Em bonde do rolê:

CENA – Indie nacional está ajudando até a derrubar governo

>>

cena

* A gente anda dizendo aqui que a CENA indie brasileira está bombando como nunca bombou, tal e coisa, porque está mesmo, um momento claro para quem viveu o underground paulistano desde os anos 90 e, hoje, consegue somar 1 mais 1. Mas nunca imaginei que ia me deparar com uma de suas mais fortes constatações, como o que foi revelado hoje pelo jornal “Folha de S.Paulo”, um dos principais do país.

IMG_1900

Está manchetado na capa da Ilustrada, o caderno de cultura: “Bonde do MBL”, com a chamada explicativa embaixo dizendo “Surpresa! Um dos fundadores e líderes do movimento de direita também é cantor do irreverente grupo musical Bonde do Rolê”.

Pedro Ferreira, um dos fundadores do Movimento Brasil Livre, fundado em 2014 e considerado importante no impeachment da presidente Dilma, é também Pedro D’Eyrot, um dos vocalistas do anárquico grupo indie-funk porraloka Bonde do Rolê, um dos mais intensos nomes da cena independente brasileira com louvável repercussão na cena americana e inglesa nos anos 2000, junto com o Cansei de Ser Sexy.

O MBL foi o principal responsável pela convocação das manifestações do dias 15 de março e 12 de abril de 2015 pró-impeachment. No wikipedia consta que o movimento foi definido pela importante revista inglesa “The Economist”como “composto por aderentes do thatcherismo e foi fundado para promover respostas do livre mercado aos problemas do país”. Já segundo o jornalão espanhol “El País”, o MLB é “formado em sua maioria por jovens com menos de 30 anos, e seus integrantes são conhecidos pelo estilo de suas roupas e por seus discursos incisivos, sendo comparados a uma banda de indie rock”. Bingo!

Já a revista nacional “Época” apontou, nos protestos de 16 de agosto de 2015, que Kim Kataguiri e Fernando Holiday, duas lideranças do movimento, foram recebidos pela população como estrelas da política brasileira.

O Twitter, na parte que toca ao indie, quase caiu hoje de manhã com a revelação da “Folha”. O jornal traz uma entrevista com Pedro Bonde dizendo que manteve segredo de sua identidade na atuação política para não misturar as coisas. “O MBL precisava encontrar seu próprio caminho, sua própria linguagem. Eu já era uma pessoa pública e, no imaginário dos fãs da banda, minha essência encontrava-se já cristalizada. Não me parecia justo mesclar essas realidades. Naquele momento, parecia-me que meu trabalho seria muito mais bem empregado nos bastidores.”

Pedro, sobre a vida dupla: “Essa dualidade sempre existiu. Viver cotidianamente o personagem Pedro do Bonde é insustentável para mim. Na vida privada, sempre fui uma pessoa calma, analítica. Pedro D’Eyrot sempre foi nome artístico. Nunca tive a intenção de usar essa persona para alavancar a projeção política do MBL”.

Segura o indie, Brasil!

IMG_1880

IMG_1881

>>

O manifesto dos brothers do… BONDE DO ROLÊ

>>

* Chega aí, bróder.

bonde

* O esquadrão da zoeira funk, o Major Lazer brasileiro com twist, o internacional trio Bonde do Rolê apareceu ontem lançando mais um inenarrável agrupamento de músicas que constituem um EP novo. Ontem eles, bem camaradas, liberaram o download gratuito das quatro faixas.

O “Bíblia Rosa EP”, que faz uma pergunta sincera e com jeitinho aos brothers e tem participação especial de uma Maria Bethania dark e um Tim Maia featuring Rony Cócegas, traz as canções “Broder ft. Diogo”, “Maria Joana”, “Rainha dos Dark”, que já tem um vídeo de sucesso inclusive indicada ao grande Prêmio Multishow, e “Tim Putaria”.

Está pensando que é zoeira? Não é zoeira, não! Bonde do Rolê é coisa séria. “Não tem nada a ver, cara”. E o “Bíblia Rosa EP” deve ser o primeiro EP de quatro faixas da história da língua portuguesa em que três delas tem a palavra “cu” como destaque nas letras.

Dia destes o Bonde do Rolê anunciou a Bíblia Rosa Tour, que começa depois de amanhã em Uberlândia, cidade mineira que os taxistas não levam. Ai…

Screen Shot 2015-08-12 at 8.31.48

>>

Baianada 2015. Caetano Veloso muda o tom do Bananada (GO)

>>

* Proclamando uma certa celebração à diversidade, o festival Bananada, um dos nobres (hehe) eventos indies do Brasil, realizado em Goiânia pelas mãos fazedoras da Construtora Música e Cultura e atingindo sua 17ª edição, anunciou 15 nomes de sua programação, encabeçados pelo cantor baiano Caetano Veloso, um dos astros mais indies do país, hoje em dia.

caetano_veloso_02

Caetano, que foi grande atração do espanhol Primavera Festival no ano passado, um dos grandes festivais independentes do mundo hoje, puxa uma lista que inclui o grande guitarrista J.Mascis, líder do grande Dinosaur Jr, os “locais” Boogarins, o auê do Bonde do Rolê e mais uma banda do extrafamoso selo americano Sub Pop, além do músico dinossauro: a banda King Tuff, de Vermont, EUA.

Completando a bagunça sonora do Bananada 2015, que acontece de 11 a 17 de maio e tem Caetano cantando na noite de estreia, uma segunda-feira, o festival de Goiânia “Rock” City vai ter também shows da rapper curitibana Karol Conka, os metaleiros do pedaço Hellbenders, o indie gaúcho do Wannabe Jalva, a breguice electrocool paraense do Jaloo, além de Camarones Orquestra Guitarrística (Natal), Do Amor (Rio), Marrero (São Paulo) e a cantora goiana Bruna Mendez estão no grande elenco do Bananada. Nomes como Magaly Fiels, do Chile, e Caddywhompus, EUA, completam a programação revelada hoje.

Mais nomes serão anunciados pelo festival em abril.

Abaixo, o pôster “Tropicália Moderna” feito para o festival pela galera fera do Bicicleta sem Freios, artistas de Goiânia.

260215_bananadaposter

>>

Popload na Copa! Nova do Bonde do Rolê confirma: no Brasil só vai ter… CRAQ

bonde-do-role

Já está tendo!

Mais uma contribuição incrível para o nosso “Futebol É Pop”, “Popload Na Copa”, “Imagina Na Copa”, “Vai Ter Copa Sim!” e para tantos outros slogans maravilhosos com prazo de validade de um mês. VAI BRAZEEL! Vai ter craque, crack, CRAQ e funk curitibano. Ah, spoiler: contém uma participação maravilhosa do CRAQ Pelé.

Comigo: “Aqui no Brasil-il-il eu fico suave! Porque na Copa do Brasil só vai ter… CRAQ!”

Bonde do Rolê, patrimônio da música brasileira que devia tocar só ele na festa de abertura do Itaquerão, Zona Leste de São Paulo, foco da atenção mundial. Estou errado?

Harmony Fats. Dupla Fatnotronic remixa grupo de mulheres dos anos 70

>>

170114_fatnotronic

* Algo conhecidos quando atuam juntos discotecando, bastante conhecidos em suas ooooutras bandas, a dupla de DJs e agora produtores Fatnotronic, Gorky (Bonde do Rolê) e Phillip A. (Killer on the Dancefloor), soltou nesta semana a primeira faixa de produção própria que promete agitar o mundo indie brazuca.

O duo retrabalhou “Margarida”, versão famosa das Harmony Cats, um grupo formado só por meninas de São Paulo e que ganhou certa fama nos anos 70. A original surgiu na Itália com o produtor e compositor local Pino Massara e virou hit do verão europeu no início dos anos 80 com o título “Margherita (Love In The Sun)”.

O Fatnotronic chega com a promessa de ser um duo que não se prende a rótulos, passeando por todos os estilos e vertentes possíveis, de trap a deep house, do rock ao hip hop. O nome dado ao projeto foi ideia do Iggor Cavalera (pensa) e eles são apadrinhados “só” pelos 2ManyDjs. Ou seja: vem coisa séria por aí.

A dupla atualmente está em estúdio preparando seu primeiro EP e já mandou avisar que conta com alguns convidados inusitados. Oba!

170114_fatnotronic2

>>