Em CENA:

CENA – Os mineiros do Young Lights invadem São Paulo e fazem session incrível em uma sala de estar

>>

1 - cenatopo19290319_youngligths2

Uma das bandas mais legais da CENA mineira, a Young Lights pinta na Popload para lançar uma session incrível, registrada na cidade de Cotia/SP, no final do ano passado.

O local preparado foi a sala de estar casa-estúdio Bem Maior, de Sérgio Ugeda, o que influenciou até no nome do projeto, “Living Room Sessions”. Na apresentação, o Young Lights tentou mostrar um pouco do que é o seu show, um dos mais intensos e vigorosos do indie no Brasil hoje. Quem já foi, sabe bem.

As canções escolhidas para a session foram “Eyes Closed”, “Strangely Intimate” e “Understand, Man”, todas do disco “Young Lights”, lançado em 2017, um dos melhores daquele ano na escolha da Popload. Completa o setlist “Alaska, I Just Want to Be Home”, do primeiro EP do grupo, “An Early Winter”, de 2013.

A session dura pouco mais de 20 minutos e foi o primeiro registro da banda com o guitarrista Matheus Fleming (Câmera) e o último com o também guitarrista Vitor “Boss” Ávila, que deixou o grupo mês passado. Completam a formação Jay Horsth (Voz/Violão/Piano), João Pesce (Baixo) e Bruno Mendes (Bateria).

A direção e montagem é de Guilherme Garo, com o trio Sérgio Ugeda, Rodrigo Montorso e JP Cardoso cuidando do áudio. Coisa de qualidade.

Setlist
00:00 Eyes Closed
05:39 Strangely Intimate
12:22 Understand, Man
18:16 Alaska, I Just Want to Be Home

** Dia 12 de abril tem show n’A Casinha, rolê indie intimista em BH.

>>

CENA – Do centro-oeste, Superquadra vai atrás de um norte em novo disco

>>

1 - cenatopo19131218_superquadra2

Uma das boas bandas da CENA de Brasília, o Superquadra lança por agora seu segundo disco, “Norte”. Isso porque eles estão quase atingindo a maioridade de 18 anos de estrada, pensa.

O Superquadra é uma das mil ideias de Cláudio Bull, sujeito que como eu disse aqui uma vez é a história viva da cena musical brasiliense de caráter independente e um dos caras mais versáteis da cidade: trabalha com produção de eventos, jornalismo cultural, historiador de arte e é professor universitário. Nos palcos e estúdios, Bull liderou também a Divine, banda ícone indie da Brasília da virada do século; e hoje, além do Superquadra, também tem o Da Silva. E é DJ.

“Norte”, o disco, é um lançamento da Quadrado Mágico e é composto por 10 faixas que passeiam pelo indie rock, às vezes com uma pitada mais pop e acessível. A inspiração do projeto é a cidade de Brasília e pode ser entendido como a busca intimista por um norte. Entre as inspirações estão referências fracas, tipo David Bowie, Kraftwerk, Radiohead, Caetano Veloso, Massive Attack, Clube da Esquina e T. Rex. Tudo junto e misturado.

O Superquadra conta, além do Bull, com Badá (baixo), Vitinho (bateria), Bruno Sres e Wilton Rossi (guitarras).

O álbum já está nas principais plataformas de streaming, tipo o Spotify, e pode ser conferido abaixo.

>>

CENA – Lembra o Bazar Pamplona, nossa “banda de cinema”? Então, eles não só voltaram como lançam vídeo “literário” aqui como tocam amanhã em SP e lançam álbum novo já em janeiro

>>

1 - cenatopo19131218_bazarpamplona2

O ano de 2019 vai começar com uma grande e boa novidade no indie. A banda Bazar Pamplona colocará no mercado, logo em 18 de janeiro, seu terceiro disco de estúdio, “Banda Vende Tudo”, bancado por um financiamento coletivo.

Bom, estamos começando de trás para frente a falar das novidades do tradicional quinteto, que está largando de um hiato de seis anos parado.

Esse caminho de retomada da carreira do grupo se iniciou em 2017 e por vias cinematográficas, digamos, com um pedido da escritora e cineasta alemã Helene Hegemann, que solicitou a utilização de uma faixa do grupo na trilha sonora do filme “Axolotl Overkill”, que bombou no circuito indie europeu e acabou premiado no importantíssimo Festival Sundance, nos Estados Unidos. Contamos essa história aqui, na época.

Deste novo disco a sair daqui um mês, a Popload antecipa em forma de vídeo o novo single “Capítulo Primeiro”, som que homenageia “o poder transformador dos livros e a potência de vida contida nas palavras”. O vocalista Estêvão Bertoni completou: “ela tem um dos arranjos mais diferentes do disco. Para participar da faixa, chamamos o Tony Berchmans, pianista que tem um projeto maravilhoso chamado Cinepiano, no qual ele compõe ao vivo trilhas sonoras para filmes originalmente mudos. Ele acabou fazendo a mesma coisa ao gravar com a gente, porque a gente não tinha nenhuma ideia prévia de arranjo para o piano, então ele foi interpretando a letra, trecho a trecho”, conta.

O single é a terceira amostra do novo projeto. Antes, foram lançadas “Bom Mesmo é Ouvir um Riff dos Stones” e “Dias Gordos”. Além de Bertoni, o Bazar Pamplona conta também com João Victor dos Santos (guitarra), Rodrigo Caldas (bateria), Rafael Capanema (baixo e teclado) e Pinguim Miranda (teclado e baixo).

* Nesta sexta-feira, como saideira de 2018 e preparativos para 2019, o Bazar Pamplona fará um show especialíssimo na Casa do Mancha (Rua Felipe Alcaçova, s/n – Vila Madalena), a partir das 21h, com as entradas custando R$ 20. Bora?

>>

CENA – A boa onda do Glue Trip passa por SP no domingo. Show é no Z. E com o JP

>>

* SP, Z, JP.

1 - cenatopo19

No domingo mais movimentado do ano em São Paulo, aparentemente, guarde sua energia para o programa mais alto astral da data, que vai rolar das 18h às 22h no clube Z, no Largo da Batata, a região mais agitada da cidade hoje. (Ok, aqui não vamos contar com a festa do Palmeiras, que também promete ter o astral elevado. Só para não misturarmos assuntos.)

Captura de Tela 2018-11-30 às 5.55.57 PM

O Glue Trip, banda de psicodelia paraibana (toma essa, Tame Impala!), se apresenta na festa mensal CENA. O show, sempre bom deles, pode ser encarado como um outro lançamento em São Paulo do discaço “Sea at Night”, o segundo álbum do quarteto, que saiu em setembro e do qual já ouvi gente dizer que é tipo uma mistura praieira e malemolente de Daft Punk com Disclosure e Unknown Mortal Orchestra. Ok?

A abertura fica à cargo do músico mineiro JP Cardoso, com banda de notáveis no suporte, ameaçando tocar música nova inclusive.

Quem vamos?

Captura de Tela 2018-11-30 às 5.49.35 PM

>>

CENA – “Tudo Pode Acontecer” no novo disco cheio de participações do mineiro Filipe Alvim

>>

1 - cenatopo19

Fotos: Julia Galione

Fotos: Julia Galione

Depois de lançar o single aqui na Popload em maio deste ano, o mineiro Filipe Alvim solta seu terceiro disco, “Tudo Pode Acontecer”, sucessor de “Beijos”, de 2016. O registro traz relatos da curta passagem de Alvim por São Paulo e uma série de parcerias como Samira Winter, Dinho, do Boogarins, e Guerrinha, da carioca Séculos Apaixonados.

Filipe é uma das figuras da pequena cena independente de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Junto do selo Pug Records, Alvim vem organizando shows, prensando discos e divulgando seu trabalho no maior estilo guerrilha, totalmente artesanal e colaborativo. Exemplo disso foi o processo de produção do último disco, dividido entre São Paulo, Rio de Janeiro e Juiz de Fora.

“Tudo Pode Acontecer” começou a ser composto quando o cantor resolveu se mudar de MG para São Paulo com o objetivo de expandir seus horizontes e alcançar mais público para o seu som. Depois de dois meses na capital paulista, por falta de adaptação, voltou para sua cidade natal com uma porção de letras, todas elas traduzindo um pouco do período em que Felipe resolveu provar a sorte longe de casa.

Em meio a esse processo, ele chamou alguns amigos para complementarem composições e vocais das canções que compôs, entre eles, os já citados Dinho, Samira e Guerrinha. O último, vocalista da banda Séculos Apaixonados foi quem mais apostou na empreitada de Alvim e acabou sendo o responsável por gravar todos os instrumentos existentes no álbum.

Durante as gravações, Guerra gravava takes e compartilha com Alvim, fazendo uma ponte digital entre RJ e MG. Junto das gravações à distância, as outras participações foram fechadas e captadas, levando os vocais de Samira para a faixa “Chiclete” e a voz do vocalista do boogarins, para a track “Tudo Pode Acontecer”. Com tudo gravado,
Filipe viajou até o Rio de Janeiro e finalizou todas as músicas com os seus vocais.

Com o lançamento em mãos, o compositor se prepara para abrir a agenda de final de ano e organizar uma série de shows da nova turnê para 2019.

>>