Em grizzly bear:

CENA – Chico Bernardes arma conexões musicais com um grizzly bear

1 - cenatopo19

* A familia musical dos Bernardes tem lá suas conexões. No ano passado, o terno Tim participou do belo disco “Shore”, da banda americana Fleet Foxes. E cantando em português.

Desta vez, o Chico, irmão mais novo do Tim, trocou mensagens no Instagram com Chris Bear, do épico grupo indie Grizzly Bear, que também rendeu colaborações musicais além de likes mútuos. Acabaram nascendo duas músicas de uma parceria entre Chico Bernardes com o Fools, projeto de Bear, que vão virar um compacto de 7 polegadas a sair pelo selo espanhol Mapache Records.

As músicas são “Quero Saber” e “Pra Próxima Vez”, que nos streamings tem a estampa do selo paulistano Risco.

“I was a fan of Chico’s music the moment I heard “Um Astronauta” a couple years back and immediately fell in love with his voice and production aesthetic. Somehow the isolation of early pandemic led us into a transcontinental penpal exchange and before too long Chico sent over a couple demos that didn’t quite fit in with the rest of the songs he was working on for his new record. From there we passed these two tracks back and forth for a couple months and shaped them into something new, drawing inspiration from each other and our own journeys. It was such a natural collaboration and I’m excited to share the fruits! Hopefully more in the future!”, disse Chris Bear, em inglês tranquilo para não ser traduzido.

“Conheci o trabalho do Chris quando meu irmão me apresentou Grizzly Bear, em 2013. Sempre me emocionei com a magnitude e dinâmica presente nos arranjos da banda, que me inspirou muito a buscar meus próprios, quando comecei a tocar violão, em 2015. Sempre achei impressionante o talento do Chris em criar levadas criativas e sofisticadas, com diversas aberturas à polirritmia. Quando começamos a nos falar pelo Instagram, mal acreditei quando ele me chamou para gravarmos algo juntos. Quando começamos a trocar gravações em cima desse par de canções que eu tinha na gaveta, o arranjo fluiu com muita organicidade e encaixe, como se embora em idiomas diferentes estivéssemos falando a mesma língua”, falou o nosso Chico.

Abaixo, as bonitonas “Quero Saber” e “Pra Próxima Vez”:

>>

Popnotas – Batelada de novos discos, novos remixes, filme do disco etc. ABBA nas paradas como se fosse 1981. Popcast em papo reto sobre “Ele”. Charlie XCX demoníaca. E Macaco Bong arma lambadão cuiabano em novo single

>>

– Sexta-feira passada foi muito movimentada nos lançamentos de discos. Além do álbum novo do canadense Drake, saíram o fundamental quarto disco da rapper inglesa Little Simz, “Sometimes I Might Be Introvert”, de quem destacamos o novo vídeo, para a maravilhosa “Point and Kill” (abaixo); a edição luxo de 15 anos de “Yello House”, da banda indie americana Grizzly Bear; o “Dawn of Chromatica”, a versão remix do último álbum da Lady Gaga, que traz uma remexida da Pabllo Vittar, numa faixa, da qual temos mais coisas para falar, em breve; rolou ainda “Senjutsu”, o disco japonês do almighty Iron Maiden. Teve ainda o filme do disco, a versão hollywoodiana da Billie Eilish para seu “Happier than Ever”, cantado faixa a faixa e animado por uma Billie em desenho e com orquestra regida pelo renomado Gustavo Dudamel. “Happier than Ever: Uma Carta de Amor para Los Angeles”, dirigido pelo Robert Rodriguez, está em cartaz na plataforma Disney+. Ah, tem o EP da Juliette BBB, também, que contou com o maior esquema de lançamento de um disco no ano aqui no Brasil nos últimos anos, além de ter três músicas com nomes de músicas do Boogarins…

– Você deve já ter sido atropelada/o pela notícia, a lendária banda sueca Abba, uma das formações pop mais bem-sucedidas da história, anunciou que vai lançar um disco novo depois de 39 anos e sair em turnê mundial. “Sair em turnê” é um termo relativo, porque o grupo escandinavo (foto na chamada da home da Popload), formado por Agnetha, Björn, Benny e Anni-Frid, prepara uma série de shows em holograma, sem sair da Suécia. Dado o grande vídeo de apresentação da ideia que correu mundo e tinha São Paulo e Rio representados, esse show de avatares, estando-sem-estar, deve ser armado por aqui também. Vai ser, pelo que parece, uma nova concepção de live, não para ver em computador e sim pagando ingresso para assistir numa arena. Não à toa, o álbum a ser lançado vai se chamar “Voyage”, marcado para sair em 5 de novembro. O negócio é que, no meio do fuzuê de retorno da banda, o Abba soltou duas músicas novas, “I Still Have Faith In You” e “Don’t Shut Me Down”. E, na Inglaterra, espera-se que ambas as canções novas cheguem ao Top 10 das mais vendidas da semana, até sexta que vem. Tudo baseado em vendas dos três primeiros dias pós-anúncio de volta do grupo de Estocolmo. Vai ser a primeira vez do Abba no Top 10 britânico em praticamente 40 anos. A última emplacada nos charts ingleses foi em dezembro de 1981, com o single “One of Us”. A turnê de avatares do Abba, que no local da apresentação vai ter uma banda real de dez músicos tocando, começa em 2022 e já tem um período anunciado para acontecer: entre março e maio no parque olímpico em Londres, numa arena a ser construída especialmente no local para receber os hologramas do quarteto sueco. Ainda sem data divulgada, o show da Queen Elizabeth Olympic Park terá seus ingressos vendidos a partir de amanhã.

– O Popcast desta semana traz um papo retíssimo e nada conclusivo de “Donda”, o disco novo do rapper Kanye West, essa figura iluminada cuja genialidade talvez não esteja plenamente sendo alcançada por nós, seres humanos normais. O podcast da Popload, apresentado por Isadora Almeida e Lúcio Ribeiro, com firulas técnicas incríveis de Raphael Bertazi, conversa ainda sobre a batelada (de novo?) de festivais que aconteceram na Inglaterra nos últimos dias, vários grandes no mesmo final de semana. Temos esperança? Fora o nosso “disputado” pódio de músicas novas, as efemérides/R.I.P da semana e os rolês legais da CENA brasileira. No arrrrr. Ouve e comenta.

– Com premiere na Radio One da BBC, quinta passada, a cantora inglesa de um certo electropop de vanguarda Charlie XCX revelou seu novo single, “Good Ones”, que aponta para seu embaçadinho quinto disco, muito conversado nas redes sociais, mas nada ainda de vir ao mundo real. Quer dizer, agora está vindo, com este single e seu vídeo assim… polêmico. Charlie XCX se veste sexy para ir dançar num velório de algum “good one” dela, acompanhada de umas amiguinhas. Segundo a cantora, compor essa música fez virar uma chavinha dentro dela. “Ela abriu as portas da transformação para minha nova era pessoal. ‘Good Ones’ é muito representativa do que está por vir. Com uma inspiração oitentista, poderosa e desafiadora, mas também emocionalmente ferido e vulnerável, ele me levou a um nível pop demoníaco.” Tá bom?

– A clássica banda indie-instrumental Macaco Bong realmente saiu do coma profundo. Depois de quebrar uma longa ausência de três anos com o single inédito “Hacker de Sol”, fazendo uma homenagem ao filme “Bacurau”, agora o trio, liderado pelo guitarrista-fundador Bruno Kayapy, solta a segunda faixa do próximo álbum do grupo, “Mondo Verbero”, ainda sem data de lançamento, mas prometido ainda para 2021 pelo selo ForMusic Records. Em “Kãeãe”, o novo single, o tributo é para o Mato Grosso, onde a banda nasceu, lá em 2004. “‘Kãeãe’ é uma gíria expressada somente por pessoas que realmente conhecem a capital Cuiabá”, revela Kayapy. “Geralmente o termo é usado para se referir a algum tipo de sentimento de medo ou apreensão, com o mesmo sentido de ‘Meu Deus do Céu’ e pode ser escrito de qualquer forma. Musicalmente falando, é um rasqueado com lambadão ao estilo bem cuiabano”, diz. Além de Kayapy, o Macaco Bong de hoje tem Eder Noleto na bateria e Igor Carvalho no baixo, os dois de Cuiabá.

>>

Grizzly Bear revela em session que o bom novo álbum funciona melhor ainda ao vivo

>>

061217_grizzlybear2

Armada indie e incrível do bairro cool Brooklyn, NYC, o incrível Grizzly Bear nos presenteou neste ano com seu primeiro álbum de inéditas em cinco anos. “Painted Ruins” foi lançado em agosto passado e, desde então, os norte-americanos estão na correria de divulgação.

A mais recente ação promocional do grupo liderado pelo distinto Edward Droste foi na The Current, emissora integrante da rádio pública de Minnesota, nos Estados Unidos.

Por lá, o Grizzly Bear tocou em session três canções deste disco sucessor de “Shields”, sendo elas “Losing All Sense”, “Cut-Out” e “Neighbors”. A primeira apareceu em vídeo, enquanto a apresentação toda pode ser conferida em áudio aqui.

>>

Edição desta semana do Jools Holland teve o Wolf Alice, King Krule e o Grizzly Bear febril

>>

181017_grizzlybear_jools

Jools Holland continua com sua nova temporada absurda de apresentações em seu programa. Na edição que foi ao ar na noite de ontem, mais uma trinca poderosa do indie marcou presença na TV britânica. Estiveram por lá o Grizzly Bear, King Krule e Wolf Alice, todos com projetos novos na praça.

O Grizzly Bear tocou a linda “Mourning Sound”, faixa do último álbum deles, “Painted Ruins”. O detalhe da apresentação dos americanos foi o amuado Ed Droste, que, parece, estava sofrendo bastante com uma febre, mas mesmo assim resolveu pisar no palco.

Quem também esteve por lá mostrando material novo foi o garoto Archy Marshall, que voltou a assumir sua persona King Krule. O britânico de 23 anos tocou em casa o single “Dum Sufer”, um dos sons do disco “The Ooz”, o primeiro dele enquanto King Krule em quatro anos, lançado semana passada.

Outro grupo que amamos, o Wolf Alice, da belezura Ellie Rowsell, tocou em rede nacional a swingada “Beautifully Unconventional”, um dos pontos altos de “Visions Of A Life”, segundo disco deles, lançado há algumas semanas.

>>

O Grizzly Bear voltou para explodir nossos corações. Ouça o álbum “Painted Ruins”

>>

grizzlybear

Armada indie e incrível do Brooklyn, o lindo Grizzly Bear lança hoje seu aguardado disco novo, “Painted Ruins”, o primeiro deles em cinco anos, que tem a responsa de manter o nível de seu antecessor “Shields”, o que não é algo muito difícil para eles.

Puxado por quatro singles ótimo, entre eles “Mourning Sound”, que ganhou vídeo polemiquinho, hipster, NSFW e pela libertação das mulheres, o álbum tem 11 faixas no total.

Junto com o lançamento de hoje, o quarteto aproveitou para pisar no palco do Stephen Colbert na noite de ontem para dar aquela divulgada marota, tocando a mesma “Mourning Sound”.

O disco e o vídeo estão aí, inteirinhos para você.

>>