Em clairo:

Lorde convoca Phoebe Bridgers e Clairo para uma ajudinha na crise existencial, em “Stoned at the Nail Salon”

>>

* Eis que a garota neozelandesa nossa amiga Lorde solta seu segundo single, outra faixa que vai estar representada no próximo álbum da cantora, seu terceiro, o já famoooooso “Solar Power”, que sai em 20 de agosto.

E, veja bem, estamos falando da música “Stoned at the Nail Salon”, lamúria pop na qual Lorde não parece estar tão feliz na vida feliz que tem. Ela se pergunta se isso é um delírio ou se ela apenas está chapadona na manicure, divagando loka sobre questões existenciais.

‘Cause all the beautiful girls, they will fade like the roses
And all the times they will change, it’ll all come around
I don’t know
Maybе I’m stoned at the nail salon
Maybe I’m just stonеd at the nail salon again

A música é lindona em sua simplicidade e no jeito de que Lorde a canta, com uma AJUDINHA NOS BACKINGS VOCALS DAS ~BEAUTIFUL GIRLS~ PHOEBE BRIDGERS E CLAIRO (fora dois meninos cantores da Nova Zelândia, Marlon Williams e James Milne). Desculpe-nos as maiúsculas necessárias.

“É uma canção que serviu para eu ruminar o fato de estar ficando velha e se, até esta altura da vida, eu tenha tomado as decisões certas. Acho que são questões que as pessoas tomam quando têm minha idade (24) e para mim foi muito um alívio escrever essa música”, disse Lorde.

“Stoned at the Nail Salon”, nem tão solar power assim, tem um visualiser fofo, que você pode “admirar” aqui embaixo. Nesta noite, Lorde vai ser atração musical, com entrevista, no programa “Late Night with Seth Meyers”, na TV americana. Imagino que, se apenas uma música for performada, vai ser esta:

>>

Top 10 Gringo – War on Drugs volta nas cabeças, óbvio. O experimental Yves Tumor experimenta nosso pódio. E forçamos o Fontaines DC em terceiro, porque merecem

>>

* Na semana em que nossa banda favorita resolver reaparecer ficou complicado para qualquer outro artista ganhar algum destaque. Mas a gente lutou para achar outros merecedores de destaque – é que até que foi uma semaninha bem devagar, com vários discos recebendo resenhas mornas e algumas bizarrices como o Foo Fighters relendo Bee Gees e o Radiohead inventando uma “Creep” loucona de nove minutos.

warondrogstopquadrada

1 – War on Drugs – “Living Proof”
Uau. Uma das prediletas da casa quebrou o silêncio de quase quatros anos e reapareceu anunciando disco novo. Adam Granduciel e sua turma chegam em outubro com seu quinto disco, “I Don’t Live Here Anymore”. Já no primeiro single um petardo em forma de balada lenta que vai crescendo aos poucos, como é característico da banda. E a gente começa a rascunhar um disco no topo dos álbuns do ano com um trabalho que nem escutamos ainda…

2 – Yves Tumor – “Jackie”
Afeito a toques mais experimentais e eletrônicos, é um barato ver Sean Bowie, real nome do músico e produtor americano Yves Tumor, em algo tão direito e quase roqueiro – com uma letra rasgada de sofrimento por uma pessoa, será? Essa mudança de clima repentino em um EP surpresa nos faz lembrar de um outro Bowie, que gostava de mudar os rumos assim do nada. Exagero?

3 – Fontaines D.C- “I Was Not Born”
Qualquer desculpa é uma desculpa para colocar os nossos queridos irlandeses do Fontaines D.C em algum lugar do nosso top 50. Um supervídeo para o maravilhoso programa online francês “La Blogothèque” é mais do que uma boa razão. Sem falar na maravilha que é esta música, do disco do ano passado deles, o “A Hero’s Death”.

4 – Willow – “t r a n s p a r e n t s o u l”
Filha do hip hop com a heavy metal, 20 anos de idade lançando seu quarto álbum da carreira, lá vem a Willow atirando para tudo quanto é lado. E acertando em vários lugares. A pretensão deste conhecido single resgatado aqui, parceria dela com o baterista estrela Travis Baker, do Blink 182, é “ressuscitar o rock” na terra do hip hop e trap. A intenção dela (e da Olivia Rodrigo) é boa, gente. Deixa a menina.

5 – Wavves – “Hideaway”
A gente classificou aqui uma vez o som do Wavves como indie-spank-surf-pop-punk. E essa é a melhor definição para “Hideaway”, um dos excelentes sons que estão no novo álbum dos californianos, que leva justamente o nome da faixa. Vale a atenção de fãs do TV on the Radio: David Sitek está na produção por aqui e dá para notar sua mão em sons como “Caviar”, onde o Wavves abre um pouco mão do seu som mais rotineiro.

6 – Clairo – “Blouse”
A gente já tinha ficado de cara quando a jovem cantora indie-folk americana Clairo apareceu no Tonight Show com esta ultra delicada “Blouse”, agora ela é das mais fortes de seu novo álbum, “Sling”, um álbum nem tão forte assim. Culpa do produtor coxa Jack Antonoff e sua mania de desacelerar meninas? De todo modo, nesta “Blouse”, impressiona a o quão pouco a Clairo precisa para criar uma cena completa sobre um cara que só olha para o seu corpo sem escutar nada do que ela fala. Clairo, ainda que novinha para encarar fardos tão pesados como abusos do tipo, consegue botar sua música a serviço de lutas que não são só dela.

7 – Haim – “Cherry Flavored Stomach Ache”
Tem Haim em um novo filme da Netflix, “A Ultima Carta de Amor”. Não vimos o filme para emitir uma opinião, estreia nesta semana, mas ainda que bem diferente na instrumentação a música original das irmãs é bem boa. Tem um toquezinho de country ali e tudo funciona ainda que de uma maneira pop, do jeitão delas.

8 – The Cribs – “Finger-Nailed for You”
A gente às vezes deixa de lado bandas bem queridinhas de outras épocas, que seguem a vida ainda que de um jeito anacrônico, fechadas em seus mundos. No caso dos Cribs, eles lançaram um disco ano passado que precisamos dar uma nova atenção, confessamos. Mas enquanto isso ficamos com esse cover que eles soltaram da banda inglesa Comet Gain, em celebração ao selo norte-americano Kill Rock Stars. Algumas voltas sem chegar a nenhum lugar. Mas, ainda assim, é um Cribs, né?

9 – Dee Gees – “Night Fever”
Amiga e amigo, “Night Fever” é uma música tão fora de série e emblemática que é difícil fazer bobagem com ela. A versão do Foo Fighters é até que honesta, vai.

10 – Radiohead – “Creep (Very 2021 Remix)”
Quando a gente pediu novidades do Radiohead não era bem isso que estava nos planos, mas enfim são novidades do Radiohead. E, mesmo que isso seja um remix bizarro da faixa mais pop (há controvérsias) da banda, já é algo.

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é do vocalista e guitarrista Adam Granduciel, do War on Drugs.
* Este ranking é formulado pelo duo Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas – Todos os amores do Marcelo Perdido. Wolf Alice enquanto Foo Fighters. Clairo na TV, com a Lorde e lançando single. E o nosso Popcast já listando os melhores do ano (até agora)

>>

CENA – Um manifesto de amor, numa certa mistura celebratória de Dia dos Namorados com o Mês do Orgulho LGBTQIA+, move a nova canção do sempre esperto Marcelo Perdido, “Que Bom”, que bota o músico carioca já a caminho do próximo álbum. Perdido lançou no final do ano passado, pelo selo CENA (da Popload), o álbum “Não Tô Aqui para Te Influenciar”. “Que Bom” é sobre o amor de diversas formas na cadência pop-MPB gostosa que Marcelo sabe empregar. E o vídeo promove um beijaço “vingativo”-animado-criativo. Marcelo explica e vamos ao vídeo na sequência: “Essa música, e o disco todo que vem, nasceram de um vontade de rever filmes românticos que fizeram sucesso e marcaram as pessoas da minha geração, mas ao revê-los me incomodou o fato das histórias parecerem sempre falar sobre o mesmo casal hétero, branco de cabelos e sorrisos perfeitos. Imaginei quantas pessoas diferentes desse padrão tiveram que fazer um exercício de abstração muito grande para poder se enxergar naquelas histórias de amor, e talvez nem tenham conseguido e cresceram sem isso. É bem triste, né? Então essa canção tenta pluralizar um pouquinho as histórias de amor. É um passo bem pequeno, mas na direção que acho que é a certa quando penso nesse sentimento”, reflete Perdido

– A banda inglesa Wolf Alice, com seu novo disco, está virando o Foo Fighters, com o disco deles: está em TODAS. A banda de Ellie Rowshell, que acabou de lançar o disco “Blue Weekend” com tinta para cabelo e um monte de singles, vídeos e aparições ao vivo, tem mais para mostrar. Primeiro um novo vídeo, para a música “Delicious Things”. Depois uma performance ao vivo para o programa matutino do Chris Evans na Virgin Radio britânica, o Breakfast Show, tocando a baladaça “Last Man on Earth”, que tem em vídeo também. Dá-lhe, Ellie.

– A jovem cantora indie-folk americana Clairo, que nesta madrugada apareceu em lançamentos fazendo backing vocal para a Lorde e mandando sua própria música nova, esteve ainda ontem à noite no Jimmy Fallon, para fazer a estreia dessa canção que soltou, “Blouse”, junto com o anúncio que logo mais, ainda neste ano, lança seu segundo álbum, “Sling”. “Blouse” é a primeira música a sair desse disco novo prometido. Ao vivo, na TV americana, ficou assim.

– Está no arrrrrrrr o Popcast desta semana. Sem maiores spoilers, o podcast da Popload, apresentado por Lúcio Ribeiro e Isadora Almeida, traz um olhar rankeado dos melhores discos internacionais do ano, até agora, em que completamos seis meses de 2021. E já foi difícil elaborar nossa lista. Digo, a Isa a dela, o Lúcio a dele. Teve o pódio das músicas mais queridas da semana, de cada um, os destaques da CENA brasileira e o bloco das efemérides, que lembrou Radiohead e Arctic Monkeys. Ouve lá.

popcast

>>