Em claud:

SEMILOAD – A Geração Z e o “do it yourself home edition”. Em minúsculas, cantando baixinho

1 - semiload-arte2

* Chegou a vez do nosso “big talks”, nosso “long read”.

A primeira SEMILOAD do ano, a parceria semanal da Popload com a genial “Semibreve”, newsletter escrita pela mineira Dora Guerra, vem falar de Geração Z e de como sua natural autenticidade está quebrando padrões na música. “Sua”, no caso, da Geração Z. “Sua”, no caso também, de Dora, que é da Geração Z.

Vamos?

Captura de Tela 2021-01-15 às 4.16.46 PM


Se você existiu na internet nos últimos dias, deve ter visto um enorme bafafá por conta de uma menina que não fez nem 18 anos ainda – uma tal de Olivia Rodrigo. O nome só não é uma surpresa para quem adora “High School Musical”, a série (o que eu imagino que não seja o caso de muitos de nós na Popload). De resto, estamos todos um pouco perdidos.

O pior é que, em tempos de Billie Eilish, uma menina menor de idade explodindo (no que parece repentino) com músicas escritas em mínusculas já não é tão novidade assim. Mas pode ser difícil de acompanhar, compreender, absorver tudo que rola na geração Z.

Para você, que quer entender essa juventude mas não sabe nem por onde começar, aqui vai uma espécie de guia – sobre os jovens tiktokers-multifuncionais-levemente-deprê-com-sexualidade-fluida que estão fazendo ótimas músicas… em terríveis contextos.

É que nada diz mais de um tempo do que os jovens; os jovens artistas, principalmente. E sem querer generalizar uma geração inteira (mas já generalizando um pouco), a tal gen Z é, por definição, majoritariamente consciente e política – muito mais que muitos de nós aos 15, 16 anos. Basta observar o que o fandom do grupo coreano BTS fez no último ano (https://www.theguardian.com/music/2020/jun/24/how-us-k-pop-fans-became-a-political-force-to-be-reckoned-with-blm-donald-trump), por exemplo.

E não é novidade para ninguém, também, que essa galera tá vivendo uma era sombria – mas ao contrário de vários movimentos musicais em tempos de crise, a música gen Z não é necessariamente a quebradêra, o punk ou aquela anarquia sonora toda. Na verdade, a sonoridade tende à baixa energia. Por quê?

Claro, talvez o fator caseiro tenha influência nisso: o que começa por ser simplesmente uma questão natural (onde mais um jovem menor de idade e provável classe média vai gravar suas coisas, se não no quarto?) se tornou uma escolha estética. Não a música de garagem que tomou conta dos anos 90 e inicinho dos anos 2000: agora, é a música de quarto. No quarto, a música tem que ser mais quietinha.

O “do it yourself” define completamente o negócio, aliás: mesmo agora, que não faltam recursos à Billie Eilish para gravar em Abbey Road ou no Electric Lady, ela escolhe manter sua produção em sem lar com o irmão – uma forma levemente afrontosa de dizer “Isso eu faço em casa”. E o ambiente reflete também no som, que geralmente traz um ou outro instrumento do tipo que você tem em casa; muita brincadeira eletrônica; e, claro, o inconfundível jeitinho de cantar sussurrado (ou quase).

Mas, com certeza, há um fator emocional – uma certa sensação de apatia, vindo de uma galera que discute (e faz vários memes) sobre saúde mental como nunca antes. Nas letras de muitos artistas e bandas novos, assuntos como depressão, ansiedade e pânico são citados com a mesma naturalidade em que se falava sobre festas há um tempo atrás. Há, claro, uma certa romantização dessa tristeza (como a indústria tem mania de fazer).

Mas essa melancolia não deixa de ser real: hoje, a gente vê tudo que acontece no Brasil com muita raiva, mas se sente incapaz de agir. Imagina só essa carga emocional em alguém que acabou de passar pela adolescência?

Daí talvez venha o cantar baixinho, o escrever em minúsculas – um misto de introspecção muito contemporânea com vontade de fazer algo diferente.

Outro ponto interessante é que se trata de uma geração expert em autoexpressão e que entende – finalmente – que cada um sabe do seu. Daí, temos uma galera que não se preocupa com gênero ou sexualidade ou simplesmente não se prende em nada disso; se veste como quer e, claro, atravessa gêneros musicais com a mesma fluidez. É uma forma de quebrar moldes muito menos agressiva do que se tentou fazer um tempo atrás; é quase natural, não pede licença ou desculpa.

A título de comparação, basta olhar Sam Smith – aos 28 anos e uns 6 desde sua explosão mundial, Sam finalmente se sentiu confortável para assumir sua não-binariedade; com pouco mais que a metade da idade de Sam, uma leva de novos artistas já tem suas identidades bastante definidas, sem que isso seja uma notícia. É um processo delicioso de acompanhar: eles são quem são, fazem suas músicas e ensinam a gente que seus pronomes ou sexualidades não são necessariamente o ponto principal de sua arte.

E é possível porque a indústria não necessariamente dita os sucessos com a mesma facilidade que anos atrás. Na verdade, muitos dos jovens de hoje são os próprios formadores de sucessos. Nesse auge de TikTok e afins, é a própria geração Z que define os próximos hits – respeitadas as devidas proporções, claro. Assim, gigantes feito Beyoncé têm que dividir as paradas com filhotes-de-Soundcloud, que fazem músicas no quintal.

O charme da geração Z é que tudo é muito cru, direto quando precisa ser, exposto sem paredes. Não existe distinção da persona online para a pessoa real, tampouco para o artista – quando você cresce com redes sociais, não sabe nem se dar a esse privilégio.

O resultado é uma música que vem de quem já não tem medo de se expor, sabe explorar a internet como ninguém e é, inevitavelmente, autêntico.

Aí vem a leva de gente talentosa que não dá para ignorar: Claud, BENEE, Arlo Parks, JADEN e por aí vai. Galera que ouviu muito Frank Ocean e Lana del Rey enquanto mexia no Tumblr e agora arregaça as mangas com seu estudiozinho ligado no PC.

Não que sejam só fenômenos naturais: para não ignorar a Olivia Rodrigo, que eu arrastei para o texto só para ter pretexto (rs!), é interessante observá-la para entender onde a indústria entra nisso.

Existe gente já sendo “fabricada” nesse molde; não tô dizendo que Olivia não tenha mérito pelo seu próprio sucesso, mas ela está longe de ser uma adolescente desconhecida lançando uma ou outra coisa no YouTube, gravada em seu quarto.

Muita gente já percebeu que é possível investir no bedroom pop sem que o bedroom seja necessariamente parte da equação – pode ser um estúdio, pode levar a um estádio.

Mas fato é: com sucessos moldados ou não, a geração Z está acontecendo. Tá mudando o jeito que as coisas funcionam, como toda boa geração faz. Com muito mais força, sem se preocupar com o politicamente correto, porque já têm consciência demais para isso. Sendo eles mesmos – e, por acaso, quebrando alguns padrões no meio do caminho.

***

* As fotos deste post, a lá de cima e a que ilustra o chamada da home da Popload, é da cantora americana não-binária Claud.

>>

Revelação americana, Claud perdeu o trem e fez uma música linda

>>

Captura de Tela 2021-01-12 às 8.53.31 PM

* Estamos de olho por aqui na Claud, a artista não-binária de Chicago que apontamos como um dos nomes novos a ficar de olho em 2021. Vivendo no Brooklyn, NYC, ela prepara seu disco de estreia, “Super Monster”, que será lançado no dia 12 de fevereiro pelo Saddest Factory, o selo da Phoebe Bridgers.

Hoje a Claud, 21 anos, cabelos verdes e azuis, lançou mais um single com vídeo tirada do álbum début, a fofura “Cuff Your Jeans”.

“‘Cuff Your Jeans’ é uma música sobre saudade. Escrevi depois de ter um sonho febril de tentar pegar um trem para ver uma amizade, mas perdi-o repetidamente porque sempre havia algum obstáculo no meu caminho”, contou Claud. “O sonho me deixou suando frio e sentindo essa frustração. Todos os elementos dessa música são uma forma muito necessária de rebelião contra meu estilo de vida redundante, e meus vocais baixos nos versos – que aparecem em mais alguns lugares ao longo de Super Monster – são uma forma de promover uma personalidade mais corajosa e aberta.”

Enquanto o disco não chega, vale conferir esses três singles do álbum de estreia, já lançados. “Soft Spot”, “Gold” e esta agora, “Cuff Your Jeans”.

>>

POPLOAD NOW – Quatro nomes para você ficar de olho em 2021. Ou seja: now!!

>>

* É o de sempre. No começo do ano sempre colocamos aqui algumas sugestões de bandas e artistas solo para você ficar de olho nos próximos meses. Aqui vai nossa leva de quatro indicações. Nomes estes que nunca publicamos aqui. Nos recusamos a botar neste meio artistas novinhas como Arlo Parks, Girl in Red e Celeste, que já ganharam vários posts na Popload.

****

CLAUD

** CLAUD – Primeiras coisas primeiro. Claud é uma artista não-binåria de Chicago que adora o “ela-dela” como referência. Arriscou uma carreira a partir de seu quarto ali por 2018 como Toast, mas resolveu se mudar para Nova York antes da pandemia, chegou ao Brooklyn e o Covid a trancou. Fez uma banda à distância com a amiga Clairo, chamada Shelly, mas deve decolar mesmo com a entidade que leva o seu nome. Assinou com o selo da Phoebe Bridgers, o Saddest Factory, e vai lançar seu álbum de estreia no dia 12 de fevereiro. Vai se chamar “Super Monster”. Esta “Soft Spot”, delicinha que você ouve abaixo, é do disco.

****

Captura de Tela 2021-01-04 às 4.42.26 PM

** COACH PARTY – Quarteto britânico duas garotas, dois meninos, oriundos da mitológica Isle of Wight, ilha do Canal da Mancha que para muita gente lá nem faça parte da Inglaterra, embora se você der um pulo de Southampton você cai nela, sem dizer que a ilha é famosa mesmo por causa de festivais de música, Jimi Hendrix e dinossauros, E é de lá essa ótima Coach Party, famosinha do underground de Londres, mas ainda com um disco de estreia para soltar em algum momento de 2021. Uma banda que na descrição do Facebook se explica como “banda indie bege com personalidades fraturadas” merece nossa atenção.

****

Captura de Tela 2021-01-04 às 4.41.33 PM

** POM POM SQUAD – Banda de novinhos do Brooklyn liderados pela já imponente guitarrista e vocalista Mia Berrin. Misto de furor indie-punk tipo Pixies e fragilidade emocional como 70% das bandas novas de hoje. Mas com nome sarcástico, vídeos perturbadores, barulho bom na hora certa e, claro, a Mia. Têm dois EPs apenas e dizem que o disco de estreia foi segurado para a pós-pandemia, em algum momento deste 2021 vacinado. Vamos torcer pelos dois. Pelo álbum e pela vacina. Não nessa ordem. A música abaixo é do EP de 2019 (“Ow”), coisa boa demais.

****

bree2

** BREE RUNWAY –Bree acabou 2020 lançando uma poderosa mixtape de estreia, enquanto seu álbum de estreia é aguardado para o meio de 2021. Entende? Ela é de Hackney, a frutífera área periférica do lado leste de Londres, o East London vamos facilitar, e canta que é uma beleza dentro daquele espectro de estilos que pode ser hip hop, R&B, pop e, por que não?, rock. Sim, ela é adepta dessa onda do hip hop com guitarras que estamos falando por aqui há um tempinho. É da escola da Megan Thee Stallion. Consequentemente, da faculdade da Missy Elliot. Olha o tipão, na foto e no vídeo.

****

* Esta seção da Popload é pensada e editada por Lúcio Ribeiro e Daniela Swidrak.

>>