Em fiona apple:

Melhores discos do ano da POPLOAD, internacional: Fiona Apple, sim, ela mesma, é a primeirona num 2020 de 42 álbuns de destaque

>>

fetch

* Olha. Se a gente pegar as sete listas de melhores álbuns de 2020 aqui elaboradas, cada um do top 10 do ano da galera díspare que faz a Popload, chacolhar, misturar, jogar para cima e ver o que bate, o que coincide ou o que maaaais coincide, o álbum da especialíssima Fiona Apple fica em primeiro lugar no geral, de forma marcante.

O rico “Fetch the Bolt Cutters” talvez seja seguido pelo misterioso grupo inglês SAULT, com qualquer um de seus dois discos lançados em 2020. Tem um vislumbre de boa colocação para os álbuns de Run the Jewels e da Phoebe Bridgers, talvez a Dua Lipa, mas de resto é tiro para tudo quanto é lado.

O que nos leva a crer que este ano maluco de 2020, e suas nuances todas, sua palheta de cores zoadas, suas camadas difusas, pautou a variação musical mais do que qualquer coisa. Ou não! Talvez só que a Popload é feita por gente que pensa diferente entre si, mas que converge cada um a seu modo para o mesmo fim: o bem da música independente seja ela de vanguarda, clássica, indie de guitarras, hip hop, dance, pop, o que for.

Porque no fim, se não erramos na conta, abaixo foram citados 42 álbuns diferentes, dentro dos dez de cada um.

Veja aí o que você acha. (A lista d)Os melhores do ano da Popload, por quem faz a Popload, ficou assim:

** Lúcio Ribeiro

1. Fiona Apple – “Fetch The Bolt Cutters”
2. SAULT – “Untitled (Black Is)”
3. Tame impala – “The Slow Rush”
4. Sports Team – “Deep Down Happy”
5. Fontaines DC – “A Hero’s Death”
6. IDLES – “Ultramono”
7. Phoebe Bridgers – “Punisher”
8. Waxahatchee – “Saint Cloud”
9. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
10. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”

***

** Isadora Almeida

1. Fontaines D.C – “A Hero’s Death”
2. Haim – “Women in Music Pt. III”
3. Tame impala – “The Slow Rush”
4. Fleet foxes – “Shore”
5. Sault – “Untitled (Rise)”
6. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Sorry – “925”
9. Laura Marling – “Song for Our Daughter”
10. Vários – “Blue Note Re:imagined”

***

** Vinicius Felix

1. Fiona Apple – “Fetch The Bolt Cutters”
2. Run the Jewels – “RTJ4”
3. Thundercat – “It Is What It Is”
4. Bob Dylan – “Rough and Rowdy Ways”
5. Phoebe Bridgers – “Punisher”
6. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Laura Marling – “Song for Our Daughter”
9. Porridge Radio – “Every Bad”
10. J Hus – “Big Conspiracy”

***

** Daniela Swidrak

1. SAULT – “Untitled (Black Is)”
2. Phoebe Bridgers – “Punisher”
3. Sorry – “925”
4. Fontaines DC – “A Hero’s Death”
5. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
6. IDLES – “Ultramono”
7. Porridge Radio – “Every Bad”
8. Sports Team – “Deep Down Happy”
9. Working Men’s Club – “Working Men’s Club”
10. EOB – “Earth”

***

** Dora Guerra

1. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
2. Moses Sumney – “Grae”
3. Sault – “Untitled (Black Is)”
4. Phoebe Bridgers – “Punisher”
5. Gorillaz – “Song Machine”
6. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”
7. Róisín Murphy – “Róisín Machine”
8. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
9. HAIM – “Women in Music Part III”
10. Mac Miller – “Circles”

***

** Fernando Scoczynski Filho

1. Deftones – “Ohms”
2. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
3. Alain Johannes – “Hum”
4. Zeal & Ardor – “Wake of a Nation”
5. Nine Inch Nails – “Ghosts VI: Locusts”
6. Bambara – “Stray”
7. Grimes – “Miss Anthropocene”
8. Mr. Bungle – “The Raging Wrath of the Easter Bunny Demo”
9. EOB – “Earth”
10. Refused – “The Malignant Fire”

***

** Alexandre Gliv Zampieri

1. Smashing Pumpkins – “CYR”
2. Pet Shop Boys – “Hotspot”
3. Starbenders – “Love Potions”
4. Killer Be Killed – “Reluctant Hero”
5. Code Orange – “Underneath”
6. The Jaded Hearts Club – “You’ve Always Been Here”
7. Local H – “LIFERS”
8. Run The Jewels – “RTJ4”
9. AC/DC – “Power Up”
10. Dua Lipa – “Future Nostalgia”

***

** Tallita Alves

1. Jessie Ware – “What’s Your Pleasure?”
2. Caribou – “Suddenly”
3. Lady Gaga – “Chromatica”
4. Haim – “Women in Music Part III”
5. Tame Impala – “The Slow Rush”
6. Yves Tumor – “Heaven to a Tortured Mind”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
9. Waxahatchee – “Saint Cloud”
10. The Avalanches – “We Will Always Love You”

>>

Melhores discos do ano. Temos a lista da discórdia do Pitchfork. Quem ganhou? Ora…

>>

* Alguns chamam de lista da discórdia, outros apenas respeitam, mas todo ano uma das listas mais aguardadas e polêmicas é a da bíblia indie Pitchfork, o famoso site das notas quebradas de avaliação que tem festival, rádio, era indie e agora faz parte de um grande conglomerado, enfim. Copiando a Popload (cóf!).

Gosto de falar que o Pitchfork, lançado em 1995, era de uma salinha de Minneapolis e hoje ocupa algumas salas no One World Trade Center, em Manhattan, o prédio gigantesco que fica onde era o complexo do World Trade Center, que veio ao chão nos ataques terroristas de 2001, o ano em que não longe dali o novo rock dos Strokes mudou a música independente. Enfim.

Com seu famoso esquema de “notas” para os álbuns, o número 1 do ano não é surpresa alguma depois que Fiona Apple ganhou um incrível 10. NOTA DEZ!!! O que fez seu “Fetch the Bolt Cutters” perfeito entrar para um grupo hiperseleto na história da Pitchfork, que somente inclui outros 11 discos em 25 anos de reviews.

Mas voltando a 2020, o top 50 do site trouxe artistas-revelação como Rina Sawayama, Arca e Megan Thee Stallion. Entre os favoritos mais “pop”, Taylor Swift e Dua Lipa aparecem, mas em posições não tão privilegiadas. Ou seja, fora do creme do top 10.

A surpresa da lista de melhores discos do ano do Pitchfork fica por conta da banda inglesa indie Porridge Radio, estreando em 23º, e a cantora e guitarrista americana Soccer Mommy, que parou na 26º posição (esperávamos pelo menos um top 15 para ela).

A parte de cima da lista de discos do ano da Pitchfork, encabeçada pela infalível dobradinha Fiona Apple e Waxahatchee (cadé o Run the Jewels, Pitch?!), é a seguinte:

1. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
2. Waxahatchee – “Saint Cloud”
3. Moses Sumney – “Græ”
4. Phoebe Bridgers – “Punisher”
5. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
6. Bob Dylan – “Rough and Rowdy Ways”
7. Yves Tumor – “Heaven to a Tortured Mind”
8. Haim – “Women in Music Pt. III”
9. Jessie Ware – “What’s Your Pleasure?”
10. Bad Bunny – “YHLQMDLG”

fetch

>>

Melhores do ano: Stereogum esnoba Dua Lipa, Fontaines DC e até Phoebe Bridgers. E bota a Fiona Apple em primeiro

>>

* Enquanto fazemos mistério, e não publicamos a nossa própria lista, seguimos destacando os melhores do ano, visto pelas publicações mais relevantes mundão afora.

Na blogosfera indie, o americano Stereogum elegeu seus 50 favoritos. Por lá, alguns queridinhos caíram bastante de posição: Dua Lipa ficou na berlinda (50º lugar), assim como o Fontaines DC (44º). Até a Phoebe Bridgers que tem figurado no top 10 geral e tem sido bem acolhida pelos “experts americanos” pegou uma modesta 28º posição.

Por outro lado o pequeno britânico Sorry ranqueou bem, ficando em 20º lugar.

Quem ganhou? Fiona Apple, claro. Liderando uma trinca bem presente nos nomes e nas posições em muitas das listas.

E, sim, morda-se quem não aguenta essa, mas a Taylor Swift está lá, lindona, na quinta posição.

O top 10 do Stereogum ficou assim:

1. Fiona Apple – “Fetch The Bolt Cutters”
2. Waxahatchee – “Saint Cloud”
3. Run the Jewels – “RTJ4”
4. Haim – “Women in Music Pt. III”
5. Taylor Swift – “Folklore”
6. Boldy James & Sterling Toles – “Manger on McNichols”
7. Oneohtrix Point Never – “Magic Oneohtrix Point Never”
8. Touché Amoré – “Lament”
9. SAULT – “Untitled (Rise)”
10. Soccer Mommy – “Color Theory”

fetch

>>

Melhores discos do ano: “New York Times” foi mais indie que todo mundo e meteu o álbum do Sufjan Stevens em primeiro

>>

* Por esta ninguém esperava. Um dos mais importantes jornais do planeta, o “New York Times” soltou sua lista dos dez melhores do ano com o discurso de que o inevitável isolamento deste ano dividiu a percepção musical dos principais lançamentos em três categorias: dos artistas e bandas que levaram o isolamento para suas almas também, os que se rebelaram contra a situação de viver sozinho e os que imaginaram um mundo ficcional onde nada de anormal estaria acontecendo.

Nessas, elegeu nos três primeiros lugares o indiezaço Sufjan Stevens, com seu ótimo indie-geográfico álbum “Ascension”, “uma voz gentil dentro de uma América turbulenta”, seguido do discaço da Fiona Apple, o onipresente “Fetch the Bolt Cutters”, “o triunfo da teimosia”, com o terceira posição indo parar no disco “Grae”, do ótimo cantor californiano Moses Sumney, que “explora o amor e sua longevidade, a existência e a trancedência num R&B em slow-motion e fragmentado”.

Destaque para a “adulta” Taylor Swift em quatro e o contundente disco-causa do duo quimicamente necessário Run the Jewel em oitavo.

Vindo do “New York Times”, a lista dos dez melhores do ano dele chega a ser surpreendente. Não acha?

1. Sufjan Stevens, ‘The Ascension’
2. Fiona Apple, ‘Fetch the Bolt Cutters’
3. Moses Sumney, ‘Grae’
4. Taylor Swift, ‘Folklore’
5. Bob Dylan, ‘Rough and Rowdy Ways’
6. Lianne La Havas, ‘Lianne La Havas’
7. Burna Boy, ‘Twice as Tall’
8. Run the Jewels, ‘RTJ4’
9. Jyoti, ‘Mama, You Can Bet!’
10. Autechre, ‘SIGN’

Sufjan_Stevens_The_Ascension_Cover

>>

Melhores discos do ano: site “Consequence of Sound” resgata a Lady Gaga, lembra o Pearl Jam e dá o trono a Fiona Apple

>>

* Surgido na década passada na cidade de Chicago, o site “Consequence of Sound” é uma das principais referências virtuais de notícias do mundo indie a partir da música underground americana, de nome ótimo e oferecendo uma alternativa menos nerd ao às vezes obtuso Pitchfork, mas que amamos também e tal.

Como é uma tradição anual, o “Consequence” costuma causar polêmica com suas listas de melhores do ano. Para 2020 não foi diferente.

Alguns queridinhos de outras listas, como Taylor Swift e Fleet Foxes, caíram bem no ranking, ficando em 27º e 32º respectivamente.

O top 10 teve um mix bom entre pop e alternativo, lembrando a gente que em 2020, além de Dua Lipa (5º) e Charli XCX (18º), tivemos Lady Gaga e seu “Chromatica” (8º). No âmbito roqueiro, Pearl Jam dá as caras, assim como o disco “ame-o ou odeie-o” do Deftones.

O primeiro lugar não foi exatamente uma surpresa. Ou foi, sei lá. Vemos a Fiona Apple e seu maravilhoso álbum dos cachorros aqui novamente.

1. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
2. Run the Jewels – “RTJ4”
3. Phoebe Bridgers – “Punisher”
4. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
5. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
6. Waxahatchee – “Saint Cloud”
7. Deftones – “Ohms”
8. Lady Gaga – “Chromatica”
9. Freddie Gibbs and the Alchemist – “Alfredo”
10. Pearl Jam – “Gigaton”

fetch

>>