Em GQ:

Paul duro, parte 1 – McCartney conta em entrevista detalhes sórdidos da vida animadinha dos Beatles

>>

Ele completou há pouco tempo 76 anos de idade, tem quase 60 de carreira, e bem que poderia estar em casa cuidando dos netinhos ou tomando champanhe em uma ilha da Grécia. De lá, pegar seu jatinho particular e ir para outro lugar paradisíaco e fazer deste seu estilo de vida. Mas Paul McCartney prefere ir na contramão.

Um dos maiores gênios que já pisaram na Terra, figura cultuada através das décadas, o ex-beatle prefere… trabalhar. Com um disco novo na praça, “Egypt Station”, lançado semana passada, Paul vai é intensificar seu ritmo e já tem shows anunciados até para 2019, do Japão aos Estados Unidos. E tem passado os últimos dias enfurnado em compromissos comerciais de divulgação do seu novo álbum, como se fosse um mero mortal e precisasse disso.

Uma dessas entrevistas recentes foi para a versão americana da cool GQ. Já na capa, a chamada é “The Amazing Life Of Paul McCartney”. A entrevista é cheia de revelações, especialmente da época dos Beatles, que deixaram muitos fãs um tanto surpresos.

120918_paul_capagq

Na parte leve, Paul contou sobre as aventuras “sexuais” dele e seus companheiros, queridinhos por 10 a cada 10 meninas da época. Macca contou, por exemplo, que certa vez rolou uma masturbação coletiva do grupo. “Eu estava na casa do John e era um grupo pequeno. Em vez de bebermos ou dar uma festa, nem sei se íamos passar a noite lá ou algo assim, ficamos sentados em cadeiras com as luzes apagadas. Alguém começou a se masturbar, então todos fizemos o mesmo. Ficávamos, tipo, ‘Brigitte Bardot! Whoo!’ E aí todo mundo mandava ver um pouco mais”, contou McCartney, citando as musas que eles homenageavam. “Até que, acho que foi John quem disse, ‘Winston Churchill!’,”, o que deu fim à atividade de forma um tanto peculiar.

Paul falou também que nunca foi muito fã de orgias. “Acho que eu nunca fiz. A ideia não me chamava a atenção. Houve uma ocasião em que nós estávamos em Las Vegas e o cara da turnê disse, ‘caras, vocês estão indo para Vegas – querem uma prostituta?’ Respondemos: ‘Sim!’ E eu pedi duas. Eu as recebi e foi uma experiência maravilhosa. Mas isso foi o mais perto que eu já cheguei de uma orgia”, contou.

O ex-beatle contou também, de forma não muito clara, sobre uma lenda de que ele, John e Ringo presenciaram a perda da virgindade de George Harrison e que teriam até o aplaudido ao fim. “Sei que tínhamos uma cama e dois conjuntos de beliches. Se um dos caras trouxesse uma garota, poderia ficar na cama com um cobertor em cima, e você não perceberia nada além do movimento. Não sei se vimos George perdendo a virgindade. Pode ser que sim”.

A matéria completa e original pode ser vista aqui.

120918_paul2

** Fotos de COLLIER SCHORR / GQ

>>

Homem do ano! As fotos da Lana Del Rey nua na "GQ" britânica

>>

* Popload em São Paulo, Brasil.

* Cheguei há pouco de fora já recebendo as fotos da cantora su-ce-sso Lana Del Rey que recheia a edição luxo da revista “GQ” inglesa, especial “Homens do Ano”. Mas, pelo jeito, virou “Mulher do Ano”. A capa, a Lana nua, edição de outubro da publicação britânica, a gente já registrou por aqui. Vamos ver o que tem dentro?
As imagens foram feitas pelo famoso fotógrafo fashion peruano Mariano Vivanco, o preferido de Lady Gaga e… Cristiano Ronaldo! Digamos que “as melhores” da “GQ” estão aqui embaixo:

>>

Lana Del Rey e a Capa do Ano

>>

* Popload em Lond… Los Angeles.

* A poderosa “GQ” britânica atropelou etapas, adiantou meses e já cravou o “artista do ano” (no caso Mulher do Ano) em foto sensacional em sua mais recente capa, lançada agora no comecinho de setembro (edição de outubro). É esta capa aqui embaixo:

A revista explica mais ou menos assim sua escolha. “Quando a GQ entrevistou Lana Del Rey lá em setembro de 2011, ela era apenas uma figurinha de Instagram sensação da internet trabalhada no hype. Um ano depois e a Mulher do Ano da GQ é uma verdadeira “estrela pop” em sua essência. Provocou igual montante de debates e elogios e raivas em seu ano incrível. E preencheu o principal requisito para ser uma boa pop star: ela foi falada por todo canto. Depois de conquistar tudo com “Video Games” e lançar o disco “número 1″ Born to Die, Del Rey assinou com a NEXT agência de modelos, escreveu a melhor música do disco da Cheryl Cole, se associou com o rapper ASAP Rocky e atuou como musa da Mulberry, Jaguar e H&M. Está bom ou não?”

Segundo vende a revista, nesta edição especial Lana Del Rey fala dos fãs e dos haters. E conta como foi mandada para o colégio interno para se “manter sóbria”. Nice.

>>

Lana Del Rey na Alemanha, na França, nos Estados Unidos e no Brasil

>>>

* Popload em NYC.

Só se fala em Lana Del Rey. Não só aqui na Popload, veja bem. Última vez que falo dela (hoje), juro.

Depois de gravar alguns programas de TV na Europa, Lana voltou para os Estados Unidos onde fez um pocket show para a KCRW, rádio localizada na região metropolitana de Los Angeles e que é conhecida mundialmente pelas suas sessions históricas. O programa vai ao ar nos próximos dias.

Além de cantar à beira da piscina do Chateau Marmont, cabe informar que Lana Del Rey tem estampado capas e sendo pauta de diversas revistas ao redor do mundo. Brasil, inclusive. Todo mundo quer entender e saber o que existe por trás dos polêmicos lábios.

O chapa Rodrigo Salem, editor da GQ, destacou no site da revista o show concorridíssimo da cantora que ele assistiu esses dias em Los Angeles, no Troubador, casinha cult que tem capacidade para mais ou menos 200 pessoas, um dia antes da gravação no Chateau Marmont. O Salem a descreveu como a cantora “mais quente dos Estados Unidos no momento” e toda a repercussão e análise do show estará na próxima edição da revista.

Antes ele publicou dois vídeos do show. Olha só “One Million Dollar Man” e “Blue Jeans”.

* Na Europa, a moça vem ganhando cada vez mais destaque. Ela é capa das revistas Spex (Alemanha) e Libération Next (França), que a chamou de “A Dália Negra”, uma alusão à atriz Elizabeth Short, assassinada em Los Angeles no ano de 1947, crime sem solução que originou o filme “The Black Dahlia”, dirigido por Brian De Palma (2006), a partir de uma adaptação do romance escrito por James Ellroy. A própria Lana fez questão de postar fotos das revistas. Sua beleza até gerou um comentário inusitado/zoado de um seguidor chamado Karl Burton: “But your plastic lips makes noises on the mic when u singing , they shouldnt be so big, good for bj thought”. Sério.

* Lana também fez um ensaio para a V Magazine, big revista de moda daqui de Nova York, que em janeiro publicará sua primeira edição especial sobre música. Pode-se dizer que esta, até agora, é a foto mais “ousada” dela. Concorda?