Em glass animals:

Top 10 Gringo – The Vaccines puxa o “ranking do otimismo”. Vem com a gente, com a Jorja Smith, a St. Vincent, o Glass Animals, o Noel, a Olivia Rodrigo…

>>

* Talvez a questão mais importante identificada neste Top 10 seja um indicio de que músicas alegres e otimistas estão na ordem do dia. Dos gringos, no caso. Que já começam a ver uma luz no fim do túnel da pandemia, com galera vacinada e a retomada dos eventos gigantes. Nós ficamos aqui só observando? Por ora, são duas canções muito alegres no ranking, mas não se espante se esse número explodir em breve. Nesta era da música jovem vinculada bastante aos questionamentos da saúde mental, observemos.

justinvaccinestopquadrada

1 – The Vaccines – “Headphones Baby”
No mundo que já tem vacinas (a gente é desse tipo de piadista…) começa a nascer um punhado de músicas extremamente otimistas. Ainda que sejam dias complicados, é a esperança de um retorno às ruas, aos shows. E é nesse perfil que está o novo hit de Justin Young e cia. Talvez eles nunca tenham soado tão pop, tão cantarolável, o que pode alterar o patamar da banda no mundo se a música cair no gosto de todo (o) mundo. E é meio a ideia, se pegarmos os versos: ““Eu quero viver dentro de seus fones de ouvido, baby. Eu quero viver dentro de qualquer mundo em que você esteja”. A gente quer viver dentro desta música.

2 – Jorja Smith – “Addicted”
Após uma excelente estreia, Jorja lança um disquinho que é grande demais para um EP, mas que ainda não é seu segundo álbum. O que for, mantém a excelência musical, voz e bom gosto absurdos. E mais, “Addicted” tem um refrão viciante. Tem classe e é pegajoso, duas coisas que não costumam andar juntas? Mas Jorja consegue o improvável. Na segunda vez que ela canta, você já quer chegar no falsete com ela: “The hardest thing…”

3 – St. Vincent – “…At the Holiday Party”
Complicado escolher uma só do disco novo da St. Vincent. Já destacamos alguns singles aqui antes, que tal algo surpreendente? Vale prestar atenção neste número com gosto country e uma voz que soa muito similar a momentos maravilhosos da Joni Mitchell. Não é a St. Vincent que a gente se acostumou a ver, mas é uma St. Vincent tão legal quanto sempre.

4 – Glass Animals – “Space Ghost Coast to Coast”
É por conta de um vídeo bizarro que a gente resgata por aqui um som de 2020 do adorável Glass Animals. Sempre bom lembrar quanto talento tem na cabecinha do menino inglês Dave Bayley. Que doideira boa é capaz de sair dela.

5 – Sleater-Kinney – “Worry with You”
Sendo uma das bandas mais legais da face da terra, a atual dupla Sleater-Kinney (Corin Tucker e Carrie Brownstein) nem precisa sem esforçar muito para agradar a gente, ainda que, digamos, seu tempo já tenha passado. Será que já mesmo? Nesta nova empreitada, a primeira sem a baterista de longa data Janet Weiss, elas mostram que a possível divergência musical que rendeu o rompimento ainda não está clara, já que a banda manteve sua essência em boa medida. Ou deixamos escapar algum detalhe?

6 – Black Keys – “Walk with Me”
Mestre do blues, David Kimbrough, Jr. quase passou pelo mundo sem o devido reconhecimento. Em seus últimos anos, um documentário resgatou seu trabalho e colocou ele perto de nomes como U2 e Keith Richards. Fãs de seu repertório, a dupla do Black Keys pegou diversas preciosidades do mestre para seu disco de covers. Quem escuta “Walk with Me” sente o quanto a dupla já tentou escrever algo nessa mesma linha.

7 – Green Day – “Pollyanna”
Assim como nosso primeiro lugar, o Green Day escreveu uma ode ao otimismo. A banda também encara a volta à normalidade com uma turnê por estádios a caminho já no verão dos EUA. Pensando aqui qual vai ser a reação dos brasileiros quando notarem que tudo voltou ao normal, menos por aqui… Vai passar!

8 – Olivia Rodrigo – “Good 4 u”
O novo furacão pop, saído do colorido mundo da Disney, dá seus primeiros e grandiosos passos em sua carreira solo. Em seu terceiro single após dois estrondosos sucessos, a pegada é quase roqueira com direito a todos os lugares comuns de um som roqueiro, mas vale curtir a linha de baixo do começo. Nem parece que é um provável hit pop do ano.

9 – Noel Gallagher – “We’re on Our Way Now”
É curioso que Noel já revisite sua carreira solo de apenas três discos em uma coletânea. Ainda que celebre 10 anos de nova estrada, ele precisa disso? Mas, de todo modo, vale pela novidade “We’re on Our Way Now”, uma baladaça ao seu estilo e que parece fazer com o Oasis aquilo que o Oasis fazia com os Beatles, sabe? Aquele monte de deixas que lembram outros sons? Mas nem vale ficar de teoria da conspiração, pois ele recentemente disse que não vê esse retorno da antiga banda no horizonte. Tipo não está a fim, em palavras dele.

10 – Squid – “G.S.K.”
A gente repete o som do Squid aqui mais uma semana para destacar nossa paixão ainda crescente pelo disco de estreia desta banda, que rendeu um post enorme dando uma avaliada na repercussão do som deles pelo mundo – nota alta na Pitchfork, texto na New Yorker, entre outros feitos. Acho que andam lendo nosso Top 10, só pode ser.

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é o Justin Young, do Vaccines, animado. Desculpa o trocadilho.
* Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Glass Animals lança o vídeo bizarro mais legal do ano. Veja “Space Ghost Coast to Coast”

>>

Captura de Tela 2021-05-14 às 10.47.35 AM

* Quanto talento tem na cabecinha do menino inglês Dave Bayley, não?. O dono do Glass Animals, banda que a gente não cansa de adorar por aqui, sacou uma música de seu espertíssimo álbum do ano passado, o “Dreamland”, disco da primeira leva mental da pandemia, para transformar em single e vídeo espetacular. Então tome aí “Space Ghost Coast to Coast”, vídeo que a recomendação é só “veja”, porque não dá para descrever de tão legal.

“Space Ghost Coast to Coast” já é legal porque tem uns cantos de Londres ao fundo, parque, metrô. E, percebe-se, é tão genial e plástico quanto simples. “Todo vídeo que a gente tem feito deste disco foi realizado no pico do lockdown. Então precisava ser criativo”, explica o explicável Bayley. Criativo e com talento.

O vídeo nasceu de uma ideia inicial do diretor Max Siedentopf, em filmar Bayley dançando na rua, da janela do apartamento. A piração surreal do resultado final veio da cabeça do glass animal.

Space Ghost Coast to Coast, no sentido em si, é um antigo desenho do incrível fantasma super-herói Space Ghost quando ele foi levado a fazer um programa de entrevistas, paródia dos muitos late shows americanos, que passava no Cartoon Network no final dos 90, começo dos anos 2000. Tinha esse nome, “Space Ghost Coast to Coast”.

O programa animado Deve ter alguma relação com a infância de Dave Bayley quando sua família morava no Texas, em relação a um amiguinho que ele nunca mais viu depois de voltar para Londres, aos 13 anos, sem ter notícias. Recentemente, Bayley descobriu que aquele amigo, depois de crescido, fez “uma coisa realmente terrível”.

“Space Ghost Coast to Coast”, o vídeo do Glass Animals, está aqui embaixo. Maravilhe-se. Até porque a música é bem boa, também.

>>

POPNOTAS – Free Britney, o primeiro ato do BaianaSystem, London Grammar aliviando o dark, o Ozzy em desenho e, sim,… Foo Fighters

>>

* #FreeBritney. Está gigantesca a volta ao assunto musical da hoje veterana cantora pop Britney Spears, 39 anos, outrora “namoradinha da América” com sucesso absurdo no final dos anos 90, começo dos 00, quando virou o maior nome do milionário “teen pop” da época, foi ícone gay sem ser gay, dominou por anos as atenções na MTV mundial e foi condecorada como “Princesa do Pop”, mas que depois caiu em desgraça com depressão, atitudes perturbadoras, vítima dos tablóides e dos paparrazi (uma coisa leva à outra) e principalmente do próprio pai, responsável por lei de ser seu “guardião financeiro” até hoje.
E é aí que chegamos às discussões do momento sobre Britney: a briga dela na Justiça americana, contra o pai, para tomar conta de sua obra e finanças e até sua vida pessoal. Nestes últimos dias, uma juíza de Los Angeles se demonstrou contrária a várias petições do pai, Jamie Spears, para seguir controlando o espólio da filha como o fez nos últimos 13 anos, incluindo tratamento médico e outros aspectos de sua vida pessoal. Em março o caso volta a ser discutido no tribunal.
No meio disso tudo estreou o documentário “Framing Britney Spears”, filme que fala muito dessa pendenga de Britney com o pai, mas também mostra como a cultura pop falhou miseravelmente com um de seus maiores astros. É um dos documentários produzidos pelo grande jornal americano “The New York Times” e usa no título “framing” no sentido de “enquadrar”, prender num “frame”. Mostra Britney no auge pop até as perseguições dos paparazzi, incluindo os momentos em que ela aparece careca surpreendentemente, num posto de gasolina, em meio a uma visível crise emocional e esmiúça as tretas tutelares com o pai. O documentário e sua grande repercussão em meio aos ainda fãs de Britney, que sustentam a campanha #FreeBritney”, fizeram a Justiça voltar a discutir forte o caso da tutela de Jamie Spears. “Framing Britney Spears” só pode ser visto na plataforma americana Hulu e foi exibido no canal FX. Mas, you know, está “por aí”. Aqui, seu trailer.

* Em abril sai “Californian Soil”, terceiro disco da banda indie-pop inglesa London Grammar, que apesar do nome é de Nottingham. Do álbum, conhecemos em singles as faixas “Baby It’s You” e a boa “Lose Your Head”, que hoje ganhou um remix. Quem assina essa retrabalhada em “Lose Your Head”, cujo original foi lançado agora em janeiro, é nosso amigo Dave Bayley, o líder do Glass Animals. O Hanna Reid, do London Grammar, justificou o remix rápido de seu mais novo single dizendo que a música original é sobre controlar e se controlar em relacionamentos e tem uma letra meio dark. Então quis entregar para a música uma versão mais alegrinha, com esta “Lose Your Head – Dave Glass Animals Remix”.

* O grande Ozzy Osbourne fez ele e seu brother Post Malone em desenho animado para transformar em vídeo a música “It’s A Raid”, a faixa de seu mais recente disco, “Ordinary Man”, com a qual o rapper roqueiro cara-tatuada colaborou. O vídeo conta a historinha real da letra de “It’s a Raid”, quando em 1972, numa sessão de gravação do grande disco “Vol. 4”, do Black Sabbath, todo mundo chapadaço, Ozzy sem querer ativou o alarme de segurança e a polícia baixou em peso. Acontece. Com o Ozzy.

* CENA – O bombado grupo BaianaSystem vai lançar seu novo álbum “OxeAxeExu” em três diferentes atos. O primeiro leva o nome de “Navio Pirata”, o nome do bloco da banda, e saiu nesta nesta sexta-feira. A viagem deste “primeiro ato” é uma “trajetória que reconecta América e África numa mesma latitude tropical, une Bahia e Tanzânia”. Se o mar antes era de gente, desta vez vai só pela internet mesmo. Os próximos atos devem navegar em águas latinas. Na semana que antecede um Carnaval sem Carnaval – e sem rua, hein, pelo bem de todos -, o Baiana estreia o vídeo da música “Nauliza”, também nesta sexta, às 18h, no canal do grupo no Youtube.

* No nosso cantinho de notícias do Foo Fighters dentro do POPNOTAS, trazemos uma inédita deles. Inédita no sentido de ser a performance ao vivo de uma música do disco novo, “Medicine at Midnight”, que seja diferente das 7653 vezes que eles gravaram um ao vivo dos singles já batidaços do décimo álbum, que saiu só tem uma semana hahaha. Esta é para “Making a Fire”, a boa faixa que abre o trabalho novo. Esta é quase um vídeo oficial. Foi a própria banda que postou a versão ao vivo da música que talvez mais se aproxime daquela história do Dave Grohl de buscar fazer um disco tipo “Let’s Dance”, do Bowie, pelos “nanananás” da canção.

>>

Glass Animals, rumo à popularidade, faz session maravilhosa na BBC. Com a Arlo Parks, ainda por cima

>>

Captura de Tela 2020-11-30 às 3.08.59 PM

* A gente já sabe por aqui que o futuro do Glass Animals, a banda do genial Dave Bayley, é o absoluto sucesso pop. Espere e verá. Basta olhar os números. “Dreamland”, terceiro disco da banda, conseguiu alcançar o segundo lugar das paradas britânicas, seu melhor resultado na história dos caras.

E vale reparar nos detalhes. Dave luta pra cacifar a banda no grande hall do pop mundial. “Tangerine” é uma composição dele com a artista Starrah, uma mina supertalentosa que tem no seu currículo coisas como “Havana”, da Camila Cabello (ok, ok…), “Girls Like You”, do Maroon 5 (ok, ok…), entre outras colaborações com outros nomes gigantescos. Beyoncé e Madonna te dizem algo?

Para dar um gás extra na faixa, a banda regravou recentemente “Tangerine”, com a Arlo Parks (agora sim), outra que vem forte aí para 2021 – talvez ela já bombasse mais do que já bombou este ano, pelo menos na Popload haha.

E a parceria Glass Animals/Arlo Parks ganhou delicioso registro ao vivo no programa “Live Lounge”, da BBC Radio 1, session que uma banda toca seu single e uma cover.

E por lá ainda teve um cover de outro hit do ano, “Mood”, do rapper 24kGoldn.

>>

Atenção, festivais e bandas. Glass Animals vai ao James Corden contar como vai fazer a “live diferente” em show a distância de outubro

>>

Captura de Tela 2020-09-24 às 1.37.53 PM

* Achei uma janela aberta aqui das 70 que eu abro no meu computador de uma parada que eu esqueci de pautar, mas que posto agora porque é muito boa. A participação do grupo inglês Glass Animals no programa do esperto James Corden, dia destes na TV americana.

Glass Animals é a banda do talentosíssimo Dave Bayley, um dos caras mais proativos da pandemia, ao abrir câmera em seu apartamento/estúdio em Londres para quebrar a monotonia do distanciamento social interagindo com fãs, produzir ele mesmo vídeos incríveis, fazer uma série de covers legais e ter lançado em agosto um bom álbum, o terceiro de seu projeto, chamado “Dreamland”.

Primeiro Corden abriu uma janela para conversar com Bayley sobre a experiência única que promete ser um live show em streaming que o Glass Animals vai fazer no dia 16 de outubro, chamado “Live in the Internet”, exatamente uma “experiência audiovisual”, um apanhado de tudo que ele fez neste 2020 pandêmico.

Captura de Tela 2020-09-24 às 1.17.34 PM

Glass Animals e a internet são conectados há muitos anos. E o que eles anunciam, com venda de ingressos a partir de amanhã e quatro transmissões diferente para atender convenientemente a todas regiões do mundo, é um misto de show (do “Dreamland” todo), performances virtuais, convidados especiais e interação com os fãs. Bem Glass Animals mesmo.

No Corden, o grupo de Bayley tocou “Tangerine”, single esperto do novo disco, em uma performance gravada no habitat deles, num cenário bolado por eles e truquinhos de edição com a cara de Bayley. Que banda!

Dá uma olhada.

>>