Em Fleet Foxes:

Pitchfork Festival 2018 – Mate saudade do Tame Impala, veja a Courtney Barnett, idolatre a Lauryn Hill, viaje com…

>>

pitchfest1

* Está com saudade do Tame Impala tanto quanto nós? A banda australiana de Kevin Park, que andou dizendo que dentro de um ano (tudo isso?!?!?!) vai soltar novo disco, foi uma das grandes atrações do último Pitchfork Festival de Chicago, talvez o segundo festival indie mais cool do mundo.

O evento teve vários shows transmitidos por streaming no último final de semana gordo, de sexta a domingo, e teve no cardápio Courtney Barnett, War on Drugs, a grande Lauryn Hill, Fleet Foxes, Julien Baker, o figura Alex Cameron e muito mais coisas.

Captura de Tela 2018-07-24 às 1.08.07 PM

Sabemos que o Pitchfork enquanto site vai publicar nos próximos dias um monte de material visual do Pitchfork enquanto festival, mas como a gente é afobado mesmo e a galera fez bastante vídeos, vamos espalhar por aqui alguns desse vídeos amadores de que a gente tanto gosta, porque transmite a imagem como fosse você quem estivesse lá filmando. Depois a gente bota os vídeos pro do festival e beleza.

**

* As fotos usadas neste post e na home da Popload são de Ben Stas, para o site “Brooklyn Vegan Chicago”
>>

Fleet Foxes, mais intimista do que nunca, faz session na BBC e toca até Nina Simone

>>

281117_fleetfoxes2

Atualmente em turnê pela Europa, o lindo Fleet Foxes fez uma parada nos estúdios da BBC 6 Music, a melhor das estações de rádio do conglomerado britânico, para um bate-papo e uma session no programa da Lauren Laverne.

Robin Pecknold e Casey Wescott tocaram o single “If You Need To, Keep Time On Me”, do mais recente álbum deles, “Crack-Up”, além de uma cover de “Do What You Gotta Do”, canção lançada originalmente em 1968 pela lendária Nina Simone.

Primeiro disco cheio da banda norte-americana desde 2011, “Crack-Up” foi produzido pelo vocalista e letrista Robin Pecknold, em parceria com outro músico da banda, Skyler Skjelset, e gravado em diferentes pontos dos Estados Unidos entre julho do ano passado e janeiro deste ano. Entre as locações estão os estúdios Avast, em Seattle (terra deles), e o famoso Electric Lady, em Nova York.

O Fleet Foxes continua lindo. Ainda mais quando se apresenta no Colbert

>>

271017_fleetfoxes_slider

Um dos bons álbuns lançados neste ano é “Crack-Up”, o mais recente da banda ícone do indie folk Fleet Foxes, que não soltava um disco cheio desde 2011, época em que o hoje Father John Misty ainda era baterista do grupo enquanto J. Tillman. Lembra?

Gravado em diferentes localidades nos Estados Unidos entre julho de 2016 e janeiro passado, entre elas Seattle (terra natal) e Nova York, no famoso estúdio Electry Lady, “Crack-Up” continua sendo objeto de divulgação por parte do Fleet Foxes e a mais recente parada deles foi no programa do Stephen Colbert na noite passada.

Por lá, Robin Pecknold e seus amigos tocaram a atual música de trabalho, “Fool’s Errand”. Dia 24 de novembro, Record Store Day Black Friday, o grupo lançará um EP ao vivo, com apresentação gravada justamente no Electric Lady.

A apresentação no Colbert está disponível abaixo.

>>

Uma session em casa: Fleet Foxes e a linda apresentação na KEXP, de Seattle

>>

170717_fleetfoxes2

Um dos bons discos lançados em 2017 é o elogiado “Crack-Up”, novo álbum do Fleet Foxes, banda indie folk americana que não soltava um disco cheio desde 2011, época em que o hoje Father John Misty ainda era baterista do grupo enquanto a gente o conhecia apenas como J. Tillman.

Em uma dessas andanças para divulgar o álbum, o Fleet Foxes gravou uma session para a KEXP, estação de rádio importante de Seattle, terra natal dos caras. A apresentação foi feita no fim de maio, mas divulgada pela emissora só agora. No setlist, faixas como “Third Of May / Ōdaigahara” e “Fool’s Errand”.

Produzido pelo vocalista e letrista Robin Pecknold, em parceria com outro músico da banda, Skyler Skjelset, “Crack-Up” foi gravado em diferentes pontos dos Estados Unidos entre julho do ano passado e janeiro deste ano. Entre as locações estão os estúdios Avast, na própria Seattle, e o conhecido Electric Lady, em Nova York.

A atual turnê da banda norte-americana passa atualmente por festivais de verão na Europa e terá uma série de shows pelos Estados Unidos em parceria com nomes imperdíveis como Animal Collective e Beach House.

SETLIST
I Am All That I Need / Arroyo Seco / Thumbprint Scar
Third Of May / Ōdaigahara
Fool’s Errand
Mearcstapa

>>

Com disco novo após seis anos, Fleet Foxes invade a TV americana e mostra algumas canções lindas e inéditas

>>

190617_fleetfoxes2

Foi lançado no último final de semana, de forma oficial, o aguardado e já bem elogiado “Crack-Up”, novo álbum do Fleet Foxes, banda indie folk americana que não soltava um disco cheio desde 2011, época em que o hoje Father John Misty ainda era baterista do grupo enquanto J. Tillman. Veja bem…

Produzido pelo vocalista e letrista Robin Pecknold, em parceria com outro músico da banda, Skyler Skjelset, “Crack-Up” foi gravado em diferentes pontos dos Estados Unidos entre julho do ano passado e janeiro deste ano. Entre as locações estão os estúdios Avast, em Seattle (terra deles), e o famoso Electric Lady, em Nova York.

O disco fez o Fleet Foxes retomar também suas apresentações ao vivo. O rolê mundial da banda começou na Austrália, no fim do mês passado, e inclui passagens por festivais de verão na Europa, como o gigante BBK Live em Bilbao (Espanha), e culmina em uma série de shows pelos Estados Unidos em parceria com nomes incríveis tipo Animal Collective e Beach House.

No ritmo de divulgação do disco, o grupo esteve recentemente no programa do Stephen Colbert para mostrar uma versão editada de “Third of May”, que em seu aspecto original dura 9 minutos. A banda também apareceu no CBS This Morning para tocar, além do mesmo single, os sons “If You Need to, Keep Time on Me” e “Fool’s Errand”.

As performances em rede nacional e o disco novo, na íntegra, podem ser conferidos abaixo.

>>