Em black dog:

Arlo Parks leva as flores ao Jimmy Fallon, para cantar sobre o “black dog”

>>

arlo2

* Semana agitada para as novas musas indie. Quem também se apresentou na TV americana nesta semana, foi a inglesa Arlo Parks, 20 anos, no programa “The Tonight Show”, do Jimmy Fallon.

Seguindo um visual intimista, semelhante à performance que fez semanas atrás, no Jimmy Kimmel, Arlo segue na jornada (dsclp) de divulgação de seu belíssimo disco de estreia “Collapsed in Sunbeams”, lançado no mês passado.

Para o programa, a música escolhida foi “Black Dog”, canção que reforça nossa geração indie-mental health. Na letra, Parks canta “I’d take a jump off the fire escape/ To make the black dog go away, Alice/ I know that you are trying/ But that’s what makes it terrifying”, algo como “Eu daria um pulo na escada de incêndio/ Para fazer o cão preto ir embora, Alice/ Pelo menos eu sei que você está tentando/ Mas é isso que faz ser tão aterrorizante”. O “black dog” é uma alegoria à depressão.

A performance do vídeo gravado e enviado ao Fallon é da linha de produção de fofuras e sentimentos característico de Arlo Parks. Com banda e envolvendo flores. Lembrou em um momentinho a doce mania do Morrissey do começo. Com outro destino para a mensagem “flores”.

Confira o vídeo da apresentação de Arlo Parks no Fallon:

>>

Inglesa Arlo Parks, agora 20 anos, segue firme seu caminho ao estrelato musical. E não tem nem álbum ainda

>>

arlopost

* A incrível cantora e poeta Arlo Parks fez 20 anos de idade ontem. Sem ter ainda um disco de estreia lançado, ela é um dos grandes nomes da nova geração musical britânica. Isso desde o ano passado.

A gente já enumerou aqui, em post de meses atrás, algumas de suas pequenas façanhas. E vai enumerar algumas outras mais recentes, agora.

As rádios da BBC, tanto a Radio One quanto a 6Music, tocam as poucas músicas dela todos os dias, principalmente a maravilhosa “Black Dog”, música sobre depressão e problemas familiares que virou um “hino do verão” apesar do tema e muito por causa do ano de pandemia e clausuras em que vivemos.

“Black Dog” é um termo depressivo e de tristeza absoluta emprestado do grande político britânico sir Winston Churchill nos anos 40. O single de Arlo Parks foi lançada em maio. Coisa séria demais, por causa de “Black Dog” e de sua poesia, Parks virou embaixadora britânica de uma gigante campanha de caridade do governo sobre saúde mental, que chamava a atenção para “pessoas que vivem miseravelmente com depressão”.

Talvez não por acaso, em junho ela mandou uma cover de “Creep” para a uma DJ britânica e a versão ficou tão boa, tão “dela”, que acabou virando um single, lançado nas plataformas.

Mas vamos aos brilhos mais recentes de Arlo Parks. Ela entrou direto e reto na espertíssima trilha sonora da espertíssima série britânica “I May Destroy You”, com a darling Michaela Coel, disponível para assinantes na HBO, altamente recomendável como sério e como veículo para a música negra do Reino Unido, nova ou velha.

Há poucos dias, a ex-primeira dama americana Michelle Obama botou uma de suas músicas, “Eugente”, na playlist linkada a seu bombado novo podcast no Spotify.

Nesta semana, Arlo Parks divide a capa da famosa revista inglesa “Music Week”, mais voltada à indústria da música, jornalistas e estudiosos dos caminhos sonoros. Ela está junta ao ótimo Moses Boyd, ótimo artista indie voltado ao jazz e ex-DJ de rádio.

E na semana passada foi ao ar pelo Youtube da rádio americana KUTX, de Austin, Texas, uma versão diferentinha que Arlo Parks fez para sua “Black Dog”, em sua casa, especialmente para a emissora texana.

Esta aqui, ó:

>>

Musa da nova música britânica, a incrível Arlo Parks encanou no Radiohead e fez até cover de “Creep”

>>

Captura de Tela 2020-05-25 às 11.21.42 AM

* Desde q fez o “melhor show que ninguém viu” no Glastonbury do ano passado, a cantora e poeta novinha Arlo Parks está em absolutamente por todos os lugares em que a música inglesa ecoa. Ainda apenas com dois EPs no currículo, de 2019, e dois maravilhosos singles lançados neste ano (“Eugene” e “Black Dog”), você encontra Parks em discussões gerais de quarentena sadia, recomendando discos, participando de lives etc.

Na semana passada, ela criou uma playlist, “Escape – Isolation Mix”, para a plataforma BBC Sound, onde ela cita “House of Cards”, do Radiohead, entre as músicas que a mantém mentalmente sadia na quarentena. Em abril, ela já tinha feito uma linda cover de “House of Cards” para a ótima revista francesa “Les Inrockuptibles”.

Em um vídeo de experiências quarentinescas, listando os álbuns que ela recomenda para se ouvir trancado em casa, está o “OK Computer”, da banda de Thom Yorke.

Daí, na sexta-feira, no programa da incrível Lauren Lavern na 6Music, a rádio online na mesma BBC, lá vem a Arlo Parks mexer com o Radiohead e o TWITTER todo, haha.

Em seu programa do dia, Lavern tocou uma cover fresquinha que a cantora inglesa fez, ao piano, de “Creep”. Choveu “amei” e “odiei”.

A cover, por enquanto, está só aqui para ser ouvida, na marca 2h39′ do programa, já em sua segunda hora. O que você acha?

Arlo Parks está chegada em uma cover para aliviar o peso da pandemia. Agora sem ter a ver com o Radiohead, ela atendeu ao pedido do amiguinho Dave Bayley, o faz-tudo da banda Glass Animals, para cantar Drake na cover que ele fez para o hit “Hotline Bling”. A gente deu aqui na Popload, há algumas semanas, com o foco no Glass Animals.

De resto, e ainda sobre o caminho para seu disco de estreia, Arlo Parks soltou sua oitava música própria agora em maio, a maravilha “Black Dog”, canção e vídeo tocantes. Tudo construído no meio do confinamento pandêmico. Então, emoção à flor da pele em dobro. Estamos de olho nessa menina.

>>