Em grammy:

Ainda o Grammy. A improvável parceria entre Metallica e Lady Gaga, com direito a fogo no palco e microfone zoado

>>

130217_ladygaga2

Um dos momentos mais esperados no meio da farofa do Grammy era a parceria peculiar entre o gigante do rock pesado Metallica e a estrela pop Lady Gaga, ultimamente com um pé no indie.

Os dois lados se uniram para a performance de “Moth Into Flame”, faixa que está no bom último disco da banda norte-americana, “Hardwired… to Self-Destruct”.

Acontece que, logo no início, o microfone do vocalista James Hetfield apresentou problemas técnicos, o que deu uma leve apagada na performance (não por culpa dele, claro), apesar do palco literalmente pegando fogo. Foi preciso que James se juntasse a Gaga e dividissem o mesmo microfone em certo momento.

Lady Gaga desfrutou tanto, as always, que se jogou na galera. Ao fim, bem feliz, o vocalista do Metallica chutou seu microfone e largou a guitarra no palco. Xiii…


Lady GaGa and Metallica Perform At The Grammys por videosuploaded

>>

Daft Punk volta aos palcos no Grammy, ao lado do The Weeknd. E abre “lojinha” cool em Los Angeles

>>

130217_daftpunk2

Após três anos, o incrível duo Daft Punk se apresentou novamente em um palco, no Grammy. Os franceses fizeram aparição especial ao lado do bombado The Weeknd e mandaram, juntos, a boa “I Feel It Coming”, canção que está no último disco do canadense, “Starboy”.

Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem Christo apareceram em visual dark, com capas pretas que remetem ao Darth Vader. O visual, no palco, pareceu fazer referência a algum planeta coberto de gelo, o que está fazendo os fãs evidenciarem essa teoria de Star Wars.

Longe dos palcos desde 2007, há um papo que dá conta que o Daft Punk volta com turnês neste ano, dez anos após a “Alive Tour”, que inclusive veio ao Brasil para uma memorável apresentação no Tim Festival de Rio e São Paulo (o extinto evento enfiou no Tom Brasil, em SP, na mesma noite e além do Daft Punk, as bandas Yeah Yeah Yeahs, TV On The Radio e Thievery Corporation).

Na última sexta, o duo abriu sua pop-up store na Melrose Ave., na West Hollywood, em Los Angeles, comercializando produtos oficiais e deixando em exposição alguns itens raros da carreira da dupla e até objetos pessoais, o que, claro, está enlouquecendo os fãs.

A pop-up, que fica aberta até o próximo dia 19, teve em sua abertura apresentação ao vivo de DJs, incluindo o Skrillex.

130217_daftpunk3

>>

Alabama Shakes dá um toque indie e cool ao Grammy

>>

160216_alabamashakes2

Atração especialíssima do Lollapalooza Brasil mês que vem, o Alabama Shakes foi um dos destaques do Grammy deste ano, em cerimônia ocorrida na noite de ontem.

Além de vencer nada menos que TRÊS categorias, entre elas a de melhor canção de rock com “Don’t Wanna Fight” e o melhor disco alternativo, “Sound and Color”, o grupo de Brittany Howard fez uma performance ao vivo da faixa vencedora.

Fácil, caberia um prêmio de melhor figurino para a talentosa cantora. O Alabama Shakes toca no Lollapalooza dia 13 de março, domingo, junto com Noel Gallagher, Snoop Dogg e Florence and the Machine. A banda norte-americana também fará um show solo em São Paulo um dia depois, no Audio Club, junto com o lindão Cold War Kids.

>>

Grammy: AC/DC salva prêmio “estragado” pelo Kanye West

>>

Como você já deve estar sabendo, aconteceu neste domingo último mais uma edição do Grammy, talvez o prêmio mais chato da “indústria”, justamente por ser uma premiação da indústria. Por mais que o Beck possa ter sido um ponto fora da curva e o Sam Smith ser conhecido por “nós” mesmo pelo seu envolvimento com o Disclosure, quem acabou salvando mais uma edição arrastada da premiação foi o grande AC/DC, lendária banda que vem ao Brasil no fim do ano, como você leu aqui.

Para dar uma geral no evento e o Grammy não passar batido, a Popload convidou o Fernando Scoczynski para dar seu parecer da premiação com o “nosso olhar”.

090215_grammy2

* Por Fernando Scoczynski Filho

Todo ano, o Grammy Awards é um saco, e todo mundo está cansado de ouvir isso. Mesmo assim, em 2015, conseguiram deixar pior ainda, e fazer a premiação uma das mais chatas dos últimos tempos – tão chata que nem o twitter conseguiu salvar, o que já é uma raridade em si.

A performance de abertura veio por conta do AC/DC, tocando duas músicas (a nova “Rock or Bust”, a antiga “Highway to Hell”), num show cheio de pirotecnia e surpreendentemente longo. Como uma banda tão antiga conseguiu um espaço tão grande num show supostamente dedicado à música nova, não sabemos. O que sabemos é que toda aquela pirotecnia da apresentação viria a ser a coisa mais animada a acontecer durante toda a premiação.

No decorrer de umas 3 horas (que pareceram umas 6), foram prêmios e mais prêmios insignificantes, para artistas que o público indie/jovem não gosta/não se interessa. Sam Smith, com seu plágio de Tom Petty, ganhou 3 Grammys; Beyoncé levou dois prêmios, Taylor Swift nenhum; Pharrell ganhou com a insuportável “Happy”. Jack White e St. Vincent ganharam na “pré”-premiação que só podia ser assistida pela internet, e nem passou na TV. A única surpresa (muito) bem-vinda foi o Beck, com seu ótimo “Morning Phase”, ganhar Disco do Ano e Melhor Disco de Rock. Por mais difícil que seja chamar aquilo de “rock”, concordamos com os votantes do Grammy que realmente é um disco bom – melhor que o último do U2, pelo menos.

Daí que o Beck foi receber o prêmio, e surgiu um Kanye West ao seu lado, no palco. Seria uma reprise do episódio do VMA de 2009, onde Kanye arrancou o microfone da Taylor Swift para dizer que “Beyoncé had one of the best videos of all time”. Mas, dessa vez, Kanye se comportou um pouco mais, e voltou a sentar antes de falar qualquer coisa, apesar de ter visivelmente atrapalhado Beck. Mais tarde, Kanye deu uma entrevista dizendo que todos entenderam a intenção dele, e que o Beck deveria “respeitar a arte, e ceder seu prêmio à Beyoncé”. Tem como ser mais babaca?

090215_grammy1

Quanto à parte musical, é difícil até lembra o que aconteceu, tamanho o tédio que permeou a noite toda. Quase todas as músicas tocadas ao vivo eram baladas monótonas, seja de qual gênero fossem. Até o Beck tocou com o Chris Martin (por quê?), e só conseguiu ser levemente menos chato que o resto. Pharrell apareceu pra cantar Happy, vestindo uma roupa de auxiliar de hotel com tênis amarelo, num arranjo novo da música que mais parecia trilha sonora de filme do Batman (mas depois voltava ao normal insuportável). Katy Perry cantou uma música chata, lembrando em nada os tubarões que viraram meme em sua apresentação do SuperBowl. Em um raro momento um pouco mais interessante, Annie Lennox apareceu para cantar “I Put a Spell on You” com o Hozier.

No fim, valeu pra ver o AC/DC ser o AC/DC, e o Kanye West ser o Kanye West – por melhor ou pior que isso seja.

Chupa, Grammy! Vaza o ensaio da super banda de rock sem cortes

>>

030214_grammybanda

Essa história é bem boa. Talvez principal polêmica do Grammy, o número musical que envolvia o Nine Inch Nails, o Queens of the Stone Age, o Dave Grohl e o Lindsey Buckingham, que fechou a cerimônia, foi cortado pela metade durante sua transmissão ao vivo. Antes do fim de “My God is the Sun”, paulada musical do QOTSA, entrou um comercial da Delta Airlines e em seguida os créditos do Grammy e todo mundo ficou sem entender o que estava acontecendo.

Depois da pataquada, o Trent Reznor foi para o Twitter e xingou a produção do Grammy, até. Só que, agora, apareceu um vídeo sem cortes do ensaio da super banda no Staples Center vazio. Alguém muito entendido capturou a transmissão via satélite do ensaio, que não foi transmitido em lugar algum, mas é enviado para o satélite para testar o sinal do link ao vivo. Então o cara captou em alta definição justamente a performance que seria cortada no Grammy ao vivo. Haha.

O vídeo bruto pode ser conferido abaixo.

>>