Em franz ferdinand:

Top 10 Gringo – Wet Leg lidera o ranking com a música que não é. Nilüfer Yanya traz seu sol da meia-noite em segundo. E The Weeknd não larga o osso

>>

* E a cena internacional, obviamente, ferve bonita já neste desenfreado 2022 (pelo menos no quesito “lançamentos”, porque em outro…). Mas a gente precisa dar o primeiro lugar do pódio a um lance que só a gente escutou (ou quase…). Vem no papo que vocês vão entender.

wetlegtopquadrada

1 – Wet Leg – “Supermarket”
“Supermarket” é a perfeita canção indie-pop. Breeders/anos 90/guitarras/“Ai ai ai”/“High hign high”. A espetacular vocalista e guitarrista Rhian Teasdale colocou todas as tags que a gente gosta em uma canção poderosa no poderoso álbum de estreia da banda – que a gente escutou e tal e pode afirmar que é “coisa séria”. Ainda que o disco não chegue, pintou uma versão ao vivo absurda desta “Supermarket” e a gente postou aqui na Popload. Ainda que não caiba ainda em playlist, a gente içou a música aqui para o Top 10. E não deve outro jeito que não colocá-la logo no topo.

2 – Nilüfer Yanya – “midnight sun”
Pensando aqui no que a Nilüfer quer que a gente observe em sua nova canção. “Ver a beleza do confronto e a necessidade da rebelião.” Difícil não pensar em ideias mais necessárias do que essas nos tempos atuais, onde qualquer insurgência contra absurdos já costuma ser censurada. Não se espante quando “Painless”, terceiro álbum dessa britânica com raízes na Irlanda e Bermudas, estourar fácil entre os melhores do ano.

3 – The Weeknd – “Sacrifice”
É uma ideia celebrar todo o “Dawn Fm”, não? Discão que é discão merece essa atenção. Então, a da vez é “Sacrifice”, que já se destaca como hit do álbum. As razões são óbvias: a música tem gancho para tocar em qualquer rádio por uns 50 anos, fácil.

4 – Lana Del Rey – “Watercolor Eyes”
Não é como se estivéssemos numa seca de sons novos da Lana Del Rey, mas sempre é bom um presentinho dela. E Lana caprichou nesse single que faz parte da super “Euphoria”, série bombada da HBO, que vem sendo premiada intensamente com joias exclusivas na sua trilha – lembra da super “Lo Vas Olvidar” da Billie Eilish com a Rosalia? Também é parte da série.

5 – Franz Ferdinand – “Curious”
Música do Franz Ferdinand é quase sempre um hit no mundo indie. Principalmente quando ela vai sair dentro de um disco todo de hits. Então lá vem Alex Kapranos com essa “Curious”, animar nosso Top, nossa playlist, nossas vidas. A música contém vídeo com dancinhas.

6 – Kaina – “Apple”
Kaina é de Chicago, mas tem herança familiar da América do Sul. E é um pouco dessa mistura entre crescer nos Estados Unidos e ser informada por toda uma outra cultura latina que dá ao som dela uma aspecto muito original. “Apple” é um som grudento. Fique esperto com o novo álbum dela, “It Was a Home”, que sai ainda neste ano.

6 – Denzel Curry – “Walkin”
A música toda é muito foda, mas já é muito bonito quando o jovem Denzel Curry, que com apenas 27 anos já vem para seu quinto álbum, une em um verso Tupac Shakur e De La Soul: “Me against the world, it’s me, myself and I, like De La Got in touch with my soul”. Um disco do Tupac (“Me against the World”), um som clássico do De La Soul (“Me, Myself and I”.

7 – Caroline – “Good Morning (Red)”
Banda inglesa com oito instrumentistas, incluindo aí violino, trompete, clarinete. Eles são meio misteriosos no comportamento online, mas acertam na sua bio quando descrevem nas influências emo, música clássica e variadas formas de dance music. São coisas que a gente pega escutando esse single da banda que ainda não tem álbum, mas já está sendo observada pela imprensa musical do mundo. Vamos ver se justificam o hype.

9 – Daniel Rossen – “Shadow in the Frame”
Atenção, fã do Grizzly Bear. Daniel Rossen, vocalista e guitarrista da banda, vem para seu primeiro álbum solo. Em “You Belong There”, que deve chegar em abril, ele promete explorar os territórios desconhecidos da idade adulta. Neste primeiro single, já temos noção do folk de primeira que este homem é capaz de produzir. Belíssima música.

10 – Black Country, New Road – “Snow Globes”
Quem tem o moral de, em 2022, fazer uma música com uma abertura de 3 minutos e tanto? Ok, se pesquisar direitinho tem muita gente, mas acho que poucos fazem do jeitinho esperto dos ingleses “fora-da-curva” do Black Country, New Road.

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é da banda inglesa Wet Leg. A foto que ilustra a chamada da home para este Top 10 é de @alicebackham e foi tirada do Instagram da banda. A desta página é de divulgação, de autoria de Hollie Fernando.
** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Franz Ferdinand, um banda dançante, faz um vídeo dançante para a inédita “Curious”. Entenda

>>

* Em março agora um certo revival em torno da grande banda escocesa Franz Ferdinand, de Alan Kapranos, deve acontecer por causa do lançamento da coletânea de seus massacrantes sucessos indie-dance. “Hits to the head”, o álbum, sai dia 11.

O disco, que comemora os 20 anos de quando éramos muito felizes, tipo 20 anos atrás, carregam duas inéditas, agora ambas conhecidas, ambas delicinhas. A primeira, “Billy Goodbye”, mostrada em novembro. E agora “Curious”, que ganhou um videozinho com passinhos de dança quaaaase nível TikTok. De um jeito durinho Franz, mas ainda assim.

Para quem ainda estranha a formação nova da banda, que aparece toda atuando no vídeo, repetimos que no ano passado o FF perdeu o grande guitarrista Nick McCarthy e viu ir embora o baterista Paul Thomson. No lugar do último, temos agora a presença feminina da baterista Audrey Tait, conhecidinha da cena de bandas cool de Glasgow, mas uma cara nova para nós, destes trópicos. Ela já tinha aparecido no vídeo anterior, de “Billy Goodbye”.

Sobre o vídeo de “Curious”, Kapranos explicou bem explicadinho o conceito de tudo: “Então, é uma música dançante, dissemos depois quando pensamos em um vídeo. E sempre dissemos que tocamos dance music, disse Bob, então por que não dançamos no vídeo? Então demos a Andy Knowles, nosso velho amigo que estava na aula de Bob na Art School e tocou com FF em 2005/6, um grito e ele quis. Você pode ver a participação dele e, sim, somos nós dançando.”

>>

Top 10 Gringo – Franz Ferdinand “rouba” o primeiro lugar do Radiohead. Yard Act vem do futuro para entrar no pódio. Playlist do ano passa das 400 músicas

>>

* O querido grupo escocês Franz Ferdinand foi esperto. Ao perceber que um Top 10 Gringo da Popload ia sair sem a inédita deles, a banda resolveu lançar correndo a música enquanto o texto estava no forno. A gente viu a tempo de conseguir colocar o outrora muito importante FF pela primeira vez no primeiro lugar desde que o Top 10 existe – pelo menos no que a gente lembra. E quem ia levar o primeiro lugar até ali eram os “novatos” do Radiohead. Semaninha boa.

franztopquadrada

1 – Franz Ferdinand – “Billy Goodbye”
O Franz vai soltar ano que vem uma coletânea com o melhor de sua discografia. A banda, que recentemente apresentou sua baterista nova, a excelente Audrey Tait, trará dois sons inéditos na coleta. Um deles é esta energética “Billy Goodbye”, que já nasceu pronta para ser digna de entrar em uma seleção de hits da banda. E olha que hits do Franz Ferdinand são hits do Franz Ferdinand. Coisa linda.

2 – Radiohead – “Follow Me Around”
A habilidade do Radiohead de preservar grandes músicas escondidas por anos segue a toda. Mas, de tempos em tempos, eles acabam lançando elas oficialmente. Por anos, “Follow Me Around” era uma favorita dos fãs que ficou de fora do “Ok Computer” e do “Kid A”. Conhecida só ao vivo, agora ela aparece em um versão de estúdio entre as joias perdidas da dupla de álbuns “Kid A/Amnesiac”. E não dá para acreditar como eles “sentaram” nela por tanto tempo, de tão bonita. Ansiedade é uma coisa que o Radiohead não tem.

3 – Yard Act – “Land of the Blind”
Falando nisso, quem reclama da nossa ansiedade de já sair declarando os melhores discos de 2021 mal sabe da nossa ansiedade em já estar com a cabeça nos discos de 2022. Sem dúvidas, um dos melhores discos de 2022 será o de estreia dos ingleses do Yard Act, com “The Overload”. Cheia de “papapapapows” e um baixo que estoura os ouvidos, este novo single da banda só nos deixa expectativas mais altas ainda.

4 – The War on Drugs – “I Don’t Live Here Anymore”
Sendo uma das melhores bandas no mundo hoje, natural que seu novo disco esteja fácil entre as melhores coisas que escutamos em 2021. Adam Granduciel e cia continuam na pegada de quase sempre aqui e isso não chega a ser um problema. Pelo contrário. A onda é boa e os singles que já vinham nos agradando fazem ainda mais sentido no todo do álbum.

5 – Geese – “Disco”
A história dessa banda de Nova York é sensacional. Eles iam acabar assim que terminassem a “high school”. Porém, a gravadora Partizan, que tem bandas como Fontaines D.C e Idles no seu elenco, descobriu eles e pronto: fim do sonhos da banda em ter um fim. E assim começou a carreira de verdade, com disco gravado e tudo. E que estreia: “Projector” é um super dèbut de um jovem e promissor quinteto de Nova York. Lembra algo? Detalhe: Sub Pop e 4AD também tentaram levar eles e não conseguiram, para você ter uma ideia.

6 – Wet Leg – “Chaise Longue”
A gente acha que essa música, um dos hits indies mais legais dos últimos anos por tudo o que ela representa na simplicidade, vai ir e vir do nosso ranking até o ano acabar. E além. A banda inglesa mostrou seu tesouro da vaaasta coleção de DUAS músicas que tem ao vivo no programa do Jools Holland. E nos últimos dias foi o link de YouTube que mais correu pelo mundo na cena independente. Volta ao Top 10 e vai ficar por aqui, se pá.

7 – Maneskin – “Mammamia”
A explosiva banda italiana dona de um hits do ano, que na real é uma cover de uma música dos anos 60 que já tinha uma releitura famosa nos anos 00, vencedora do Eurovision, aproveita o bom momento e chega com um single que nem faz parte do álbum que eles lançaram neste ano. Tudo certo até aqui? Bom, a tática com esta “Mammamia” é colocar todo mundo para dançar com um pegada de rock clássico. Funciona, viu?

8 – Tigercub – “Beauty”
Essa tem um tempinho que já circula, mas a gente acredita que o mundo vai dar o devido valor a essa boa e profunda banda indie soturna inglesa de Brighton.

9 – Snail Mail – “Madonna”
Segue muito boa a série de singles da Snail Mail que antecipam seu novo álbum, “Valentine”. Sua pegada mais guitarreira dá espaço para um ar levemente mais diverso de sonoridades. E tudo casa muito bem.

10 – Alt-J – “U&ME” (Baauer Remix)
Remix não é muito a praia do Top 10, mas o DJ e produtor de trap Baauer fez por merecer ao dar um novo tempero ao single mais recente do peculiar grupo indie inglês. Daqueles remixes que mudam radicalmente a música, mas a gente não deixa de saber que é a música. Sabe como?

***

***

* A imagem que ilustra este post é uma da banda Franz Ferdinand (home) e outra do líder Alex Kapranos (neste post).
* Este ranking é formulado pelo duo Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

De volta ao futuro. Franz Ferdinand lembra seus hits grudentos com a nova “Billy Goodbye”. Grupo escocês anuncia coletânea para 2022

>>

* A outrora espetacular banda escocesa Franz Ferdinand, ou o que sobrou dela (brincadeira, Alex!), chacoalhou com alegria esta terça-feira de Finados ao anunciar uma coletânea de seus sucessos indie-dance bem chamada de “Hits to the head”, a ser lançada em 11 de março do ano que vem.

De hits o Franz Ferdinand entende bem. Tanto que o disco comemorativo aos 20 anos de carreira do grupo vão ter duas inéditas, a começar por esse HIT lançado hoje, o single “Billy Goodbye”. É o Franz Ferdinand em forma novamente.

Embora uma compilação que apresenta duas novas, não exatamente um disco de inéditas, a banda de Alex Kapranos não lança nada desde 2018, quando soltou o álbum “Always Ascending”, que não agradou taaaanto.

A outra inédita que vai estar em “Hits to the head” se chama “Curious”. Se manter o pique, outra música de pista estará vindo por aí.

O Franz Ferdinand teve uma perda grande agora em outubro. Sua formação original, que já não conta mais com o importante guitarrista Nick McCarthy, viu ir embora o baterista Paul Thomson. No lugar deste último, entrou a baterista Audrey Tait, da cena musical de Glasgow, que pode ser vista no alegre vídeo de “Billy Goodbye”, abaixo.

Bom vê-lo de novo, Kapranos!

>>

Pouco mais de um ano após o lançamento de seu mais recente álbum, Franz Ferdinand aparece com música nova e de surpresa em show

>>

Foto: Sofia Matos Silva

Foto: Sofia Matos Silva

Meio que quebrando uma escrita de respeitar intervalos maiores entre lançamentos de material inédito, o Franz Ferdinand pegou muita gente de surpresa neste final de semana ao mostrar uma nova música, tipo um ano após lançar o bom disco “Always Ascending”.

A faixa nova se chama “Black Tuesday” e apareceu no show dos escoceses no North Music Festival, no Porto, em Portugal.

Ainda não há informações mais precisas se a nova música abrirá os trabalhos para um disco, EP ou outro projeto. Ou se é apenas uma espécie de sobra do último álbum.

Veremos…

>>