Em CENA:

CENA – “Tudo Pode Acontecer” no novo disco cheio de participações do mineiro Filipe Alvim

>>

1 - cenatopo19

Fotos: Julia Galione

Fotos: Julia Galione

Depois de lançar o single aqui na Popload em maio deste ano, o mineiro Filipe Alvim solta seu terceiro disco, “Tudo Pode Acontecer”, sucessor de “Beijos”, de 2016. O registro traz relatos da curta passagem de Alvim por São Paulo e uma série de parcerias como Samira Winter, Dinho, do Boogarins, e Guerrinha, da carioca Séculos Apaixonados.

Filipe é uma das figuras da pequena cena independente de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Junto do selo Pug Records, Alvim vem organizando shows, prensando discos e divulgando seu trabalho no maior estilo guerrilha, totalmente artesanal e colaborativo. Exemplo disso foi o processo de produção do último disco, dividido entre São Paulo, Rio de Janeiro e Juiz de Fora.

“Tudo Pode Acontecer” começou a ser composto quando o cantor resolveu se mudar de MG para São Paulo com o objetivo de expandir seus horizontes e alcançar mais público para o seu som. Depois de dois meses na capital paulista, por falta de adaptação, voltou para sua cidade natal com uma porção de letras, todas elas traduzindo um pouco do período em que Felipe resolveu provar a sorte longe de casa.

Em meio a esse processo, ele chamou alguns amigos para complementarem composições e vocais das canções que compôs, entre eles, os já citados Dinho, Samira e Guerrinha. O último, vocalista da banda Séculos Apaixonados foi quem mais apostou na empreitada de Alvim e acabou sendo o responsável por gravar todos os instrumentos existentes no álbum.

Durante as gravações, Guerra gravava takes e compartilha com Alvim, fazendo uma ponte digital entre RJ e MG. Junto das gravações à distância, as outras participações foram fechadas e captadas, levando os vocais de Samira para a faixa “Chiclete” e a voz do vocalista do boogarins, para a track “Tudo Pode Acontecer”. Com tudo gravado,
Filipe viajou até o Rio de Janeiro e finalizou todas as músicas com os seus vocais.

Com o lançamento em mãos, o compositor se prepara para abrir a agenda de final de ano e organizar uma série de shows da nova turnê para 2019.

>>

CENA – Ao som de “Brasileiro”, Selvagens à Procura de Lei lançam seu grito político apoiado por, no mínimo, 20 mil pessoas

>>

1 - cenatopo19011118_selvagens2

Uma das bandas mais fortes da CENA indie no Brasil, os Selvagens à Procura de Lei se prepara para lançar um disco ao vivo, também em vídeo, com registros do show realizado em casa, no palco do Maloca Dragão, na cidade de Fortaleza, para um público de 20 mil pessoas.

Do projeto, eles acabam de soltar via Popload o primeiro vídeo para o hit “Brasileiro”, som lançado originalmente no ano de 2013, mas ainda atualíssimo, dada sua pegada política, em um momento delicado e cheio de incertezas no país.

“Agora faz até mais sentido a gente soltar essa versão de ‘Brasileiro’, com esses dias tão conturbados da nossa história. É simbólico. É uma música nasceu de um incômodo muito forte sobre os rumos do nosso país, de uma necessidade de botar pra fora mesmo, de se manifestar contra a injustiça monstruosa que o nosso povo sofre todos os dias”, relata o vocalista Gabriel Aragão.

Com produção de Paul Ralphes, esse registro ao vivo terá sua primeira parte (com nove faixas), lançadas no dia 16 de novembro e será chamado de Selvagens à Procura de Lei no Poço da Draga.

>>

Melhor palco da música independente, Z muda a cara com um olho no passado e os dois pés no futuro

>>

ze

* O Z virou o novo Z. Seguindo sua vocação musical histórica de estar onde a movimentação cultural brasileira está, a casa de shows paulistana trocou de roupa, por dentro e por fora, mexeu em toda sua programação e barateou seus “combustíveis” para se consolidar como uma das sedes da música independente nacional bem ali no coração do fervido Largo da Batata, em São Paulo, também conhecido ironicamente mas nem tão despropositadamente como Potato Valley.

O Z só não teve seu palco mexido, porque não precisava. Eleito pela Folha de S.Paulo o melhor espaço para música ao vivo da cidade e “ímã para conhecer novas bandas”, o lugar, a partir desta quinta dia 1º de novembro, com a estreia da noite “Cena”(ver abaixo), se sente renovado. E já no gás.

Daqui ao final do ano, se você juntar num pôster só tudo o que vai acontecer em seu premiado palco, o Z vai parecer o maior festival indie do mundo.

Garage Fuzz , Guizado, Felipe Cordeiro, Menores Atos , Deep Sea Arcade (Austrália), Water Rats, Edgar, Luiza Lian, Anemone (Canadá),  Duda Beat , Heavy Baile, Winter, Raça,  Autoramas , Lucas Silveira, Mel, Guizado, EATNPTD, ATR , Pin Ups, Mickey Junkies, Glue Trip, MQN, Alexander Biggs (Austrália), Pessoas Estranhas, JP, Jonnata Doll e os Garotos Solventes, Brvnks, Mad Monkees, La Bronze (Canadá), Osorezan (Chile), Valv, Rasha Naras (Palestina), Ema Stoned e NDK são alguns dos muitos nomes que se apresentarão na casa, desta quinta até dezembro. 

JYFO9178

A programação do Z agora é feita por um time renovado e totalmente integrado nas movimentações independentes tanto de São Paulo, em particular, como do Brasil, num alcance geral. Junior Carvalho, Mexicano e a dupla Daianne Dias + Fabrício Nobre (realizadores do festival Bananada, em Goiânia) estão à frente de dar a melhor trilha sonora ao Largo da Batata.

A nova cara do Z tem assinatura de responsa. A cenografia foi feita pelo Studio Curva @studiocurva (que faz os palcos do Coala Festival, por exemplo), com a participação dos artistas visuais Gustavo Amaral @gustavoamaral , Thiago Nevs @thiago.nevs e Grafica Fidalga (@grafica_fidalga).

Todo esse chacoalho visual e de programação foi para ajustar o prumo do Z com sua principal vocação, que é de estar no lugar certo, na hora certa e fazendo a coisa certa, como foi quando era na Augusta e viu nascer a nova MPB, a nova eletrônica, o novo rock, depois assumiu o endereço do mitológico Aeroanta e agora chama a atenção, real-oficial, de um dos mais efervescentes endereços de São Paulo. Respeitando sua história passada e já escrevendo a história futura de muitos.

***
Nesta quinta

CENA com Aeromoças e Tenistas Russas e Guizado no Z
Data: 1 de novembro
Horários:
Abertura da casa com DJ – 22h
DJ Set Popload – 22h30
ATR – 0h
Guizado – 01h30

KOUI3874

***

@zlargodabatata
https://www.facebook.com/zcarniceria/

>>

CENA – Com referências que vão de Death Cab For Cutie a Guilherme Arantes, Acidental lança seu quarto EP. Ouça “Pronto / Partido”

>>

1 - cenatopo19031018_acidental_2018_02

Nascido em Blumenau, Santa Catarina, mas cidadão paulista há um bom tempo, Alexandre Machado milita pela CENA há cerca de 10 anos, transitando entre suas bandas e o selo do qual faz parte, a Hearts Bleed Blue. Entre seus projetos próprios está a Acidental, que lança hoje via Popload seu quarto EP, “Pronto / Partido”. O trabalho encerra um período de autoconhecimento de Alexandre e abre caminho para o seu primeiro disco, prometido desde 2013. Falamos com o músico para entender melhor esse lançamento e também seus próximos planos.

Fundada em 2013, a Acidental é um projeto solo e experimental de Alexandre, o qual tem como principal conceito, lançar duplas de singles com temas próprios para cada par de canções. Junto dessas características e de um projeto gráfico pensado para cada EP, o projeto segue empilhando peculiaridades não somente pelo visual e formato, mas também pela forma de distribuição, já que usou as fitas K7 para divulgar seus últimos 3 singles lançados.

Ultrapassando o campo do saudosismo, os materiais do projeto distribuídos pela HBB em K7 ajudaram a manter viva a produção do formato adotado pelo selo. A partir desses experimentos com a Acidental, outras bandas do catálogo pegaram carona e hoje nomes clássicos como Autoramas, os goianos do Hellbengers e os veteranos do Water Rats também ganharam cassetes de seus discos mais recentes através da Hearts Bleed Blue.

Além de ser um projeto solo de uma figura da CENA independente nacional e laboratório de testes de seu selo, a Acidental serviu por muitos anos como uma válvula de escape para Alexandre se conhecer musicalmente. Com diversos discos lançados por suas bandas Mundo Alto e Parachamas, foi através dos três EPs, agora quatro, divulgados de 2013 até aqui, que ele enxergou as referências musicais que sempre buscou.

“Acredito que o mais importante seja justamente ter encontrado a direção musical que tanto procurei. Sempre ouvi muita coisa nacional, desde rock alternativo até o samba canção do Cartola, e acredito que finalmente eu esteja conseguindo identificar isso quando ouço as músicas novas do Acidental”

031018_acidental_slider

Em meio a esse (re)encontro de Alexandre, a Acidental consegue criar uma mistura sonora balanceada entre o rock introspectivo de nomes como Death Cab For Cutie e Darwin Deez, com referências e sonoridades que lembram um indie rock um pouco mais abrasileirado. Na conversa, Guilherme Arantes e 14Bis são creditados pelo vocalista do projeto como os culpados por essa referência mais nacional nas canções.

Atualmente formada por Alexandre gravando e compondo todo os sons, com ajuda do produtor Paulo Senoni e as artes do companheiro de selo, Antonio Augusto, a Acidental lança o último EP de um ciclo de experimentações do músico. “Pronto / Partido” segue a tradição dos lançamentos anteriores e carrega duas canções inéditas, ambas trazendo todas as características já citadas, mesclando sintetizadores com ritmos mais introspectivos.

Segundo Alexandre, a dupla de singles, além de pontapé para o primeiro disco (ainda sem data), serve também de impulso para uma turnê que passa por Fortaleza, Campina Grande, Recife, João Pessoa e Natal, incluindo o festival DoSol como um dos compromissos. As datas trarão a versão “ao vivo” da Acidental, com Antonio (Taunting Glaciers) no baixo e o amigo Luiz Alves na bateria, além de Alexandre nos vocais, sintetizadores e guitarra. Junto da turnê, o projeto ainda deve divulgar um compilado em formato de CD físico contendo todos os 4 EP’s e B-sides disponíveis apenas nos shows e um videoclipe para uma das faixas do último registro.

O novo EP da Acidental será lançado na sexta-feira pela HBB, mas você pode conferir logo abaixo as duas faixas na íntegra com exclusividade pela Popload.

>>

CENA – Ouça “Estrela Mágica”, o disco de estreia do duo gringo-brasileiro Winter & Triptides

>>

1 - cenatopo19270918_winter2

Indie tropicalista, o duo Winter & Triptides é uma mistura de Brasil com Estados Unidos. Formado pela brasileira Samira Winter e pelo norte-americano Glenn Brigman, dupla lança com exclusividade hoje, na Popload, seu disco de estreia.

Samira já é conhecida da CENA verde e amarela, graças ao seu trabalho com a banda Winter. Com referências a movimentos como a bossa nova e o flower power, “Estrela Mágica”, o disco, bebe bastante na fonte dos sons tropicalistas.

O projeto será distribuído simultaneamente no Brasil e nos Estados Unidos pelo selo OAR (em vinil e CD), o mesmo que cuida dos Boogarins na gringa. A Burger Records prepara a distribuição cool em cassete.

Novo e ao mesmo tempo antigo, “Estrela Mágica” demorou dois anos para ser produzido e foi todo captado por um clássico Tascam, gravador de fita de Glenn, que imprimiu à sonoridade do disco uma atmosfera nostálgica. É a união de dois fãs de música brasileira, que resolveram fazer seu próprio som brasileiro, com pegada gringa. Ou o contrário.

“Acho que esse álbum tem muito da conexão com um mundo sonhador, belo e até inocente. Eu e o Glenn nos conectamos muito com o nosso amor pela música brasileira, então realmente nos divertimos gravando. Estávamos em Los Angeles, mas sonhando com o Brasil”, explica Samira, que assina as letras.

TRACKLIST
Tempo
Amiga
Desaperecidos
Doce Violeta
Raio de Sol
Ele Dorme
Quero Te Levar
Ontem
I Just Wanna Be With You

>>