Em djonga:

TOP 50 da CENA – Yma brilha duas vezes, Cesrv volta em cima, Sara mostra seu nome, Sessa acalma tudo. Que lista!

1 - cenatopo19

* A necessária quarentena está chata. Mas nosso Top 50 segue top (hum…). Uma semana especial com novidades que foram todas direto para as primeiras posições do nosso ranking. Escolher a ordem final dele não foi fácil para nós e resultou em muitos áudios de Whatsapp para decidirmos.

A cantora YMA chega com tudo com novo single e agora faz companhia a Letrux no seleto rol de “Artistas Que Conseguiram Emplacar Duas Músicas nas Dez Melhores na Mesma Semana”. Vamos até repetir a arte ilustrada com ela, pelo nobre feito.

Ainda sacamos o novo trabalho do produtor CESRV (já primeiro colocado outra vez), entre outras novidades bem quentes.

O primeiro álbum da banda sergipana Taco de Golfe, a urgente “Agora”, novo single da mineira Sara Não Tem Nome, e a nova do internacional Sessa foram outros sons que arrancaram “wows” de nossas bocas.

Aliás, perdemos algo sobre lançamentos ou relançamentos ou revisitações? Avise. Queremos ouvir tudo que tiver de bom por aí.

Sempre lembrando que nosso ranking é uma playlist lá no Spotify ou Deezer. Porque na real nossa missão não é dizer quem é melhor, não. É oferecer 50 sons legais toda semana para você ouvir. =)

1 - top50_yma_feed

1 – YMA – “No Aquário” (Estreia)
Que bom ouvir um novo single da YMA. Semana passada já tínhamos recuperado um single ao vivo recente dela. Imagina nossa reação com uma novidade tão boa? A letra parece prever os tempos de pandemia, sendo uma letra feita antes da atual situação. A voz, o andamento, a letra (do Lau, do Lau e Eu), a guitarrinha à lá Chris Isaac. Tudo em harmonia perfeita. E a música nem é de disco (achamos). Pertence a uma coletânea de site.
2 – CESRV – “Onda” (Estreia)
Só quem é muito atento vai saber de onde CESRV encontrou os samples que revesta esta faixa de seu novo EP, dedicado a recriações e colagens de sons brasileiros em beats com influência de footwork. Entendeu? Se não, procure entender. Ou pelo menos ouvir esse EP “Bela Vista”, do CESRV.
3 – Sara Não Tem Nome – “Agora” (Estreia)
“Será que o mercado vai lavar suas mães invisíveis?” É com essa frase cortante que a mineira Sara Não Tem Nome abre seu novo single. Adivinha o tema? Ela vai no alvo, o tempo todo. Que música densa. Só quem esteve em 2020 vai entender.
4 – Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II” (Estreia)
A faixa-título do novo álbum da banda aracajuana Taco De Golfe é o melhor exemplar de introdução para o belo disco que eles fizeram. Música instrumental capaz de impactar até quem não aprecia tanto o gênero. Diz muito sem nem ter voz.
5 – Sessa – “Sereia Sentimental” (Estreia)
Uma bela track nova de Sessa, beneficente e disponível apenas no Bandcamp dele. Portanto vai faltar, por enquanto, na nossa playlist. Bonita, quieta, jazzy e em forte contraste com os tempos atuais. Queremos morar no violão dessa introdução.
6 – Clarice Falcão feat. Linn Da Quebrada – “After do Fim do Mundo” (1)
A faixa fala por si só. Estamos no after de um mundo que acabou. Pior que isso. No after do after do after. A solução? Dançar. Mesmo que seja de um modo esquisito, combinando com este dance carioca contrastando com um rap de São Paulo. Clash de cenas com duas das mais evolutivas artistas destes tempos.
7 – Duda Brack – “Pedalada” (2)
Quer uma música para rir e chorar? A gaúcha Duda Brack encontra esse meio termo aqui em uma música que faz rir e se desesperar pela situação. É rock, mas não é. É indie paulistano dos anos 80, tipo Rumo, mas nada tão 2020 foi feito na CENA. Acompanha um vídeo-filme perturbador de tão… gostoso.
8 – YMA – “Evaporar – Ao Vivo” (3)
Não é exatamente a primeira vez que temos por aqui uma música gravada ao vivo, mas é a primeira que já existia em uma versão de disco. É YMA, uma artista “das nossas” que é exatamente assim: cresce demais ao vivo. Isso justifica estar aqui, assim, agora, ao vivo.
9 – Carne Doce – “Saudade” (4)
Uma música deliciosa que ilustra com som e letra um desencontro amoroso em uma DR. Ou seria um reencontro pós-término? A questão é que estamos viciados na faixa, que é uma típica Carne Doce: começa deliciosamente calma, mas uma hora a gente sabe que o andamento vai mudar, o som vai descambar em algo esquisito de bom, e tudo se acalma no final. “Saudade” é mais um dos indícios que a banda prepara seu melhor álbum.
10 – Francisco – “Traumas” (5)
Produção certeira da nossa querida Vivian Kuczynski, 16 anos. Ela já produz, e bem, aos 16 anos. O que você estava fazendo aos 16 anos? Mas o Francisco, amiguinho dela, ajuda aqui. Voz dez, som dez. Queremos ouvir mais do Francisco e dessas letras repletas de memórias, bem escritas, capazes de criar cenas na cabeça do ouvinte. Por enquanto fique com essa (esses) “Traumas”. Mas queremos ouvir mais, amiguinho.
11 – Aldo – “Restless Animal” (6)
12 – Obinrin Trio – “Medo” (7)
13 – Ozorio Trio – “Get Up” (8)
14 – Cícero – “Às Luzes” (9)
15 – Jovem Dionísio – “Ponto de Exclamação” (10)
16 – Boogarins – “Inocência” (11)
17 – Djonga – “Procuro Alguém (12)
18 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (13)
19 – Dance of Days – “Não Sou Mais o Mesmo (Mas Pelo Menos Não Sou Você)” (14)
20 – ÀIYÉ – “Isadora” (16)
21 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (17)
22 – Troá! – “Bicho” (20)
23 – Apeles – “Deságua” (18)
24 – Papisa – “Homem Mulher” (21)
25 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (23)
26 – Francisco, El Hombre – “Juntos, Nunca Sós” (15)
27 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (27)
28 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (28)
29 – Shower Curtain – “All That You Do” (29)
30 – Marietta – “Analógica” (30)
31 – Manaié – “Tira a Mão” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – Amen Jr. – “amoretempo” (33)
34 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (34)
35 – Winter – “Say” (24)
36 – Bivolt – “110v” (25)
37 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (37)
38 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (38)
39 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (39)
40 – Victorino – “Roque” (49)
41 – Luvbites – “Sha – Lala” (50)
42 – Jhony MC – F.A.B. (19)
43 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (22)
44 – Vovô Bebê – “Êxodo” (26)
45 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (36)
46 – Edgar – “Carro de Boy” (35)
47 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (45)
48 – Julia Melo – “Touch” (46)
49 – Valuá – “Veneno” (42)
50 – Kiko Dinucci – “Veneno” (43)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora e compositora paulistana Yma.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Um “trio” e um trio lideram o ranking da semana. E tem as chegadas fortes e lindas de Cícero e Duda Brack

1 - cenatopo19

* E aqui estamos nós, no nosso Dia da Marmota nível mundial e necessário. Mas pelo meeeeeenos tem uma playlist atualizada com 50 das melhores músicas brasileiras dos últimos sete dias para nos entreter em casa, segurar essa onda maluca. É a nossa pequena e pessoal “lista da Billboard”, nosso singelo “Top of the Pops”, feita na humildade, tals.

A semana até que foi boa de lançamentos, agitou nosso Top 50, principalmente a parte de cima, dos dez mais. Temos dois “trios” e outras novidades bem legais no nosso ranking que não é lá muito competitivo e quer mais que você passe umas três horinhas em boa companhia, na nossa playlist que está lá no Spotify para você aproveitar.

2 - PHOTO-2020-04-08-09-37-23

1 – Ozorio Trio – “Get Up”
Ozorio Trio não é bem um trio, mas sim o projeto de Marcelo Ozorio. Em um disco, “Big Town”, que vai encontrar as conexões do folk americano com a música caipira do Brasil, ele explora no violão uma vibe meio Wilco brasileiro que funciona muito bem em diversas canções. O resultado impressiona de bom. Nossa favorita é essa “Get Up”.
2 – Obinrin Trio – “Medo”
Outro trio, só que este um trio de fato. Formado por Elis Menezes e as irmãs Raíssa e Lana Lopes. “Origem”, a estreia em disco delas, é um álbum feito aos poucos com ajudas dos fãs. Mais independente impossível. Aqui se destaca a bela “Medo”.
3 – Cícero – “Às Luzes”
Cícero encontra uma vibe meio Radiohead nos tempos do “In Rainbows” e faz uma bela música em seu novo e ótimo álbum, “Cosmos”. Pressentimos que outras músicas deste disco vão aparecer aqui no Top 50.
4 – Djonga – “Procuro Alguém (1)
Segue no alto esse disco do Djonga inesgotável de bom. Na capa mais forte do ano até aqui (você viu?), o rapper mineiro estampa a realidade cruel do Brasil. Sua montagem é praticamente a versão ilustrada do verso “Olha quem morre, veja você quem mata”, cantado por Edi Rock em “Negro Drama”, dos Racionais. Ao rappear sobre todas as quebradas, um dos fios de esperança no futuro onde o amor vence está na geração que chega, representada por este som que celebra a pequena Iolanda, a filha mais nova do Djonga. E que letra que ela tem.
5 – Duda Brack – “Pedalada”
Quer uma música para rir e chorar? A gaúcha Duda Brack encontra esse meio termo aqui em uma música que faz rir e se desesperar pela situação. É rock, mas não é. É indie paulistano dos anos 80, tipo Rumo, mas nada é tão 2020 foi feito na CENA. Acompanha um vídeo-filme perturbador de tão… gostoso.
6 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (2)
A faixa que abre o disco de Letrux já frequenta o alto do nosso ranking há algumas semanas. É uma espécie de trip-hop atravessado por uma guitarra e com um encerramento apoteótico belíssimo. “Viver é um frenesi”, canta Letrux. Parece daquelas músicas que ganham novos sentidos a cada dia que passa. E que letra que ela tem, parte 2.
7 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (4)
O primeiro single dessa parceria acertadíssima entre as bandas paulistana e curitibana. Será que esta canção em especial indica novos rumos para o Terno Rei? Uma experimentação ocasional com uma pegada mais pop? Bom, “Violeta” já deu algumas dicas. E a banda segue quente. Vamos ver.
8 – Francisco, El Hombre – “Juntos, Nunca Sós”
Talvez o “melô da quarentena”. A união em tempos de pandemia e de isolamento. A nova do Francisco, El Hombre busca encontrar o… encontro possível.
9 – ÀIYÉ – “Isadora” (5)
Das melhores faixas do álbum de estreia de Larissa Conforto como ÁIYÉ. Forte no recado e forte na experimentação com diferentes ritmos de um modo que ela sabe fazer. Esse disco melhora a cada audição.
10 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (3)
Depois da primeira música em parceria (veja o número 7 do ranking), Tuyo e Terno Rei invertem a ordem da ajuda musical mútua. E acertam mais uma vez. Que música boa.
11 – Apeles – “Deságua” (6)
12 – Jhony MC – F.A.B. (7)
13 – Clarice Falcão – “PRA_TER_O_QUE_FAZER_” (8)
14 – Troá! – “Bicho” (9)
15 – Carne Doce – “Passarin” (10)
16 – Diomedes Chinaski – “Ilusão”
17 – Papisa – “Homem Mulher” (Estreia)
18 – Shower Curtain – “All That You Do” (12)
19 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (13)
20 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (14)
21 – Winter – “Say” (15)
22 – Bivolt – “110v” (16)
23 – Vovô Bebê – “Êxodo” (17)
24 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (18)
25 – Manaié – “Tira a Mão” (25)
26 – Amen Jr. – “amoretempo” (26)
27 – Marietta – “Analógica” (27)
28 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (28)
29 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
30 – Edgar – “Carro de Boy” (19)
31 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (31)
32 – Kiko Dinucci – “Veneno” (20)
33 – Valuá – “Veneno” (33)
34 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (34)
35 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (35)
36 – Nego Bala – “Cifrão in Pé” (23)
37 – Francisco El Hombre – “Cai” (37)
38 – Jovem Dionísio – “Ponto de Exclamação” (38)
39 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (39)
40 – Olívia de Amores – “La Cancionera” (40)
41 – Letícia Persiles – “Trem Fantasma” (41)
42 – Juliano Guache – “Bombyx Mori No. 1” (42)
43 – Letrux – “Fora da Foda” (11)
44 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (44)
45 – Julia Melo – “Touch” (45)
46 – Marília Calderón – “O Chão na Palma da Mão”
47 – Mariana Volker – “Me da Me dê” (47)
48 – Luana Flores – “Guerreira de Lança (Furmigadub Remix)” (21)
49 – Lara Aufranc – “Viver Sem Dó” (Estreia)
50 – Mahmundi – “Sem Medo (22)

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora gaúcha Duda Brack.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Djonga toma o primeiro lugar. E as parcerias Tuyo & Terno Rei e Terno Rei & Tuyo chegam lá em cima, juntas

1 - cenatopo19

* Seeeeeegue a quarentena. E segue também nosso pedido para você permanecer trancado em casa o máximo que der nestes tempos difíceis. Pelo menos uma playlist boa de música independente brasileira a gente serve a você, para ajudar a passar este período.

Na fase atual, os lançamentos não são muito e por isso tivemos oportunidade de fazer até releituras. Olhamos de volta para canções que até já estavam na lista. Djonga e seu grande disco merecem o primeiro lugar, depois de uma maturação. E agora chegam lá. O segundo lugar fica com Letrux, outro álbum recém-lançado que melhora a cada audição.

Ainda no alto do ranking, que evento é essa parceria de duas mãos do Terno Rei e Tuyo, não?

Bom, a lista “definitiva”da CENA desta semana está aí. Aproveite a playlist no Deezer e no Spotify.

top50clarice

1 – Djonga – “Procuro Alguém (5)
Chegou a hora de termos Djonga no topo da lista. Na capa mais forte do ano até aqui, Djonga estampa a realidade cruel do Brasil. Sua montagem é praticamente a versão ilustrada do verso “Olha quem morre, veja você quem mata”, cantado por Edi Rock em “Negro Drama”, dos Racionais. Ao rappear sobre todas as quebradas, um dos fios de esperança no futuro onde o amor vence está na geração que chega, representada por este som que celebra a pequena Iolanda, a filha mais nova do Djonga. E que letra que ela tem.
2 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (2)
A faixa que abre o disco de Letrux já frequenta o alto do nosso ranking há duas semanas é uma espécie de trip-hop atravessado por uma guitarra e com um encerramento apoteótico belíssimo. “Viver é um frenesi”, canta Letrux. Parece daquelas músicas que ganham novos sentidos a cada dia que passa. E que letra que ela tem (2).
3 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (Estreia)
Depois da primeira em parceria, Tuyo e Terno Rei invertem a ordem da ajuda musical mútua. E acertam mais uma vez. Acho que acertam até mais. Que música boa.
4 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (8)
Sendo assim, vale a gente relembrar e subir o primeiro single dessa parceria acertada. Será que esta canção em especial indica novos rumos para o Terno Rei? Uma experimentação ocasional com uma pegada mais pop? Bom, “Violeta” já deu algumas dicas. E a banda segue quente. Vamos ver.
5 – ÀIYÉ – “Isadora” (3)
Das melhores faixas do álbum de estreia de Larissa Conforto como ÁIYÉ. Forte no recado e forte na experimentação com diferentes ritmos de um modo que ela sabe fazer. Esse disco melhora a cada audição.
6 – Apeles – “Deságua” (7)
Os belos seis minutos e pouco deste som do Apeles em seu álbum do ano passado ganharam um vídeo tocante, sensível, motivo mais do que suficiente para voltarmos a um dos nossos favoritos do ano passado.
7 – Jhony MC – F.A.B. (4)
Um dos raps mais corajosos de 2020 chegou ao Spotify depois de bombar no YouTube. Do futebol aos crimes do Estado em uma letra que deve deixar Black Alien orgulhoso.
8 – Clarice Falcão – “PRA_TER_O_QUE_FAZER_” (13)
A música é dos tempos em que Clarice colocava suas composições no YouTube em um esquema voz e violão. Seu som mudou com o tempo e ela decidiu levar as velhas músicas para o novo estilo. Funciona que só.
9 – Troá! – “Bicho” (1)
A dupla de garotas do Rio de Janeiro é mais uma prova que a CENA carioca anda no ritmo de nos entregar música estranha do jeito que curtimos. Esse single recente é uma mostra ao vivo do que Carolina Mathias e Manuella Terra são capazes. O que nos leva agora direto para ouvir mais o disco que elas lançaram ano passado.
10 – Carne Doce – “Passarin” (6)
Inédita do Carne Doce aprovada por aqui. “Passarin”, se não é das melhores canções que o Carne Doce já fez, tem um lado muito louvável: não combina em nada com os dias malucos em que vivemos, hoje. Um respiro.
11 – Letrux – “Fora da Foda” (9)
12 – Shower Curtain – “All That You Do” (10)
13 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (11)
14 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (12)
15 – Winter – “Say” (14)
16 – Bivolt – “110v” (15)
17 – Vovô Bebê – “Êxodo” (16)
18 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (17)
19 – Edgar – “Carro de Boy” (18)
20 – Kiko Dinucci – “Veneno” (19)
21 – Luana Flores – “Guerreira de Lança (Furmigadub Remix)” (20)
22 – Mahmundi – “Sem Medo (21)
23 – Nego Bala – “Cifrão in Pé” (22)
24 – Flu & Amigos – “Porco” (24)
25 – Manaié – “Tira a Mão” (26)
26 – Amen Jr. – “amoretempo” (30)
27 – Marietta – “Analógica” (31)
28 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (36)
29 – MC Loma – “Predadora” (25)
Marcelo Perdido – “Santa Clara de Tróia” (29)
30 – Sepultura – “Fear; Pain; Chaos; Suffering” (28)
31 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (32)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (33)
33 – Valuá – “Veneno” (38)
34 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (39)
35 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (37)
36 – Liniker – “Não Adianta” (35)
37 – Francisco El Hombre – “Cai” (27)
38 – Jovem Dionísio – “Ponto de Exclamação”
39 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (40)
40 – Olívia de Amores – “La Cancionera” (41)
41 – Letícia Persiles – “Trem Fantasma” (42)
42 – Juliano Guache – “Bombyx Mori No. 1” (43)
43 – Yannick Hara – “Replicantes” (44)
44 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (45)
45 – Julia Melo – “Touch” (46)
46 – Barro – “Ondas do Desejo” (47)
47 – Mariana Volker – “Me da Me dê” (49)
48 – Arthur Nogueira – “Salvador” (50)
49 – Machete Bomb – “Nunca Mais” (Estreia)
50 – Hiran e Nininha Problemática – “Kika (Com Cara de Mau)” (48)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Clarice Falcão.

>>

TOP 50 DA CENA – O domínio carioca. Troá! chega direto ao topo. Letrux firme com duas músicas nas dez mais. Àiyé segue o bloco

1 - cenatopo19

* Segue a quarentena. Segue o Top 50 da Popload, o ranking semanal vertido em playlist que retrata nosso gosto sobre o que está acontecendo com a nossa CENA nas últimas semana.

A situação geral é puxada, trabalhar é esquisito e a concentração não parece vir, mas seguimos na tentativa de levar umas boas músicas novas da CENA para você.

Nesta semana temos boas novidades pelo menos entre as dez primeiras colocações. Novidades “estranhas”, musicalmente estranhas, do jeito que gostamos. Do experimental ao rap. E com o Rio de Janeiro dominando bonito a parada. Estamos perdendo algum som de outros cantos do país? Avisem.

Sempre lembrando que nosso Top 50 vira playlist linda no Spotify e Deezer.

3 - troa_feed

1 – Troá! – “Bicho” (Estreia)
A dupla de garotas do Rio de Janeiro é mais uma prova que a CENA carioca anda no ritmo de nos entregar música estranha do jeito que curtimos. Esse single recente é uma mostra ao vivo do que Carolina Mathias e Manuella Terra são capazes. O que nos leva agora direto para ouvir mais o disco que elas lançaram ano passado.
2 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (1)
A faixa que abre o disco de Letrux abriu nosso ranking da semana passada com uma espécie de trip-hop atravessado por uma guitarra e com um encerramento apoteótico belíssimo. “Viver é um frenesi”, canta Letrux. Parece daquelas músicas que ganham novos sentidos a cada dia que passa. E que letra que ela tem.
3 – ÀIYÉ – “Isadora” (Estreia)
Das melhores faixas do álbum de estreia de Larissa Conforto como ÁIYÉ. Forte no recado e forte na experimentação com diferentes ritmos de um modo que ela sabe fazer.
4 – Jhony MC – F.A.B. (13)
Um dos raps mais corajosos de 2020 chegou ao Spotify depois de bombar no YouTube. Do futebol aos crimes do Estado em uma letra que deve deixar Black Alien orgulhoso.
5 – Djonga – “Procuro Alguém (2)
Na capa mais forte do ano até aqui, Djonga estampa a realidade cruel do Brasil. Sua montagem é praticamente a versão ilustrada do verso “Olha quem morre, veja você quem mata” de Edi Rock em “Negro Drama”. Ao cantar sobre todas as quebradas, um dos fios de esperança no futuro onde o amor vence está na geração que chega, representada por este som que celebra a pequena Iolanda, a filha mais nova do Djonga. E que letra que ela tem.
6 – Carne Doce – “Passarin” (4)
Inédita do Carne Doce aprovada por aqui. “Passarin”, se não é a melhor canção que o Carne Doce já fez, tem um lado muito louvável: não combina em nada com os dias malucos em que vivemos, hoje. Um respiro.
7 – Apeles – “Deságua” (3)
Os belos seis minutos e pouco deste som do Apeles em seu álbum do ano passado vão ganhar um vídeo muito em breve, motivo mais do que suficiente para voltarmos a um dos nossos favoritos do ano passado.
8 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (5)
O encontro entre Terno Rei e Tuyo promete novos frutos. Já está anunciado uma música do trio paranaense que terá participação da banda. Enquanto isso, eles estão juntos em um belo single do Terno Rei com letra de Ale Sater e arranjo em conjunto. Será que o single indica novos rumos para a banda? Uma experimentação ocasional com uma pegada mais pop? Bom, “Violeta” já deu algumas dicas. E a banda segue quente. Vamos ver.
9 – Letrux – “Fora da Foda” (6)
Outra da boas músicas do novo álbum da Letrux. Aqui caímos de amores pela participação bem-humorada de Lovefoxxx, de quem estávamos com saudade de ouvir em disco há um bom tempo. É isso: Lovefoxxx sendo reentroduzida na “new music” brasileira pela Letrux. Que momento!
10 – Shower Curtain – “All That You Do” (Estreia)
O projeto de Victoria Winter caiu no nosso gosto. Romântica, melancólica. Um som feito no quarto para se ouvir no quarto.
11 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (7)
12 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (8)
13 – Clarice Falcão – “PRA_TER_O_QUE_FAZER_” (Estreia)
14 – Winter – “Say” (Estreia)
15 – Bivolt – “110v” (10)
16 – Vovô Bebê – “Êxodo” (12)
17 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (9)
18 – Edgar – “Carro de Boy” (14)
19 – Kiko Dinucci – “Veneno” (15)
20 – Luana Flores – “Guerreira de Lança (Furmigadub Remix)” (16)
21 – Mahmundi – “Sem Medo (17)
22 – Nego Bala – “Cifrão in Pé” (18)
23 – Young Lights – “When You Were Here” (19)
24 – Flu & Amigos – “Porco” (20)
25 – MC Loma – “Predadora” (21)
26 – Manaié – “Tira a Mão” (22)
27 – Francisco El Hombre – “Cai” (23)
28 – Sepultura – “Fear; Pain; Chaos; Suffering” (24)
29 – Marcelo Perdido – “Santa Clara de Tróia” (25)
30 – Amen Jr. – “amoretempo” (26)
31 – Marietta – “Analógica” (27)
32 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (28)
33 – Rohmanelli – “Toneaí” (29)
34 – Céu de Vênus – “O Acaso Não Existe” (30)
35 – Liniker – “Não Adianta” (31)
36 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (32)
37 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (33)
38 – Valuá – “Veneno” (35)
39 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (36)
40 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (37)
41 – Olívia de Amores – “La Cancionera” (38)
42 – Letícia Persiles – “Trem Fantasma” (39)
43 – Juliano Guache – “Bombyx Mori No. 1” (40)
44 – Yannick Hara – “Replicantes” (41)
45 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (42)
46 – Julia Melo – “Touch” (43)
47 – Barro – “Ondas do Desejo” (44)
48 – Hiran e Nininha Problemática – “Kika (Com Cara de Mau)” (46)
49 – Mariana Volker – “Me da Me dê” (Estreia)
50 – Arthur Nogueira – “Salvador” (Estreia)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o duo carioca Troá!

>>

CENA – Djonga e a capa do ano da música brasileira (até a data)

1 - cenatopo19

* Desde 2017, 13 de março é dia de Djonga lançar disco novo. Nesta sexta-feira, 13 de março, não vai ser diferente. Vem aí o álbum “História da Minha Área”. E a capa, mais uma vez, é absurda de boa. Absurda de contundente. Em uma imagem com duas fotos sobrepostas, duas realidades dentro da latente tragédia da vida cotidiana. Principalmente na área do Djonga. Que é igual a milhares de áreas no Brasil.

A foto é de Daniel Assis e a arte de Alvaro B. Jr, antigos parceiros do Djonga nas capas. O letreiro é de João Goma, o maior da rua, segundo o próprio rapper. Ainda na foto, os amigos de Djonga que encaram os próprios corpos não são figurantes, mas seus amigos na vida real, como ele contou no Instagram.

“Quando eu conto a história da minha área, acho que conto a história de todas as áreas do Brasil que se parecem com a de onde eu vim”, disse Djonga. “Vocês sabem do que eu tô falando, pelo menos quem veio de lá sabe do que eu tô falando… Quem não cresceu preso dentro de casa vai entender o que eu tô falando, só não é garantia que vão gostar do que eu tô falando.”

djonga

“História da Minha Área”, que sai pelo selo Ceia Ent, é o quarto álbum de Djonga.

No dia 13 de março de 2017, saia o disco de estreia, “Heresia”. Em 13 de março de 2018, o rapper lançava “O Menino Que Queria Ser Deus”. Em 13/3 do ano passado chegava “Ladrão”.

>>