anos 80.

“Been a Son”, a demo, dura pouco mais que um minuto e é gravada ainda com uma explicação de Cobain para o amigo Krist Novoselic de como ele deve tocar o baixo na música.

Abaixo, a versão tosca e rascunhada da trilha sonora do documentário, que sai semana que vem em disco e como filme no DVD. Na sequência, para dar uma outra ideia da música num formato “mais bem acabado” e ao vivo, pode-se ver “Been a Son” tocada em sua versão famosa no marcante show do Reading Festival de 1992, uma das apresentações mais importantes de uma banda de rock nos últimos 25 anos, já explicamos aqui 1 milhão de vezes o porquê. Estou exagerando, Kurt?

kurt-cobain


“She should have died when she was born
She should have worn the crown of thorns
She should have-been a son”

Se a versão aí de cima falhar porque não permitem ao Brasil ouvi-la, tenta aqui.

Se ainda assim tiver embaçado, ouça no Blabbermouth.

E ainda… Nirvana em ação.

>>