Em game of thrones:

No Arizona, Florence mostra a sua nova música para Game Of Thrones pela primeira vez ao vivo

>>

Recentemente, a série Game Of Thrones apresentou uma canção inédita nos créditos finais no segundo episódio da atual temporada, cantada pela Florence and The Machine.

“Jenny Of Oldstones” ganhou também, sua estreia ao vivo. O grupo tocou neste final de semana no FORM Arcosanti Festival, no Arizona, e foi por lá que a faixa ganhou vida no palco. A performance foi dedicada por Florence para Arya Stark e Kelsey Lu.

Na ocasião do lançamento da música na série, os criados de Game of Thrones, David Benioff e D.B. Weiss, citaram que Florence foi a única cantora convidada, porque eles são fãs confessos da estrela. “Sempre fomos grandes fãs da música da Florence e o trailer da Temporada 2 com a canção ‘Seven Devils’ foi uma das coisas mais poderosas que já ouvimos. Então, a possibilidade de tê-la conosco sempre esteve em nossas intenções. Ficamos positivamente chocados que ela topou cantar ‘Jenny of Oldstones’ e estamos realmente amando o resultado”, publicaram em comunicado na época.

A versão ao vivo, registrada no Arizona, pode ser conferida abaixo.

>>

Florence carrega um pouco mais de tensão em Game of Thrones com a nova “Jenny of Oldstones”

>>

290216_florence2

Cristalina e ao mesmo tempo carregada de tensão, a voz de Florence Welch foi a escolhida para traduzir em forma de canção todo o clima dark e complexo do seriado Game of Thrones.

É ela a única cantora convidada para a temporada final da série do canal HBO, na qual foi divulgada a faixa “Jenny of Oldstones”, gravada a pedido dos criadores de GoT, David Benioff e D.B. Weiss.

“Sempre fomos grandes fãs da música da Florence e o trailer da Temporada 2 com a canção ‘Seven Devils” foi uma das coisas mais poderosas que já ouvimos. Então, a possibilidade de tê-la conosco sempre esteve em nossas intenções. Ficamos positivamente chocados que ela topou cantar ‘Jenny of Oldstones’ e estamos realmente amando o resultado”, publicaram em comunicado.

Com um disco lançado ano passado, “High As Hope”, Florence e sua banda se preparam para embarcar em uma turnê pela América do Norte no mês que vem.

>>

Feliz ano novo e Feliz Beirut novo! Ouça a linda “Landslide”

>>

Captura de Tela 2019-01-10 às 3.18.10 PM

Captura de Tela 2019-01-10 às 3.18.31 PM

* Um dos discos mais aguardados do ano é o da adorada banda americana Beirut. “Gallipoli”, o quinto álbum da formação que era um projetinho solo de Zach Condon e virou uma celebradíssima banda adorada inclusive no Brasil de um modo, hum, “extravagante” até (sabe dessa história?), sai agora dia 1º de fevereiro.

O naipe de “Gallipoli” pode ser sacado já com os dois espetaculares primeiros singles lançados. O da faixa-título, que foi mostrado no fim de outubro, e o dessa novíssima “Landislide”, a surgir hoje com um arrasador vídeo também na pegada “Game of Thrones”, do tipo da história da música nova do Fat White Family, postada aqui hoje.

O negócio é TÃO “Game of Thrones”, mas TÃO “Game of Thrones”, que o vídeo da canção nova traz realmente um ator da famosa série, que tem sua volta, na oitava temporada, programada para abril, mantendo a respiração de muita gente presa até lá.

“Landslide”, o vídeo, é estrelado por Ian Beattie, que na série teve papel importante, fazendo o “terrível” cavaleiro Ser Meryn Trant, que digamos assim fez mal a três garotinhas, uma delas a Arya Stark, e teve um fim algo doloroso.

Filmado todo no Cazaquistão, a parte visual de “Landslide” é acachapante de bonita, dá uma olhada aí embaixo. E, na historinha do vídeo, dá até para simpatizar com o ator irlandês, desta vez.

“Gallipoli”, o novo disco, trará 12 faixas. Seu nome é tirado de uma comuna italiana onde fica o famoso complexo de estúdios sonoros em que Zach Condon finalizou o álbum. Logo depois do lançamento, o Beirut sai para uma turnê mundial. Eu seeeeeeeeeeei, eu seeeeeeeeeeeei…

>>

O Melhor do Twitter: “O Inverno Chegou” – The Gemidão edition

>>

***
Já caiu no Gemidão do Zap hoje? Quantas vezes? Se bem que Game of Thrones voltou e nada mais importa, nem gemidão no almoço da família, nem Ed Sheeran fazendo indie medieval, nada! A expectativa foi tanta que o inverno estreou na mesma semana trazendo nossos bonecos de Neve®, os curitibanos sem frio, nossos resfriados e os lindos looks da estação mais chique do ano. Tivemos também A novA Dr Who, que só não feriu mais o orgulho macho que o Rodrigo Hilbert, este sim uma ameaça ao homem brasileiro. Tirando isso, tivemos o Lula, o Dória, o Maia, o Neymar e o Joel Santana. Ah, e o Alexandre Frota brigando com o Cazuza.
***

James of Thrones. Teaser da nova temporada de “Game of Thrones” desencava o maravilhoso James e sua “Sit Down”

>>

Captura de Tela 2017-03-31 às 1.36.54 PM

* Incrível como os caras conseguem. A HBO liberou há algumas horas um trailer oficial da aguardadíssima nova temporada da série “Game of Thrones”, a sétima. Não bastasse ser de arrepiar, eles editaram o teaser com uma trilha sonora que eclipsa, do nada, um velho sucesso pop britânico, a música “Sit Down”, da saudosa banda James.

“Sit Down” foi um sucesso absurdo na Inglaterra em 1991, dessas de tocar por todo lugar que se ia. Isso em 1991, repito o ano, para você lembrar que é a época da avalanche americana do rock indie metal sujo do Nirvana e do grunge. Mas a música tem uma história engraçada.

O James é na real do começo dos anos 80, banda de Manchester. Lançou o single “Sit Down”, uma homenagem a Patti Smith, em 1988/89 e nem coceira fez em vendagens, paradas, cena etc. Eis que a música inglesa em geral, mas principalmente a de Manchester, tempos depois e graças a grupos como Stone Roses, Inspiral Carpets e Happy Mondays, começou a bombar. Inclusive nas college radios americanas. Era o que seria um pré-britpop.

E o James, com sua coleção de músicas boas da época, foi na mesma onda. Então resolveram relançar “Sit Down”, mais radiofônica e com a letra um pouco mudada. Booooom!!!!

O começo da letra, antes do refrão pegajoso e repetitivo que pede para alguém sentar perto de Tim Booth, o vocalista figura do James (foto lá em cima), é triste assim:

“I sing myself to sleep
A song from the darkest hour
Secrets I can’t keep
In sight of the day
Swing from high to deep
Extremes of sweet and sour
Hope that God exists
I hope, I pray”

A música, uma canção de desespero que é um dos hinos de época mais alto astral do pop perfeito britânico, virou um inferno na onipresença. O radialista John Peel adotou “Sit Down”, a Radio One, a rádio GLR (fortíssima no indie na época), o “Melody Maker”, o “New Musical Express”, o programa de TV “Top of the Pops”, os pubs.

Captura de Tela 2017-03-31 às 1.36.20 PM

Na magistral edição do Reading Festival de 1991, “the year that punk broke”, uma das maiores escalações de um festival, pelas bandas da hora e os movimentos da hora, a mesma edição que o Nirvana estava aparecendo com sua turma grunge e tocou de dia no primeiro dia no palco principal, para umas 3 mil pessoas, e voltaria no ano seguinte como grande headliner do festival tocando para 100 mil, o James foi a grande atração do segundo dia do evento, provavelmente tocando para umas 60 mil pessoas.

Juro por Deus, porque eu estava lá. Na hora de “Sit Down”, o Reading Festival inteiro SENTOU!!!!! Pensa nisso.

Captura de Tela 2017-03-31 às 1.35.24 PM

O cartaz cortado do Reading de 1991. O Nirvana tocou abaixo, no primeiro dia. O James foi o headliner do segundo

Vamos ver o quanto vai durar essa sobrevida de “Sit Down” e se de alguma forma o James e suas belas canções pop indie-dance inglesas sejam revividos.

Eis o lindo trailer do novo “Game of Thrones” e o vídeo original de “Sit Down”, de 1991.

>>