Em flavio juliano:

Popload estreia live diária no Stories com galera da música, para papo e session. Nesta quarta: Flávio Juliano, do FingerFingerrr, 14h

>>

*** Update ***

A live, que estava inicialmente marcada para ontem à noite, vai ser realizada hoje, 14h. A razão da mudança, segundo soubemos, foi a impossibilidade de cone≈ão para uma atividade assim na noite de terça, pós-discurso polêmico de Jair Bolsonaro, que levou todo mundo à rede para comentários, gerando um tráfego gigantesco. Tentemos novamente na tarde desta quarta.

***

* A partir desta noite, 21h, a Popload entra no esquema de lives para entreter os quarentenados dos dois lados da câmera, eu + meus convidados e você, e conversar sobre música. Não só conversar, como tocar música. No esquema caseiro. ATÉ PORQUE SÓ DÁ PARA SER ASSIM.

Começa daqui a pouco, então, 9 da noite, mas não necessariamente será todo dia às 9. A gente avisa aqui e nas redes o horário certo do dia. No dia.

2 - PHOTO-2020-03-24-16-39-38

O esquema rola na conta de Instagram da @poploadmusic, no Stories. E o convidado de hoje com uma história incrível a contar (e músicas a tocar) é o brother Flavio Juliano, a metade da banda punk pop paulistana FingerFingerrr, baixista e guitarrista. Ou um músico que toca baixo como se fosse uma guitarra. Enfim.

A história, sem dar muito spoiler, é que o FingerFingerrr ia tocar no festival South by Southwest, no Texas. Com tudo pronto, viagem engatilhada, véspera de ir para o aeroporto, o Sxsw foi cancelado. Mas a dupla resolveu ir assim. E quase não consegue mais voltar.

Por que eles resolveram ir mesmo com o cancelamento e o que aconteceu nos EUA à medida que o contágio do vírus ia aumentando exponencialmente o Flavio vai falar na Live, daqui a pouco, 21h.

Quem quiser pode fazer perguntas, para mim e para ele. Responderemos na medida do possível.

>>

Fingerfingerrr, depois da turnê americana (e do vídeo “pelado em Nova York”), cai hoje no Astronete

>>

* O título says it all, mas ok. Vamos explicar direitinho. Um dos melhores shows de banda indie nacional que eu vi neste ano foi acidental para mim e para eles. Não conhecia a banda e confesso que eu não tinha prestado atenção no fato de que eles estavam escalados para tocar num palco improvisado no antigo clube paulistano Aeroanta, que renasceu e morreu de novo e de vez numa noite de abril (para reviver agora no segundo semestre, de vez, com roupinha nova).

Screen Shot 2015-07-28 at 18.02.01

Mas eis que o duo Fingerfingerrr, daqui de SP, Flavio (dir.) e Ricardo (esq), guitarra/vocal e bateria/vocal, estava lá, barulheira danada e legal, caras usando terno e gravata, que numa semana conceitual “xis” me fez escrever o seguinte à época, aqui na Popload: “Eu sinceramente acho que o novo ‘garage’ vai ‘salvar o rock’ desse frufru que se encontra, depois que transformaram o Coachella num festival para selfies e ensaios de moda e os publicitários invadiram o South by Southwest, haha. O show do Orwells no Coachella, tudo o que o Ty Segall faz, o escracho que é o Parquet Courts, o selo-produtor Balaclava no Brasil, o Bananada transformando o Caetano em indie mas ao mesmo tempo trazendo o incrível King Tuff, o Twin Peaks e a cena barulhenta de Chicago, o Mac DeMarco sendo mais mito indie hoje em dia que o Thom Yorke, o Mac McCaughan tocando na Casa do Mancha, a volta do Aeroanta não-Aeroanta, o FingerFingerrrr daqui de São Paulo, a Courtney Barnett calminha enlouquecendo ao vivo com a mão esquerda sangrando na guitarra, o galês Pretty Vicious sendo ‘acusado’ de promover no Reino Unido a volta dos ‘shows para sair ensopado de suor’.”

Agora contextualizado em selfie-quote, quero dizer que dessa data do Aeroanta em abril até o show que eles fazem hoje, quinta, no pequeno grande Astronete, na rua Augusta, o Fingerfingerrr, quase três anos de vida, no meio teve uma turnê nos EUA, agora em junho. A QUARTA, na real, porque até já haviam descolados shows por lá por três vezes, incluindo tocar no citado South by Southwest, no Texas, o maior e melhor festival de novas bandas do universo, Plutão envolvido. Em outras aventuras americanas, chegaram a botar um vídeo para circular na MTV2 americana e emplacar uma música do primeiro EP (e único) na trilha da loja hype Urban Outfitters. Ok com isso?

Pois bem, em junho, o Fingerfingerrr se apresentou “apenas” em sete cidades dos EUA, incluindo Nova York duas vezes (Brooklyn) e Chicago duas vezes, mais lugares como Cincinnati, Toledo, Nashville etc.

Screen Shot 2015-07-28 at 17.41.44

No dia de voltar para o Brasil, desde Nova York, a dupla Finger e Fingerrr conseguiu perder o voo e teve que pagar multa para embarcar no dia seguinte. De bobeira com o “dia extra” nos EUA, pensaram: “Vamos aproveitar que o prejuízo está feito e vamos fazer um vídeo aqui mesmo”. Caíram nas mãos de John Threat, um “hacker terrorista da mídia”, um cara do qual ficaram amigos em NYC e botou os dois pelados na movimentada Bedford Avenue, a avenida mais importante do Brooklyn, para filmá-los. Com um tapa-sexo, para não serem presos. Para ajudar no clima da zoeira, chamaram uma amiga atriz para se juntar aos nus. Temos iBagens.

Screen Shot 2015-07-28 at 20.19.14

Screen Shot 2015-07-28 at 20.20.51

Screen Shot 2015-07-28 at 20.22.14

Embora cantem em inglês, Flavio Juliano e Ricardo Cifas fizeram o vídeo com a existencial canção “Eu Só Ganho”, que vai entrar no primeiro álbum do FingerFingerrr, a ser lançado ainda em 2016. Olha a carreira da banda até agora e ainda a distância que falta para seu primeiro disco.

O show desta quinta-feira no Astronete é ainda para divulgar o single “Buck You” e encerrar essa fase álbum-less, antes de se fechar em estúdio. Como serviço do show, temos a dizer que ele acontece à 1h da manhã (portanto, já na sexta), dentro da festa Master Blaster. E que até 23h não se paga nada para entrar. O Astronete fica na Rua Augusta, 335.

* Tanto as fotos da filmagem do vídeo quanto a da home da Popload são de Daniela Ometto

>>