Em chuck hipolitho:

TOP 50 DA CENA – Tem e-m-p-a-t-e na décima posição do nosso Ranking. Procure entender. Mais: Guilherme Held inverte a ordem e chega ao topo. E alguém leva o Tagua Tagua para tocar no rádio, pfv?

1 - cenatopo19

* Se você olhar bem, tem um EMPATE na décima posição do nosso ranking na semana. Empate de duas músicas que ainda não existem, mas existem. É o que pode esta CENA. Os malucos do Mel Azul lançaram seu single só no Whatsapp, por enquanto. Vai chegar, calma. Mas, veja bem, já chegou. O Mulungu, de conexões do Nordeste, lançou seu single via Zoom, com direito à meditação, relaxamento, respiração diferente. Vai chegar, calma. Mas, veja bem, já chegou. Em outra dimensão, mas chegou. Que lindo tudo isso.
Falando na música campeã da semana, palmas para Guilherme Held, famoso guitarrista “dos outros”, mas que brilha em seu primeiro trabalho solo, invertendo a coisa e fazendo “os outros” colaborarem para ele. Destaque ainda para a charmosíssima psicodelia do Tagua Tagua. Fechamos os olhos e pegamos uma música qualquer de seu delicioso novo álbum. E só não botamos em primeiro porque o Guilherme Held não deixou.
Que linda esta CENA!

WhatsApp Image 2020-10-20 at 20.22.04-2

1 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (Estreia)
Grande guitarrista da CENA, era de se esperar que em seu primeiro álbum solo Held colocasse sua guitarra pra falar mais alto. Ela até está lá em vários momentos, mas trabalha mais em função do que é melhor pras composições dele em diversas colaborações. “Corpo Nós” é exemplo disso, onde Held quase não aparece para brilhar a interpretação única de Juçara Marçal na letra de Alice Coutinho e um esperta bateria dupla feita por Sérgio Machado e Décio do Bixiga 70. E ainda mal começamos a ouvir e ouvir esse disco, já discaço para nós.
2 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (Estreia)
Toques psicodélicos combinados com um charme pop. Um riff daqueles na guitarra e no baixo. Tagua Tagua prontinho pro sucesso, hein? Hit grudento prontinho pra furar a bolha da música independente brasileira, talvez. Talvez!
3 – KL Jay – “Território Inimigo” (1)
Kl Jay sempre acerta. Aqui ele oferece seu balanço único para as vozes de Jota Ghetto, Amiri e Anarka. Na letra, a denúncia sobre o racismo brasileiro que se evidencia em assassinatos brutais e políticas públicas desastrosas que criminalizam a existências da população negra no país. Um basta daqueles em uma questão urgente.
4 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (2)
O disco novo da Luedji saiu e isso é um evento, porque já deu para notar que temos várias músicas nota 10 por aqui. “Ain’t I a Woman”, que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
5 – Marrakesh – “Tripin'” (Estreia)
Pense global, aja local. O Marrakesh tem feito as coisas certinhas na sua trajetória. Ajudaram a tirar a música independente de Curitiba de uma ressaca pós-Bonde do Rolê e agora, com um pé no Paraná e outro em SP, focam numa conexão mais apropriada para seus shows, suas roupas, sua postura psicodélica que roça no pop. É o Marrakesh ressurgindo em nova fase, pós-pandemia.
6 – Teach Me Tiger – “Wasted” (Estreia)
Essa dupla belga-paulistana da cena mineira andava meio sumida, mas ressurgiu tão afiada quanto antes. Esse single novo antecipa um novo disco, “Copy of Myself”, que chega em novembro. Para prestar atenção. Porque, yes, nós temos post-punk!
7 – Compositor Fantasma – “Banjos e Demônios” (Estreia)
Segue a saga do compositor desconhecido, mais ou menos. Nesse som, uma porrada em líderes charlatões. Apesar do tema pesado, ele não abre do refrão pegajoso. Potente.
8 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (6)
Aqui a talentosa e inquieta Giovanna encontra uma forte conexão entre música e texto. Entre voz e ritmo. Se a ideia da letra é refletir sobre mudanças e transições, o som acompanha bem isso indo para diferentes rumos, inclusive alguns sem saída – quando a música até para. E retoma. Giovanna parece saber fazer o que quer com seu som. Até criar uma perguntinha boa a partir dele. Como criar um futuro que não esteja amarrado ao passado? Já pensou nisso?
9 – RRocha – “Rua” (Estreia)
Rocha tocou guitarra e baixo, além de cantar, na Wannabe Jalva. Agora solo, o cantor se repagina em um som menos “space”, mais MPB distorcida, a caminho do primeiro álbum. Interessante demais esse rolê que ele encontrou.
10 – Mel Azul, “Mimo” – Mulungu – “A Boiar” (Estreias)
Olha… A primeira música, da banda paulistana Mel Azul, foi lançada nesta semana. Pelo Whatsapp somente. Ainda não foi para as plataformas. A segunda, do grupo nordestino (Recife/Natal) Mulungu, foi lançada no Zoom. Ainda não está nas plataformas. Essa décima posição é para guardar um lugar no top 10 do Top 50 para as duas, entende? A gente ouviu e ambas merecem.
11 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (3)
12 – Chuck Hipolitho – “Mais Ou Menos Bem” (4)
13 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (5)
14 – Plutão Já Foi Planeta – “Risco de Sol” (7)
15 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (8)
16 – Carne Doce – “Hater” (9)
17 – WRY – “Tumulto, Barulho e Confusão” (10)
18 – Rohmanelli – “Toneaí” (16)
19 – Matuê – “Máquina do Tempo” (18)
20 – The Baggios – “Hendrixiano” (20)
21 – JP – “Eu Quero Perder Você” (21)
22 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (22)
23 – PLUMA – “Leve” (23)
24 – Luiza Lian – “Geladeira” (24)
25 – BK – “Movimento” (25)
26 – Nana – “Independência ou Morte” (26)
27 – Vivian Kuczynski – “Pele” (27)
28 – Boogarins – “Cães do Ódio” (28)
29 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (29)
30 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (30)
31 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (31)
32 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (32)
33 – Letrux – “Vai Brotar” (33)
34 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (34)
35 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (35)
36 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (36)
37 – Rincon Sapiência – “Malícia” (37)
38 – Marcelo Perdido – “Bastante” (38)
39 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do guitarrista Guilherme Held, em foto de José de Holanda.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – KL Jay senta no trono. Luedji Luna chega junto. As Rakta e Giovanna Moraes mandam um “Oi”, cada uma do seu jeito

1 - cenatopo19

* E teve um feriado no meio do caminho. A produção de singles e vídeos e discos deu uma arrefecida, o que foi bom para a gente fazer um rearranjo nas dez primeiras do nosso Top 50.
E na dança dos números, que na real faz pouco efeito na nossa playlist, trouxe para o topo o grande KL Jay, a cabeça musicalmente pensante dos Racionais, aqui na versão solo. Solo porém bem acompanhado. Bom, você sabe do que estamos falando.
A cativante cantora baiana Luedji Luna marca a presença com seu discos de boas músicas para este Top top. Outro nome que se não me engano aparece pela primeira vez é o do grupo paulistano de cold wave (permita-me!) Rakta, com uma música não-música.
Daria uma ótima quebra na nossa playlist, se a música estivesse no Spotify. Nem a do KL Jay está, na verdade. Para ouvir ssas duas tem que dar uma caçadinha. Faz parte. As outras 48 estão lindas e conectadas na playlist!!!

2 - 960x960_AnaFrango

1 – KL Jay – Território Inimigo” (2)
Kl Jay sempre acerta e agora alcança o primeiro lugar no Top 50, depois de ter entrado em segundo. A música do KL Jay cresceu por aqui. Nela, ele oferece seu balanço único para as vozes de Jota Ghetto, Amiri e Anarka. Na letra, a denúncia sobre o racismo brasileiro que se evidencia em assassinatos brutais e políticas públicas desastrosas que criminalizam a existências da população negra no país. Um basta daqueles em uma questão urgente.
2 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (Estreia)
O disco novo da Luedji acabou de sair e estamos só começando a absorver a obra. Mas já dá para dizer que temos várias músicas nota 10 por aqui. “Ain’t I a Woman”, que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
3 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (Estreia)
Dez minutos. Que passam como se não fossem dez minutos de uma bela piração viajada daquelas fortes. Alguém faça o filme que vai ter essa trilha sonora. Ou vai lá e faz um na imaginação para essa música-não música caber. Aconteceu por aqui.
4 – Chuck Hipolitho – “Mais Ou Menos Bem” (1)
Está aí um som que combina demais com nosso estado quarentenesco. Não só pelo nome do single lançado, mas também por seu vídeo, com imagens de umas colagens na janela enfeitada do quarto onde Chuck gravou grande parte de seu novo álbum, que sai mês que vem. De uma janela em que só podemos ver o tempo de um dia passar. Até um outro começar. E passar. A música é uma versão de “Más O Menos Bien”, da conhecida e muito boa banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado. E, muito além dos conceitos, tem a canção. E que canção! E que refrão!
5 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (3)
Ana vai conquistar o mundo. A gente já sabia e o mundo agora parece que está sendo informado. Indicação ao Grammy, livro e um novo single que deixa a gente com a certeza de que a sua produção segue afiada em um som que ela explica assim: “Pensei numa melodia que pudesse ser cantada para plantas e bebês, trazendo timbres que têm me interessado, como a flauta, órgão e violão, misturando elementos da bossa-nova, chamber-pop e soft-eletro-indie. Quis explorar efeitos, estéreos e repetições trazendo elementos em comum ao ‘Little Electric Chicken Heart’, como dobras, coros, metais, e divergindo em outros aspectos, como forma e timbres”.
6 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (Estreia)
Aqui Giovanna encontra uma forte conexão entre música e texto. Entre voz e ritmo. Se a ideia da letra é refletir sobre mudanças e transições, o som acompanha bem isso indo para diferentes rumos, inclusive alguns sem saída – quando a música até para. E retoma. Giovanna parece saber fazer o que quer com seu som. Até criar uma perguntinha boa a partir dele. Como criar um futuro que não esteja amarrado ao passado? Já pensou nisso?
7 – Plutão Já Foi Planeta – “Risco de Sol” (4)
No esperto EP em que gravam composições de seus conterrâneos de Natal, a banda saca ideias musicais próprias bem fortes e que falam de certa maneira um monte justamente sobre a cidade e sua relação com a banda. Indie-geografia. Tendência linda que temos comentado bem por aqui.
8 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (5)
Em um beat inspirado do Kamau, Rodrigo Ogi deixa mais uma letra nota 10 em um disco que não é o seu este ano – o outro exemplo é o som que escreveu pra Kiko Dinucci. Marcelo D2 em uma track sua soa quase como participação de luxo, consequência de sua ideia de montar um superálbum gravado e escrito remotamente durante a pandemia por muitas vozes e canetas. Que sacada e que generosidade com os mais novos.
9 – Carne Doce – “Hater” (7)
Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”
10 – WRY – “Tumulto, Barulho e Confusão” (8)
A reflexão do Wry sobre tempos nada simples de entender se encaixa em um música bonita e agradável. Sabe aquela simplicidade assobiável? Não é todo dia que sai música assim. Queremos esse álbum que chega no fim do mês.
11 – Daniel Tupy – “Bem” (9)
12 – Romero Ferro – “Fake” (10)
13 – Leveze – “Aurora” (11)
14 – Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D`água” (12)
15 – SARTØR – “NEVER COMING HOME” (13)
16 – Rohmanelli – “Toneaí” (14)
17 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (15)
18 – Matuê – “Máquina do Tempo” (16)
19 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (17)
20 – The Baggios – “Hendrixiano” (18)
21 – JP – “Eu Quero Perder Você” (19)
22 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (21)
23 – PLUMA – “Leve” (23)
24 – Luiza Lian – “Geladeira” (24)
25 – BK – “Movimento” (25)
26 – Nana – “Independência ou Morte” (26)
27 – Vivian Kuczynski – “Pele” (27)
28 – Boogarins – “Cães do Ódio” (28)
29 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (29)
30 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (30)
31 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (31)
32 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (32)
33 – Letrux – “Vai Brotar” (33)
34 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (34)
35 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (35)
36 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (36)
37 – Rincon Sapiência – “Malícia” (37)
38 – Marcelo Perdido – “Bastante” (38)
39 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é da cantora carioca Ana Frango Elétrico.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Chuck nos pegou. KL Jay nos balançou. Wry tumultuou. E Plutão nos botou de volta no nosso mapa. Confira o ranking da peculiar música brasileira

1 - cenatopo19

* Confessamos. “Mais ou Menos Bem”, do Chuck, nos pegou. Primeiro por tudo o que a música envolve (lê abaixo). E, depois, porque é uma belíssima de uma música. Ainda que não do Chuck. Mas muito do Chuck, por esse exercício de colocar o português numa música gringa numa época em que “descobriu-se” que o português cabe sim no rock, na música pop, no trap, onde for. Ao contrário do que se acreditava até há pouco tempo. O refrão, de tão simples e o sincero, nos leva a outro lugar. A um lugar que queremos ir, porque nos é confortável.
Aí junta isso com a contundência que se espera de um cara como o KL Jay, em tudo que o que ele carrega nas costas na música, e formamos a dupla líder desta semana deste ranking poderoso. Sendo que o que é poderoso, está poderoso, é o caminho que a música brasileira tem tomado.
E isso, “planilhado aqui”, junto com todas as 48 posições, como a gente vem fazendo semanalmente, fica tão claro. Não fica?

3 - 960x960_Chuck

1 – Chuck Hipolitho – “Mais Ou Menos Bem” (Estreia)
Está aí um som que combina demais com nosso estado quarentenesco. Não só pelo nome do single lançado, mas também por seu vídeo, com imagens de umas colagens na janela enfeitada do quarto onde Chuck gravou grande parte de seu novo álbum, que sai mês que vem. De uma janela em que só podemos ver o tempo de um dia passar. Até um outro começar. E passar. A música é uma versão de “Más O Menos Bien”, da conhecida e muito boa banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado. E, muito além dos conceitos, tem a canção. E que canção! E que refrão!
2 – Kl Jay – Território Inimigo” (Estreia)
Kl Jay sempre acerta. Aqui oferece seu balanço único para as vozes de Jota Ghetto, Amiri e Anarka. Na letra, a denúncia sobre o racismo brasileiro que se evidencia em assassinatos brutais e políticas públicas desastrosas que criminalizam a existências da população negra no país. Um basta daqueles em uma questão urgente.
3 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (1)
Ana vai conquistar o mundo. A gente já sabia e o mundo agora parece que está sendo informado. Indicação ao Grammy, livro e um novo single que deixa a gente com a certeza de que a sua produção segue afiada em um som que ela explica assim: “Pensei numa melodia que pudesse ser cantada para plantas e bebês, trazendo timbres que têm me interessado, como a flauta, órgão e violão, misturando elementos da bossa-nova, chamber-pop e soft-eletro-indie. Quis explorar efeitos, estéreos e repetições trazendo elementos em comum ao ‘Little Electric Chicken Heart’, como dobras, coros, metais, e divergindo em outros aspectos, como forma e timbres”.
4 – Plutão Já Foi Planeta – “Risco de Sol” (Estreia)
No esperto EP em que gravam composições de seus conterrâneos de Natal, a banda saca ideias musicais próprias bem forte e que fala de certa maneira um monte justamente sobre a cidade e sua relação com a banda. Indie-geografia. Tendência linda que temos comentado bem por aqui.
5 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (2)
Em um beat inspirado do Kamau, Rodrigo Ogi deixa mais uma letra nota dez em um disco que não é o seu este ano – o outro exemplo é o som que escreveu pra Kiko Diinucci. Marcelo D2 em uma track sua soa quase como participação de luxo, consequência de sua ideia de montar um superálbum gravado e escrito remotamente durante a pandemia por muitas vozes e canetas. Que sacada e que generosidade com os mais novos.
6 – Revolta – “Hecatombe Genocida” (3)
Nosso “We Are the World” do mundo invertido. “Cem mil mortos entupindo o poço da escuridão/ A justiça vai caindo/ Facistas na contramão/ O terror em forma de governo/ Misturado com ódio e veneno/ Extermina toda a razão/ Patriotas de pele mais clara/ Mundo podre da corrupção”, diz a letra da banda que tem em suas fileiras “apenas” João Gordo (Ratos de Porão), Prika Amaral (Nervosa), Guilherme Miranda (Entombed AD e Krow), Moyses Kolesne (Krisiun), Castor (Torture Squad) e Iggor Cavalera (Cavalera Conspiracy e Mixhell).
7 – Carne Doce – “Hater” (4)
Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”
8 – WRY – “Tumulto, Barulho e Confusão” (Estreia)
A reflexão do Wry sobre tempos nada simples de entender se encaixa em um música bonita e agradável. Sabe aquela simplicidade assobiável? Não é todo dia que sai música assim. Queremos esse álbum que chega no fim do mês.
9 – Daniel Tupy – “Bem” (Estreia)
Uma reflexão pra lá de pessoal – e em alguns pontos até complicados de decifrar – de Tupy da Marrakesh, mas que pega em todos que encararam o isolamento social e suas consequências nadas fáceis pra cabeça.
10 – Romero Ferro – “Fake” (Estreia)
Vale ir ver o vídeo que recupera esse bom som de 2019 de Romero Ferro. A letra e o vídeo cutucam a questão do fake nos termos atuais ao mesmo tempo que lembra que estamos enfrentando um velho problema. “Mas tudo é relativo, incoerente e natural. O resto é fake.”
11 – Leveze – “Aurora” (5)
12 – Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D`água” (6)
13 – SARTØR – “NEVER COMING HOME” (7)
14 – Rohmanelli – “Toneaí” (8)
15 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (9)
16 – Matuê – “Máquina do Tempo” (10)
17 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (11)
18 – The Baggios – “Hendrixiano” (12)
19 – JP – “Eu Quero Perder Você” (13)
20 – Nobat – “Cárcere” (14)
21 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (15)
22 – Cat Vids – “Ash Ketchum” (16)
23 – PLUMA – “Leve” (17)
24 – Luiza Lian – “Geladeira” (18)
25 – BK – “Movimento” (20)
26 – Nana – “Independência ou Morte” (21)
27 – Vivian Kuczynski – “Pele” (24)
28 – Boogarins – “Cães do Ódio” (25)
29 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (26)
30 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (27)
31 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (29)
32 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (31)
33 – Letrux – “Vai Brotar” (33)
34 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (34)
35 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (35)
36 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (36)
37 – Rincon Sapiência – “Malícia” (37)
38 – Marcelo Perdido – “Bastante” (38)
39 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***


***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do multiinstrumentista e cantor Chuck Hipolitho.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Chuck libera o hino da quarentena real e prepara primeiro álbum solo até com Daniel Johnston envolvido

1 - cenatopo19

* Bom, acho que temos um ganhador da melhor música de quarentena, ainda que a quarentena esteja mais ou menos. Porque a vida anda mais ou menos. Porque todo mundo, pelo menos a maioria, se encontra mais ou menos bem.

É a ótima “Mais ou Menos Bem” uma das duas músicas que Chuck Hipolitho está lançando, como pontapé inicial para o disco cheio que vai lançar finalmente com seu nome, em novembro.

O cara, que passou a vida atrelado a bandas fortes e grandes na cena independente como Forgotten Boys e Vespas Mandarinas, fora seu trabalho na MTV Brasil como produtor e até VJ, fora seus grupos paralelos, agora assume a bronca com a própria cara, para lançar um disco bem especial. De releituras musicais em boa parte dele. De exercitar o português em cima de músicas gringas. Tudo com a cara do Chuck. Cara-cara-cara. E tá na cara que será legal, até porque deste lado aqui a gente já ouviu o disco todo.

Chuck - crédito Rafael Kent 3

“Mais ou Menos Bem”, lançada agora, combina muito com nosso estado quarentenesco não só pelo nome do single lançado mas também por seu vídeo, com imagens de umas colagens na janela enfeitada do quarto onde gravou grande parte do álbum, passou boa parte da quarentena e via os dias passarem. O vídeo retrata essa passagem do tempo típico da Era Covid. “Mais ou Menos Bem” é ainda o nome do disco de Chuck, o que sai mês que vem.

A música é uma versão em português (com algumas licenças) de “Más O Menos Bien”, da conhecida e muito boa banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado, que já fez alguns shows no Brasil.

O mais engraçado é que Chuck não conhecia o grupo hermano, nunca nem tinha ouvido falar. Há alguns anos, foi apresentado a “Más O Menos Bien” e se encantou com a canção, que o serve agora como carro-chefe do ano passado. Através de um contato, disse Chuck em Popload Live da semana passada, descobriu o email de Santiago Barrionuevo, o compositor do hit do El Mató, e mandou uma mensagem, para mostrar o resultado, pedir autorização. Nunca teve resposta. Mas liberaram a música.

A outra música do disco lançada como single é “Tudo Está”, outra versão, desta vez de uma música da trilha do desenho “Hora de Aventura”, do Cartoon Network, desenho do qual é fã. Outro resultado que, por assim dizer, tem a cara do Chuck. No original, é “Everything Stays”.

Na live com a Popload, quinta passada, Chuck tocou a versão em português de “True Love Will Find You in the End”, do gênio Daniel Johnston, perturbado cantor e compositor americano morto em setembro do ano passado. O título da versão do Chuck ficou “O Amor Te Encontra no Final” e ficou linda também em português. Difícil essa música não ficar boa mesmo se fosse em russo ou chinês. Ela também vai estar no disco. Chuck pode ser visto a tocando no IGTV da @poploadmusic.

Mas, por enquanto, ficamos com “Mais ou Menos Bem” e “Tudo Está”, em som e vídeo, aqui embaixo.

***

Em “Mais ou Menos Bem”, Chuck cantou, tocou guitarra, baixo em algumas canções e programou as baterias do repertório inteiro. O baixo e teclados de “Tudo Está”, assim como de algumas outras músicas do álbum, foram gravados por Guilherme Almeida, baixista da Pitty e parceiro de longa data em vários outros projetos. Depois de tudo gravado o material foi finalizado no Estúdio Tambor (RJ).

A capa do disco cheio é esta aqui embaixo:

Chuck - Mais Ou Menos Bem (single)

***

* As fotos do Chuck deste post e da home da Popload são de Rafael Kent.

>>

Popload Live: hoje, 17h, no Stories da @poploadmusic, conversa e música com o multiinstrumentista e multibandas Chuck Hipolitho

>>

* A Popload Live recebe hoje, logo mais às 17h, um dos grandes pedreiros da cena roqueira independente brasileira. A conversa desta tarde no @poploadmusic, com música, é com o multiinstrumentista Chuck Hipolitho.

Chuck é figuraça com anos e anos de serviços prestados ao indie nacional, seja como guitarrista e vocalista dos Forgotten Boys, o mesmo no Vespas Mandarinas, com projetos paralelos incontáveis, entre eles uma atuação na Banda Popload, no Popload Festival 2018, e ainda alguns anos de trabalho como VJ, produtor e diretor de programas na MTV.

Agora, no meio de seu constante processo de composição, Chuck percebeu que tinha um discos nas mãos. E vai lançá-lo em novembro, sob seu nome, desde agora em outubro já mostrando singles. Amanhã já tem dois nas plataformas: “Mais Ou Menos Bem” e “Tudo Está”, na verdade duas releituras.

Bom, sobre tudo isso e com músicas na jogada, Chuck conversa em tela dividida daqui a pouco, na Popload Live. Às 5.
2 - PHOTO-2020-10-01-10-31-09

A live da Popload foi criada para proporcionar, em tempos de clausura (ou semiclausura), papo e performance com pessoas legais da nossa música. Inclusive… tocando música.

Já rolou por aqui conversa e som com Flavio FingerFingerrr, André Aldo, Eduardo Apeles, Vivian Kuczynski, Lucas Fresno, Rita Papisa Oliva, Ale Sater, do Terno Rei, Bianca e Rodrigo do Leela, Lucas da Glue Trip, Fefel do Boogarins, Duda Brack, Clarice Falcão, Gabriela Deptuski, do My Magical Glowing Lens, Jay Horsth, do Young Lights, Salma & Macloys, do Carne Doce, a trinca Naíra, Érica e Caro, do sexteto Mulamba, João Erbetta, do Los Pirata, o Popoto, da banda Raça, a Sara Não Tem Nome, o produtor paulistano CESRV, o internacional Sessa, o cheio-de-histórias-incríveis Supla, a multimídia Lia Paris, o rapper afrojaponês-andróide Yannick Hara, a guitarrista e cantora Brvnks, o professor Frank Jorge, o brit-paulistano Charly Coombes, Tim Bernardes de O Terno, Mario Bross, do Wry, a diva Ava Rocha, o produtor mashapeiro Raphael Bertazzi, com o engenheiro de som e beatmaker Master San, com o músico mineiro André MOONS, com o enigmático cantor Gevard DuLove, com o músico, agora escritor e eterno VJ Luiz Thunderbird, Tatá Aeroplano, com o Pata, do Holger, com o mineiro JP, Jair Naves, Zé Antônio (dos Pin Ups), com o graaaande Clemente, do Inocentes, com a Giovanna Moraes, com Marcelo Perdido, com o Chico Bernardes, com Mário Arruda, do Supervão, o electroindígena Nelson D, a Larissa Conforto (Àiyé), o Vovô Bebê, o Gustavo Bertoni, do Scalene, Julio The Baggios, o grande Chico César, o rapper Hiran, a multiartista Jup do Bairro, Eduardo Porto (do ATR), o pernambucano Tagore, a baiana Jadsa, o gaúcho Erick Endres, o lendário cantor Odair José, o músico Thiago Nassif, a cantora e guitarrista Fernanda Takai, o cantor baiano Giovani Cidreira, o rapper mineiro Flavio Renegado, o guitarrista Gabriel Thomaz (Autoramas), a cantora e taróloga Ella, o gateiro Pedro Pastoriz (Mustache & Os Apaches), o grande Samuel Rosa, do Skank, o piauiense Valciãn Calixto, o “cigano” Juliano Abramovay, Gabriel Serapicos (Compositor Fantasma), Vallada (Viratempo), o veterano Marco Polo (da histórica banda pernambucana Ave Sangria), o músico agitador Otto Dardenne, o rapper Xis, o saxofonista Anderson Quevedo, a cantora Anne Jezini, de Manaus, a cantora paraense Mai, o pernambucano Jáder, do Mulungu, o sergipano Bruno Del Rey, a mineira Luiza Brina, a gaúcha-baiana Alfamor, o músico Paulo Antonio (Otito), o gaúcho Gabrre, a baiana-alemã Nana e o “ambientalista” Leveze.

Tudo regado a som ao vivo, adaptado, rearranjado, diferente, tecnicamente perdoadíssimo.
Já teve DJ set, do ótimo Willian Mexicano, com a digníssima diva pop Pabllo Vittar participando animada. E a do Lúcio Morais, do Database. Do Trepanado, da Selvagem. Do Lúcio Caramori. Do Paulão, do Garagem. Do gaúcho hard-funk Fredi Chernobyl. Do Fetusborg, que virou uma residência mensal de hip hop. Da incrível dupla electroflorestal Xaxim. Dá ótima DJ Kysia, de Fortaleza.

Já teve conversa sobre a história da CENA brasileira com um dos personagens principais dela desde sempre, o agitador Fabrício Nobre. Já teve papo de jornalismo musical com Pedro Antunes, editor da “Rolling Stone”, também conhecido como o inventor do programa “Tem um Gato na Minha Vitrola”. Já conversamos com Bruno Natal, do podcast Resumido, Thiago Ney, da newsletter MargeM, dois instrumentos ~modernos~ vitais para entender o mundo hoje. Falamos também com Ronaldo Lemos, o maior especialista em internet no Brasil e ex-curador do Tim Festival. Com o jornalista-boleiro Mauro Beting, que tem uma série de serviços prestados à música. Com a jornalista, escritora, DJ e agitadora Claudia Assef. Com Alexandre Matias, o inventor do Trabalho Sujo. Com o conhecidíssimo Zeca Camargo. Com o importante produtor Marcelo Damaso, do festival Se Rasgum (Pará). Com o renomado jornalista Álvaro Pereira Júnior. Com o podcaster Vinícius Felix. Com o correspondente de cinema em Los Angeles Rodrigo Salem. Com o empresário indie Fernando Dotta. E com a produtora Monique Dardenne.

A ideia da live é que ela, diária ou quase, não necessariamente tenha um horário padrão para rolar, mas até que tem razoavelmente acontecido às 17h, 18h.
A gente avisa aqui e nas redes o horário certo do dia.

Então, hoje, às 6 da tarde, no Stories do @poploadmusic, conversa e música com Chuck Hipolitho.

E lembrando que as Lives passaram a ficar disponíveis no igtv da conta do Popload Music, para outras revisitações ou mesmo para ver pela primeira vez. Escolha sua opção, mas veja.

>>