Em francisco:

TOP 50 DA CENA – Letrux “manobra” a CENA e vem para o topo. O encantador Mateus Aleluia chega para… encantar. No mais, temos Nuven, Ella, Perdido…

1 - cenatopo19

* Letrux fez a magia (bruxaria). Com a “desculpa” de lançar um vídeo, sacou a música “Vai Brotar” de seu belo disco deste ano, ali do meio de outras músicas legais, e botou ela numa evidência que, quando tirada do álbum para brilhar sozinha, fica gigante. E roubou o topo, que é só dela nesta semana.
E que coisa linda é a chegada à CENA de um disco novo do grande Mateus Aleluia, baiano 76 anos, dando umas lições de vida em forma de música?
E, como se não bastasse, nossas “dez +” da semana tem hip hop, dream pop, nova MPB, eletrônica. Pensa que playlist linda e representativa isso tudo forma.
É o estado de coisas da CENA brasileira, ali, documentada em canções.

3 - 960x960_letrux

1 – Letrux – “Vai Brotar” (Estreia)
A manutenção de um disco depende em parte de nós, em parte do artista. Letrux lança o vídeo de “Vai Brotar” e nos lembra do ótimo álbum que pegou a gente lá no começo do ano. E em particular, de uma música. E, mais particular ainda, desta letra. “Você ficou cínico com o tempo/ Eu fiquei muito mais espiritualizada/ Acreditando em carta, sonho e passe”. Só nós achamos que “Vai Brotar” tem uma vibe grandiosa meio Arcade Fire?
2 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (Estreia)
A beleza de um disco de Mateus Aleluia em 2020 é um presente que ilumina este ano esquisito. Aqui, na produção de Ronaldo Evangelista e com músicos da CENA por perto, como Thiago França, Sérgio Machado, entre outros, a conversa de Mateus se aproxima da nova geração, que já se ligou na importância dele e dos Tincoãs. “Amarelou” ainda conta com ele: João Donato.
3 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (1)
Estamos de cara com esse disco que ainda reúne Negro Leo, Ana Frango Elétrico, Arto Lindsay, Vinicius Cantuária. Esta que escolhemos (poderiam ser outras) lembra os discos do Caetano com a banda Cê. Thiago parece pegar aquela vibe onde Caetano deixou e botou mais barulhinhos. E aproveitamos e matamos a saudade da voz da Ana Frango em uma inédita. Essa cena do Rio…
4 – Ovo ou Bicho – “Moços” (2)
Essa cena do Rio… parte 2. A conexão está escancarada. O Thiago Nassif é quem mixou esse som do ótimo quarteto do Rio, que chama a atenção em uma viagem que tem doses tropicais do Mutantes e um pique Doors na brisa que a música vira lá para o meio dela.
5 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (3)
Elza é sempre obrigatória. Em um acerto desses, então. A união dela com o rapper mineiro Flávio deu jogo. Uma pancada que sabe carregar versos delicados como “Todos os dias me levanto/Olho no espelho sempre me encanto/Com o meu cabelo e a cor da pele dos ancestrais”.
6 – Nuven (ft. Ale Sater), “Par de Ondas” (Estreia)
Tudo funciona de forma bonita aqui. Música, batidas, voz, vídeo, fotografia, letra, edição. A realidade sintética da música do Nuven e a realidade melancólica que sai da boca de Sater, da forma que sai, levam a uma pegada de autoconhecimento através da solidão.
7 – Ella from the Sea – “Side by Side” (Estreia)
Single que puxa o EP dessa cantora paulistana que usa a música como terapia para a alma. Algumas soluções ela também encontra no tarot. O nõo se chama “Moon” à toa. A vibe aqui é “Grimes vai para os ano 80 e entra para o Cocteau Twins”. Atmosfera é tão densa que dá para cortá-la com uma faca.
8 – Pedro Pastoriz – “Dolores” (Estreia)
“Dolores” é a faixa de abertura do álbum solo de Pedro, que faz a voz, o banjo e o violão na conhecida banda indie-bluegrass Mustache & Os Apaches. Aqui estamos em seu terceiro álbum solo, “Pingue-Pongue com o Abismo”. O nome pode assustar, mas vale escutar.
9 – Marcelo Perdido – “Bastante” (Estreia)
O disco curto de Marcelo, que saiu por um certo selo CENA, nos capturou, lógico. A cinematográfica e também breve “Bastante” é nosso destaque da vez. Um disco de se ouvir em um gole só este, mas não de se beber só uma vez.
10 – Yannick Hara (ft Big the Kiid e Asaph) – “Vida Offline” (Estreia)
Yannick escreveu aqui quase todos os dramas de uma geração angustiada e online. Algumas músicas vêm em camadas. Esta não: é na lata.
11 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (4)
12 – Hellbenders – “Pra Entreter” (5)
13 – Autoramas – “Boneco” (6)
14 – Jup do Bairro – Pelo Amor de Deize (7)
15 – Rincon Sapiência – “Malícia” (8)
16 – Raça – “Domingo” (9)
17 – Ana Frango Elétrico – “Caspa” (10)
18 – CESRV – ” Mix It Up” (11)
19 – Tuyo – “Sem Mentir” (12)
20 – Francisco – “Vitória-Rege” (13)
21 – Nevilton – “Irradiar” (14)
22 – Gustavo Bertoni – “Sit Down, Let’s Talk” (15)
23 – Wado – “Arcos” (16)
24 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (17)
25 – Vella – “Delírio Besta” (18)
26 – Karol Conka – “Tempos Insanos” (20)
27 – Jadsa – “Quietacalada” (21)
28 – Hiran – “Gosto de Quero Mais” (22)
29 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (23)
30 – ATR e Luedji Luna – “Batom” (26)
31 – JP – “Chorei Dendê” (27)
32 – Rohmanelli – “Do Jeito Que o Mundo Está” (29)
33 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” – (31)
34 – Duda Brack – “Contragolpe” (32)
35 – Compositor Fantasma – “Não Sabendo Que Era Impossível” (33)
36 – Don L – “Kelefeeling” (34)
37 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (35)
38 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (36)
39 – ÀIYÉ – “Pulmão” (38)
40 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (39)
41 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (40)
42 – Edgar – “Carro de Boy” (41)
43 – Douglas Germano – “Valhacouto” (42)
44 – Kiko Dinucci – “Veneno” (43)
45 – Jhony MC – F.A.B. (44)
46 – Cícero – “Às Luzes” (45)
47 – Djonga – “Procuro Alguém (46)
48 – Vovô Bebê – “Êxodo” (48)
49 – Troá! – “Bicho” (49)
50 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Letrux, a primeira a repetir o cartaz desta seção com foto diferente.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Calma, nada. O jeito é ser estranho. Negro Leo, Thiago Nassif, Jup do Bairro, Tuyo… Que cena legal e fora da curva a gente tem

1 - cenatopo19

* Na nossa mutante CENA independente musical brasileira, nesta semana sai a calmaria e entra a esquisitice, a estranheza. Ou, vai, o experimentalismo.
E, óbvio, isso vem da cena carioca. Ou dos agregados ao Rio de Janeiro musical. Que momento!
E essa representatividade toda de Negro Leo e Thiago Nassif, no caso, quando junta variações incríveis e diferentes entre si como Jup do Bairro, Gustavo Bertoni, Tuyo, Nevilton, Francisco, entre outros, dá um preciso recorte do que pode esta CENA.
Faz todo o sentido ler sobre isso abaixo. Mas faz mais ainda ESCUTAR tudo isso, na nossa playlist. Porque, não cansamos de repetir, no fim, este “ranking” é só e somente só sobre essa playlist.

3 - PHOTO-2020-07-22-09-25-10

1 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (Estreia)
Destacar uma música do novo álbum do Negro Leo é só uma formalidade para avisar: ouça este disco todo. Uma obra experimental que versa sobre o lacre, uma espécie de praga dos nossos tempos com enormes consequências políticas, sociais, sentimentais. Como essa forma de lidarmos com nós mesmos e com o mundo se conecta com as coisas mais zoadas que estão por aí? E achamos um barato que as músicas mais pop do disco são as instrumentais… Não que isso signifique algo – ou será que significa? Essa cena do Rio…
2 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (Estreia)
Thiago Nassif é mais Rio de Janeiro na lista. Mais Negro Leo, que participa do disco, ao lado de nomes como Ana Frango Elétrico, Arto Lindsay, Vinicius Cantuária. Essa que escolhemos lembra os discos do Caetano com a banda Cê? Thiago parece pegar aquela vibe onde Caetano deixou. E aproveitamos e matamos a saudade da voz da Ana Frango em uma inédita. Essa cena do Rio…
3 – Jup do Bairro – Pelo Amor de Deize (3)
Aí vem a Jup e joga a CENA para o alto. Esta roqueira parceria de Jup do Bairro e Deize Tigrona, que descobrimos ser (também) uma grande roqueira, estremece. Além da pancada sonora, ela pega firme em mostrar a profunda amizade de Jup e Deize, que ultrapassa os momentos complicados, como o da depressão de Deize. Ou da propria Jup. Vai, levanta!
4 – Tuyo – “Sem Mentir” (Estreia)
Quem associa o Tuyo ao fofo folk neo pop brasileiro ou algo assim vai se surpreender com essa balada pop eletrônica apocalíptica. O velho mundo acabou, vida longa ao novo mundo.
5 – Francisco – “Vitória-Rege” (Estreia)
Produção pop e acertadíssima da young Vivian Kuczynski, aqui em um dos som mais legais do álbum do Francisco, um de seus melhores amigos. O refrão “Você me fodeu/ Mas se esqueceu/ Que eu queimei as rosas/ Que você nunca me deu” é bom demais e a quebra de expectativa que rola no final da música é coisa de quem sabe muito bem o que quer do próprio som. Demais.
6 – Nevilton – “Irradiar” (1)
Uma delicada canção sobre amor e sobre o agora. Nevilton pega os sentimentos da quarentena e lança essas sensações e mensagens em uma fineza de música. Esse sabe o melhor caminho de criar belezas com seis cordas.
7 – Gustavo Bertoni – “Sit Down, Let’s Talk” (2)
Doeu tirar do ranking a música anterior do scaleno Gustavo, a bela “Waves”, para botar outra mais bela ainda, essa que propõe dar uma sentadinha, respirar, para então conversar. Os tempos estão tão loucos que esse sussurrado pedido de auto-reflexão, acompanhado por um violão bem dedilhado e um sotaque (inglês) bonito vem bem a calhar.
8 – Wado – “Arcos” (Estreia)
Quais são suas lembranças da infância? O que muda nessas lembranças ao longo do tempo? Wado aborda essa questão das memórias e nossa relação com elas ao longo do tempo em uma faixa ao violão. Bonito demais. Esta aqui entra na nossa playlist massa na quinta-feira, quando a música sair às plataformas.
9 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (Estreia)
Para variar, puro suco de anos 80 esse single do sempre bom Amen Jr., quarteto de Brasília. Mais que anos 80: soa São Paulo vanguarda da época esse som. Embarque na nostalgia, às vezes do que nem viveu, que acho que é o caso do Amen Jr. Que idade eles têm?
10 – Vella – “Delírio Besta” (Estreia)
Interessante o novo projeto de Felipe Vellozo, ser indie onipresente por trabalhos no Bilhão, Século Apaixonado, Duda Beat, Mahmundi. E agora, enfim, só. Assumindo suas decisões, como diz. “Delírio Besta” tem a letra valorizada pelo arranjo delicado, mas cheio de pequenos detalhes. Ela é tão curtinha e boa que pede uma repetição. E a cada audição novos detalhes aparecem. Coisa de quem sabe fazer, hein.
11 – Jay Horsth – “Você” (Estreia)
12 – Karol Conka – “Tempos Insanos” (4)
13 – Jadsa – “Quietacalada” (5)
14 – Hiran – “Gosto de Quero Mais” (6)
15 – Vitreaux – “Meia Luz” (7)
16 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (13)
17 – Fresno – “Broken Dreams” (9)
18 – 1LUM3 – “Extremo” (10)
19 – The Baggios – “Quareterna Serigy” (11)
20 – ATR e Luedji Luna – “Batom” (12)
21 – JP – “Chorei Dendê” (8)
22 – Antiprisma – “Lunação” (14)
23 – Nelson D. – “A Grande Revolta” (15)
24 – Tássia Reis – “Me Diga” (16)
25 – Supervão – “Depois do Fim do Mundo” (17)
26 – Rohmanelli – “Do Jeito Que o Mundo Está” (18)
27 – Marcelo Perdido – “Não Tô Aqui pra Te Influenciar” (19)
28 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” – (20)
29 – Duda Brack – “Contragolpe” (21)
30 – Compositor Fantasma – “Não Sabendo Que Era Impossível” (22)
31 – Don L – “Kelefeeling” (25)
32 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (28)
33 – Giovani Cidreira e Mahal Pita – “Mago de Mim Mesmo” (30)
34 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (31)
35 – TARDA – “Breath” (33)
36 – ÀIYÉ – “Pulmão” (34)
37 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (36)
38 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (37)
39 – Edgar – “Carro de Boy” (38)
40 – Douglas Germano – “Valhacouto” (39)
41 – Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II” (40)
42 – Kiko Dinucci – “Veneno” (41)
43 – Ava Rocha e Los Toscos – “Lloraré Llorarás” (42)
44 – Jhony MC – F.A.B. (43)
45 – Cícero – “Às Luzes” (44)
46 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (45)
47 – Djonga – “Procuro Alguém (46)
48 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (47)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (48)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o cantor e compositor maranho-carioca Negro Leo.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA – De novo, produtor CESRV pega o 1º lugar. Nem a gente acredita. Uma homenagem involuntária a Aldir Blanc e a ilustre presença de Ava Rocha são novidades

1 - cenatopo19

* Como se não bastasse tudo o que já acontece, esta semaninha que passou foi triste para a música brasileira. Por isso falamos aqui, neste TOP 50 que você lê agora, sobre uma bela parceria do já saudoso Aldir Blanc (que andava tão ou mais jovem e forte do que muitos por aí, como podemos ver na música escolhida) com Douglas Germano, um raro e belo encontro de um grande nome da velha guarda com um atual da nossa CENA.

Também aproveitamos e contamos uma história com o produtor CESRV (primeiro colocado mais uma vez? como pode, hein?) sobre os caminhos tortos que percorrem música e memória. CESRV é um cara para ser olhado bem de perto. E ouvido mais de perto ainda.

Mais novidades? Temos a ótima nova música (e vídeo) nem tão nova de Clarice Falcão e a importante Ava Rocha em parceria com uma banda colombiana incrível.

E lembrando que nosso ranking é uma playlist lá no Spotify ou Deezer. Porque na real nossa missão não é dizer quem é melhor, não. É oferecer 50 sons legais toda semana para você ouvir.

Fica em casa, bb!

top50clarice

1 – CESRV – “Cry Baby” (Estreia)
Falamos aqui semana passada sobre o ótimo EP onde CESRV revista música brasileira a seu modo. Mas ficamos com uma dúvida em “Cry Baby”. O sample que reconhecemos nela era de uma música estrangeira que rolava nas rádios nos anos 80, tipo “flashback de FM”. Onde estava a música brasileira ali, então? CESRV desvendou o mistério em nossas lives diárias: o sample veio de um disco da banda carioca standard Cry Babies, um grupo que daria origem a Banda Black Rio e que regravou sons gringos em versões instrumentais em um disco de 1969. A música faz caminhos inusitados, não é? Quão rico é isso? Quão necessário são esses caminhos do CESRV? Mais sobre este assunto na posição 6 deste ranking.
2 – Douglas Germano – “Valhacouto” (Estreia)
A semana que começou triste com a partida de Aldir Blanc fez a gente relembrar que o compositor versátil andava afiado. E, mais que isso, agora no ano passado fez uma letra incrível para um nome ativo da CENA, que é Douglas Germano. “Valhacouto” é uma crônica sobre a violência nazista que acaba resvalando em cenas da atualidade. Passado e presente juntos em um alerta sobre o perigo que ainda nos ronda. Prova de que Aldir seguia atento, forte e necessário.
3 – Ava Rocha e Los Toscos – “Lloraré Llorarás” (Estreia)
A parceria da Ava Rocha com a banda colombiana é daquelas combinações que ficam tão boas e naturais que deixam a gente desejando por horas daquele som. São só duas músicas lançadas, mas queremos mais e mais disso.
4 – Clarice Falcão – “Só + 6” (Estreia)
Clarice lançou um belo vídeo para uma música que está lá no seu disco de 2019. Que visual esse vídeo tem. Encantou a gente e voltamos ao disco e a faixa. Uma belezinha de sua fase eletrônica.
5 – YMA – “No Aquário” (1)
Que bom ouvir um novo single da YMA. A letra parece prever os tempos de pandemia, sendo uma letra feita antes da atual situação. A voz, o andamento, a letra (do Lau, do Lau e Eu), a guitarrinha à lá Chris Isaac. Tudo em harmonia perfeita. E a música nem é de disco (achamos). Pertence a uma coletânea de site.
6 – CESRV – “Onda” (2)
Só quem é muito atento vai saber de onde CESRV encontrou os samples que reveste esta faixa de seu novo EP, dedicado a recriações e colagens de sons brasileiros em beats com influência de footwork. Entendeu? Se não, procure entender. Ou pelo menos ouvir esse EP “Bela Vista”, do CESRV.
7 – Sara Não Tem Nome – “Agora” (3)
“Será que o mercado vai lavar suas mães invisíveis?” É com essa frase cortante que a mineira Sara Não Tem Nome abre seu novo single. Adivinha o tema? Ela vai no alvo, o tempo todo. Que música densa. Só quem esteve em 2020 vai entender.
8 – Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II” (4)
A faixa-título do novo álbum da banda aracajuana Taco De Golfe é o melhor exemplar de introdução para o belo disco que eles fizeram. Música instrumental capaz de impactar até quem não aprecia tanto o gênero. Diz muito sem nem ter voz.
9 – Vir GO – “Lunes” (Estreia)
Nova banda punk mezzo paulistana mezzo do mundo, formada por veteranos da CENA e liderada pela conhecida agitadora Madame Mim, ex-MTV e duzentas bandas. O gás, aqui, a partir desta “Lunes”, é juvenil. Punk, pois. Alerta: cantada em castelhano. E daí?
10 – Sessa – “Sereia Sentimental” (5)
Uma bela track nova de Sessa, beneficente e disponível apenas no Bandcamp dele. Portanto vai faltar, por enquanto, na nossa playlist. Bonita, quieta, jazzy e em forte contraste com os tempos atuais. Queremos morar no violão dessa introdução.
11 – Clarice Falcão feat. Linn Da Quebrada
12 – Duda Brack – “Pedalada” (7)
13 – YMA – “Evaporar – Ao Vivo” (8)
14 – Carne Doce – “Saudade” (9)
15 – Francisco – “Traumas” (10)
16 – Aldo – “Restless Animal” (11)
17 – Obinrin Trio – “Medo” (12)
18 – Ozorio Trio – “Get Up” (13)
19 – Cícero – “Às Luzes” (14)
20 – Jovem Dionísio – “Ponto de Exclamação” (15)
21 – Boogarins – “Inocência” (16)
22 – Djonga – “Procuro Alguém (17)
23 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (18)
24 – ÀIYÉ – “Isadora” (20)
25 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (21)
26 – Troá! – “Bicho” (22)
27 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (27)
28 – Apeles – “Deságua” (23)
29 – Papisa – “Homem Mulher” (24)
30 – Dance of Days – “Não Sou Mais o Mesmo (Mas Pelo Menos Não Sou Você)” (19)
31 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (28)
32 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (25)
33 – Francisco, El Hombre – “Juntos, Nunca Sós” (26)
34 – Marietta – “Analógica” (30)
35 – Manaié – “Tira a Mão” (31)
36 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
37 – Amen Jr. – “amoretempo” (33)
38 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (34)
39 – Bivolt – “110v” (36)
40 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (37)
41 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (39)
42 – Jhony MC – F.A.B. (42)
43 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (43)
44 – Vovô Bebê – “Êxodo” (44)
45 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (45)
46 – Edgar – “Carro de Boy” (46)
47 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (47)
48 – Victorino – “Roque” (40)
49 – Valuá – “Veneno” (49)
50 – Kiko Dinucci – “Veneno” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora e compositora Clarice Falcão, em repeteco.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 da CENA – A música-apocalipse de Clarice Falcão ganha o topo da semana. As mulheres mandam nas dez mais. E os novinhos pedem passagem

1 - cenatopo19

* Por conta da nossa semana anterior cheia de adiantamentos, pagamos o preço agora. Os lançamentos bons da semana já estavam por aqui e, nesta, ficamos com poucas novidades para mostrar. Acontece. E que ótimo.

Por isso a gente ouviu mais e mais as músicas da nossa lista e resolvemos reavaliar algumas e só remexer em certas posições. Agora é Clarice e seu after do apocalipse no topo. A música, por tudo o que ela abarca, merece. A gente acha.

Só que, sim, temos algumas novidades boas no top 10, presta atenção. Uma turma bem novinha que está começando a fazer música. E que já nos encanta.

Que mais? Estamos nas plataformas digitais, sempre bom lembrar, já que o Top 50 é quase que só uma desculpa para gente fazer esta playlist bonita para te apresentar o melhor da CENA. Nesta semana. Ouça no Spotify ou Deezer e mande para os amigos, especialmente para aqueles que vivem te falando que não tem música nova e boa neste Brasilzão complicado. Se todo mundo mandar para um amigo resolvemos pelo menos um dos nossos muitos problemas, né?

1 - top50_yma_feed

1 – Clarice Falcão feat. Linn Da Quebrada – “After do Fim do Mundo” (4)
A faixa fala por si só. Estamos no after de um mundo que acabou. Pior que isso. No after do after do after. A solução? Dançar. Mesmo que seja de um modo esquisito, combinando com este dance carioca contrastando com um rap de São Paulo. Clash de cenas com duas das mais evolutivas artistas destes tempos.
2 – Duda Brack – “Pedalada” (3)
Quer uma música para rir e chorar? A gaúcha Duda Brack encontra esse meio termo aqui em uma música que faz rir e se desesperar pela situação. É rock, mas não é. É indie paulistano dos anos 80, tipo Rumo, mas nada tão 2020 foi feito na CENA. Acompanha um vídeo-filme perturbador de tão… gostoso.
3 – YMA – “Evaporar – Ao Vivo” (Estreia)
Não é exatamente a primeira vez que temos por aqui uma música gravada ao vivo, mas é a primeira que já existia em uma versão de disco. É YMA, uma artista “das nossas” que é exatamente assim: cresce demais ao vivo. Isso justifica estar aqui, assim, agora.
4 – Carne Doce – “Saudade” (1)
Uma música deliciosa que ilustra com som e letra um desencontro amoroso em uma DR. Ou seria um reencontro pós-término? A questão é que estamos viciados na faixa, que é uma típica Carne Doce: começa deliciosamente calma, mas uma hora a gente sabe que o andamento vai mudar, o som vai descambar em algo esquisito de bom, e tudo se acalma no final. “Saudade” é mais um dos indícios que a banda prepara seu melhor álbum.
5 – Francisco – “Traumas”
Produção certeira da nossa querida Vivian Kuczynski, 16 anos. Ela já produz, e bem, aos 16 anos. O que você estava fazendo aos 16 anos? Mas o Francisco, amiguinho dela, ajuda aqui. Voz dez, som dez. Queremos ouvir mais do Francisco e dessas letras repletas de memórias, bem escritas, capazes de criar cenas na cabeça do ouvinte. Por enquanto fique com essa (esse) “Traumas”. Mas queremos ouvir mais, amigo.
6 – Aldo – “Restless Animal” (2)
O Aldo segue sua reformulação (ou reconstrução), rumo ao mundo todo. Depois dos lançamentos “ingleses” de 2019, o primeiro single deste ano chega lindo para agitar a quarentena com suas eletronices indies via o selo britânico Full Time Hobby. A faixa, uma obra que os Chemical Brothers certamente assinariam, é só o primeiro single de uma série que vem ao longo do ano.
7 – Obinrin Trio – “Medo” (6)
Formado por Elis Menezes e as irmãs Raíssa e Lana Lopes, o trio feminino (mesmo!) de SP fez aos poucos seu “Origem”, a estreia em disco delas. E com ajuda dos já muitos fãs, famosos e os não. Mais independente impossível. Aqui destacamos, entre vários destaques do álbum debut, a bela “Medo”.
8 – Ozorio Trio – “Get Up” (7)
Outro trio, que não é exatamente um trio, mas sim o projeto de Marcelo Ozorio. Em um disco, “Big Town”, que vai encontrar as conexões do folk americano com a música caipira do Brasil, ele explora no violão uma vibe meio Wilco brasileiro que funciona muito bem em diversas canções. O resultado impressiona de bom. Nossa favorita é essa “Get Up”. Musicaça.
9 – Cícero – “Às Luzes” (8)
Cícero encontra uma vibe meio Radiohead nos tempos do “In Rainbows” e faz uma bonita música em seu novo e ótimo álbum, “Cosmos”. Pressentimos que outras músicas deste disco vão aparecer aqui no Top 50.
10 – Jovem Dionísio – “Ponto de Exclamação” (38)
Lá do 38º lugar para o top 10. Em outras palavras, presta atenção que o som é bom. E gostamos da descrição que eles fazem de si próprios: cinco brothers que fazem música juntos. E que ainda tem muito a mostrar. Queremos ouvir mais, amigos.
11 – Boogarins – “Inocência” (5)
12 – Djonga – “Procuro Alguém (9)
13 -Letrux – “Déjà-Vu Revival” (10)
14 – Dance of Days – “Não Sou Mais o Mesmo (Mas Pelo Menos Não Sou Você)” (11)
15 – Francisco, El Hombre – “Juntos, Nunca Sós” (12)
16 – ÀIYÉ – “Isadora” (13)
17 – Tuyo e Terno Rei – “Eu Te Avisei” (14)
18 – Apeles – “Deságua” (15)
19 – Jhony MC – F.A.B. (16)
20 – Troá! – “Bicho” (17)
21 – Papisa – “Homem Mulher” (18)
22 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (19)
23 – FingerFingerrr – “Tô Vivo” (20)
24 – Winter – “Say” (21)
25 – Bivolt – “110v” (22)
26 – Vovô Bebê – “Êxodo” (23)
27 – Luedji Luna e Zudzilla – “Proveito” (24)
28 – Terno Rei e Tuyo – “Pivete” (25)
29 – Shower Curtain – “All That You Do” (26)
30 – Marietta – “Analógica” (27)
31 – Manaié – “Tira a Mão” (28)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (29)
33 – Amen Jr. – “amoretempo” (30)
34 – Derek e Lucas Silveira – “Me Sinto Sozinho” (31)
35 – Edgar – “Carro de Boy” (32)
36 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (33)
37 – Trupe Chá de Boldo – “À Lina” (34)
38 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (35)
39 – Ana Preta e Thaíde – “Não Me Leve a Mal” (39)
40 – Letícia Persiles – “Trem Fantasma” (41)
41 – Juliano Guache – “Bombyx Mori No. 1” (42)
42 – Valuá – “Veneno” (44)
43 – Kiko Dinucci – “Veneno” (43)
44 – Letrux – “Fora da Foda” (45)
45 – ANNÁ e Ilú Obá de Min – “Sobre Rosa” (46)
46 – Julia Melo – “Touch” (47)
47 – Nego Bala – “Cifrão in Pé” (36)
48 – Francisco El Hombre – “Cai” (37)
49 – Victorino – “Roque”
50 – Luvbites – “Sha – Lala”

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora e compositora paulistana Yma.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

CENA – Roubaram os vídeos do francisco, el hombre do Youtube. E a banda quer sua ajuda

1 - cenatopo19

fran2

* O grupo meio-brasileiro-meio-mexicano francisco, el hombre avisou ontem no Twitter que alguns vídeos da banda simplesmente sumiram do YouTube. Sem saber o motivo certo ainda disso, a banda não descarta até ação de hackers.

Seja lá qual for o motivo, a banda começou hoje a repostar o material perdido. Pelas contas da banda, perderam uns 500 mil views na brincadeira. Estamos na campanha com eles para recuperar esses números.

>>