Em dave grohl:

Dave Grohl vai aos Ramones para a nova Hanukkah Sessions

>>

* A segunda noite da segunda temporada das Hanukkah Sessions visitou os Ramones. Ontem, a estreia do projeto na versão 2021, que de alguma forma celebra os judeus na música, a cover feita por Dave Grohl (não judeu) e o brother produtor Greg Kurstin (este sim) foi do hit “Stay”, o super sucesso acidental de Lisa Loeb.

Serão oito covers, um em cada noite, para cada dia da festa judia.

Na de ontem à noite, Grohl e Kurstin fizeram sua versão para o hino “Blitzkrieg Bop”, do eterno grupo punk nova-iorquino. Grohl na bateria e cantando. Kurstin na guitarra e programação. O vídeo traz umas cenas de bailes antigos intercalando com os dois em ação. Tipo assim:

>>

Dave Grohl transforma em thrash metal o hino fofo da Lisa Loeb

>>

Captura de Tela 2021-11-29 às 12.18.43 PM

* Lisa Loeb, cantora e atriz, fez história com uma música chamada “Stay (I Missed You)”, no movimentadíssimo e de mesmo tanto conturbado ano de 1994. Para quem não viveu, imagina a cena. A revolução grunge bombando, um monte de gente nova surgindo por todos os lados (Oasis, Beck, Weezer, Green Day, Offspring) e a comoção mundial com o suicídio do Kurt Cobain. Nessas, chega aos cinemas um filme chamado “Reality Bites”, comédia romântica estrelada por Winona Ryder, Ethan Hawke e o Ben Stiller, que dirigiu o longa.

O ator Ethan Hawke, que era vizinho de uma cantora, resolveu mandar para o seu diretor Stiller a música de sua vizinha, que ele tinha gostado. Vai que ele botava no filme. Naquele 1994 maluco, virou primeiro lugar na “Billboard”.

Corta para este final de 2021, tão maluco quanto, mas de um outro jeito. E o nosso amigo Dave Grohl, o dono do Foo Fighters e um dos grandes personagens de 1994, começou ontem à noite a repetir aquela série “Hanukkah Sessions”, uma cover famosa por dia feita junto ao amigo produtor famosão Greg Durstin (judeu) para comemorar os nove dias da tradicional festa da luz Hanukkah. Ainda que ele nem seja judeu.

Eis que a dupla pegou esse pop rock fofinho da Lisa Loeb para começar a nova série. Acontece que o Sepultura baixou no Dave Grohl e…

>>

Nirvana ganha vários especiais na TV, rádio e internet dos ingleses no aniversário do “Nevermind”

>>

* Já falamos sobre essas histórias aqui umas 945 vezes, mas achamos que cabe mais uma. Era uma vez um movimentinho musical que rolou numa cidade americano “fora da rota normal”, Seattle, de um som nada revolucionário em termos de novidade, que ganhou uma materiazinha de revista num semanário musical na Inglaterra e o mundo deu uma volta mais rápida em sua órbita e chacoalhou tudo. Falamos de quando um jornalista britânico botou para inglês ler, nas páginas do tablóide “Melody Maker”, uma bela reportagem sobre o punk metal sujo chamado “grunge”, que estava sendo fabricado numa gravadora chamada Sub Pop, desta cidade do alto da ponta esquerda dos EUA, que tinha uma estrela reluzente em seu cast: a banda Nirvana, personificada no loirinho raivoso que gritava e arrebentava guitarras, o “logo-virando-herói” Kurt Cobain.

Meio básico na história da música recente, a Inglatera tratou primeiro e tratou melhor o Nirvana, o grunge, Seattle e aquela revolução que estava acontecendo. Tanto que o primeiro disco da banda de Cobain, “Bleach”, acabou vendendo mais no Reino Unido do que nos EUA. O Reading Festival inglês, na época talvez o principal festival do mundo, botou o Nirvana para tocar em 1991, para umas 5 mil pessoas atrás da tal bandinha nova. E em 1992, com um disco novo no meio, chamado “Nevermind”, 100 mil pessoas foram para a cidadezinha inglesa a uma hora de trem de Londres para ver o agora fenômeno Nirvana no Reading.

Pois é sobre esse bom acolhimento inglês ao grupo que vai virar um especial no enorme grupo de entrenimento BBC agora em setembro, quando é comemorado o aniversário de 30 anos do “Nevermind”, que saiu no dia 23 de setembro de 1991 em UK, e no dia seguinte em US.

Um filme-documentário chamado “When Nirvana Came to Britain” e uma série de especiais sobre a banda vão ser mostrados na TV, nas rádios e na internet da BBC.

“When Nirvana Came to Britain” vai rolar no canal BBC Two, com participações de Dave Grohl e Krist Novoselic, os nirvanas vivos. Também na TV, mas no BBC Four, Grohl é entrevistado pelo conhecido apresentador Dermot O’Leary no especial “Nirvana: Nevermind”. Na BBC Radio 4, um outro documentário: “Nevermind at 30”. Outros mais não foram detalhados.

A BBC está dedicando produções especiais sob um tema específico e espalhando por sua longa rede. Só em 2021 os astros David Bowie e Amy Winehouse e o festival Glastonbury ganharam seus programas de longo alcance do conglomerado britânico.

E, destes do Nirvana e de seu “Nevermind”, que escaparem para redes, serão trazidos para cá.

“The UK definitely responded to Nirvana much more, before America. You guys were the first with everything…we cut our teeth there”, falou o Dave Grohl, numa dessas novas entrevistas dele e do baixista parça para a BBC. “After touring the UK, I remember going back to America to the same bars and clubs where we were playing to 99 people… 150 people… It was definitely not like what it was in the UK. It really is like a second home.”

nirvana3

>>

Ainda no corpo dos Bee Gees, Foo Fighters solta vídeo para a absurda “Shadow Dancing”

>>

* Sabemos bem. A gente tem uma tendência a ficar cansados um pouco do Foo Fighters tocando suas próprias músicas em overdose, imagina quando é o Foo Fighthers alongando essa piada legal, mas ainda assim uma graça, que é se transformar em Dee Gees e tocar músicas da lendária banda australiana da disco (não é só isso, mas também é isso) Bee Gees…

Mas, olha, ainda assim estamos achando divertido. E abrindo espaço para o Dave Grohl e sua galera por aqui, principalmente quando eles imolam, no bom sentido, um “hit lado B” (entende?) desses tipo a incrível “Shadow Dancing”. Que nem é do Bee Gees exatamente, mas é hit do disco solo do Andy Gibb e foi feita conjuntamente com seus irmãos de banda. Enfim.

A gente sabe, também, que agora no Record Store Day o Foo Fighters lançou o disco especial “Hail Satin”, cujas cinco músicas que formam o lado A é a banda travestida de Dee Gees. Tem todo um conceito por trás, na cabeça do Grohl. E, no meio das músicas do disco, está essa “Shadow Dancing”, que agora virou vídeo.

A música é cantada pelo baterista-cantor do FF, Taylor Hawkins, parça de Dave Grohl, que aparece nuns falsetes. Boa, vai!

>>

Vem aí o álbum dos Dee Gees, a versão disco-falsete do Foo Fighters, que inaugura domingo a era de shows enormes em Nova York. São duas coisas, ok?

>>

* Impressionante como os Foo Fighters não conseguem sair das notícias, haha. Às voltas ainda com os rolês do novo disco, “Medicine at Midnight”, lançado em fevereiro, fazendo todas as sessions possíveis, participando de todos os programas noturno de TV possíveis, lançando documentário sobre as vans no rock, encabeçando o gigantesco Lollapalooza Chicago que rola agora em julho, fazendo show para vacinados sob protesto dos antivacinação, agora Dave Grohl e sua turma vão bombar os notíciários no seguinte:

Captura de Tela 2021-06-18 às 9.29.33 AM

1. Falamos por aqui, mas vamos repetir. Os Foos fazem neste domingo o show de reinauguração pós-covid da enorme arena Madison Square Garden, no coração de Manhattan, Nova York. É o chamado “full-capacity” show, simbólico para estes tempos de retomada de uma “vida normal”. O MSG tem capacidade para 20 mil pessoas. E abrir a maior casa da maior cidade de shows dos EUA (Austin é uma ooooooutra coisa) é bastante significativo para além do show em si. O Madison Square Garden, no domingo do Foo Fighters, vai quebrar uma série de 460 dias sem nenhum showzinho.

2. No dia 17 de julho, a “parte 2” do Record Store Day, vai sair um disco especial da banda disco (ok…) chamada Dee Gees. Sim, você conhece os envolvidos. Dee Gees é a zoeira-séria que o Foo Fighters vai fazer para cima da histórica banda australiana, amada e odiada, da disco music, os famosos Bee Gees. Dave Grohl e galera estão no grupo dos que amam eles. O álbum vai se chamar “Hail Satin” e apresentará um lado A com covers do Bee Gees e um lado B com versões ao vivo do mais recente disco do Foo Fighters.

O tracklist é este:

lado A
1 You Should Be Dancing
2 Night Fever
3 Tragedy
4 Shadow Dancing
5 More than a Woman

lado B
6 Making a Fire
7 Shame Shame
8 Waiting on a War
9 No Son of Mine
10 Cloudspotter

É este o tweet!

>>