Em death from above:

Um porão, 100 fãs e “Helter Skelter”: um show leve do Death From Above

>>

010218_DFA2

Duo garage-indie canadense, que recentemente tirou o 1979 do nome, o Death From Above gravou recentemente um show para a série “House of Strombo”, do apresentador George Stroumboulopoulos, acompanhado por 100 fãs sortudos em Toronto.

Em meio às canções do catálogo original, a dupla mandou sem pudor uma versão pesada e incrível do clássico “Helter Skelter”, dos Beatles.

Sobrou espaço ainda para sons como “Nomad” e “Going Steady”. Jesse F. Keeler e Sebatien Grainger lançaram ano passado o disco “Outrage! Is Now”, o primeiro deles sem o 1979 no nome, apenas o terceiro de estúdio na carreira de mais de uma década.

SETLIST
01:30 Nomad
06:20 Going Steady
09:47 Little Girl 1
7:52 White Is Red
23:57 Holy Books
31:54 Helter Skelter (The Beatles Cover)
35:48 Romantic Rights (Ft. Eliza of The Beaches)

>>

É disco e é punk. Sem o 1979, Death From Above solta novo disco com dez músicas inéditas

>>

150817_dfa2

Explosiva dupla disco punk canadense, o Death From Above liberou neste (nosso) feriado prolongado o seu aguardado disco novo, “Outrage! Is Now”, o primeiro deles sem o 1979 no nome, apenas o terceiro álbum de estúdio na carreira.

O lance todo da polêmica em torno do nome do duo formado por Jesse F. Keeler e Sebatien Grainger a gente já falou mais de uma vez, envolve (dizem) até o James Murphy e seu selo cool DFA Records, quando, há mais de uma década, advogados do homem do LCD Soundsystem entraram com uma petição para a mudança do nome do grupo, o que gerou um grande desentendimento entre as partes, inclusive com troca de farpas públicas, que só foram amenizadas anos depois. No meio da treta toda, Murphy disse que o problema da confusão dos nomes partiu do momento em que o DFA1979 se tornou conhecido e assinou com o selo da Vice, que é ligada à major Atlantic Records.

Deixando essa tretinha para trás, o Death From Above volta agora com dez músicas inéditas nesse álbum novo, que é puxado pelos singles “Freeze Me” e “Never Swim Alone”. Os discos anteriores deles são de 2004 e 2014, pensa.

>>

Nome velho, disco novo. Death From Above, sem o 1979, anuncia álbum para setembro e libera single

>>

150817_dfa2

Explosiva dupla disco punk canadense, o Death From Above voltou sem o 1979, mas com música nova e anúncio de seu terceiro álbum de estúdio.

A polemiquinha em cima da mudança de nome a gente contou na Popload em junho passado, e envolve até o James Murphy e seu selo DFA, quando, há mais de uma década, quando advogados de Murphy entraram com uma petição para a mudança do nome do grupo, o que gerou um grande desentendimento entre as partes, inclusive com troca de farpas públicas, que só foram amenizadas anos depois. No meio da treta toda, Murphy disse que o problema da confusão dos nomes partiu do momento em que o DFA1979 se tornou conhecido e assinou com o selo da Vice, que é ligada à major Atlantic Records.

Agora sem o 1979, o Death From Above, que tem só dois discos lançados, um de 2004, outro de 2014 (e que “acabou” entre 2006 e 2011), prepara o lançamento de seu terceiro álbum, “Outrage! Is Now”, para o dia 8 de setembro, além de uma turnê que tem início em outubro.

Junto com a confirmação do novo álbum, a dupla formada por Jesse F. Keeler e Sebastien Grainger liberou a segunda faixa do projeto, “Never Swim Alone”, que agora faz companhia à anterior “Freeze Me”, e tem vídeo incrivelmente tosco. “Outrage! Is Now” terá 10 faixas inéditas no total.

Outrage! Is Now – Tracklist
01 Nomad
02 Freeze Me
03 Caught Up
04 Outrage! Is Now
05 Never Swim Alone
06 Moonlight
07 Statues
08 All I C Is U & Me
09 NVR 4EVR
10 Holy Books

>>

Death From Above tira o 1979 do nome, mas continua incrível em sua nova música

>>

180814_dfa1979

O sempre misterioso Death From Above 1979 está de volta com novidades. A primeira delas é um novo single, “Freeze Me”, que abre os trabalhos para o terceiro disco da dupla e que vamos falar mais para o fim do post. A outra boa nova é a mudança do nome do grupo, que agora passa a se chamar apenas Death From Above, sem o 1979.

O acréscimo de 1979 surgiu há mais de uma década após uma disputa judicial e uma treta básica envolvendo a dupla Jesse F. Keeler e Sebastien Grainger com o gênio James Murphy, do LCD Soundsystem, por causa do nome de seu selo, DFA (Death From Above).

Na época, advogados de Murphy entraram com uma petição para a mudança do nome do grupo, o que gerou um grande desentendimento entre as partes, inclusive com troca de farpas públicas, que só foram amenizadas anos depois. No meio da treta toda, Murphy disse que o problema da confusão dos nomes partiu do momento em que o DFA1979 se tornou conhecido e assinou com o selo da Vice, que é ligada à major Atlantic Records.

Nunca é demais lembrar que o DFA é uma dupla cool-estranha disco punk baixo distorcido-bateria que ainda carrega em seu som a energia essencial que chacoalhou Nova York e o mundo a partir de 2001. Embora sejam de Toronto, eles têm mais de uma década de estrada e apenas dois discos, um de 2004, outro de 2014. Tudo bem que no meio disso a banda “acabou” entre 2006 e 2011 e voltou para um show no Coachella.

Mas, deixando o passado de lado e mirando apenas no futuro, é hora de ouvir a boa “Freeze Me”, que já está rodando nas rádios indies pelo mundo e será lançada oficialmente sexta agora, dia 9 de junho.

>>

Abençoado por Jack White e Mick Jagger, Death From Above 1979 arma disco ao vivo

>>

200416_dfa2

O duo canadense Death From Above 1979 é destes que possuem uma trajetória toda torta e incrível no mundo da música. Dupla cool-estranha disco punk baixo distorcido-bateria que ainda carrega em seu som a energia essencial que chacoalhou Nova York e o mundo a partir de 2001, embora sejam de Toronto, eles têm mais de uma década de estrada e apenas dois discos, um de 2004, outro de 2014. Tudo bem que no meio disso a banda “acabou” entre 2006 e 2011 e voltou para um show no Coachella.

Talvez por isso, a ideia se lançar um disco ao vivo seja algo inesperado vindo de Jesse F. Keeler e Sebastien Grainger. Ou melhor, era.

Uma session gravada em Nashville em julho do ano passado, nos estúdios de Jack White em sua Third Man Records, resultou em disco que será lançado na próxima sexta-feira. O álbum foi gravado “na lata”, sem correções, e a performance foi acompanhada pelo próprio White e o… Mick Jagger. Quem conta é o próprio duo em um comunicado.

“Sempre fomos cautelosos com gravações ao vivo, porque elas podem acabar soando tão estéril a ponto de quase nunca traduzirem o real sentimento do show. A sensação do momento. Quando fomos convidados para gravar na Third Man, aceitamos sem hesitar. Se há uma pessoa que sabe sobre sensação do momento é Jack White. Ele é o santo padroeiro das vibes. Gravamos duas partes de uma vez, sem segundas chances. Fomos muito bem recebidos e a audiência foi demais. Mick Jagger estava lá. Nós mencionamos que saímos pra jantar com Jack e Mick e ficamos jogando conversa fora até 3 da manhã?”, relata o DFA1979.

Do registro, a dupla liberou a pesada-Iron-Maiden “Right on Frankenstein”, replicada abaixo.

DFA1979 – Live at Third Man Records – tracklist

Side A
01. Right On Frankenstein
02. Virgins
03. Going Steady
04. White Is Red
05. Trainwreck 1979
06. Gemini

Side B
07. Little Girl
08. Go Home Get Down
09. Government Trash
10. Always On
11. The Physical World

dfa_discocapa

>>