Em drenge:

Drenge acaba com a espera e lança “Strange Creatures”, seu terceiro e “noturno” disco de estúdio

>>

160518_drenge1

Excelente duo punk-garage inglês, o Drenge lançou nesta sexta seu aguardado terceiro disco. “Strange Creatures” tem produção assinada por Ross Orton (MIA, Arctic Monkeys) e desfila 10 músicas novas.

O disco, “noturno” segundo a dupla guitarra-bateria, dá fim a um período de quatro anos sem lançamento de um álbum cheio da dupla, que tem no currículo os ótimos “Drenge” (2013) e “Undertow” (2015).

De acordo com o duo, o álbum é uma espécie de… “A psychological horror movie on wax. Warped hallucinations from mundane observations as you move through it. Is that a school or a skyscraper on fire in the distance? Or maybe it’s just the ski village? You drive nearer, past roadside diners jammed with dancing teenagers, through Uncanny Valley, past the most unhygienic nightclub in the world”.

Sacou?

Bora ouvir.

>>

Drenge em dose dupla: irmãos Loveless mostram novo single e um vídeo que tem até um robô indie

>>

140818_drenge2

Duo punk-garage britânico, bateria-guitarra, a resposta inglesa e boa ao Black Keys (hehe), o Drenge está de volta aos holofotes indies após três anos.

A dupla formada pelos irmãos Eoin e Rory Loveless, de Sheffield, vai lançar no mês de outubro seu novo EP, “Autonomy”, que promete mesclar, também, batidas algo dançantes.

Do registro, eles acabam de soltar a boa “Outside”. Junto, liberaram também um vídeo para o single anterior, “Before The War Begins”, que tem até um robô.

Já imaginou se o Drenge fizesse uma música dance na vida? Aliás, lembra o Drenge?

>>

160518_drenge1

Poderia o Drenge escrever uma música dance? Foi assim que a própria dupla punk-garage inglesa, bateria-guitarra, tipo White Stripes, Deap Vally e Black Keys, abriu o comunicado para falar de sua nova música, “This Dance”, a primeira inédita deles desde 2015.

Antes de falarmos de futuro, vale contextualizar sobre o Drenge. Irmãos tipo os Cavalera, Disclosure e os Gallagher (tá, não tanto), o duo é formado por Eoin e Rory Loveless. Vêm de Sheffield, a terra daquela banda. Novinhos, eles costumam descarregar a raiva e vitalidade inerentes e naturais em suas canções.

Daí que para o disco novo, ainda sem nome divulgado, eles resolveram misturar um pouco desse punk-garage juvenil com um pouco de batidas mais dançantes. A canção nova apareceu em forma de vídeo que combina imagens psicodélicas em efeito caleidoscópio com passos de dança do coletivo High Storrs Dance Company. A dobradinha tem um resultado matador e pode ser conferida abaixo.

Olho nos brothers Loveless.

>>

Popload na Austrália. E o incrível Laneway Festival de Sydney foi assim…

* Popload em Sydney. Força, Ian Thorpe.

laneway1

* Bom, tinha me esquecido de contar por aqui que, se você passa por lugares muito turísticos na maior cidade australiana, a trilha sonora é um som electro-aborígene. Assim.
Aborígene é o povo nativo original da Austrália, tipo o índio no Brasil, que sofreu na mão dos colonizadores-exploradores. Marginalizado e com população cada vez mais decrescente, o aborígene tenta hoje sobreviver ou isolado em suas terras ou, nas grandes cidades, fazendo showzinhos na rua para turistas.
Nessas entra em ação o didgeridoo, que é como se fosse um trumpete gigante feito de madeira, um tronco oco, que amplia sons vocais. Sua música é característica e com a garganta e a respiração os aborígenes imprimem sua variedade, tipo um berrante com mais alcances sonoros.
Hoje em dia, os aborígenes modernos soltam uma base eletrônica nas caixas e botam o som do didgeridoo por cima. Em algumas regiões, é o que se mais ouve em Sydney.

* A Triple J, rádio indie daqui da Austrália que eu já citei umas 1000 vezes nesta viagem, uma das mais cool do mundo, não para de tocar a banda Temples, da Inglaterra. Muitas das músicas do disco de estreia da banda, que nem saiu. Toca-se o disco todo, acho. O que me ajudou a escolher a minha predileta. Acho que é “Keep in the Dark”, mesmo.

***** LANEWAY FESTIVAL ***** SYDNEY ******

laneway2

Você chega ao Laneway Festival, que fica 15 minutos de ônibus do centro de Sydney, e é recebido na entrada com garrafas de água grátis, o programa do evento com os horários dos quatro palcos e protetor solar. O sol está de rachar.
Protetor passado, água tomada e o programa indica que a dupla whitestripiana de irmãos Drenge, guitarra e bateria, muito boa banda nova inglesa, está em ação naquele instante, naquele calor. Mais para Nirvana que para Jack & Meg, o Drenge mostra um entrosamento absurdo. E parece muito que os irmãos estão se divertindo em família. Não conversam com o público quase nunca, sob qualquer reação, trocam olhares e risadas entre si, o baterista fica jogando coisas no irmão no intervalo da música. Até que uma garrafa de água acerta a cabeça do guitarrista, que em vez de olhar puto dá um sorriso e ameaça jogar a guitarra. E o sol rachando e a porrada comendo. As letras são as de sempre. Garoto de cidade do interior inglês entediado com a vida e se metendo em problemas para ter alguma emoção. Letras essas esmagadas com uma bateria violenta e o guitarrista mais barulhento desde… o Jack White do começo. Tudo fazendo sentido naquela insolação.
O festival é montado dentro do campus de uma universidade de arte de Sydney, que fica tipo num morro no meio de um parque. Tem os prédios em cima e um gramadão que desce. Os dois palcos grandes são montados quase lado a lado bem embaixo, para que o gramado vire uma arena e dê para ver legal de qualquer lugar.

Os outros dois ficam na “parte de cima”, no cimentão: um palco “indie” (dentro do festival indie, haha) e um palco da Red Bull para atrações eletrônicas, experimentais, bandas com até três integrantes (Jamie XX, Jagwar Ma por exemplo).

Enfim, depois do Drenge fui para o palco indie lá de cima para ver algo do show do Cass McCombs, tocando sua “americana”, que dava para ouvir à distância. Botei o olho no cara a tempo de ele falar “Thank you, Sydney” e deixar o palco. Fui direto para o Autre Ne Veut, cantor americano de R&B indie de voz realmente impressionante. Pulei o Youth Lagoon para ir direto para o estranhíssimo King Krule, ruivo de voz cavernosa e som meio free jazz, meio guiado por guitarras, vocal mais para hip hop do que para cantorias. A banda é boa demais e Krule rege tudo com uma experiência que ele não tem idade para ter. Esse menino é coisa séria, não só pelo lindo álbum. Ao vivo segura a onda. Uma espiada no Vance Joy, um indie-folk linha Mumford & Sons às vezes ou um jovem Bob Dylan em outras. O cara já tem carreira firme na Austrália. Galera enlouquecida, numerosa e cantando tudo. Mas em um certo momento fui ver a traquinagem eletrônica do XXYYXX, moleque de 18 anos da Flórida que também faz transpirar jazz e hip hop em seu som. Intenso.

Algum infeliz do festival programou para o mesmo horário Kurt Vile, Parquet Courts e Jagwar Ma. O primeiro descartei de cara, porque não tinha jeito. E fui ver meio Parquet Courts para depois pegar meio Jagwar Ma.
O Parquet Courts é maravilhoso da música um que tocam até a última. Energia pura de rock college americano que lembra Pavement e Pixies com uma contemporaneidade deles e só deles, de moleque que frequenta o circuito Austin-Brooklyn. Melodias espertas, baixista rock star, guitarras que dialogam perfeitas, vocais alternados, às vezes juntos.
Misturaram músicas do EP novo e do primeiro disco campeão, do começo do ano passado. E o Jagwar Ma ia sendo esquecido.
Mas, como os americanos tocaram no meio do show (em vez do fim) o hit longo “Stoned & Starving”, fui ver a banda australiana.
Cheguei ao palco eletrônico e o bicho estava pegando. Nunca consegui chegar perto do palco, de tão entupido. E galera dançando como se não houvesse amanhã. O Jagwar Ma é uma espécie de atualização anos 2010 para o Happy Mondays, de Manchester. Com o frontman que parece o Ian Brown, do Stone Roses. Delícia de show. Está fraco de vendagem de ingressos para os shows do Brasil em março, parece. Como assim?

Fui passar um tempo nos palcos maiores do gramado porque iam tocar Haim e Lorde. As californianas, pelo que eu tinha visto em internet, têm um tradicional show insosso. Gatas, tal, mas… As Haim têm três músicas muito boas e para compensar várias chatinhas. Ou quase isso. Mais pose que performance era a fama. Mas, talvez pela conjuntura astral de Sydney, fim de tarde bonito, público muito animado, o show decolou. Acabou bem agradável. As irmãs parecem estar melhorando muito com a estrada. Já não sei se aqui na Austrália foi um show de “exceção” ou se já se pode botar bastante fé nelas ao vivo.

Lorde é realmente uma estrela que brilha. Antes de seu show, o prefeito de Sydney entrou para saldar o público, falar o quanto esse festival é importante na “cidade dos festivais e dos shows em qualquer canto”e saldar a estrela neozelandesa que não tem uns seis meses só tocava em rádio indie americana e agora tem até Grammy e vende absurdo (“It’s not a big deal, is it?”, disse ela para Triple J).
Seu belo disco, “Pure Heroine”, recém-lançado, é uma beleza e funciona muito ao vivo. Com Lorde no palco acompanham um baterista cool, dividido entre a orgânica e a eletrônica conforme rege o vocal da sensação teen, e um faz tudo que hora toca teclados, ora guitarra, ora baixo.
Som quase minimalista, mas intenso e sem brechas. Lorde e sua dança Crepúsculo-macumba, gótico-candomblé é hipnótica de um jeito que a dondoca cool Lana Del Rey não consegue ser no palco. Fala demais entre as músicas: comenta sobre tudo, sobre política e clima. É adolescente, enfim.
Lorde, apesar da popularidade em progressão geométrica, tem o teen spirit. Ou o indie spirit. Está na cara que, quando o festival foi montado, tipo setembro do ano passado, ela cabia no line-up como foi lhe oferecido. Mas em poucos meses ela viraria fácil uma atração grande do Big Day Out, festival de dimensões bem mais longo-alcance. Mas ela não deixou o Laneway Festival na mão. E nem exigiu tocar no “melhor horário”, como uma headliner.
O delicioso live do electro-viajante Mount Kimbie, de Londres, e o também britânico Jamie XX, menino-prodígio que arquiteta o XX sonoramente, foram momentos clube delicioso para o começo de noite na faculdade de arte de Sydney.

Um showzinho de novidades das meninas do Warpaint, de Los Angeles, disco novo debaixo do braço, comigo deitado no gramadão do Laneway Festival, foi um bom jeito de acabar um dia bacana de shows. Acho que comecei a ir embora do Laneway quase às 23h. Perto das 23h30 estava comendo em um restaurante tailandês no centro de Sydney, depois de pegar ônibus de graça oferecido pelo festival.

Assim é fácil ser feliz em um evento assim.


** A Popload viaja pela Australia a convite do Tourism Australia.

>>

Que dia: Arctic Monkeys disco e show no iTunes. Arcade Fire e o single-mistério e as capas-mistério. E tem o Drenge, também

>>

* Segunda-feira brava hoje na música. Sai hoje na Inglaterra o disco da banda inglesa Arctic Monkeys, “AM”, o quinto dessa molecada “veterana” de Sheffield, um disco melhor um atrás do outro, um show melhor um atrás do outro. O álbum ganhou nota 10, do “New Music Express”. Ganhou 9.65 da Popload. Quero saber da sua nota, pode se manifestar, já que o disco está vazado há uma semana. E a nota do Pitchfork, claro, haha.

E, para saudar a chegada de “AM”, o Arctic Monkeys se apresenta hoje no show-streaming do iTunes Festival, ao vivo para o planeta. O concerto acontece no Roundhouse, em Londres, e será transmitido pela internet às 17h (nosso horário) por app, iPhone, iPad, AppleTV e computador. Vamos acompanhar, óbvio.

** Estou ouvindo aqui a rádio australiana Triple J na espera da primeira veiculação oficial de “Reflektor”, a nova música do Arcade Fire, mais cercada de misterinhos do que quando “Get Lucky”, do Daft Punk, foi lançada. Lá em Sydney seria mostrada às 9pm do dia 9/9. Mas ainda não entendi se passou e eu perdi ou ainda vai rolar, porque 21h dos australianos já era. Lembrei de conectar na rádio às 9:02pm e não sei ainda o que aconteceu. Está tocando a nova do Miami Horrors e do Avalanche.
A canção do Arcade Fire, enfim, apareceu sábado na internet, a gente deu aqui. Vai saber se é ela mesmo. Mas de todo modo a que está circulando como tal é boa. De todo modo também, já foi até parar em pista de clube de São Paulo no próprio sábado. Durante a semana passada o que seria a capa do álbum novo, “Reflektor” (a sair dia 29 de outubro), teria vazado. Mas parece que ela é só uma pista que dava trechos da letra de “Reflektor”, o single. Tudo embaçado. É o Bowie que canta no finalzinho? Ele aparece no álbum? Vamos acompanhar, óbvio.

Parece que essas são, de verdade, e na sequência, as capas do single e do disco.

*** Voltando ao Arctic Monkeys e ao iTunes Festival, queria chamar atenção para a atração de abertura, que toca às 15h45. É uma dupla punk-garage, bateria-guitarra, tipo White Stripes e Black Keys, tipo as atuais Deap Vally, chamada Drenge. Eles são de Sheffield também, olha o complô. Dois adolescentes com toda a raiva inerente descarregada na forma de blues-rock. Os nomes dos carinhas: Eoin Loveless (vocalista e guitarrista) e Rory Loveless (bateria). São irmãos, tipo o Disclosure. Tipo os Cavalera. Gosto bem dessa sujeira chamada “Bloodsports”, procura ouvir.

E tem esse vídeo estranho para “Backwaters” em que o vocalista quebra carro, bebe todas e apanha de duas amiguinhas de infância, só por não terem coisa melhor para fazer nesses condados monótonos no interior da Inglaterra.

Dizem que o Drenge pode não ir a lugar nenhum. Mas só de lembrar aos britânicos que tem uma música de rock de garagem pulsando em algum lugar no Reino Unido, que não seja o folkzinho grandioso na linha Mumford & Sons, já está valendo a existência dos brothers Loveless.

>>