Em cat power:

POPNOTAS – Cat Power e o vídeo dirigido pelo Jim Jarmusch. Florence & The Machine e o vídeo com o grande John Nighy. The Smile e o vídeo mais desesperador do ano. Viagra Boys e o vídeo punk sobre casamento

>>

– O cineasta cult eterno Jim Jarmusch foi convocado pela musa Cat Power para dirigir o mais novo vídeo dela, para a música “A Pair of Brown Eyes”. A faixa é integrante do mais recente disco dela, chamado covers, lançado em janeiro e que é seu terceiro álbum “sério” de releituras dela. “A Pair of Brown Eyes” é seu jeitinho de cantar uma música da velha banda punk podreira irlandesa The Pogues, maravilhosos. Jim Jarmusch foi considerado herói do cinema independente americano ao lançar duas obras-primas nos anos 80, os filmes “Stranger than Paradise” e “Down by Law”. Vira e mexe Jarmusch, hoje com 69 anos, é chamado pela música. Já trabalhou com Joe Strummer (The Clash), Tom Waits, Neil Young, Iggy Pop e Jack White, para citar alguns. No vídeo para Cat Power, Jarmusch a transforma em um fantasma, vamos dizer. Ou não é isso?

***

– A ooooooutra banda do Thom Yorke, o trio The Smile, também está cheia de anúncios hoje. Falaram de lá da Inglaterra que o disco de estreia, “A Light for Attracting Attention”, vem logo mais, dia 13 de maio, às plataformas. Os vinil e CD chegam às lojas em meados de junho. Junto com a revelação dos planos do álbum, que pintaram ainda com uma capa psicodélica (abaixo), surgiu hoje ainda um novo single, “Free in the Knowledge”, que traz o vídeo mais desesperador do ano, disparado, dirigido por Leo Leigh. Vale dizer que “A Light for Attracting Attention” tem produção e mixagem do tarimbado Nigel Godrich, responsável pelo “OK Computer”, a obra do Radiohead, e nome ligado a Paul McCartney, U2, REM, Pavement, Air, entre outros do mesmo nível.

smile

***

– Dando sequência à fase de bons novos singles de seu quinto álbum, “Dance Fever”, que sai dia 13 de maio, a britânica Florence & The Machine lançou hoje “Free”, música que traz um vídeo adorável em que ela estrela conjuntamente com o grande e conhecidíssimo ator Bill Nighy, também inglês. São os dois na foto da home da Popload. Nighy interpreta a ansiedade de Florence, no vídeo, pensa. Pensa não, veja!

***

– A legalzaça banda punk sueca Viagra Boys também tem novidades neste pré-Carnaval brasileiro (!?!?!). Já cravaram que vão lançar o terceiro álbum, “Cave World”, dia 8 de julho e hoje trazem um single-vídeo espertíssimo de um novo single, “Ain’t No Chief”. Pela música, já dá para esfregar as mãos para esperar o álbum do grupo de Estocolmo. E o vídeo é, vamos dizer, uma visão diferente deles sobre casamento.

>>

Top 10 Gringo – Só as minas com as melhores músicas da semana. Snail Mail brilha no topo. Sinead O’Brien cola em segundo. Charli XCX fecha o pódio

>>

* O pódio é das meninas nesta semana. EUA, Irlanda e Reino Unido estão representados aqui em sons tão diferentes entre si, mas lotados de muita qualidade. É absurda a habilidade de Lindsey, Sinead e Charli em compor as linhas melódicas mais viciantes de que se tem notícia. Tente não se perder nos sintetizadores e guitarras dessas minas. Sem contar que a gente ainda deu espaço neste Top 10 para dois mestres da arte da melodia, mas dois mais “senhores”, digamos: Thom Yorke e Kurt Cobain aparecem por via de relançamentos.

snailtopquadrada

1 – Snail Mail – “Headlock”
A sombria letra de “Headlock”, sobre se perder na escuridão de um relacionamento que já acabou, mas você insiste que não, é só uma das amostras de como é incrível o novo álbum da cantora e guitarrista americana Snail Mail. “Valentine” tem menos guitarra que o disco anterior, a estreia “Lush”, e justamente por isso arrepia pela mão de Lindsey Jordan, a dona do Snail Mail, em compor belas linhas em outros instrumentos, como é o caso do sintetizador deste som aqui – a gente quer morar nele, por exemplo, de tão bom.

2 – Sinead O’Brien – “Girlkind”
Pense em The Fall e Patti Smith, influências declaradas da irlandesa Sinead O’Brien, que consegue a difícil tarefa de honrar a bela linhagem que a inspirou. “Girlkind” é daqueles longos falatórios acompanhados das guitarras mais viciantes possíveis. Que música!!

3 – Charli XCX – “New Shapes”
Não sabemos quais palavras são capazes de contar com precisão quão exagerado e maravilhoso é o sintetizador que acompanha a voz de Charli na abertura deste single, que ainda tem participação das preciosas Caroline Polachek e Christine and the Queens. Parece coisa de outro mundo, sei lá. É bom e isso que interessa. Escute e tente não concordar com a gente.

4 – IDLES – “Car Crash”
Se o primeiro single do novo álbum do IDLES flertava com a soul, este segundo entrega que teremos um disco ainda mais experimental, para quem espera da banda só um pós-punk básico. De longas estrofes quase faladas/gritadas e um refrão breve e também falado, ou melhor, mencionado, “Car Crash” é lotada de distorção sob uma batida lenta – longe de ser algo grundento ou cantalorável.

5 – Cat Power – “Pa Pa Power”
As covers da Cat Power podem ser classificadas em dois grupos notáveis. Quando ela mexe em clássicos de maneira original (tipo “Satisfaction” ou “New York”) ou quando ela seleciona pérolas esquecidas, como esta boa música da banda do Ryan Gosling. Sim, o ator. Lembra essa banda dele?

6 – Egyptian Blue – “Salt”
Tá achando o IDLES muito experimental e quer algo mais “tradicional” na linha do que a banda fazia? Dá uma escutada nessa turma de Brighton. Eles pegam exatamente de onde o IDLES parou. Pura energia.

7 – Alt-J – “Get Better”
Delicada canção que deseja melhoras. A música é tocante ao ponto de as pessoas compartilharem no YouTube histórias emocionantes sobre o quanto a canção as sensibilizou a partir de suas próprias histórias. Uma prova de que o Alt-J alcançou algo aqui.

8 – Lorde – “Hold No Grudge”
Não sei como foi por aí, mas por aqui este novo disco da Lorde ainda não bateu. Mesmo assim, são bons os dois novos sons que acompanham a versão de luxo do álbum, recém-lançada. Será que damos mais uma chance?

9/10 – Radiohead – “How to Disappear Completely”/ Nirvana – “In Bloom”
São tantos relançamentos atualmente que até cansa. Mas tem semana que algumas velhas preciosidades até dificultam que a gente preste atenção nas novidades.

***

***

* A imagem que ilustra este post é da Snail Mail, Lindsey Jordan.

* Este ranking é formulado pelo duo Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Girls just wanna have shows: Alanis Morissette, Shirley Garbage e Cat Power tomam o Hollywood Bowl para elas

>>

* Por dois dias seguidos, ontem e hoje, o famoso Hollywood Bowl, o incrível anfiteatro aberto de Los Angeles para 18 mil pessoas, está sendo ocupado por shows de uma mulherada ícone na música pop. O lugar, de onde pode ser visto o não menos icônico letreiro branco de Hollywood num morro, está abrigando apresentações de Alanis Morissette, do Garbage, banda de Shirley Manson, e da nossa Cat Power.

Temos imagens. Alguns hits da Alanis, um discurso feminista da Shirley Manson e, fora do show em si na tigela hollywoodiana, Cat Power anunciando no programa do James Corden, ontem, o álbum de covers que vai lançar em janeiro. E aproveitando para mostrar na TV uma das faixas: a lindaça “Bad Religion”, do Frank Ocean.

>>

POPLOAD NOW: No 8M, listamos 5 mulheres espetaculares que já passaram por nossos palcos

>>

* Uma mulher não se define pela amplitude de suas curvas ou pelo tamanho de seus seios. Não é definida tampouco pelo comprimento do seu cabelo ou pelo conteúdo entre as pernas. Ser mulher neste mundo é saber que as probabilidades estão muito contra você, mas ainda assim avançar sem medo. É sabido que você só será culpada por ser mulher, e que cada vitória será por usar muito mais capacidade e coragem, e forçar o seu reconhecimento numa sociedade que só te culpa e julga.

Este dia de hoje, o Dia Internacional da Mulher, não é sobre dar flores e presentes. É sobre lembrar que a mulher merece respeito, igualdade. Sobre apoiar aquela mina que você achou legal, sobre ser inspiração umas para as outras. Lembrar que elas são mais, que podem sim ocupar todos os cargos que quiser, e que a vida é uma batalha diária sobre isso.

Muitas minas fizeram e fazem a Popload possível. Nos shows em cima ou por trás dos palcos, na redação. A nossa homenagem, hoje, é relembrar neste dia em especial algumas dessas mulherzaças que já nos inspiraram muito e que felizmente tivemos a honra de ver em nossos palcos. Apenas cinco aqui, mas representando um infinito delas, que nos ajudam a sermos o que somos.

>>>>

1. PATTI SMITH
(Popload Festival 2019, Memorial da América Latina, SP)

***

2. LORDE
(Popload Festival 2018, Memorial da América Latina, SP)

***

3. COURTNEY BARNETT
(Popload Gig em 2016, Audio Club & Popload Gig em 2019, Fabrique, ambos em SP, e o de 2009 também em Porto Alegre)

***

4. CAT POWER
(No Metrô Paraíso & no Popload Festival 2014, Audio Club, ambos em SP)

***

5. SOLANGE KNOWLES

(Popload Gig em 2013, Cine Joia, SP)

***
* Esta seção da Popload é pensada e editada por Daniela Swidrak e Lúcio Ribeiro.
** A foto de Patti Smith do show no Popload Festival, que ilustra a chamada para este post na home da Popload, é de Filipe Aurélio.

>>

Um ano após a morte de Philippe Zdar, Cat Power presta homenagem ao amigo e faz cover do Cassius

>>

180718_catpower2

Há exatamente um ano, o mundo pop ficou chocado com a morte de Philippe Zdar, pioneiro da house francesa, DJ, produtor e um dos sujeitos mais aclamados no mundo da eletrônica.

E uma das artistas que trabalhou bastante com Zdar, principalmente através do duo Cassius, é Cat Power. A ligação era tanta que ela resolver fazer uma cover de “Toop Toop” neste triste aniversário de morte do seu amigo.

Produtor Philippe Zdar, do Cassius, que morreu em junho de 2019, após cair de um prédio em Paris

Produtor Philippe Zdar, do Cassius, que morreu em junho de 2019, após cair de um prédio em Paris

A faixa foi lançada originalmente pelo Cassius no ano de 2006. Cat Power cantou três músicas no disco “Ibifornia”, da dupla francesa, lançado em 2016.

A tristeza pela morte de Zdar foi ainda maior pelo seu motivo: ele, que tinha 52 anos, caiu acidentalmente de um prédio na cidade de Paris, em uma ocorrência que no fim das contas nunca foi bem explicada. Enfim…

Ficam as homenagens.

>>