Em future islands:

POPNOTAS – Arca vira mãe, King Krule mexe com Lennon e Future Islands no Tiny Desk

>>

King Krule, o ruivo inglês de voz cavernosa, que já ganhou taaaaantos posts por aqui, soltou uma cover de “Imagine” de John Lennon que ficou bem ao seu estilo. Uma guitarra solitária (e por vezes bem torta) acompanha seu vozeirão que quase recita a música. Coisa mais linda.

– Sempre é bom ver uma apresentação do Future Islands. Afinal, Sam Herring, vocalista da banda, é uma atração a parte com seus movimentos dance, seus socos no coração e improvisações vocais que aumentam consideravelmente as versões ao vivo da banda perto das de estúdio. Por isso, o Tiny Desk Home deles, o programa clássico da NPR Music, agora gravado nas casas (ou outro lugar seguro), está imperdível. No repertório, canções do disco mais recente da banda, o ótimo “As Long As You Are”. Sam arrasa.

– A imparável Arca, artista pop e transgressora e futurista, DJ, cantora e compositora venezuelana radicada em Barcelona, fez nascer um outro projeto, deu à luz uma nova faceta de suas várias facetas, assumiu seu lado MADRE. E com a estampa Madre e com a ajuda do violoncelista, produtor e compositor londrino Oliver Coates lançou um EP com quatro faixas, puxadas por uma música que se chama exatamente “Madre feat. Oliver Coates”. A canção, meio “bíblica”, faz parte de uma trilha sonora que Arca compôs para o último episódio da falada série “Euphoria”, da HBO. E tem um vídeo conceitão. Tipo assim:

– Semana passada o espertíssimo duo texano psicodélico Black Pumas (foto na chamada da home) se apresentou no programa do Stephen Colbert, na TV americana. Eles tocaram a faixa “Colors”, um dos singles de seu auto-intitulado disco de estreia, lançado em 2019. Tá na hora do segundo disco, não? Para completar a parada, já que a dupla de Austin resolveu sair da toca, eles gravaram dois singles especiais para o Spotify. A própria “Colors”, desta vez com os jazzeiros da Hypnotic Brass Ensemble de Chicago participando, e a grande “Sugar Man”, do poeta e guitarrista Sixto Rodriguez, de Detroit. Sabe a história do Rodriguez com a África do Sul, né? Não?

>>

A dancinha do Sam… Future Islands toca single novo na TV americana

>>

Captura de Tela 2020-10-09 às 9.54.03 AM

* Que saudade que estávamos dessa “dancinha” esquisita e característica do maravilhoso Samuel Herring, o vocalista-performer da banda americana Future Islands, talvez o som mais escancaradamente romântico do indie depois do Father John Misty, que também dançava em show que era uma beleza, mas deu um tempo dos movimentos corporais ao microfone.

Mas, enfim, o Future Islands apareceu à distância no programa tardão do Stephen Colbert na quarta-feira, na TV americana, como a atração musical de encerramento, e mandou o single novo, a bacana “For Sure”, que vai estar no novo álbum, “As Long As You Are”, o sexto deles, que sai HOJE.

E tem mais, além da dancinha própria do Sam. O jeito que ele, ali de camisa social abotoada até em cima, com as mangas dobradas e para dentro da calça, bate no peito ou bota a mão no coração na hora de cantar um trecho mais “vulnerável” é de matar.

>>

Série Tiny Desk lembra session em que o Future Islands tocou com Keith Herring cantando sentado, veja bem!

>>

Captura de Tela 2020-09-22 às 6.18.55 PM

* Ninguém canta como o Sam Herring, líder improvável da banda americana Future Islands, uma das nossas favoritas há muito tempo. Ninguém urra como o Sam. Mas, principalmente, ninguém canta como ele.

Daí, nestes dias, uma das nossas séries prediletas na internet, a série Tiny Desk, shows incrivelmente lindos dentro de um escritório, produzida pela NPR, o conglomerado de rádios americanas NPR que faz esse famoso programete virtual em Washington DC, resolveu desencavar neste esquema pandemia uma apresentação de 2011 do Future Islands em seu domínio.

Foi uma das primeiras da Tiny Desk, série criada há dez anos, em 2010 portanto.

O Future Islands fez performance de três músicas: “On the Water”, “The Ink Well” e “Walking Through that Door”. A banda de Baltimore estava esquentando as turbinas para lançar seu terceiro álbum, “On the Water”, dali a alguns meses.

A session é muito bonita, quase crua. O único senão é que, num ambiente de escritório e ainda definindo seus formatos, Sam Herring não dançou. Cantou sentadinho. Mas está valendo.

>>

Future Islands anuncia primeiro álbum em três anos e divulga novo single lindo, com o Sam Herring botando emoção em um vídeo singelo

>>

120820_futureislands2

Se a pandemia não vai embora, vamos encará-la dançando/chorando ao som das batidas incríveis do Future Islands e a voz emocionante de Sam Herring.

É que a banda norte-americana enfim oficializou os detalhes de seu primeiro disco em três anos. “As Long As You Are” será lançado dia 9 de outubro e é o sexto de estúdio da animada trupe de Baltimore.

O primeiro sinal de que o Future Islands estava tramando algo bom foi a divulgação da ótima “For Sure” no mês passado. Agora, conhecemos através de um vídeo singelo e lindo mais uma faixa do projeto, chamada “Thrill”, esta mais desacelerada do que de costume.

Junto com o lançamento do disco, teremos a oportunidade de ver Sam e suas dancinhas únicas em um show ao vivo, diretor de Baltimore, também em 9 de outubro. No total, o novo álbum tem 11 canções.

“As Long As You Are” – Tracklisting
1. Glada
2. For Sure
3. Born In A War
4. I Knew You
5. City’s Face
6. Waking
7. The Painter
8. Plastic Beach
9. Moonlight
10. Thrill
11. Hit The Coast

>>

Toma essa, corona. Future Islands bota todo mundo para dançar em “For Sure”, primeiro single em três anos

>>

* I will never keep you from an open door
I know, you know

190615_futureislands

Lá vem o carismático Sam Herring conquistar nossos corações de novo. Em tempos chatos de pandemia ainda, especialmente no Brasil, o Future Islands está olhando para o futuro. Mais especificamente, para o lançamento de seu primeiro disco de inéditas em três anos.

Os detalhes do álbum ainda não foram divulgados, mas saiu o primeiro single, o dançante “For Sure”, apresentado em vídeo dirigido por Sam Mason, e com colaboração de Jeen Wasner, do Wye Oak.

A batidinha é aquele delícia de sempre, super atual, mas rebuscando também elementos vanguardistas da eletrônica dos anos 80. Nem tudo é ruim na quarentena.

O último álbum da banda norte-americana é “The Far Field”, lançado em 2017.

>>