Em giovani cidreira:

POPLOAD ENTREVISTA: Tem live nesta segunda com GIO

1 - cenatopo19

* Aqui na Popload ficamos de cara com “Nebulosa Baby”, o novo solo do músico baiano GIO. Produção do Benke Ferraz, participação de quase toda a CENA (repara, tem Alice Caymmi, Jadsa, Luiza Lian, Josyara, Jup do Bairro, Ava Rocha, Dinho, Maglore, Obinrin Trio e Luê) e uma coleção de músicas bonitaças. Além das boas canções, “Nebulosa Baby” carrega um conceito interessante compartilhado entre disco e sua versão “álbum visual”. “Caminho para o futuro sem me esquecer do que me formou musicalmente. Nada fica para trás”, GIO escreve.

Para entender melhor isso tudo, resolvemos sentar um pouquinho com ele. Hoje mesmo, 8 da noite. A conversa rola lá na Popload TV, nosso canal no YouTube. Então, já chega na notificação e 20h a gente se encontra. Estamos esperando suas perguntas, já que, você sabe, toda live nossa conta sempre com a sua participação importante.

>>

Top 50 da CENA – O sangue negro de GIO tem poder. Parte 2 da Tuyo mantém trio no topo. E a Linn da Quebrada segue no pódio

1 - cenatopo19

* Pensando aqui se esta semana tem algum marco temático. Parece que não. A gente já estava de olho no GIO, a gente já ama a Tuyo, o alcance sonoro do Valciãn, a Mary chegou na gente via Mahmundi, outro amor nosso. Bruno Bruni e Terno Rei também são outras obsessões da casa. Sem falar nos outros sons que seguem mais uma semana no nosso top 50. Acho que encontramos um tema: nossa playlist semanalmente atualizada é o nosso amor por essa CENA maravilhosa que é a brasileira. Você ainda não se apaixonou, não?

giotopquadrada

1 – GIO – “Sangue Negro” (Estreia)
O novo álbum do baiano GIO, anteriormente conhecido como Giovani Cidreira, é uma ida a sua ancestralidade com a chave do afrofuturismo. A faixa “Sangue Negro”, escrita com o primo Filipe Castro, abre a obra – no YouTube um curta deles mostra as origens da família de GIO e suas histórias. Ao resumir um pouco da ideia do disco, Gio escreveu: “É sobre não esquecer que somos pessoas iluminadas, detentoras de um poder ancestral, de um potencial que o sistema racista, que nos mata todos os dias e nos entrega sobras, descarta e nos faz esquecer, retirando o direito de existir na memória, na musicalidade e nas experiências culturais deste país.” Este álbum vai longe, em vários sentidos.

2 – Tuyo – “Turvo” (Estreia)
Velha conhecida dos fãs, “Turvo” é uma canção que finalmente o trio curitibano resolveu colocar em disco. E a vez dela chegou em “Chegamos Sozinhos em Casa, Vol. 2”. Porém, “Turvo” aparece totalmente descontruída da versão conhecida pelos fãs. Acelerada, mais eletrônica e mais suingada, é de longe das canções mais viciantes do álbum. Esta é para tocar um milhão de vezes por aí.

3 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (1)
Que álbum é esse, Linn Da Quebrada? Ela conseguiu repetir o difícil feito de bater de frente com uma grande estreia e seu segundo disco é uma nova superobra em uma simbiose linda com a parceria/DJ/produtora Badsista. Ao propor uma nova sonoridade, Linn lança o questionamento e provoca “algoritmos, gêneros e rótulos” e também a plateia ao apresentar um lado seu que ainda não observamos.

4 – Mary Olivetti – “Black Coco” (Estreia)
Filha do mestre Lincoln Olivetti, a DJ e produtora Mary resolveu reler uma joia do pai, no caso este hit dos anos 70. Na versão atualizada, os vocais são da maravilhosa Mahmundi, que só chegam aos 2 minutos da música. Deu para entender um pouquinho da brisa que são esses seis minutos de som?

5 – Rodrigo Amarante – “Maré” (2)
Um outro segundo disco solo que honrou o compromisso é esse do Amarante, o recém-lançado “Drama”, tão bom quanto a estreia solo. Belas canções e proposta acertada de cantar outros mundos e amores possíveis – sem medo do drama. Falar de amor é sempre revolucionário.

6 – Valciãn Calixto – “Desmitificando Pombagira” (Estreia)
O piauiense registra aqui sua mistura única de funk, axé, swingueira, capoeira, salsa, candomblé e xote, temperada pela sua capacidade enorme para fazer letras simples e bacanas, diretas. E parte para cima de uma tema urgente no Brasil: desmitificar elementos do candomblé e da umbanda. Não por acaso, seu novo EP que saí em breve vai levar o nome de “Macumbeiro 2.0”. Menino bom.

7 – Tagore – “Capricorniana” (3)
Rapaz, que hit imediato o pernambucano Tagore conseguiu criar aqui. Uma conversa direta com o melhor que a música psicodélica na tradição brasileira já produziu – e pop até umas horas, já que a turma curte papo de signo ou “astrologia de buteco”, segundo o próprio vocalista/compositor/guitarrista Tagore Suassuna – até os haters. Afinal haters gonna hate.

8 – Zopelar – “Jump” (4)
Bem interessante esse espertíssimo trabalho do conhecido DJ e produtor de eletrônica da agitada noite e madrugada paulistana, o Pedro Zopelar, de olhar para o passado da música brasileira a partir das pistas – um dos locais onde a música que o toca respira e vive. E conta história. “Um tributo aos DJs dos Bailes das antigas que foram responsáveis por disseminar a mensagem do Funk e Soul em SP”, ele diz. E, ouvindo, nos sentimos indo a esse passado bonito.

9 – Bruno Bruni – “A Onda” (Estreia)
Indie de alma jazz ou o contrário, Bruno Bruni começa a dar as pistas de seu novo álbum. Se “Broovin”, sua estreia, era o trabalho de um homem só, “Broovin II” traz muitos músicos em cada som. A festiva “A Onda” é só o primeiro indicio do que essa mudança de temperatura traz para a obra do músico.

10 – Terno Rei – “Medo” (Estreia)
Chapamos na estética anos 80/rádio retrô desse som. Ainda que esteja em “Violeta”, álbum do Terno Rei lançado em 2019, a banda lançou só agora um vídeo para ela e fez a gente relembrar o quanto ali está um puta disco. Dali a gente vai por “Yoko”, “São Paulo”, “Dia Lindo”. É esperar a pandemia acabar para ver um show dos caras.

11 – Bonifrate – “Cara de Pano” (5)
12 – Nelson D – “Nossa Flecha (L_cio Remix) (6)
13 – Rodrigo Brandão – “O Sol da Meia-Noite” (7)
14 – Criolo – “Fellini” (8)
15 – Bruxas Exorcistas – “Vade Retro Satanás” (9)
16 – Fusage – “Fearless Soul” (10)
17 – Marisa Monte – “Medo do Perigo” (11)
18 – Yannick Hara e Dy Fuchs – “Stalkers e Haters” (12)
19 – Lucas Ranke – “Alucina” (13)
20 – ATR – “Intro’ (14)
21 – Amaro Freitas – “Sankofa” (16)
22 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (17)
23 – Nill – “Singular” (23)
24 – Ana Frango Elétrico – “Promessas e Previsões” (24)
25 – Mineiros da Lua – “Armadilha” (25)
26 – Iara Rennó – “Ava Viva” (26)
27 – Isabel Lenza – “Tudo Que Você Não Vê” (27)
28 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (28)
29 – BNegão feat. Paulão King – “Cérebros Atômicos” (29)
30 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (30)
31 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (32)
33 – Jonathan Ferr – “Amor” (33)
34 – Jadsa – “Mergulho” (34)
35 – Mulungu – “A Boiar” (35)
36 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (36)
37 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (37)
38 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (38)
39 – Zé Manoel – “Como?” (39)
40 – Yung Buda – “Digimon” (40)
41 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (41)
42 – FEBEM – “Crime” (42)
43 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (43)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – BaianaSystem – “Brasiliana” (45)
46 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (46)
47 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (47)
48 – Mbé – “Aos Meus” (48)
49 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
50 – LEALL – “Pedro Bala” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, GIO, ex-Giovani Cidreira.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

GIO, ex-Giovani Cidreira, reúne “quase” a CENA toda em seu novo disco solo

1 - cenatopo19

* Ainda que nas plataformas de streaming a gente siga achando ele por Giovani Cidreira, sabemos que seu nome agora ele é GIO. E GIO lançou seu aguardado segundo álbum solo. “Nebulosa Baby” é mais uma parceria do baiano de Salvador com Benke Ferraz, guitarrista do Boogarins nas vezes de produtor, ele que já tinha colaborado com GIO nos EPs “MixStake”, solo, e “Mano*Mago”, encontro de GIO com Mahal Pita.

Gio - Nebulosa Baby

Antes de qualquer outra palavra sobre “Nebulosa Baby”, vale ressaltar a primeira coisa que deixa a gente de cara neste disco, da capa acima. As participações do álbum são quase que uma retrospectiva dos nomes que mais elogiamos no Top 50 da CENA desde sua criação. Saca só a lista: Alice Caymmi, Jadsa, Luiza Lian, Josyara, Jup do Bairro, Ava Rocha, Dinho do Boogarins, Maglore, Obinrin Trio e Luê. Sério, tá mais fácil pensar quem ficou de fora. Concorreu aí com o Kanye West, quem consegue a melhor lista de feats. da história.

Mas exagero nosso à parte, a bela obra vem acompanhada ainda de um parte visual, elaborada por GIO com Edvaldo Raw, cineasta de Salvador – essa luxuoso adendo imagético não traz o álbum completo, mas parte da produção em 14 minutos de uma história que busca “uma manifestação diversa e expandida da realidade”. E olha, está tudo lindão. Se liga:

***

* A foto de GIO, que ilustra a chamada deste post na home da Popload, é de Alex Oliveira.

>>

CENA – Giovani Cidreira lança single novo bonitaço, que puxa websérie e novo álbum. E pode chamá-lo agora de GIO

1 - cenatopo19

* O cantor e instrumentista baiano Giovani Cidreira, nosso The Weeknd tem vezes, como esta agora, está lançando hoje seu mais novo single, a bonitaça “Nebulosa”, com a conterrânea Jadsa no rolê, que está saindo pelo selo Risco.

“Nebulosa” chega dentro de um projeto que Cidreira está iniciando e que vai envolver, ainda, sua mudança de nome. A partir de agora ele assina GIO. Dando sequência, na semana que vem estreia uma websérie de cinco episódios que o cantor vai botar em seu Youtube, para contar sua história de construção de vida no famoso bairro Valéria, na periferia profunda de Salvador, e suas ancestralidades.

Daí, no dia 17 de junho, chega o disco cheio de GIO, seu primeiro álbum visual, chamado “Nebulosa Baby”, seu segundo álbum com seu nome (ou novo nome), feito em parceria com o músico e produtor Benke Ferraz, do Boogarins.

Foto Alex Oliveira (2)

“Nebulosa”, o single, que traz a marca da não convencionalidade sonora que marca o ex-Giovani Cidreira, tem autoria dividida com Jadsa, que ainda empresta sua voz, e apresenta Filipe Castro na percussão. Está nela o vocal bastante mexido de GIO, além de suas “sujeirinhas” eletrônicas dentro de suas canções quase melancólicas, o que o linka com a história do Weeknd brasileiro, de músicas muitas vezes tristes que ainda assim trazem um “up” pela sonoridade.

Ou seja. Sai Giovani Cidreira, entra GIO. E o jogo continua ganho.

***

* As fotos de GIO, deste post e a da home, são de Alex Oliveira.

>>

TOP 50 DA CENA – Sobre haters e lovers, Carne Doce chega ao topo. Ranking traz guitarras altas, um oferecimento de Autoramas, The Baggios e Cat Vids

1 - cenatopo19

* Não tinha para ninguém. Não fosse pela força de cada uma das suas canções, praticamente todas talhadas para pelo menos engatar um top 3 aqui, a completude deste novo álbum lançado sexta passada bota o grupo goiano Carne Doce no topão do nosso ranking. Mostrando seu “interior”, seu lado bom por dentro, ainda que com espinhos.
E, como ninguém pode parar os Autoramas, como eles sempre disseram, toma um rock no segundo lugar. Seguido de perto por um “rockão” em quarto, do da banda sergipana The Baggios. E sem mencionar já mencionando o aspecto aspiracional roqueiro desta semana com o Cat Vids, a banda-gato que surfa a surf music do Autoramas quase na mesma onda.
Em terceiro está o Matuê, segurando firme o trap brazuca no top 3.
O ranking ainda traz profecias, artes visuais, axé-indie e baladinhas gaúcho-californianas.
Que ranking é este!!!

WhatsApp Image 2020-09-23 at 12.36.27

1 – Carne Doce – “Hater” (3)
Carne Doce e seu disco novo estreiam no topo. Não tinha outro jeito. Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”.
2 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (Estreia)
Repare. A gente ainda precisa de banda como os Autoramas. “Dinâmica de Bruto”, nome ótimo, está no mesmo EP a ser lançado pela banda neste mês, em vinil, pela gravadora espanhola Family Spree Recordings. A música tem um viés político e um vídeo beatlemaníaco, por assim dizer. É ver para entender.
3 – Matuê – “Máquina do Tempo” (1)
Será que agora o trap nacional rompe sua já gigante bolha de popularidade e alcança os números do mainstream brasileiro? Vale acompanhar a esperta pegada do Matuê neste som do seu primeiro álbum. Um trap acelerado e divertido que dá um leve aceno para o pop em um bem sacado sample de uma linha de baixo do Charlie Brown Jr. Este som já irritou youtubers conservadores, algo que sempre é saudável.
4 – The Baggios – “Hendrixiano” (Estreia)
“Hendrixiano” é um “rockão” em homenagem ao grande guitarrista americano Jimi Hendrix, cujo aniversário de 50 anos de sua morte se deu neste final de semana. O fuzz é carregadão mesmo, parte do tributo ao maior guitarrista da história. Surra de riffs, com sotaque sergipano. Coisa fina.
5 – JP – “Eu Quero Perder Você” (2)
Um inspirado suinguezinho indie-MPB indicado para ouvir num fim de tarde em Itapuã. Mas, se não for possível a indicação, serve para ouvir bem em qualquer outro lugar. Estamos gostando demais desta nova fase do mineiro JP, ex-indie atual axé.
6 – Nobat – “Cárcere” (Estreia)
Musicada em cima de letra poética-profética que Nobat fez em parceria com o amigo poeta Marcelo Diniz, este som é a trilha sonoras destes tempos. Tem participação vocal de Giovani Cidreira, para completar a dramacidade da coisa. Detalhe que a canção estava escrita havia doze anos. Eu, hein?
7 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (5)
Uma música sobre a banalidade da vida do jovem nos dias atuais. Gabrre tem 22 anos e sabe do que está falando. Título em português, letra em inglês, a forma do título e um belo som que dá vontade de dar um rolê noturno, ainda que um rolê errado. Saudade disso, hein?
8 – Cat Vids – “Ash Ketchum” (Estreia)
Loucurinha boa este som. Veloz e pegajoso. Daquelas músicas que pede por repetições. A participação especial da Brvnks abrilhanta ainda mais o jogo.
9 – PLUMA – “Leve” (6)
Grupo novo esperto que saiu de um TCC. Todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Que pelo visto foi bom e proveitoso, já que a banda tira um som de muita qualidade no estúdio. Coisa fina.
10 – Luiza Lian – “Geladeira” (Estreia)
Daqueles casos em que o belo vídeo recupera uma música na nossa cabeça. Luiza sempre acertando em suas produções visuais e ampliando suas ideias musicais.
11 – Bruno Del Rey – “O Amigo Que Esperava” (Estreia)
12 – BK – “Movimento” (4)
13 – Nana – “Independência ou Morte” (7)
14 – Kill Moves – ““Timeless Visions” (8)
15 – O Cientista Perdido – “Não Cabe Em Você” (9)
16 – Terno Rei – “São Paulo (Acústico)” (10)
17 – Vivian Kuczynski – “Pele” (11)
18 – Alfamor – “Semente” (12)
19 – Boogarins – “Cães do Ódio” (13)
20 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (14)
21 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (15)
22 – Luiza Brina – “Oração 12” (17)
23 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (18)
24 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (19)
25 – Mai – “Bananeira de São Tomé” (20)
26 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (21)
27 – Nuven (feat. Apeles) – “Janela” (22)
28 – Wry – “Travel” (24)
29 – Thunderbird – “Insuportável” (25)
30 – Letrux – “Vai Brotar” (26)
31 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (27)
32 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (28)
33 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (29)
34 – Marcelo Perdido – “Bastante” (30)
35 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
36 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
37 – Duda Brack – “Contragolpe” (37)
38 – Don L – “Kelefeeling” (38)
39 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
40 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
41 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
42 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (42)
43 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
45 – Douglas Germano – “Valhacouto” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é da banda Carne Doce, em foto de Jaime Silveira.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>