Em Fleetwood Mac:

POPNOTAS – O fim do Fleetwood Mac, as câmeras do Foals e o Foo Fighters fazendo homenagem a Tom Petty e criticando “líderes moralistas”

>>

– Procurando se reinventar e mais ainda se movimentar desde o começo da pandemia, a banda inglesa Foals soltou, na sexta passada, quatro versões do seu CCTV Sessions. Anteriormente, eles já tinham trabalhado com o mesmo formato. O que é? Basicamente uma session diferentona, filmada com as câmeras do circuito de segurança (Closed-Circuit Television) desses de rua, de estacionamento, de prédios. As filmagens incluem músicas do seu último disco de trabalho, “Everything Not Saved Will Be Lost”, que não conseguiu sair para turnê, você já sabe por quê. ¯\_(ツ)_/¯

No ano passado, o grupo de Oxford lançou o “Collected Reworks”, juntando vários remixes de diversos artistas/DJs de suas músicas ao longo da carreira. E agora, atendendo a pedidos dos fãs, liberaram todas as CCTV sessions anteriores, incluindo B-sides de todos os discos, nas plataformas de streaming. Nosso destaque vai para a cover esperta de “Daffodils”, do incrível Tame Impala.

***

– Por que choras, TikTok? Gente, o Fleetwood Mac, a veteraníssima banda do TikTok, acabou. De novo. Uma das formações mais famosas dos anos 70 e sempre disputada por grandes festivais para vir ao Brasil pela primeira vez, o grupo não está mais junto. Numa entrevista para a BBC Radio 2 no final de semana, a pianista e cantora Christine McVie afirmou que ela, a cantora Stevie Nicks e o baixista John McVie não farão mais nenhum show com a banda, quando puder haver shows. Muito por conta da idade de seus integrantes, numa média de 75 anos. McVie, também uma das cantoras da banda, disse que por conta de todo o ano passado parado e provavelmente sem fazer show também neste 2021 indefinido, seria muito difícil a banda arrumar gás para se reunir, ensaiar e enfrentar um palco. Entre mortes de integrantes, reformulações e idas e vindas, o Fleetwood Mac conseguiu se manter, nos últimos anos, relevante até para os mais novos adoradores de música. No ano passado, o hit “Dreams” viralizou na plataforma TikTok graças a um vídeo de um skatista a ponto de o álbum ‘Rumours’, de 1977, voltar ao Top 10 dos mais vendidos na “Billboard”.

***

– Os imparáveis Foo Fighters lançaram na sexta passada seu décimo disco, o “Medicine at Midnight”, se desdobrando em muuuuuuuitos vídeos de performances para divulgação em rádio, TV e internet. Uma delas, aqui em especial, foi divulgada na própria sexta pela rádio americana de satélite SiriusXM, que levou a sua garagem, em Los Angeles, a banda de Dave Grohl para uma session de apresentação da rádio Foo Fighters, novo canal dentro da Sirius. Em qualquer hora do dia, da noite e da madrugada, se você assina o serviço da plataforma e sintoniza a Foo Fighters Radio, vai estar tocando FF em estúdio, ao vivo, remix, cover, sem parar. E, em seu canal de Youtube, a galera da Sirius subiu este vídeo abaixo do FF fazendo uma cover de “Honey Bee”, música do segundo álbum do saudoso roqueiro Tom Petty, o famoso “Wildflowers”, lançado em 1994, o ano de fundação do Foo Fighters. Tem vários outros vídeos, tipo o da banda desempenhando “The Best of You”, mas aqui ficamos com a banda homenageando a abelhinha do Tom Petty.

* Tem também o vídeo novo oficial dos Foos, para a pesadamente boa “No Son of Mine”, lançado no final de semana. É uma mistura de animação com efeitos em cima de imagens reais da banda em ação, trazendo a mensagem na letra contra “líderes moralistas” (Dave Grohl que disse) e o visual de violência, drogas e bebidas. Tipo isso.

Mas fiquemos com o Tom Petty.

>>

Com nova formação, Fleetwood Mac faz primeira apresentação sem Lindsey Buckingham e divide opiniões

>>

050918_fmac2

Sem Lindsey Buckingham, a vida continua para o Fleetwood Mac. Cerca de cinco meses depois de comunicar a saída do virtuoso guitarrista, o grupo norte-americano fez sua primeira aparição com seu novo line-up no programa da Ellen.

Com Neil Finn (Crowded House) e Mike Campbell (guitarrista da banda de Tom Petty) como novos integrantes, o Fleetwood Mac tocou as clássicas “The Chain” e “Gypsy”. No entanto, a repercussão não foi das melhores.

Talvez ainda avessos às mudanças, ou em luto pela saída de Lindsey, muitos fãs estão publicando comentários contrários à nova formação. O comentário mais comum é o de que “parece uma banda cover”.

O grupo vai excursionar pela América do Norte a partir de outubro até o início de 2019.

Cover art. Arctic Monkeys fazendo Elvis Costello. Florence cantando Fleetwood Mac. First Aid Kit entoando Kate Bush. O pop é lindo!

>>

Foto: PA Images/Sipa USA

Foto: PA Images/Sipa USA

Uma das coisas mais legais que a gente vê por aí são bandas prestando homenagens a outras bandas/artistas, etc. E nos últimos dias apareceram ao menos três versões cover que ficaram de chorar.

O Arctic Monkeys, por exemplo, em recente show em Lyon, na França, prestou seu tributo a Elvis Costello ao cantar a clássica “Lipstick Vogue”, de 1978. O show todo, inclusive, foi dedicado ao cantor e compositor, que está se recuperando de uma operação na qual precisou extrair um “pequeno, porém agressivo” tumor.

* Já a Florence Welch está em turnê com sua banda apresentando o novo disco “High As Hope”. Em uma recente parada na deliciosa SiriusXM, uma das melhores rádios do mundo, a britânica usou sua voz potente para uma versão de “Silver Springs”, do Fleetwood Mac, em versão bem intimista que incluiu um piano, um violão e um pandeirinho.

* Tão fofas quanto, as meninas irmãs do First Aid Kit – Klara e Johanna Söderberg – gravaram uma session para a série Spotify Singles. Uma das músicas escolhidas pelas suecas foi “Running Up That Hill”, som gravado originalmente pela cantora Kate Bush, em 1985, que elas dizem ter começado a ouvir a fundo recentemente. O resultado pode ser ouvido abaixo.

>>

Fleetwood Mac-treta: após ser demitido, Lindsey Buckingham solta o verbo e diz que parte da banda perdeu sua perspectiva

>>

140518_mac02

Notícia que caiu como uma bomba no pop mês passado, a saída do virtuoso guitarrista Lindsey Buckingham do Fleetwood Mac começa a ter seus desdobramentos. O mundo tomou conhecimento do fato no início de abril. Já na última semana do mesmo mês, o grupo confirmou que Lindsey, na verdade, havia sido demitido, especialmente por ter pensamentos diferentes em termos de planejamento futuro em relação aos demais.

Em entrevista para a revista Rolling Stone, a vocalista Stevie Nicks disse que Lindsey só queria que a banda voltasse aos ensaios no ano que vem. “Nós deveríamos começar a ensaiar em junho e ele queria empurrar isso para novembro de 2019. É muito tempo. Acabei de fazer 70 shows. Assim que eu finalizo algo, já entro em outro projeto. Por que pararíamos? Não queremos parar de fazer música. Não temos mais nada a fazer. É o que fazemos”, disse ela, que confirmou, ainda que de forma suave, que o guitarrista foi demitido.

“Palavras como ‘demitido’ são referências feias, até onde sei. Sem querer me alongar nisso, mas estávamos com a impressão de estar batendo em uma parede de tijolos. Não foi uma situação feliz para nós em termos de logística de uma banda funcional. Para este fim, tomamos uma decisão onde não poderíamos seguir com ele. Quem manda é a maioria quando precisamos decidir o que fazer como uma banda para seguir em frente”, destacou Mick Fleetwood na mesma entrevista.

Depois de todo o burburinho, foi a vez de Lindsey se defender. O músico se pronunciou em um evento organizado por Mike Levin, candidato ao congresso norte-americano. Entre uma música e outra, o guitarrista soltou algumas respostas e ainda falou em legado arranhado.

“Não foi algo da minha escolha. Acho que pode se dizer que existem facções dentro da banda que perderam sua perspectiva. Isso danificou o legado de 43 anos que trabalhamos tão arduamente para construir, e esse legado era sobre superar dificuldades para que pudéssemos conquistar uma verdade e um destino acima de nós”.

No Mac, Lindsey será substituído por outros dois músicos: Mike Campbell, que fez carreira como guitarrista principal da banda de Tom Petty, e ainda Neil Finn, frontman do Crowded House. Eles já estarão na próxima excursão da banda.

Esta não é a primeira vez que Lindsey está fora do Fleetwood Mac. Em 1987 ele saiu alegando que estava cansado de sair em turnês e também pela tensão de fazer parte da mesma banda que seu antigo amor, Steve Nicks. Uma década depois ele voltou ao grupo para uma turnê de reunião. Ano passado, ele soltou um disco em parceria com Christine McVie, sua agora ex-companheira de Mac.

As tensões com Nicks duram décadas. Na mesma entrevista recente para a Rolling Stone, a cantora classificou a relação entre os dois como volátil. “Isso é triste para mim, mas eu quero que os próximos dez anos da minha vida sejam alegres e divertidos”.

>>

Lindsey Buckingham deixa o Fleetwood Mac (de novo) e terá dois substitutos

>>

100418_buckingham_2

Baixa considerável em uma das bandas mais clássicas do rock. No início da noite de ontem, o Fleetwood Mac confirmou notícia publicada pela Variety e informou que o lendário guitarrista Lindsey Buckingham deixou o grupo.

Provavelmente querendo focar em sua carreira solo, pela qual já lançou seis discos, mas o último lá em 2011, Lindsey será substituído por outros dois músicos: Mike Campbell, que fez carreira como guitarrista principal da banda de Tom Petty, e ainda Neil Finn, frontman do Crowded House. Eles já estarão na próxima excursão da banda.

Em nota, o Fleetwood Mac preferiu exaltar a chegada dos novos membros em vez de detalhar a saída de Buckingham. “Estamos satisfeitos em dar as boas-vindas a músicos talentosos do calibre de Mike Campbell e Neil Finn na família Mac. Com os dois, vamos tocar todos os hits que os fãs amam e ainda vamos surpreender nosso público com algumas faixas do nosso histórico catálogo. O Fleetwood Mac sempre esteve em uma constante evolução criativa. Estamos olhando para frente para honrar esse espírito na próxima turnê”.

Esta não é a primeira vez que Lindsey deixa a banda. Em 1987 ele saiu alegando que estava cansado de sair em turnês e também pela tensão de fazer parte da mesma banda que seu antigo amor, Steve Nicks. Uma década depois ele voltou ao grupo para uma turnê de reunião.

Ano passado, ele soltou um disco em parceria com Christine McVie, sua agora ex-companheira de Mac.

>>