Em Chance the Rapper:

Lolla2020 vai acontecer de quinta a domingo, com Paul McCartney, Cure, Fontaines DC e Lorde. Na internet. Misturando shows antigos e novos

>>

* Estamos falando, veja bem, do festival matriz de Chicago. O megafestival americano Lollapalooza, que tem eventos ramificados pelo na América do Sul e na Europa, anunciou hoje a realização, para ainda esta semana, do Lolla2020.

Da próxima quinta-feira até domingo, o festival de Perry Farrell vai transmitir no Youtube shows clássicos de edições passadas misturados a performances novas. Ainda não foi divulgada a programação ou qual artista ou banda se apresentam em qual formato, mas dentre os nomes envolvidos anunciados estão Paul McCartney, The Cure, Chance The Rapper, OutKast, Arcade Fire, Yeah Yeah Yeahs, Metallica, Lorde, Fontaines DC, Run The Jewels, LCD Soundsystem, Tenacious D, Tove Lo, Ellie Goulding, Princess Nokia, Kehlani, Alabama Shakes e muito mais. Veja o pôster abaixo.

lolla2020

Entre as performances velhas ou novas do fim de semana do Lolla2020, terão falas ou bate-papo de gente como o próprio Farrell e LL Cool J, uma das atrações do festival online, por exemplo.

A programação completa será divulgada nesta quarta agora, 29.

>>

Somebody told me!!! Lollapalooza Brasil confirma tudo: Killers, Pearl Jam, LCD Soundsystem, Metronomy, The National, Chance the Rapper vêm a SP no ano que vem

>>

LCD Soundsystem

* Achamos aqui a melhor escalação de sua história brasileira. E é mesmo tudo aquilo que a gente dizia.

A grife de festivais Lollapalooza divulgou hoje o line-up de sua edição 2018, a sua sétima no país. Conforme a Popload já havia adiantado em furo latino-americano (hehe), no ano que vem o festival do Autódromo de Interlagos vai acontecer em três dias de março: 23, 24 e 25, incluindo uma sexta-feira, que deve ser inaugurada com shows do veterano Red Hot Chili Peppers e do maravilhoso “too old to be new, too new to be classic” LCD Soundsystem, de James Murphy.

Outros nomes presentes da lista, para empolgar, são The Killers, Metronomy, Chance the Rapper, Liam Gallagher, The National, Spoon, Pearl Jam, Mac DeMarco, Lana del Rey, Anderson .Paak, Wiz Khalifa, Royal Blood entre outros. Esquisito um pouco, mas o grande e veteraníssimo David Byrne, que um dia liderou o mítico Talking Heads, vai se apresentar em Interlagos. Outros nomes da lista, alguns adiantados por aqui, são Imagine Dragons, Tyler the Creator,

CENA – O Terno, Liniker e os Caramelows, Mano Brown, Rincon Sapiência, Tagore, Ventre, Francisco El Hombre, Mallu Magalhães, Plutão Já Foi Planeta, Ego Kill Talent e Tiê são alguns dos brazucas no Lolla-BR.

Veja a lista completa abaixo. Vamos falar muuuuuito de Lolla até março acabar.

Captura de Tela 2017-09-27 às 10.04.56 AM

Os ingressos já estão sendo vendidos em seu segundo lote, o Lolla Pass (válido para os três dias do Festival). Custa R$ 750 (meia-entrada). Está no site do Lolla, na bilheteria oficial e em pontos de venda exclusivos.

.

Opa, opa. O “revolucionário” Chance the Rapper está no Lolla-maravilha, parece. Jornal afirma que a Lana Del Rey também

>>

* O que está acontecendo com esse Lolla-BR 2018, hein? Que beleza de line-up, esse que circula extra-oficialmente e a gente vem dividindo por aqui.

130717_lanadelrey_slider

A Popload teve a info agora que o incrível Chance the Rapper, ma man predileto depois do Kendrick Lamar (ok, tem o Drake), vai compor esse belo elenco de atrações que vai de Killers a LCD Soundsystem, de Metronomy a… Chance the Rapper!! e Lana Del Rey!!!

Na semana passada, o jornal “Destak” divulgou que a musa Lana Del Rey vem ao Lola-BR, em informação de José Norberto Flesch. Nossa diva favorita está na estrada para divulgar seu mais recente disco, “Lust For Life”, lançado no fim de julho. O projeto tem 16 músicas novinhas e ainda convidados especiais da linha de The Weeknd, Stevie Nicks, Sean Lennon e A$AP Rocky. Nesta semana, Lana faz shows em Liverpool e Glasgow.

210817_chance_slider

Já o Chance the Rapper é personagem digno de reflexão. Ano passado, ele lançou sua terceira mixtape na carreira, “Coloring Book”, e foi parar na primeira posição da Billboard só com os números de streaming, tipo de divulgação que aparece nas paradas americanas, com aferições científicas através de Apple Music, Youtube e Spotify desde o final de 2014. Ele foi o primeiro artista a conseguir o feito e, claro, deu um nó na cabeça de todo mundo sobre o jeito de se fazer música nos tempos modernos. Ou no futuro.

Esse tipo de medição de “audiência” de música ainda causa um pouco de polêmica, mas o X da questão é que esse “Coloring Book” não podia ser baixado em nenhum lugar, porque o Chance the Rapper fez tudo sem um auxílio de gravadora, corroborando com um pensamento de uns anos atrás em que o próprio explanou para a Rolling Stone, dizendo que não tinha sentido algum ter vínculo com alguma gravadora, justificando que só porque ele não vou venderia, não significaria que não se tratava de um lançamento oficial.

O Lollapalooza 2018 terá três dias de duração e acontecerá no fim de semana dos dias 23, 24 e 25 de março, em Interlagos.

>>

Chance the rapper, o futuro da música independente? No problem

>>

Screen Shot 2016-05-20 at 12.16.24

* Que grande momento vive o rap. Esse discaço de 20 músicas que o canadense Drake soltou no finalzinho de abril e agora essa terceira mixtape lançada dias depois pelo incrível Chance the Rapper.

“Coloring Book”, que saiu apenas nas internets dia 12 de maio, traz uma vocação para fazer história e uma música que é fácil um dos raps mais legais dos últimos tempos, na categoria “rap malandro”, frise-se. Isso dentro de um jeito “gospel” de levar sua música, aliada a suas raízes no hip hop de Chicago, mais cadenciado.

Nesse contexto, ouça a pequena maravilha que é “No Problem”, que tem colaborações vocais dos feras Lil Wayne e 2 Chainz.

A mixtape botou Chance the Rapper alto na parada da “Billboard” apenas com streaming, que não é uma venda mas já não pode ser ignorado como estimativa de sucesso ou fracasso de um disco. É o primeiro artista a conseguir isso. Música em streaming aparece nas paradas americanas, com aferições científicas através de Apple Music, Youtube e Spotify desde o final de 2014 e segundo li funcionam assim:

1500 audições acumuladas de um certo link, uma certa música, equivalem à venda de 10 músicas avulsas ou à venda de um album cheio. Parece que o troço ainda é bem polêmico como estimativa, mas segundo o “Guardian” inglês os recentes discos de Rihanna (“Anti”), Kanye West (“The Life of Pablo”) e o da Beyoncé (“Lemonade”), lançados primeiramente em streaming (no Tidal), estão forçando a modernização das paradas.

Mas enquanto esses discos também ofereceram o download como opção e isso foi computado em streaming, o “Coloring Book”, do Chance the Rapper, não pode ser baixado em nenhum lugar, porque o rapper faz questão de fazer tudo sozinho, sem gravadora por trás, ajudando. Essa é a parada. Em 2013, ele disse à “Rolling Stone” que não fazia nenhum sentido, não tinha nenhuma razão, ele assinar com alguma gravadora. “O que é um álbum hoje em dia? Só porque eu não vou vender não significa um lançamento oficial?”

Quem diria, a música ainda vai mudar muito no futuro próximo.

>>

Lollapalooza Chicago: a lama, a filha do Obama e o “vencedor” Chance the Rapper

>>

* Um dos grandes festivais do mundo, o Lollapalooza de Chicago aconteceu no final de semana em Chicago, com uns 60 de seus shows transmitidos ao vivo pela internet. A lista incluia Arctic Monkeys, Courtney Barnett, Skrillex, Jenny Lewis, Lorde, Eminem, Outkast e Chance the Rapper, uma espécie de “vencedor” do Lolla USA 2014, segundo o noticiário americano. Um monte das apresentações foram transmitidas ao vivo por rádios. Ouvi pelo menos três shows pelas emissoras indies da Sirius XM. Os megafestivais entraram realmente numa era global.

Os bafos do encerramento do Lollapalooza deste ano foram dois: primeiro que o domingão do festival de Chicago foi de chuva torrencial, que transformou o gigantesco Grant Park num parque de lama.

Screen Shot 2014-08-04 at 7.36.21

Malia Obama, a filha de 15 anos do presidente dos EUA, foi vista curtindo o show do moleque Chance the Rapper com mais três amiguinhos e dois sujeitos a paisana que pertenciam ao Serviço Secreto. Na plateia. A “primeira filha” depois deixou o parque pela saída normal de público, assim que o show de Chance the Rapper acabaou, mas recusou-se a tirar foto com a galera que a reconheceu: “Não posso tirar foto com público”, ela se desculpava.

Screen Shot 2014-08-04 at 7.57.15

Screen Shot 2014-08-04 at 7.57.24

Parece que Malia Obama foi conferir somente o show do rapper local Chance the Rapper, no Lolla. Tanto o músico como a família de Obama são da região de Chicago. Estava todo mundo em casa, aqui: Chance the Rapper, Malia, Lollapalooza.

Screen Shot 2014-08-04 at 8.47.59

Rapper, 21 anos, é um dos nomes mais falados do novo hip hop dos EUA. Ele faz rap em cima de som de guitarra e de metais. Não tem exatamente nenhum álbum lançado, mas pegaram uma mixtape que ele apenas veiculou na internet, no ano passado, chamada “Acid Rap”, para botar à força na lista de melhores discos de 2013. Foi 26º lugar na lista da “Rolling Stone”, 12º na do Pitchfork, 4º da “Complex” e entrou no top 50 do NPR, segundo o site do conglomerado de rádios independentes americano.

O alcance de Chance the Rapper está absurdo, desde colaborar com o indie-eletrônico cult como o britânico James Blake até ser visto com o doidinho pop Justin Bieber para lá e para cá, sem falar na brodagem com o Skrillex. Além de atualmente emprestar corpo e voz em colaborações para dezenas de músicas e discos de rappers americanos. E é todo engajado em causas sociais.

Screen Shot 2014-08-04 at 8.51.55

Seu show no Lolla, por tudo o que envolveu, foi apoteótico e mostra seu atual prestígio, na cena local em particular e no rap americano em geral. Chance the Rapper no ano passado, no mesmo Lollapalooza, tocou num palco pequeno num set à tarde. Um ano depois, tipo ontem, arrastou 60 mil pessoas para causar um tumulto diante de sua apresentação como atração principal de domingo do Perry Stage, palco usado principalmente para atrações de dubstep e outras coisas eletrônicas que dominam a cena jovem nos EUA. E tocando NO MESMO HORÁRIO que Skrillex e Kings of Leon, pensa.

O veterano e famosão rapper, cantor de R&B e produtor R Kelly foi ver o Chance the Rapper do palco e ficou postando foto dele em ação no Instagram. Além de dar uma “palhinha” vocal na introdução de uma música de Rapper, pensa 2.

Há poucas dúvidas que Chance the Rapper vai ser uma das atrações principais do Lollapalooza Chicago de 2015.

>>