Em gordon raphael:

Conexão Strokes-Audac. Leia agora entrevista com Gordon Raphael, produtor do "Is This It", que gravou o disco de estreia da banda curitibana

>>

* Dando continuação ao post desta manhã, que espelha o que foi publicado de forma editada na “Folha de S. Paulo” de hoje, leia entrevista na íntegra, feita no Facebook, com o produtor americano Gordon Raphael. Ele foi o cara que gravou as primeiras músicas dos Strokes, em 2001, e esteve no Brasil recentemente para produzir o primeiro disco da banda curitibana Audac, recém-lançado. Seguem ainda um making of cool das gravações e mais duas músicas do disco, homônimo.

Como está seu trabalho hoje em dia, 12 anos após o “caso Strokes”?
Gordon Raphael –
Meu apartamento e meu estúdio são em Berlim, na Alemanha. Mas neste ano eu saí de lá em janeiro, já é agosto e ainda não voltei. Viajo para gravar e produzir bandas por aí, tocar minhas próprias músicas. Ultimamente tenho olhado meu Facebook e email e encontrado mensagens da Rússia, Brasil, Argentina, México e Califórnia de bandas que querem fazer discos. Os meninos do estúdio Ouié Tohosounds me convidaram para ir a Florianópolis gravar umas bandas e me colocaram em contato com o Audac. Fiquei envolvido com a banda. Fizemos músicas incríveis em Florianópolis.

O que você achou quando ouviu a banda pela primeira vez? Depois, com o disco pronto, como você acha que contribuiu para a música dela?
Raphael –
Na primeira vez em que eu ouvi o Audac na internet, achei que eles realmente tinham talento, e gostava da atmosfera das músicas deles. Achei que eles tinham uma forte pendência ao eletrônico, uma pegada trip hop moderna. Era uma ideia um pouco errada, porque eu não percebi na internet o quanto eles eram uma banda de rock até vê-los ao vivo dois dias antes de gravá-los. Então mudei tudo o que eu tinha planejado no estúdio para eles. Percebi que teria que capturar uma grande guitarra, um baixo pulsante e uma bateria poderosa, além dos sintetizadores e duas incríveis vozes. Fiquei positivamente surpreso quando os vi ao vivo.

O Audac, de Curitiba, em foto de Alexandre Cardinal

Você acha que a Audac poderia ter suas músicas tocadas em rádios americanas e inglesas? Ou mesmo fazer shows nessas cenas?
Raphael –
Acho que esse disco pode ser apreciado em qualquer parte do mundo, na verdade. Musicalmente ele tem muito a oferecer! Há algumas músicas incríveis que tocariam facilmente nos EUA e na Europa, como “Brian May Coin” e “Dark Side”, por exemplo. Elas são maravilhosas (para ouvir).

Você conheceu alguma outra banda brasileira além da Audac?
Raphael –
Conheço mais uma banda brasileira, a Adam y Juliet, que eu gostei muito! Mas também é só isso. Sinto informar que a minha educação em música brasileira não é muito vasta ainda! Claro que mal posso esperar para voltar ao país, conhecer outras bandas e trabalhar com elas.

Lá atrás, em 2000, 2001, como você se envolveu com os Strokes?
Raphael –
Conheci os Strokes em um clube bem pequeno, o Luna Lounge, em Nova York. Eles estavam tocando lá e eu queria levar bandas novas de que eu gostava na primeira impressão ao meu estúdio novo, Transporterraum, que era bem perto do bar. Convidei-os e gravamos três músicas para uma demo, que para minha surpresa acabaram lançadas como o EP “Modern Age”, pela Rough Trade, de Londres. Foi aí que as coisas começaram a acontecer! Certamente tudo mudou na minha vida e na deles depois que eu os conheci e depois que esse EP foi lançado. Sou muito grato a tudo isso.

Quando você começou a gravar essas três primeiras músicas dos Strokes que viraram o EP, você percebeu que eles podiam mexer com a música jovem à época do jeito que eles mexeram?
Raphael –
Eu não tinha ideia de que alguém sequer ouviria uma música dos Strokes fora daquele estúdio! Na verdade, achei que o mundo já estivesse cansado de música com guitarras, porque em Nova York, na época, tudo girava em torno de DJs, techno e música pop bobinha (na minha opinião!). Então, eu fui pego de surpresa quando o Strokes viraram uma “sensação”, marcando a cultura do rock e da música moderna.

Como sua vida mudou depois do trabalho em “Is This It”?
Raphael –
Bem, depois do “Is This It” fui convidado para muitas festas! Depois, várias bandas me chamaram para gravar e produzir. Não exatamente bandas famosas ou com gravadoras, mas músicos jovens do mundo todo. É um jeito muito bacana de se trabalhar, porque tudo é “verdadeiro” e fresco – eu me irrito um pouco com músicas muito “artísticas” ou poéticas. Além disso, consegui comprar mais guitarras, baixos, bateria e sintetizadores para as minhas próprias músicas, o que me ajudou muito. Daí, eu me mudei para Londres e depois, finalmente, Berlim, para onde vou em setembro para checar como andam meu apartamento e minha coleção de discos. Já estou pronto para voltar, tem sido um ano bem maluco e maravilhoso. Ainda bem.

Na sua opinião, existe espaço hoje na música para um “novo Strokes”?
Raphael –
Eu acredito que o próximo fenômeno da música vai aparecer na forma de um mistério e será inesperado. Adoro quando coisas que são estranhas e não “pegam” em um ano e daí, de repente, do nada, ficam superimportantes no ano seguinte! Assim como foi com os Beatles, The Strokes, Mudhoney, Nirvana. Então, eu sempre acho que o próximo fenômeno, que vai mudar nossos corações e mentes e também a cultura, virá de um lugar novo e surpreendente! Talvez Brasil ou Argentina! Quem sabe? Estou lançando um selo no México agora, chamado Shoplifter Records, e vamos trabalhar com bandas da América Latina, EUA e Europa. Talvez África, também… Então, fiquem de olho na nossa primeira coletânea! Espero que o Audac esteja nela, assim como as minha próprias músicas.

>>

Descobridor dos Strokes descobre o Audac, de Curitiba

>>

Você não bota fé, mas essa história de “novos curitibanos” não é bafo. Eis acima o Audac sendo produzido por Gordon Raphael, o gigante na foto, à direita, o cara que produziu os primeiros Strokes. Foto é de Gabriel Franco

* O texto abaixo, a respeito do primeiro disco da banda curitibana Audac, mais a entrevista com Gordon Raphael, o “descobridor dos Strokes”, saíram na edição de hoje da “Folha de São Paulo”. Como sempre, reproduziremos aqui na Popload a versão na íntegra, ampliadaça.

Gordon Raphael, você sabe, não descobriu nada. Ele só estava na hora certa no lugar certo. Tanto lá em Nova York em 2000/2001 como em Florianópolis em 2013. A coisa toda é assim:

“Quando o americano Gordon Raphael me interpelou no Facebook perguntando se eu tinha ouvido o disco novo da Audac, banda de Curitiba, achei que tinha algo estranho nessa abordagem. Raphael é o produtor do primeiro EP da banda nova-iorquina Strokes, lá no começo do ano 2000, e logo na sequência assinou também a produção do extrafamoso primeiro álbum do grupo, “Is This It”. Ele carrega consigo a responsabilidade conjunta de à época ter mudado de alguma forma a cena roqueira e a música indie que é ouvida até hoje.
A pergunta sobre a Audac não tinha que ser de mim para ele?

A real é que Raphael esteve alguns dias no Brasil em julho, para participar de um workshop no estúdio Ouié Tohosound, em Florianópolis, a convite de uma rapaziada que recebe bandas novas brasileiras e argentinas para gravações e intercâmbios sonoros.
O produtor, que estava na Argentina, desviou sua rota a convite do estúdio brasileiro para, entre outras coisas, escolher uma banda brasileira para trabalhar. A ele foram mostradas cinco. Ele escolheu a Audac.
Grupo do novo rock de Curitiba, a Audac é formada por duas garotas, Alyssa Aquino (vocal e sintetizadores) e Debora Salomão (baixo e vocal), mais o guitarrista Alessandro Oliveira, ex-Copacabana Club, e Pablo Busetti, baterista.

À custa de um bom EP lançado no ano passado, “Bunker”, e no calor de uma certa ebulição da música nova curitibana, a Audac conseguiu um crédito indie na blogosfera e ainda fazer alguns shows fora do Paraná com sua música que é o mais perto que uma banda de rock pode chegar de uma viagem trip hop, vale a redundância.
Quando Gordon Raphael botou seus ouvidos na Audac pela primeira vez, achou uma talentosa banda de um som mais atmosférico, voltado à eletrônica. Escolheu os curitibanos. Mas calhou de vê-los tocarem em um bar de Florianópolis, poucos dias antes de gravarem no Tohosound, e achou que ao vivo a banda tinha uma importante guitarra e uma levada mais rock. Encantou-se com a Audac. E mudou os planos que tinha para ela, no estúdio.

O resultado desse encontro da Audac de Curitiba com o primeiro produtor que botou as mãos nos primeiros trabalhos dos Strokes (o segundo álbum, “Room on Fire”, também tem sua assinatura) acaba de ser lançado na internet, para venda no iTunes e audição no Soundcloud e no site da banda. O disco é bem bom.

O álbum de estreia do grupo brasileiro, homônimo, tem sete músicas, uma dela uma faixa de 37 segundos de introdução. Não está previsto o lançamento dele em CD. Já a versão em vinil chega em até dois meses.
Segundo o homem que moldou as primeiras músicas dos Strokes, músicas como “Brian May Coin” e “Dark Side,” do Audac, são canções que poderiam muito bem tocar nas rádios dos EUA e Europa.”

** Leia no próximo post a entrevista com Gordon Raphael, falando sobre sua primeira vez com os Strokes e sua primeira vez com o Audac.

Abaixo, duas músicas do disco do Audac, o primeiro da banda da cena novos curitibanos. As ótimas “Distress” e “Dark Side”.

>>