Em grouplove:

Hoje: Natal indie em Los Angeles com Grouplove, Florence, Noel Gallagher, Foster The People, Black Keys, Jane's e muito mais

>>>

Acontece neste final de semana em Los Angeles – nova cidade musical mais legal do planeta – o Almost Acoustic Christmas, festival anual promovido pela big KROQ (a FM mais famosa do mundo, bordão deles) que sempre conta com um line up bastante atrativo de bandas que fazem sets especiais, com versões full band ou acústicas mesmo, mas com shows mais curtos. O evento começou ontem com uma turma mais “pop rock”, como Sublime With Rome, Social Distortion e Blink 182.

A escalação de hoje é mais indie. Ou, se você preferir, mais “a nossa cara”. Por volta de 17h30 (horário de lá), tem uma ótima sequência de shows com Grouplove, The Naked & Famous, Foster The People, Cage The Elephant, Noel Gallagher’s High Flying Birds, Florence & The Machine, Death Cab For Cutie, Mumford & Sons, The Black Keys e Jane’s Addiction.

O mais legal disso tudo é que dá para assistir/ouvir ao vivo no site da rádio.

* Os horários dos shows (de Los Angeles). O fuso atual é -6h, acho:
17:30 – Grouplove
17:55 – The Naked & Famous
18:20 – Foster The People
18:50 – Cage The Elephant
19:20 – Noel Gallagher’s High Flying Birds
19:50 – Florence & The Machine
20:30 – Death Cab For Cutie
21:10 – Mumford & Sons
21:55 – The Black Keys
22:40 – Jane’s Addiction

Semana Nevermind – O impacto do álbum em quem faz música 20 anos depois

As revistas especializadas não param de soltar matérias especiais sobre o “Nevermind”, que completa 20 anos nesta semana. Em meio à todas as comemorações, gente de todo tipo de banda, todo gênero musical, tem falado abertamente sobre a importância do álbum que mudou a vida de muita gente, mesmo que boa parte dessa gente não saiba disso.

A Paste Magazine fez uma reportagem especial com 20 artistas de banda “novas” com duas perguntas básicas: (1) com quantos anos você descobriu o “Nevermind”? e (2) qual o impacto do álbum em sua vida?

O senso comum entre os entrevistados foi dizer que o álbum os inspirou a pegar uma guitarra, ter interesse pela música e montar uma banda.

A Popload destaca aqui cinco destes artistas que reverenciam o álbum que marcou a carreira do Nirvana e a história do rock.


Gregg Gillis (Girl Talk), descobriu o álbum aos 10 anos de idade

“‘Nevermind’ me fez querer começar na música. E fez eu descobrir novas músicas. O Nirvana me levou ao Sonic Youth, que me levou ao Boredoms. Nirvana é minha banda favorita”.

 


Ian Saint Pe (Black Lips), descobriu o álbum aos 13
“O álbum me fez perceber que eu poderia tocar música”.

 


Nicole Atkins (Nicole Atkins & the Black Sea), ouviu “Nevermind” aos 12 anos de idade
“Nirvana me fez perceber como compositora a forma de escrever uma canção pop, mas com muito barulho e emoção”.

 


Christian Zucconi (Grouplove), descobriu o “Nevermind” aos 14
“A dor na voz de Kurt e o jeito que as palavras explodiam em seus coros faziam meu estômago pular. De repente eu estava vivo e aprendendo a tocar Nirvana sozinho na minha guitarra”.

 


Kevin Devine (The Goddamn Band), descobriu o álbum em outubro de 1991, aos 12 anos
“Acho que eu não teria me envolvido com o tipo de música que faço agora ou ao menos montado uma banda se não fosse por esse álbum”.

Fifa indie

* Popload em Seattle.

No próximo dia 29 de setembro (27, aqui nos Estados Unidos) será lançada a versão 2012 do Fifa, um dos principais e mais vendidos games de futebol do mundo. Uma das novidades informadas pela EA Sports, dona do produto, é que as inovações tecnológicas irão proporcionar uma realidade nunca antes vista em games do gênero, pois registrará em tempo real o contato entre jogadores e suas lesões.

Os times brasileiros presentes no game são Atlético/MG, Atlético/PR, Bahia, Botafogo, Coritiba, Flamengo, Grêmio, Corinthians, Cruzeiro, Palmeiras, Santos, São Paulo e Vasco.

Enquanto o Fifa 12 não sai, a gente gostou mesmo foi da trilha sonora, divulgada pela EA Sports. Dá pra ver que a Fifa é indie. Tem os queridinhos da nova cena indie pop de Los Angeles, como Grouplove e Foster The People. Tem também Crystal Castles, Vaccines, Kasabian, Strokes, Ting Things, Digitalism, Cut Copy, além dos brasileiros CSS e… Gabriel, O Pensador.

* Olha só a lista completa de músicas:

Alex Metric & Steve Angello – ‘Open Your Eyes’
All Mankind – ‘Break The Spell’
Architecture In Helsinki – ‘Escapee’
Bloco Bleque/Gabriel O Pensador – ‘So Tem Jogador’
Chase & Status – ‘No Problem’

Crystal Castles feat. Robert Smith – ‘Not In Love’
CSS – ‘Hits Me Like A Rock’
Cut Copy – ‘Where I’m Going’

Digitalism – ‘Circles’
DJ Raff – ‘Latino & Proud’
El Guincho – ‘Bombay (Fresh Touch Dub Mix)’
Empresarios – ‘Sabor Tropical’
Foster The People – ‘Call It What You Want’
Givers – ‘Up Up Up’
Glasvegas – ‘The World Is Yours’
Graffiti6 – ‘Stare Into The Sun’
Grouplove – ‘Colours (Captain Cutz Remix)’
Japanese Popstars – ‘Let Go’
Kasabian – ‘Switchblade Smiles’
La Vida Boheme – ‘El Buen Salvaje’
Little Dragon – ‘NightLight’
Macaco – ‘Una Sola Voz’
Marteria/Yasha – ‘Verstrahlt’
Monarchy – ‘The Phoenix Alive (Kris Menace Remix)’
Pint Shot Riot – ‘Twisted Soul’
Portugal. The Man – ‘Got It All (This Can’t Be Living Now)’
Rock Mafia – ‘The Big Bang’
Spank Rock – ‘Energy’
The Chain Gang Of 1974 – ‘Hold On’
The Hives – ‘Thousand Answers’
The Medics – ‘City’
The Naked & Famous – ‘Punching In A Dream’
The Strokes – ‘Machu Picchu’
The Ting Tings – ‘Hands’
The Vaccines – ‘Wreckin’ Bar (Ra Ra Ra)’
Thievery Corporation – ‘Stargazer’
Tittsworth & Alvin Risk/Maluca – ‘La Campana’
TV On The Radio – ‘Will Do’
Tying Tiffany – ‘Drownin’

New York I Love You: Grouplove, Two Door Cinema Club, o “Romeu e Julieta” hipster e o gato mochileiro

* Popload em Nova York.

* Tudo tranquilo na cidade que amamos e às vezes nos deixe deprê, segundo o gênio contemporâneo James Murphy. Tirando tuuuuudo o que está acontecendo, nada parece acontecer. Calmaria pós lembranças do 11 de setembro, gato peregrino na capa de jornal e o zunzum pela estréia nesta sexta-feira do filme novo do Gus Van Sant, “Restless”, uma história que, como eu andei lendo, é um “ROMEU & JULIETA HIPSTER MODERNO”, hahaha. Um romance “quasi-homossexual”, porque, segundo dizem, o “Romeu” parece uma menina e a “Julieta”, um hominho. Gosh, preciso ver isso.

* Está tudo tão NYSussa que a capa de ontem do “New York Post”, com o genial título “Puss ‘N’ Boots”, foi o gato Willow, que teria feito uma jornada de 5 anos indo da cidade de Boulder, no Colorado, até uma rua do East Side de Nova York. O felino desapareceu de seus donos em 2006 e, apesar da procura louca, só foi encontrado agora, em 2011, cerca de 1.500 milhas longe de casa. Um bom samaritano achou o bichano sozinho numa rua em Manhattan e o entregou ao Animal Care and Control. Graças a um chip implantado no gato com todos os seus dados, seus donos foram avisados. A menina Shelby, 17 anos, já prepara em Boulder uma festança na cidade de “welcome back” para o kitty.

* Nova York nesta semana está sendo um mini-Planeta Terra Festival. Entre quarta e hoje tocaram/tocam Toro Y Moi, Bombay Bicycle Club e Peter Bjorn & John. Desses, fui no Bombay, porque eles abriam para o Two Door Cinema Club, no Terminal 5. Dois bons shows (vi quatro músicas do BBC apenas), mas de bandas que estão tocando tanto há tanto tempo que estão visivelmente cansadas, gás no fim. Principalmente o TDCC. Fora que o público nova-iorquino paradão não ajuda, mesmo com a casa sold-out fazia tempo. Two Door Cinema Club tocou muito em seriado tipo “Gossip Girl”. E, na mais caricata das caricaturas, assim que eu cheguei ao clube, encostou uma limusine e dela desceram uns dez meninos e meninas vestidos de franceses século 18.

* O Two Door Cinema Club tocou uma música nova. Seu vocalista disse algo do tipo “É a primeira vez que tocamos ela ao vivo fora do Reino Unido”. Gravei um trechinho. Obviamente não sei o nome. Se alguém puder ajudar…

* Na quarta, no entanto, fui a um show fervendo no Bowery Ballroom. Quem tocou foi a banda nova Grouplove, agitando ao vivo o lançamento de seu disco novo nesta semana, o esperto “Never Trust a Happy Song”, já comentado por aqui. O Grouplove é de Los Angeles, dessa safra feliz de homens, bandas e idéias que está vindo da Califórnia. Nada mais sintomática que a banda faça show e festa-pós de lançamento de seu primeiro disco em Nova York, que até então é (era?) o celeiro de grupos novos e experimentos sonoros interessantes, com sede no Brooklyn. Enfim, isso é uma outra tese, também já resvalada na Popload. Uma hora a gente volta a ela.
O show começou a 100 por hora, depois caiu um pouco. A banda, quinteto esperto e variado de figuras, tipos e caras boas, quatro caras e uma menina tecladista, tem para apresentar, de cara, um punhado de pelo menos cinco músicas muito boas, todas beirando o indie-pop pegajoso alegre, mesmo quando a letra não é rir.
Falta muita força ao vivo, que com o tempo a banda vai desenvolver. Mas o show é uma diversão só. As músicas falam por si. O Foster the People ganhou um irmãozinho.

Nos EUA, a verdadeira Music Television não é a MTV

* Popload em Nova York.

** Já falei aqui (não aqui, mas aqui. entende?) uma vez que os programas de entrevistas da TV americana são mais importante para a nova música que a MTV. Vamos voltar ao assunto.

*** O David Letterman de vez em quando emplaca em seu Late Show alguma coisa para seus milhões de telespectadores noturnos. Mas, se você quer mesmo ver a new music na TV americana, precisa ficar amigo do figurinha Jimmy Fallon. Só nesta semana (e só tivemos três programas, portanto) duas bandas novas boas foram ao programa de Fallon para desempenhos ao vivos de novidades.

O Girls, de San Francisco, que já foi atração de Popload Gig passada, lançou nesta semana o lindinho álbum “Father, Son, Holy Ghost”, que carrega os singles bacanas “Vomit” e principalmente “Honey Bunny”. O disco foi até veiculado em streaming pelo diário inglês “The Guardian”, para você ter uma idéia. Aí a banda foi lá no Fallon de convidada e mandou na terça-feira esta “delicada” “My Ma”, do álbum novo. Dá uma olhada.

Ontem foi a vez do Neon Indian aparecer para tocar no programa do Jimmy Fallon. A banda do menino chicano Alan Palomo mandou a espertíssima “Polish Girl”, também de disco novo. O Neon Indian lançou nesta semana, tipo o Girls, novo álbum “Era Extraña”, elogiadíssimo. Tenho ele baixado, mas não ouvi muito. Alguém?

**** O Carson Daly também promove apresentações ao vivo de música indie no seu programa diário, que aliás começa exatamente depois do show do Jimmy Fallon. Nesta semana, no entanto, foi de reprise. Mas segunda tocou “só” o The Kills, que fez duas músicas para o Daly em maio. Na terça, foi a vez do School of Seven Bells de março. Ontem, rolou Grouplove de maio. Hoje reprisa Interpol de abril. Olha o Kills no Carson Daly:

***** Hoje no Conan O’Brien tem Foo Fighters. Tocando “Walk”, a performance que já circulou na internet.

****** O legal em programa de entrevistas tipo Fallon, Letterman, Conan O’Brien etc é que eles perceberam neste ano que a estrutura montada por bandas permite mais que uma musiquinha para tocar no programa. Passaram a gravar duas, para botar uma como “exclusiva da internet”. E agora promovem verdadeiros mini-shows ou até shows longos mesmo.
O Letterman, por exemplo, pegou a estrutura do Ed Sullivan Theater, onde é gravado, para fazer um “Live on Letterman”. Na terça-feira que vem, por exemplo, vai fazer uma transmissão na internet de um show do Coldplay, a banda convidada do dia. Na quarta da próxima semana, quem se apresenta no “Live on Letterman”, concerto inteiro via internet, é o Wilco. Fraco ou não.