Em black alien:

Top 50 da CENA – Terno Rei voa para o topo do Top. Luedji Luna tuna seu hit. Febem bate um bolão no terceiro posto

Banner_Cena

* Uma semana de pouca dúvidas por aqui. Uma das bandas mais importantes da CENA faz história. Não vamos dar spoilers aqui em cima porque o texto está logo ali. Mas é isso mesmo: história. E isso em uma semana movimentada, com remix esperto, uma jovem cantora dando seus primeiros passos solo, um velho conhecido de volta, um favorito da casa rimando como nunca e uma jovem banda do Norte do país que é nossa mais nova aposta. Consegue ligar os personagens citados com os artistas sem errar? Na dúvida, toca a playlist. A coisa mais certeira desta lista enorme.

ternoreitopquadrado

1 – Terno Rei – “Aviões” (Estreia)
A gente celebrou por aqui todos os outros singles do novo álbum do Terno Rei, certo? Caramba, que ansiedade pelo tal “álbum mais pop”, “Gêmeos”, que sai na semana que vem. Desta vez, com “Aviões”, não seria diferente, porque acreditamos que a canção talvez seja disparada uma das melhores da banda até aqui. A sutileza, a delicada harmonia vocal do refrão, a letra que fala muito do nosso presente após as nostálgicas “Difícil” e “Dias Da Juventude”… Pelo menos a nossa leitura por agora é desse encontro pós-pandemia que a música registra e que é bem emocionante. Talvez ela fale de outras coisas, vamos descobrindo dando os plays que o single merece.

2 – Luedji Luna – “Banho de Folhas” (Raze Mix)
“Banho de Folhas” é o a música mais conhecida da Luedji Luna, do “distante” 2017. Sua versão original é de um balanço suave, leve. Daí nossa surpresa em dar de cara com essa versão TUNADA da música no Tik Tok, que faz um par gostoso com a original. É que a faixa virou trilha da Raze, a personagem brasileira no jogo Valorant, um dos games competitivos mais bombados da atualidade. Aliás, se alguém quiser desafiar a gente…

3 – Febem – “Champions” (Estreia)
Estamos gostando da série brasileira que anda colando no Colors, aquele canal de Youtube superestiloso e minimalista que é ótimo para encontrar novos (e bons) artistas . Quem apareceu lá desta vez é uma figurinha constante aqui no nosso Top 50, o rapper Febem. Não tem como não gostar de um rap que chegar certeiro assim nos versos futebolísticos: “Dentro da área objetivo que nem o Romário/ Até quem não gosta indiretamente paga o salário”.

4 – Jambu – “Sem Rumo” (Estreia)
Jambu é uma banda de Manaus, Amazonas, que anda fazendo um certo barulhinho justificado há algum tempo. “Sem Rumo” já estava entre as nossa favoritas e faltava um brecha para entrar no Top 50. Agora rolou. Se você amou nosso primeiro lugar, dá uma chance para este quarteto. É um indie rock bem clássico, mas com todo um frescor brasileiro renovado. Vai sem medo.

5 – Otto – “Peraí Seu Moço” (Estreia)
Sem álbum novo desde 2017, o pernambucano Otto retorna à cena e à CENA com um disco todo feito em casa, inicialmente sozinho com seu mais novo “parça”, o app GarageBand, na companhia de seu celular. A criação da quarentena encontrou abrigo na produção de Apollo Novo, parceiro de longa data de Otto. “Canicule Sauvage”, seu novo álbum, ainda não está na praça, mas neste fim de semana já rola show no Sesc Vila Mariana. Se puder, cola por lá para pegar tudo em primeira mão.

6 – Agnes Nunes – “Mais Sincero (com Neo Beats)” (Estreia)
A baiana Agnes Nunes coleciona feats. que são hits e fãs que são gigantes – pense que na pandemia ela fez uma live ao lado de Elza Soares e Seu Jorge. Agora em seu primeiro álbum ela adiciona mais seu tempero pessoal para os fãs que a conheceram ao lado do Xamã ou de Tiago Iorc. Resultado: é um som gostoso de escutar no foninho bem de boa, sabe? Um R&B moderno. Pensa que Neo Beats, que assina a produção ao lado de Kassin, é um dos responsáveis por uma certa “Malvadão 3″… Conhece, né?

7 – Ava Rocha – “Papais Panacas” (com Iara Rennó e Saskia) (1)
Já temos um novo hino para o Carnaval de 2022, que não podemos deixar ser cancelado ou privatizado. “Papais panacas aqui não passarão”, avisa Ava ao lado de Iara e Saskia em uma marchinha experimental (para quem achou que tudo já tinha sido feito em termos de marchinha…). “Ow, sem noção, paga pensão” é o refrão, para ficar na mente e cantar no baile.

8 – Bruno Morais – “Onironauta” (2)
Faz tempo que Bruno Morais promete seu terceiro álbum – o mais recente é de 2009! Mas parece que está chegando a hora. “Poder Supremo” surge finalmente no próximo no dia 17 de março. O single “Onironauta” é daqueles para deixar a gente muito ansiosa. Como o nome da faixa entrega, é sobre um sonho. Mas não aquele sonho que se dá tranquilo. Nas palavras de Bruno, é “sobre chegar em casa com o corpo exausto de tanto caos e o poder da imaginação se transformar em meio de transporte para outras dimensões, agindo como uma espécie de remédio”. Apenas.

9 – Black Alien – “Pique Peaky Blinders” (3)
Black Alien chega neste single no pique de uma das nossas séries prediletas, com seu parça Papatinho disparando muitas e muitas linhas daquelas que tiram sempre um sorriso da nossa cara, tamanha sua criatividade. E mesmo quando o verso da núsica é beeeem tenso. Não tem jeito, todo mundo odeia o Chris, mas te ama, Gus. Pode apostar.

10 – Supervão – “Primeiro Date” (4)
Supervão, aquela banda gaúcha ex-indie psicodélica que faz umas músicas fritadas lindas, meteu agora uma love pop song na nossa orelha abaixo? Pois é.

11 – Julia Mestre – “Meu Paraíso” (com Lux & Tróia) (5)
12 – FBC – “Se Tá Solteira Breaking Beattz remix” (com Mac Júlia) (6)
13 – Bala Desejo – “Lambe Lambe” (8)
14 – brvnks – “holy motors” (9)
15 – Urias – “Foi Mal” (10)
16 – Vandal – “TIROH IH KEDAH” (11)
17 – China – “Carnaval Infinito” (12)
18 – Walfredo em Busca da Simbiose – “Traumas de Estimação” (13)
19 – Mc Hariel – “Pirâmide Social” (14)
20 – Gloria Groove – “BONEKINHA” (15)
21 – Do Amor – “A Morte do Amor” (16)
22 – Francisco, el Hombre e Sebastianismos – “Um Dia por Vez” (17)
23 – Gabriel Ventura – “O Teste” (18)
24 – Baco Exu do Blues – “Lágrimas” (19)
25 – Autoramas – “Nóias Normais” (20)
26 – Tuyo – Pra Curar (versão “Fragmentos 2”) (21)
27 – Anitta – “Boys Don’t Cry” (22)
28 – Larissa Luz/Rabo De Galo e Ubunto – “Lá Vem os Homens” (24)
29 – Fernando Catatau – “Nada Acontece” (25)
30 – Gab Ferreira – “pieces” (26)
31 – Assucena – “Parti do Alto” (27)
32 – N.I.N.A. – “Stephen King (Jotaerre Remix)” (28)
33 – FBC – “De Kenner” (29)
34 – Pitty, Jup do Bairro e Badsista – “Busca Implacável” (30)
35 – Sargaço Nightclub – “A Dança do Caos” (31)
36 – Luneta Mágica – “Águas Poluídas” (32)
37 – Juçara Marçal – “Crash” (34)
38 – Don L – “Volta da Vitória/Citação: Us Mano e as Mina (Xis)” (35)
39 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (36)
40 – Jadsa – “Sem Edição” (37)
41 – Alessandra Leão – “Borda da Pele” (38)
42 – LEALL – “Pedro Bala” (39)
43 – César Lacerda – “O Sol Que Tudo Sente” (40)
44 – Caetano Veloso – “Pardo” (41)
45 – Amaro Freitas – “Baquaqua” (42)
46 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (43)
47 – Coruja BC1 – “Brasil Futurista” (44)
48 – Prettos – “Oyá/Sorriso Negro” (45)
49 – Liniker – “Mel” (46)
50 – Luana Flores – “Lampejo da Encruza” (47)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a banda paulistana Terno Rei.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Top 50 da CENA – Ava Rocha traz o Carnaval ao ranking. Bruno Morais traz um sonho. Black Alien traz o “Peaky Blinders”

Banner_Cena

* Marchinha de Carnaval experimental no topo, banda fritada metendo uma love song e uma música sobre sonhos vindos do cansaço. E isso para ficar em três exemplo de uma boa renovação no Top 50. Semana movimentada nos lançamentos da CENA.

avarochatopquadrada

1 – Ava Rocha – “Papais Panacas” (com Iara Rennó e Saskia) (Estreia)
Já temos um novo hino para o Carnaval de 2022, que não podemos deixar ser cancelado ou privatizado. “Papais panacas aqui não passarão”, avisa Ava ao lado de Iara e Saskia em uma marchinha experimental (para quem achou que tudo já tinha sido feito em termos de marchinha…). “Ow, sem noção, paga pensão” é o refrão, para ficar na mente e cantar no baile.

2 – Bruno Morais – “Onironauta” (Estreia)
Faz tempo que Bruno Morais promete seu terceiro álbum – o mais recente é de 2009! Mas parece que está chegando a hora. “Poder Supremo” surge finalmente no próximo no dia 17 de março. O single “Onironauta” é daqueles para deixar a gente muito ansiosa. Como o nome da faixa entrega, é sobre um sonho. Mas não aquele sonho que se dá tranquilo. Nas palavras de Bruno, é “sobre chegar em casa com o corpo exausto de tanto caos e o poder da imaginação se transformar em meio de transporte para outras dimensões, agindo como uma espécie de remédio”. Apenas.

3 – Black Alien – “Pique Peaky Blinders” (Estreia)
Black Alien chega neste single no pique de uma das nossas séries prediletas, com seu parça Papatinho disparando muitas e muitas linhas daquelas que tiram sempre um sorriso da nossa cara, tamanha sua criatividade. E mesmo quando o verso da núsica é beeeem tenso. Não tem jeito, todo mundo odeia o Chris, mas te ama, Gus. Pode apostar.

4 – Supervão – “Primeiro Date” (Estreia)
Supervão, aquela banda gaúcha ex-indie psicodélica que faz umas músicas fritadas lindas, meteu agora uma love pop song na nossa orelha abaixo? Pois é.

5 – Julia Mestre – “Meu Paraíso” (com Lux & Tróia) (Estreia)
Aos pouquinhos a gente vai dando conta de descobrir o que cada integrante da “superbanda” super Bala Desejo fez antes da reunião do grupo que não se considera grupo. E aí a gente caiu nesta beleza de música que a Julia Mestre soltou de deixar a Rita Lee orgulhosa tamanha preciosidade pop brasileira.

6 – FBC – “Se Tá Solteira Breaking Beattz remix” (com Mac Júlia) (Estreia)
Hit do ano passado, a versão remix da dupla belo-horizontina Breaking Beattz adiciona um novo ponto de vista ao sucesso, liberando a fritação e até reconstruindo um pouco a ordem dos versos.

7 – Terno Rei – “Difícil” (1)
Terno Rei brinca bonito com a tendência (que sempre está voltando e a gente nem sabe mais quando deixou de rolar) de um synth pop bem oitentista em seu novo single, mais um que adianta o próximo álbum da banda. Se “Dias da Juventude” recuperava algo de anos 90, aqui eles foram mais longe. A música também tem um papo que rascunha uma ideia sobre perdas que vem com a maturidade, aquela distância que surge entre bons amigos e ninguém sabe explicar a razão. Difícil, né? Mas, pelo menos musicalmente, ficou bem resolvido.

8 – Bala Desejo – “Lambe Lambe” (2)
Já escrevemos que há algo de nostálgico e novo ao mesmo tempo no som da banda Bala Desejo, formado por jovens conhecidos da cena do Rio de Janeiro – Dora Morelenbaum, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra. Também já escrevemos que há um RJ que comporta passado e futuro aqui. Na segunda parte, ou no lado B, do seu primeiro trabalho, “SIM SIM SIM”, a turma investe em climas mais intimistas. Como eles mesmo descreveram, se a parte A era para fora, a B é para dentro. O que se mantém é o bom clima das músicas, uma falta de pressa em resolver as ideias que faz muito bem em tempos tão apressados.

9 – brvnks – “holy motors” (3)
Quem tava com saudade da cantora e guitarrista brvnks escrevendo em inglês pode resolver isso com esse novo single de forte clima oitentista que ela soltou. A espertíssima “holy motors” é mais um passinho na mudança musical que Bruna Guimarães vem propondo e mais um passinho em direção ao seu segundo álbum. Aguardamos ansiosamente.

10 – Urias – “Foi Mal” (4)
Nestes dias a gente viu de perto o fenômeno Urias no palco do Cine Joia. Uau. Vem muito sucesso por aí. A mina arrasa. Vozeirão, músicas legais, presença. Com “Fúria”, seu primeiro álbum, ela já conquistou um feito e tanto: a mineira é a primeira mulher trans e negra a atingir o topo da parada de álbuns do iTunes. Olho nela.

11 – Vandal – “TIROH IH KEDAH” (5)
12 – China – “Carnaval Infinito” (6)
13 – Walfredo em Busca da Simbiose – “Traumas de Estimação” (7)
14 – Mc Hariel – “Pirâmide Social” (8)
15 – Gloria Groove – “BONEKINHA” (9)
16 – Do Amor – “A Morte do Amor” (10)
17 – Francisco, el Hombre e Sebastianismos – “Um Dia por Vez” (11)
18 – Gabriel Ventura – “O Teste” (12)
19 – Baco Exu do Blues – “Lágrimas” (13)
20 – Autoramas – “Nóias Normais” (14)
21 – Tuyo – Pra Curar (versão “Fragmentos 2”) (15)
22 – Anitta – “Boys Don’t Cry” (16)
23 – Chico Science e Nação Zumbi – “Maracatu Atômico” (17)
24 – Larissa Luz/Rabo De Galo e Ubunto – “Lá Vem os Homens” (18)
25 – Fernando Catatau – “Nada Acontece” (19)
26 – Gab Ferreira – “pieces” (20)
27 – Assucena – “Parti do Alto” (21)
28 – N.I.N.A. – “Stephen King (Jotaerre Remix)” (22)
29 – FBC – “De Kenner” (23)
30 – Pitty, Jup do Bairro e Badsista – “Busca Implacável” (24)
31 – Sargaço Nightclub – “A Dança do Caos” (25)
32 – Luneta Mágica – “Águas Poluídas” (26)
33 – Nara Leão – “Opinião” (27)
34 – Juçara Marçal – “Crash” (28)
35 – Don L – “Volta da Vitória/Citação: Us Mano e as Mina (Xis)” (29)
36 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (30)
37 – Jadsa – “Sem Edição” (31)
38 – Alessandra Leão – “Borda da Pele” (32)
39 – LEALL – “Pedro Bala” (33)
40 – César Lacerda – “O Sol Que Tudo Sente” (34)
41 – Caetano Veloso – “Pardo” (35)
42 – Amaro Freitas – “Baquaqua” (36)
43 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (37)
44 – Coruja BC1 – “Brasil Futurista” (38)
45 – Prettos – “Oyá/Sorriso Negro” (39)
46 – Liniker – “Mel” (40)
47 – Luana Flores – “Lampejo da Encruza” (41)
48 – Valciãn Calixto – “Exu Não É Diabo (Èsù Is Not Satan)” (42)
49 – Bebé – “Sinais Elétricos na Carne” (43)
50 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (44)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Ava Rocha.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Top 50 da CENA: O mesmo artista em primeiro e em segundo lugar? Hein, Criolo? Fora a volta de Jup do Bairro ao pódio e Yma e Ana Frango Elétrico mostrando 2021

1 - cenatopo19

* Este 2020 em seus finalmentes, mas quem disse que a CENA tira férias e nos deixa descansar? Que nada. Temos cinco novidades das boas na lista desta semana. E de nomes grandes, até. Criolo vem em dose dupla, Silva é seu parceiro em uma delas. Jup do Bairro relê um som intimista de Rico Dalasam, enquanto YMA e Ana Frango Elétrico dão as pistas do que pretendem para 2021.
E você? O que você pretende para 2021? Uma boa trilha sonora? A gente vai te ajudar com isso…

1 - top50_yma_feed

1 – Criolo – “Sistema Obtuso” (Estreia)
Se a letra não dá um norte claro do tema, vá buscar no vídeo esse sentido. É o mundo acabando, literalmente. Caos geral. Criolo, que costuma acertar em seus recados (veja em “Menino Mimado” e “Boca de Lixo”), aqui como uma ajudinha do Tropkillaz, dá seu aviso.
2 – Silva e Criolo – “Soprou” (Estreia)
Após a porrada, a calmaria. Uma brisa leve. Um som relax onde Silva e Criolo quase que conversam com a música. Um som bom ainda para imaginar que se está indo para a praia neste ano de pouca praia.
3 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (Estreia)
Na revisão de seu primeiro EP, Rico Dalasam abre o espaço onde antes botava uma reflexão sua para que Jup do Bairro mande seu texto. “Existem corpos que nunca viverão o amor de forma horizontal/ Muito cruel, eu sei bem/ Mas talvez esse sentimento criado por vocês/ Não tenha sido para ser vivido em plenitude por todos”. Pá!
4 – YMA – “White Peacock” (Estreia)
Aqui no Top 50 a cena clássica de fim de ano é ver alguém se preparando para o próximo. É o caso da YMA em novo single maravilha, com direito a sax, lógico, e todo um clima de amadurecimento completo – voz, produção, letra. Vem discão em 2021? Achamos que sim.
5 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (Estreia)
 “Mulher Homem Bicho” conta com uma levada Marina Lima, para ouvir caminhando de máscara e em horário fora de pico na orla de Ipanema. Segundo single da Frango neste ano, a nova canção tem linhas como “Não se assuste comigo/ Sou mulher homem bicho/ Não vem que nao tem/ Sou bruxa e neném”. Parceria de Ana Frango com a grande Ava Rocha. 
6 – Edgar – “Também Quero Diversão” (1)

Lá vem o melhor disco do ano que vem. “Miga. Cansei de explicar que este país tá uma guerra e não uma festa, que entre um mundo e outro somos um portal…”. Repare. Edgar parece falar de um futuro distópico, uma ficção científica absurda inventada. Mas nada pode ser tão real como seu discurso musical. Cada linha de suas letras é de uma riqueza simples natural e absurda. E um tapa na cara. Na cara de quem tem que ser. “Toco um funk bem altoooo!”
7 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (2)
Se o assunto é um funk bem alto, solte aí o som do Marabu. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”, um álbum conceitual. Um disco que passeia por misturas do funk com outros ritmos durante uma longa noite lá no Jardim Ângela, quebrada de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.
8 – Luedji Luna – “Chororô” (6)
Resolvemos mudar de música, mas não tirar a cantora baiana do nosso top 10 dentro do Top 50, porque este disco dela… A gente diz aqui, um álbum que fica nos vindo em ondas, como o mar, porque bom mesmo é estar debaixo dessas ondas. “Escolhemos “Choroô” como poderíamos ter pego qualquer outra. Aqui, repare, as coisas mais simples, como esta música, ficam lindas no jeito Luedji de ser. Que rica essa menina.
9 – Black Alien – “Chuck Berry” (3)
Ah, a força das rimas de Black Alien. Ou conhece alguém que aproveita mais os sons das palavras que esse homem? “Mais que o covid, foi o que eu vi de covarde.” A construção engenhosa de Gustavo se faz mais uma vez aqui. Um rap sobre o rock. Era só o que nos faltava. Não falta mais. Incrível.
10 – Hot e Oreia – “Domingo/Presença” (4)
Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, Abdias do Nascimento, Leonardo da Vinci, Caetano Veloso, Nelson Ned, “Bacurau”. Tudo solto assim parecem pontos desconexos demais? Então, dá uma olhada no vídeo do Hot e Oreia para esta música e tudo fará sentido. Daquele jeitão Hot e Oreia de fazer sentido, lógico. Incrível 2.
11 – Sabotage e MC Hariel  – “Monstro Invisível” (5)
12 – The Baggios – “Mantrayam” (7)
13 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (8)
14 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (9)
15 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (10)
16 – Chuck Hipólitho – “Tem Cheiro de Espírito Adolescente” (11)
17 – Vovô Bebê – “Bolha” (12)
18 – Adriano Cintra – “Grow Apart” (13)
19 – Zé Manoel – “História Antiga” (14)
20 – Luana Flores – “Reza” (15)
21 – Anne Jezini – “Faz Escuro Mas Eu Canto” (16)
22 – Liniker – “Psiu” (17)
23 – Ítallo França – “O Time da Mooca” (18)
24 – Tuyo – “Sonho da Lay” (19)
25 – Luna França – “Minha Cabeça” (24)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é da cantora incrível Yma.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

TOP 50 da CENA: Edgar toca um funk bem alto e vai para o primeiro lugar. E chama toda a galera do funk. Por exemplo: o Marabu

1 - cenatopo19

* Nosso primeiro lugar ordena: toca um funk bem alto. O segundo lugar respeita e manda uma ideia e tanto: um álbum de funk conceitual brilhante. E estamos comentando só o inicio de mais um Top 50 caprichado. Esta semana, especialmente, com muito rap de várias épocas e lugares. Que lindo isso!

1 - PHOTO-2020-12-15-17-46-25

1 – Edgar – “Também Quero Diversão” (Estreia)
Lá vem o melhor disco do ano que vem. Edgar. “Miga. Cansei de explicar que este país tá uma guerra e não uma festa, que entre um mundo e outro somos um portal…”. Repare. Edgar parece falar de um futuro distópico, uma ficção científica absurda inventada. Mas nada pode ser tão real como seu discurso musical. Cada linha de suas letras é de uma riqueza simples natural e absurda. E um tapa na cara. Na cara de quem tem que ser. “Toco um funk bem altoooo!”
2 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (Estreia)
Se o assunto é um funk bem alto, solte aí o som do Marabu. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”, um álbum conceitual. Um disco que passeia por misturas do funk com outros ritmos durante uma longa noite lá no Jardim Ângela, quebrada de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.
3 – Black Alien – “Chuck Berry” (1)
Ah, a força das rimas de Black Alien. Ou conhece alguém que aproveita mais os sons das palavras que esse homem? “Mais que o covid, foi o que eu vi de covarde.” A construção engenhosa de Gustavo se faz mais uma vez aqui. Um rap sobre o rock. Era só o que nos faltava. Não falta mais. Incrível.
4 – Hot e Oreia – “Domingo/Presença” (2)
Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, Abdias do Nascimento, Leonardo da Vinci, Caetano Veloso, Nelson Ned, “Bacurau”. Tudo solto assim parecem pontos desconexos demais? Então, dá uma olhada no novo vídeo do Hot e Oreia e tudo fará sentido. Daquele jeitão Hot e Oreia de fazer sentido, lógico. Incrível 2.
5 – Sabotage e MC Hariel  – “Monstro Invisível” (Inédita)
Tudo bem que os versos de Sabotagem não são inéditos no som produzido por DJ Kalfani com participação especial de MC Hariel, em mais um passo na reconexão firme do rap com o funk. Vale o resgate e o lembrete do poder imortal do poeta do Canão. Se o mundo segue igual, voltemos ao começo.
6 – Luedji Luna – “Chororô” (4)
Resolvemos mudar de música mas não tirar a cantora baiana do nosso top 10 dentro do Top 50, porque este disco dela… A gente diz aqui, um álbum que fica nos vindo em ondas, como o mar, porque bom mesmo é estar debaixo dessas ondas. “Escolhemos “Choroô” como poderíamos ter pego qualquer outra. Aqui, repare, as coisas mais simples, como esta música, ficam lindas no jeito Luedji de ser. Que rica essa menina.
7 – The Baggios – “Mantrayam” (Estreia)
The Baggios em uma brisa mais psicodélica? Música longa, três partes, mudanças. Curtimos bem, hein. Mais um nome que já entra na categoria “vem álbum novo bom em 2021”.
8 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (3)
O fã de quadrinhos Emicida replicou a Marvel e mandou uma inédita nos pós-créditos de seu documentário “É Tudo Pra Ontem”, lançado pela Netflix. A faixa é uma reflexão a partir dos tempos de pandemia com Gil lendo um texto presente no livro de Aílton Krenak, “A Vida Não É Útil”, sobre o retorno do Criador à Terra em um passeio um tanto quando frustrante. Não saia antes de o filme acabar. Incrível.
9 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (Estreia)
Um dos homens que mais sabe tirar um som de guitarra neste país ataca de novo. Alguém já mandou este som para o Lulu Santos? Acho que ele vai curtir. Odair José?
10 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (Estreia)
Inédita do Don L. é inédita do Don L. Beat do Nave, é beat do Nave. E a produção do WillsBife é das boas. Vale reparar no álbum completo, que acabou de ganhar uma versão deluxe com todas as instrumentais e inéditas, esta inclusa.
11 – Chuck Hipolitho – “Tem Cheiro de Espírito Adolescente” (5)
12 – Vovô Bebê – “Bolha” (6)
13 – Adriano Cintra – “Grow Apart” (7)
14 – Zé Manoel – “História Antiga” (8)
15 – Luana Flores – “Reza” (9)
16 – Anne Jezini – “Faz Escuro Mas Eu Canto” (10)
17 – Liniker – “Psiu” (11)
18 – Ítallo França – “O Time da Mooca” (12)
19 – Tuyo – “Sonho da Lay” (13)
20 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Pra Dois” (14)
21 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (15)
22 – Khalil – “De Cara Pro Vento” (17)
23 – TARDA – “Ninguém por Enquanto” (18)
24 – Luna França – “Minha Cabeça” (20)
25 – Silva – “Passou Passou” (22)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (24)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (25)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do duo mineiro de rap Hot e Oreia.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Black Alien lança um hip hop sobre o rock, com guitarra e tudo

1 - cenatopo19

* Dono de um dos discos mais legais de 2019 da CENA nacional, o “Abaixo de Zero: Hello Hell”, o veterano e versátil rapper Black Alien, que um dia integrou o Planet Hemp, fez parcerias díspares como Paralamas, Sabotage e Dead Fish e já teve banda de reggae, estreou em 2020 faltando três semanas para o ano acabar. Mas estreou apontando o futuro.

Captura de Tela 2020-12-09 às 6.01.57 PM

O rapper não só fez ontem uma live ontem em seu canal de Youtube, desfilando a força de suas rimas, como lançou um novo single, a sensacional “Chuck Berry”, sobre várias coisas, mas inclusive sobre isso mesmo: rock.

O vídeo de “Chuck Berry” é demais. Tem parede de boombox, carrão e ela, a guitarra. Na letra da música, feita com o parceiro Papatinho, diz, em nome de Little Richard, Berry e de um protagonismo do povo preto, que não é Elvis o rei do rock.

Sobrou para o machismo também. “Deus é Mãe, e Ela é justa meu bem. O tempo é rei, mas Ela que ajusta também”, está no refrão.

A música, para Black Alien, é uma terapia avançada. “Sou eu remoendo meu lixo, limpando meu jardim interno e andando para frente.” Em “Chuck Berry” ele segue se autoanalisando: “Eu e meu Karma, qual dos dois é o mais cretino, enfim?

A gente tem discutido aqui essa história de um resgate do protagonismo da guitarra, principalmente em outros gêneros, principalmente ainda no hip hop. A bombada rapper americana Megan Thee Stallion se apresentou recentemente em premiação americana, ao vivo, botando guitarra em seu principal hit. O instrumento aparece de “pele e osso” aqui no vídeo de Black Alien, que veste camiseta da banda metal Exodus em cena. Só olhar abaixo.

***

* Na grande estreia na semana passada, aqui na Popload, da parceria de alma indie pop com a newsletter “Semibreve”, da brilhante mineira Dora Guerra, o novo futuro da guitarra foi o grande destaque. Na “SEMILOAD”, seção que se pretende fixa às sextas-feiras neste espaço, Dora ponderava que, para alguém de sua geração (ela tem 22), “de tanto ouvir riff de guitarra em mp3 ilegal, o ouvido cansa. E não é à toa que, poucos anos depois, a guitarra rocker foi sumindo, muito por conta de fenômenos como kpop, jpop etc. Até que, em 2020, pandemia e tudo, o instrumento parece voltar. Leia a análise aqui, para entender mais o que a Dora e a Popload acham. Mas, principalmente, saque o instrumento ali, no vídeo e como tema do novo single de um cara do quilate de Black Alien. Tem coisa séria nisso aí.

>>