Em billy corgan:

Metallica, Billy Corgan, Taylor Hawkins e um Nirvana, entre outros, fazem homenagem ao Alice Chains. Veja todo o evento

>>

* O Museum of Pop Culture é um canto interessante de Seattle. Lembra aquela exposição “Nirvana: Taking Punk to the Masses”, que passou até pelo Brasil, ainda que pequenininha? Coisa deles.

Há 14 anos o museu premia artista da música por seu legado, montando um evento que busca reunir fundos que toquem projetos da casa. Neste ano, por exemplo, já reuniram 600 mil dólares em uma homenagem ao Alice Chains. Acredite ou não, a primeira banda grunge homenageada dentro dessa premiação até o momento.

Foram quase duas horas e meia de som, que você pode assistir abaixo, na íntegra. Entre os convidados, diversos grandes nomes e boas versões. Tem a marcante “Would?”, lida pelo Korn; “Rain When I Die”, com o Dallas Green; “Would?” de novo, agora em versão acústica pelo Metallica, talvez a banda mais brother do Alice In Chains. E ainda teve “Again”, desempenhada pelo pesado grupo Mastodon.

Captura de Tela 2020-12-02 às 6.30.14 PM

A lista seguiu com Mark Lanegan, Maggie Bjorklund, Dave Navarro, Taylor Hawkins, Corey Taylor, Chris Chaney, Billy Corgan, Krist Novoselic, Nancy Wilson, Liv Warfield, entre outros tantos. Muita gente que orbitou na atmosfera grunge do final dos 80, começo dos 90 também apareceu, ao menos para dar um depoimento sobre a banda. Eddie Vedder (acima), do Pearl Jam, e Mark Arm, do Mudhoney, foram dois deles.

E a homenagem conta com participação do próprio Alice In Chains, das poucas bandas da história que soube se reinventar após a perda de dois integrantes-chave: o vocalista Layne Staley e o baixista Mike Starr.

A íntegra do evento está aqui:

>>

Tempos de reclusão? Smashing Pumpkins prepara batelada de lançamentos e shows até difíceis de explicar

>>

* 2020 entrando na reta final e, enquanto boa parte das bandas e o mercado fonográfico seguem segurando grandes lançamentos, se tem uma base de fãs que não tem do que reclamar é a do Smashing Pumpkins.

corgan

Prestes a lançar em 27 de novembro o novo álbum, “Cyr”, com 20 músicas, seis delas divulgadas até então e que já adiantamos por aqui, os próximos dias (ou horas) trarão ainda muitas (mas MUITAS) novidades da veterana banda de Chicago, que serão divulgadas oficialmente. Mas, para adiantar essas infos lindas e, digamos, podar eventuais distorções ou informações incorretas de toda essa parada, o líder da banda Billy Corgan fez recentemente uma live adiantando um pouco de tudo isso.

Em comemoração aos 25 anos do lançamento do ótimo e complexo “Mellon Collie and the Infinite Sadness”, os Pumpkins estão trabalhando atualmente em 33 músicas que farão parte de um novo disco, uma espécie de sequência do “Mellon Collie” e do “Machina” (este de 2000), com uma espécie de ópera rock e que vai fechar essa trilogia e o arco temático do personagem Zero / Glass. Intrigante? Billy Corgan é assim.

O “Mellon Collie” também vai ganhar uma turnê comemorativa que contará com uma grande produção e também deverá trazer, em seu setlist, b-sides dessa era inclusos no box “The Aeroplane Flies High”. Claro, as datas exatas ainda não serão anunciadas por tudo que está acontecendo com mundo, mas a perspectiva é “quando houver condições, o mais rápido possível”.

Voltando ao “Machina”, a tão aguardada versão completa está atualmente sendo mixada e deverá ter entre 50 ou 51 músicas, fora os lados B e raridades, sobras etc. Lembrando que o “Machina” originalmente seria um álbum duplo que a gravadora acabou não aceitando e por isso o disco foi dividido em duas partes. A segunda disponibilizada gratuitamente alguns meses após o lançamento da primeira parte, mas as músicas finalizadas e produzidas como deveriam ser originalmente nunca haviam sido lançadas. Intrigante? Billy Corgan é desses.

Além disso, o SP também está trabalhando em um outro disco, que provavelmente terá dez músicas. Esse seria o “Volume III”, dando sequência ao “Shiny and Oh So Bright Vol 1 (No Past No Future No Sun)”, de 2018, e o já mencionado “Cyr” sendo considerado como segundo volume desse projeto. Apesar da ainda falta de data de lançamento, Billy garante que esse sai após a continuação do “Mellon Collie” / “Machina”, mas já tem 70% pronto e enfatiza que no total estão trabalhando atualmente em 46 músicas.

Nos planos ainda estão futuras turnês temáticas, nos mesmos moldes da do “Mellon Collie”, tanto do “Machina” quanto do album ainda sem título que fechará essa trilogia.

É… O Billy Corgan tem esse jeitinho.´

>>

Smashing Pumpkins e a guitarra roubada em 1992. Recuperada agora

>>

* No início do mês, viralizou uma história bacana sobre Billy Corgan, líder dos Smashing Pumpkins, que finalmente conseguiu resgatar uma guitarra única que havia perdido há 27 anos. Como uma matéria extensa na “Rolling Stone” gringa explica, Corgan teve a guitarra roubada em 1992, e ficou à procura da mesma por anos, sem saber de seu real paradeiro. Nesta semana, o Smashing Pumpkins publicou um vídeo de Billy Corgan contando a história da busca pelo instrumento, e tocando algumas músicas do álbum “Gish”, o disco de estreia, de 1991.

A história diz que os Pumpkins estavam na estrada com a turnê do “Gish” e um ladrão simplesmente “saiu andando” pela porta do backstage após um show em Detroit, com a guitarra na mão, e ninguém o impediu. Com o passar dos anos, Corgan recebeu diversos relatos de onde a guitarra poderia estar, e até ofereceu uma recompensa pela mesma: 20 mil dólares, “no questions asked”. O cantor-guitarrista desistiu de envolver a polícia na história. Ele só queria seu instrumento de volta.

Corgan tinha um carinho especial por ela, pois foi a primeira Fender Stratocaster que ele tocou, algo que veio a consolidar o som do grupo na época. Corgan, apesar de ser canhoto, sempre tocou guitarras de destro, e o braço daquela Stratocaster parecia o favorecer – além de ter um som extraordinário. Ele também não gostava muito da cor do instrumento, então decidiu pintar algumas partes de seu acabamento, tornando-o único.

Agora, 27 anos após o incidente, seguindo uma série de pistas falsas (inclusive uma réplica relativamente bem-feita), finalmente apareceu alguém com a guitarra verdadeira. Curiosamente, a a pessoa em posse da Stratocaster não tinha a mínima ideia da história que ela carregava quando a adquiriu.

Corgan diz que “sabia” que algum dia a guitarra voltaria para ele. É o tipo de história “lendas do rock” que fãs adoram passar adiante, e que deve aparecer em livros e retrospectivas de cultura pop por anos. Mesmo com o último disco dos Pumpkins não sendo tudo aquilo, embora com a banda tendo reencontrado um vigor ao vivo, é difícil não achar isso tudo um “causo” legal.

Captura de Tela 2019-02-28 às 2.18.25 PM

**

** As fotos deste post (que inclui a da home) são de Dan Prakopcyk para a RollingStone.com.

>>

Billy Corgan se junta a amigos do Nine Inch Nails, Jane’s Addiction e The Cult para cantar “Mountain Song”

>>

billycorgan2014

No início desta semana, Billy Corgan se reuniu com antigos amigos e fez parte da “superbanda” Royal Machines, que conta com membros do Jane’s Addiction, The Cult e Nine Inch Nails.

Ao lado do guitarrista Dave Navarro, do baterista Josh Freese e dos baixistas Billy Morrison e Chris Chaney, Corgan cantou em Los Angeles músicas como “Bullet With Butterfly Wings”, do seu Pumpkins, e ainda “Mountain Song”, do Jane’s.

Billy está no meio de um retorno triunfal do Smashing Pumpkins com formação original, que tem feito shows elogiados e lançou o bom disco “Shiny And Oh So Bright Vol. 1”.

>>

Smashing Pumpkins clássico volta tocando Joy Division em show secreto. E divulga vídeo totalmente sem sentido para “Solara”

>>

280618_smashingpumpkins4

Em mais ou menos duas semanas, o Smashing Pumpkins inicia sua turnê mundial com sua formação clássica, que esteve separada por quase duas décadas. Ao lado do guitarrista James Iha, do baterista Jimmy Chamberlin e ainda do também guitarrista Jeff Schroeder, Billy Corgan começa a dar os primeiros passos oficiais de reunião com seus antigos companheiros.

A turnê começa oficialmente em Glendale, dia 12 de julho, mas o grupo se reuniu ontem, pela primeira vez em 18 anos, para um show secreto no famoso Troubadour, clubinho de Los Angeles, acompanhado por 400 fãs sortudos.

No setlist, uma viagem por todos os discos de estúdio do grupo, além de um espaço para uma cover de “Transmission”, do Joy Division, ainda participação do vocalista Davey Havok, do AFI. Também na apresentação, o Pumpkins tocou o novo single, “Solara”, que estará no novo álbum com produção de Rick Rubin.

“Solara”, inclusive, ganhou hoje um vídeo todo surreal que mostra Billy Corgan em uma espécie de manicômio, vivenciando diversas experiências esquisitas. Tudo normal em se tratando de Smashing Pumpkins.

Abaixo, o vídeo de “Solara” e alguns registros do show secreto de ontem, na Califórnia.

>>