Em hierofante púrpura:

Popnotas – Chvrches chama o Robert Smith (The Cure) para entender procedimentos de afogamento. O Primavera Sound revela seu lado português. E o Hierofante Púrpura lança manifesto da coragem em forma de single-vídeo

>>

– Tem um Robert Smith tocando numa música nova da banda escocesa Chvrches (foto na home). O grupo da Lauren Mayberry lançou o single “How to Not Drown”, num pacote de novidades que aponta para o álbum “Screen Violence”, anunciado hoje para sair dia 27 de agosto. O veterano vocalista do mitológico The Cure fez um dueto vocal com Lauren, entre o atmosférico e o dance. Dance naquelas, né? A música fala sobre a tentativa de ficar consciente no momento em que se está afogando. Robert Smith coube direitinho nessa. “Screen Violence”, segundo o trio de Glasgow, foi feito com seus integrantes separados entre EUA e Escócia, através de chamadas de vídeo e compartilhamento de áudio. Vai ser o quarto disco do grupo britânico. E o som novo é este aqui.

– Saiu hoje o line-up do Primavera Sound Porto para 2022. A extensão portuguesa e menor (portanto mais aconchegante) do enooooorme festival de Barcelona vai juntar no line-up esta turma aqui: Tame Impala, Gorillaz, Nick Cave and the Bad Seeds, Beck e Pavement. Ingressos, no mesmos moldes do evento espanhol, começam a ser vendidos na próxima sexta, dia 4. Esta é a nona edição do Primavera Sound do Porto, que acontece em um só final de semana, dos dias 9 a 11 de junho de 2022. Boa parte das atrações despencam de Barcelona para lá, mas vão ter novos. E a força indie, os bons nomes pop e o agito eletrônico, sem falar do nosso Pabllo Vittar, vão colar no verão do ano que vem nesta charmosa cidade do norte de Portugal. Saca o pôster mais “contemplativo” da filial lusa do Primavera Sound.

primavera

– CENA – A banda Hierofante Púrpura lançou hoje o terceiro single/vídeo de seu próximo álbum, “Impermanências Lo-Fi Vol.2”, que sai via Balaclava Records no dia 6 de julho e é série de registros sonoros da banda gravadas na fitinha cassete no isolamento pandêmico, lá em Mogi das Cruzes. A faixa é “Aqui Temos Medo”, que a banda divulga como “um manifesto musicado sobre coragem. O vídeo foi captado e editado de maneira remota na cidade de Mogi das Cruzes numa parceria virtual-conceitual entre Danilo Sevali e o onipresente videomaker Gabriel Rolim. O belo resultado, musical e virtual, está aqui embaixo.

>>

Top 50 da CENA – Anitta em primeiro lugar. E podemos provar. GusxGio seguem firmes nas cabeças. Lupe de Lupe em terceirão porque a banda está demais

1 - cenatopo19

* Well. Anitta liderando ranking indie? Pois é. Achamos que tem uma provocação ali no novo hit dela que merece prêmio, sim. Até porque, com todos os contextos e relações que essa música nova inspira, se bem entendemos o recado dela, cada vez mais é necessário que a CENA seja um todo da música brasileira. E por isso, se nosso ranking quer cada vez mais olhar para o todo produzido no Brasil, Anitta é um dos principais nomes desse rolê, ainda que uns torçam o nariz – a gente até torce para uns aspectos, mas bem justificado ali no texto, acreditamos.

anittatopquadrado

1 – Anitta – “Girl from Rio” (Estreia)
A esta altura talvez tudo já tenha sido dito sobre a novidade da Anitta. Mas tem um lance em a gente premiar ela aqui e ter citado ela no top 10 Gringo. Na lista gringa ressaltamos a sacada em conquistar o mundo. Aqui nosso olhar é sobre a CENA brasileira. Anitta pensa em multidões, sabe que seus passos ressoam mais do que os demais. E em “Girl from Ipanema” dá seu pitaco na discussão que ronda o funk ser ou não uma música tão sofisticada quanto os outros estilos, o que nos traz de volta à discussão do Grammy+Grammy+Cardy B. Por isso a provocação em se apropriar da nossa bossa nova mais popular da história. A própria bossa nova, que passou por um longo processo de elitização que a deixou muito mais branca do que é de fato, é um exemplo do que o racismo e elitismo no Brasil dão conta de fazer com a nossa cultura. Ela ser uma arma dessa mesma elite contra o funk é a prova disso. Nada mais justo que a Anitta pegar e dizer: “Ei, esse Tom Jobim é meu, na real”. Ainda que a música talvez tem suas questões problemáticas no discurso e no próprio vídeo, que vende uma sociabilidade que está em cheque no Brasil contaminado atual, a provocação está lá e é bem válida.

2 – Gustavo Bertoni e Giovanna Moraes – “Como Queria Te Deixar Entrar” (1)
Acho que o Gustavo é leitor da Popload, hein? Parceria com a YMA, com o Apeles e agora com a Giovanna. Notamos um padrão com “prediletos da casa”. Mas, brincadeira à parte, deu muito certo a união dele com a fora-da-curva Giovanna Moraes. Amigos pelas redes sociais inicialmente, aqui eles parecem parceiros das antigas, tal a conexão nas vozes e na letra – que é dela, mas soa muito verdadeira na voz do Gustavo. A música, muuuuito bonita e bem construída, ainda ganha pontos pelos diferentes climas que consegue criar, chegando até a ficar bem abstrata antes de voltar ao “normal” – como um nó que se desfaz para ser refeito.

3 – Lupe de Lupe – “Coromandel” (Estreia)
A banda mineira Lupe de Lupe adotou um jeito curioso de divulgar seu novo álbum. Cada single tem como destaque um membro da banda na voz. Logo, são cinco singles que antecedem a chegada do novo álbum, “Trator”, logo mais. Esse mais recente single, o último também, coloca no vocal o baterista da banda, Cícero Nogueira, em uma letra escrachada e que nos leva até um dos solos mais divertidos do ano. Que barulheira boa. O Pavement ou o Weezer do começo ficariam orgulhosos, desde que eles não ligassem para a letra.

4 – Jupiter Apple – “Cerebral Sex (The Apple Sound)” (2)
Astronauta Pinguim, Clegue França, Laura Wrona e Júpiter Apple formaram a The Apple Sound, a banda paulistana de Jupiter. Talvez você nunca tenha ouvido falar, porque esse quarteto durou apenas três shows em 2009. “Cerebral Sex”, único registro deles em estúdio, foi revelada pelo diretor de vídeos André Peniche, amigo do músico gaúcho, que já tinha ajudado na descoberta do disco solo perdido dele.

5 – Salma e Mac – “Amiga” (Estreia)
O casal da famosa banda goiana Carne Doce se apresenta agora de maneira intimista, dupla voz e violão. A ideia dos dois é apresentar as canções que compõem juntos na forma como surgem, com a suavidade íntima que depois viraria barulhinho bom na banda. Se nesse caldo vem novidades ainda não está claro, por agora resgataram a já linda amiga, lançada em 2016 no disco “Princesa”, com a promessa de vir mais por aí. E logo.

6 – Yung Buda – “Digimon” (3)

Interessante a experimentação do Yung Buda, rapper de Jundiaí, aqui em um som superclimático, com levada de corda e de letra quase enigmática e repetitiva, um formato ousado e raro. Só que a repetição deixa tudo com cara de um som que não parece ter fim e que a gente fica desejando que não acabe mesmo.

7 – Hierofante Púrpura – “Na Terra das Cartas” (Estreia)
Dramaticamente psicodélico este segundo single do álbum “Impermanências Lo-Fi Vol.2”, primeiro disco cheio da dupla de Mogi das Cruzes desde 2016. Pense que esse mar de brisas é um registro em fita cassete, sim, um “fora às gravações digitais”. Viva o analógico.

8 – AKEEM MUSIC – “Eu Já Amei uma Ginasta” (4)
E, se falarmos para você ao ouvir esta música, que o verso “Eu já amei uma ginasta” dificilmente vai sair de sua cabeça por muito tempo? Parece algo improvável, certo? Mas o músico gaúcho consegue esse feito, ainda que provavelmente você nunca tenha se apaixonado por um ginasta. E o verso inusitado soa lógico neste indie-pop grudento produzido pelo gaúcho Akeem, com todo o peso que esse “gaúcho” traz ainda hoje.

9 – Plutão Já Foi Planeta – “Depois das Dez” (Estreia)
Pensa em um pop bem feito. Esse é som da banda de Natal, RN, que já tocou em grandes palcos e agora reaparece reformulada, com a nova vocalista Cyz Mendes. Um processo sempre complicado, já que a voz é sempre a alma de qualquer banda, mas que pelo visto os garotos está tirando de letra, até porque Cyz manda bem demais mesmo. Como entrega “Depois das Dez”.

10 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (Estreia)

Em seu segundo álbum, segue intacta a capacidade da Duda Beat de produzir hits dançantes que pedem por pistas e por momentos em que você se pega nos versos como “Passou 3 horas te excluí das redes sociais/Logo depois adicionei porque eu não fui capaz”. Uma sofrência daquelas, bichinho, mas dançante, sempre.

11 – FEBEM – “Crime” (5)
12 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (6)
13 – Boogarins – “Supernova” (7)
14 – Moons – “Love Hurts” (8)
15 – BaianaSystem – “Brasiliana” (9)
16 – Bárbara Eugênia – “Hold Me Now” (10)
17 – NoPorn – “Festa No Meu Quarto” (11)
18 – Jair Naves – “Vai” (12)
19 – FEBEM – “México” (13)
20 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (14)
21 – Carmem Red Light – “Faith No More” (15)
22 – Jadsa – “Olho de Vidro” (16)
23 – Giovanna Moraes – “Boogarins’ Are You Crazy?” (17)
24 – Lupe de Lupe – “Resplendor” (18)
25 – Yannick Hara – “Raça Humana” (19)
26 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (20)
27 – Uana – “Mapa Astral” (21)
28 – Mayí – “Sedenta” (22)
29 – BaianaSystem – “Reza Frevo” (23)
30 – Jadsa – “Sem Edição” (25)
31 – Thiago Elniño – “Dia De Saída” (26)
32 – Luna Vitrolira – “Aquenda” (27)
33 – FBC – “Gameleira” (28)
34 – Rico Dalasam – “Última Vez” (29)
35 – YMA – “White Peacock” (30)
36 – Frank Jorge e Kassin – “Tô Negativado” (31)
37 – Mbé – “Aos Meus” (32)
38 – Giovanna Moraes – “Tudo Bem?” (33)
39 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (35)
40 – Djonga – “Eu” (37)
41 – LEALL – “Pedro Bala” (39)
42 – Barro e Luísa e os Alquimistas – “De Novo” (40)
43 – Filipe Ret – “F* F* M*” (41)
44 – BNegão – “Salve 2 (Ribuliço Riddim)” (43)
45 – Vanessa Krongold – “Dois e Dois” (44)
46 – Ale Sater – “Peu” (45)
47 – Jupiter Apple – “AJ1” (46)
48 – Apeles – “Eu Tenho Medo do Silêncio” (47)
49 – Rohmanelli – “Viúvo” (48)
50 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a imagem é da Anitta.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

POPLOAD NOW DA CENA – 5 coisas importantes na música BR que aconteceram na nossa ausência, estrelando Lupe de Lupe, Salma e Mac, Duda Beat, Hierofante Púrpura e Plutão Já Foi Planeta

1 - cenatopo19

* Bem, estamos voltando hoje depois de três dias de fér… parada técnica para resolver problemas informáticos. Um pouco chateado que o mundo musical, principalmente a cena brasileira, não quis parar junto, mas tudo bem. Já que é assim, fazemos agora então um apanhado de assuntos musicais relevantes que aconteceram por aqui no Brasilzão nestes três dias em que ficamos “interditados”, sem postagens. Sem contar a já falada bossa nova da Anitta, temos o seguinte:

– LUPE DE LUPE
Lá vem o figuraça Vitor Brauer de novo, com sua Lupe de Lupe a caminho do quarto disco. Nesta semana a banda mineira lançou o single “Coromandel”, o último antes da chegada in full de seu novo álbum, “Trator”, que sai agora em maio. Depois de disstratar “Goiânia” e aliviar em “Cabo Frio”, esta blablablabla “Coromandel” traz a participação do amigo de cena Fernando Motta. É o de sempre: começa Weezer, termina Pavement, mas tudo do jeitão Lupe de Lupe de ser, dentro dos caminhos tortos propostos pelas ótimas letras de Brauer.

***

– SALMA E MAC
O casal da famosa banda goiana Carne Doce sai com novo projeto, como casal mesmo, dupla voz e violão mais íntima impossível. Segundo eles, a ideia é apresentar as canções que compõem juntos na forma como surgem, com a suavidade íntima que depois viraria barulhinho bom na banda, mas parando mesmo na metade do caminho. Tão bom quanto. Conheça a “Amiga”, a primeira música dessa “nova” dupla (foto da Salma ilustra a home). Semana que vem tem mais música de Salma e Mac, parece.

***

– HITEROFANTE PÚRPURA
A gente parado e a banda Hierofante Púrpura lançando seu segundo single, com vídeo, desta vez para a música dramaticamente psicodélica “Na Terra das Cartas”. Esse som, tal qual o primeiro, “Tbm Sou Hipster”, fará parte do “Impermanências Lo-Fi Vol.2”, disco a ser lançado pela Balaclava Records em algum momento deste meio de ano. Falamos dele aqui, o álbum vai juntar uma série de registros sonoros da banda de Mogi das Cruzes, gravados em fitinha cassete. O Hierofante Púrpura, de outro grupo-casal tal qual o da nota acima, este formado por Danilo Sevali e Helena Duarte, não solta disco cheio desde 2016, quando lançaram o interessantíssimo “Disco Demência”. Aqui, “Na Terra das Cartas”:

***

– PLUTÃO JÁ FOI PLANETA
A famosa banda de indie pop, cada vez mais pop e menos indie, que já tocou no Lollapalooza Brasil, no Rock in Rio e na Globo, lança o segundo single de 2021. A música, “Depois das Dez”, junta de “Acostuma”, o single de janeiro, reafirma as mudanças de sua formação e aponta para um novo disco, ainda sem data de lançamento revelada. Hoje um quarteto com a vocalista Cyz Mendes, o guitarrista Sapulha Campos, outro guitarrista, o Gustavo Arruda (guitarra), e o ótimo baterista Renato Lellis, a Plutão, que nasceu em Natal, RN, vai mostrar as músicas novas em performance virtual no Buzina Festival, dia 8 de maio.

***

– DUDA BEAT
O disco mais badalado dos últimos tempos é esse da cantora pernambucana sofrente Duda Beat, o recém-lançado “Te Amo Lá Fora”. O Spotify divulgou hoje que todas as músicas do álbum estão no top 200 da plataforma de streaming. Essa conexão bem amarrada de Duda-Spotify rendeu ainda uma aparição da moça em um dos telões gigantes da famosa Times Square, em Nova York. A artista é uma das peças da campanha global EQUAL, iniciativa para promover a igualdade de gênero na música. Olha a Duda Beat chegando a Manhattan, em foto de Vic Delnur.

duda

>>

Top 50 da CENA – FEBEM lidera o ranking (de novo), Aquino e a Orquestra Invisível devolve a leveza ao top 3 e o Boogarins não larga de ser lindo. E podia ser Moons, NoPorn e Jair Naves que estaria tudo bem

>>

* No episódio desta semana do TOP 50 da CENA, a gente ainda mostra uma certa obsessão pelo disco novo do rapper FEBEM e volta a premiá-lo com o topo usando mais uma faixa do seu grande álbum “Jovem OG”. Voltamos também a se espantar com as conexões indies que andam deixando paulistas com cara de carioca e vice-versa. Voltamos novamente a nos derreter pelo Boogarins e seu trabalho de sobras onde sobram tesouros a serem garimpados. Mas, olha só, também desbravamos novos territórios, já que não gostamos de ficar na mesma, não.

topaquinoquadrada

1 – FEBEM – “Crime” (Estreia)
Quantos jovens estariam encarcerados no Brasil se lidássemos com a questão das drogas de uma maneira mais inteligente que o combate violento que extermina parte da nossa juventude, especialmente periférica e negra? Quando FEBEM comenta “Dizem que cometemos crime” ele pensa essa perspectiva ao sentir que sua existência é criminalizada – por isso que ele começa o refrão com os versos “Uns finge, outros vive o crime”. Como responder a uma violência dessas desde o berço? “Na vida algumas coisa é como um Golf GTI/ Não cura minha dor, mas mesmo assim vou adquirir.”

2 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (Estreia)
Cara, o que acontece no Rio de Janeiro que a CENA local não para de dar bons frutos, hein? E o mais doido é que é tudo um som meio estranho que lembra muito coisas paulistanas. Um Rio mais da cidade do que da praia. Um Rio mais cinza. Mais de falar do que (se) mostrar. Nessas entra o som desse trio tijucano que consegue aliar uma longa narrativa de solidão com um dos refrões mais melancólicos e bonitos do ano.

3 – Boogarins – “Supernova” (4)
No disco de sobras e sonhos do Boogarins, eis uma música que poderia estar fácil em um dos álbuns oficiais dos meninos. Talvez caiba numa lista de melhores deles? É muito? “Supernova” é bonitaça demais, por onde se olhe. Na letra, na dinâmica que vai se alterando sutilmente pelos versos, na voz suave do Dinho. E na mensagem da música: “Se tudo está pronto, que resta eu inventar? O novo é qualquer lugar”.

4 – Moons – “Love Hurts” (Estreia)
Mal lançaram um bom EP, os mineiros do Moons resolveram soltar um single que é dos melhores trabalhos da banda. A gente imagina aqui um Jeff Buckley pirando nesse som superclimático que vai crescendo, ali numa das montanhas próximas a Belo Horizonte, onde nem um café quentinho vai aplacar essa ferida de amor.

5 – NoPorn – “Festa No Meu Quarto” (Estreia)
O mítico electrosexy duo NoPorn adaptado aos novos tempos. Instituição das melhores festas paulistanas, a dupla hoje formada por Liana Padilha e Lucas Freire leva a pista para outro lugar, um mais íntimo, seu quarto, nosso quarto, de quem estiver disposto a aceitar o convite charmoso do duo enquanto pandemias e lockdowns ou meio-lockdowns perdurar. Sabe a onda de cantar falando, Florence Shaw? Dá uma ligada na Liana.

6 – Jair Naves – “Vai” (Estreia)
Na dolorida e talvez de amplos sentidos “Vai”, Jair consegue reunir um som que soa quase “estragado” – tanto que faz a gente checar se o computador não está travando – com talvez o que seja uma de suas canções mais “certinhas”, com a melodia vocal e instrumental se encaixando docemente. Bonito. E a gente fica na dúvida, aqui. Será que ele está mesmo comentando um relacionamento aí?

7 – FEBEM – “México” (1)
Se na música lá de cima FEBEM comenta a dualidade da palavra “crime” no Brasil, “México” tem a esperta sacada em inverter um lugar comum do rap – em linhas gerais, não temos um rapper versando sobre o crime, mas o inverso. Ou quase, já que o final da música adiciona um mistério sobre o narrador e nubla as ideias. Para pegar o filme completo, só escutando o disco todo. O que não é nenhum trabalho, acredite.

8 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (2)
Mais algumas conexões da CENA carioca atual com a CENA paulistana de outrora, tudo junto e misturado e fazendo o maior sentido. Mas aqui no sentido contrário da coisa, já que temos uma banda de paulistas, herdeiros do grupo Rumo, soando muito como os novos cariocas que soam como paulistas do grupo Rumo, para completar o interessante rolê geográfico-temporal. Entende?

9 – Carmem Red Light – “Faith No More” (Estreia)
Carmem Red Light, artista trans brasileira radicada na Europa há mais de 20 anos, mexe com muitas coisas em seu neste single. Ela, que nasceu em Cajazeiras, no interior da Paraíba, e hoje é cidadã londrina, assume um lado “Marilyn Manson encontra David Bowie” e ainda mexe com religião e sexualidade. O som é soturno? Sim, mas por que não seria, dadas as circunstâncias todas?

10 – Jadsa – “Olho de Vidro” (3)
Quantas semanas de Jadsa já no Top 10?

11 – Giovanna Moraes – “Boogarins’ Are You Crazy?” (8)
12 – Lupe de Lupe – “Resplendor” (5)
13 – Yannick Hara – “Raça Humana” (6)
14 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (7)
15 – Uana – “Mapa Astral” (9)
16 – Mayí – “Sedenta” (10)
17 – BaianaSystem – “Reza Frevo” (11)
18 – Hierofante Púrpura – “Tbm Sou Hipster” (12)
19 – Jadsa – “Sem Edição” (13)
20 – Thiago Elniño – “Dia De Saída” (14)
21 – Luna Vitrolira – “Aquenda” (15)
22 – FBC – “Gameleira” (16)
23 – Rico Dalasam – “Última Vez” (17)
24 – YMA – “White Peacock” (18)
25 – Frank Jorge e Kassin – “Tô Negativado” (19)
26 – Mbé – “Aos Meus” (20)
27 – Giovanna Moraes – “Tudo Bem?” (21)
28 – Rico Dalasam – “Estrangeiro” (22)
29 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (23)
30 – Jadsa – “Lian” (24)
31 – Djonga – “Eu” (25)
32 – Lupe de Lupe – “Cabo Frio” (26)
33 – LEALL – “Pedro Bala” (27)
34 – Barro e Luísa e os Alquimistas – “De Novo” (29)
35 – Filipe Ret – “F* F* M*” (30)
36 – Jadsa – “Raio de Sol” (31)
37 – BNegão – “Salve 2 (Ribuliço Riddim)” (32)
38 – Vanessa Krongold – “Dois e Dois” (33)
39 – Ale Sater – “Peu” (34)
40 – Jupiter Apple – “AJ1” (35)
41 – Apeles – “Eu Tenho Medo do Silêncio” (36)
42 – Lupe de Lupe – “Goiânia” (37)
43 – Rohmanelli – “Viúvo” (38)
44 – Boogarins -“Far and Safe” (39)
45 – Rincon Sapiência – “Som do Palmeiras” (40)
46 – Monna Brutal – “Neurose” (41)
47 – Luna França – “Terapia” (42)
48 – Yannick Hara – “Antidepressivos” (43)
49 – Ale Sater – “Nós” (44)
50 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (45)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a banda carioca Aquino e a Orquestra Invisível.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA – Jadsa segue 100%. Ou seria 10%? Hierofante Púrpura vem na cola com sua complexidade simples. E o BaianaSystem belisca o 3º lugar com um frevo

1 - cenatopo19

* Nesta semana tem história no Top 50 da CENA. Só que se a gente contar aqui o que é, logo de cara, vai ser um spoiler tão grande que vai dar uma estragada no andamento, então leia as novidades todas para decifrar esse mistério – um tanto dele está no título, é verdade. Mas vai descendo para entender melhor.

jadsaquadrada

1 – Jadsa – “Olho de Vidro” (Estreia)
A gente gostou desse hábito de repetir os vencedores de uma semana na outra. E, sejamos honestos, o disco da Jadsa merece mesmo essa celebração. Com essa citação aqui, ela se torna talvez a artista com mais menções no top 50 ao mesmo tempo. São cinco, ou seja, dez por cento da lista é Jadsa. Brinca com esta baiana, brinca.

2 – Hierofante Púrpura – “Tbm Sou Hipster” (Estreia)
O Hierofante Púrpura, digamos adepto de uma certa psicodelia indie rural, não é e nunca foi uma banda simples, embora essa “Tbm Sou Hipster” até pareça enganosamente uma música “normal”. É tipo uma trombada de Beastie Boys com MF Doom aprontando algazarras em cima de um sample em loop de um disco da Tropicália. Brinca com estes paulistas, brinca.

3 – BaianaSystem – “Reza Frevo” (Estreia)
Que bonita jornada o BaianaSystem inventou neste quarto disco. A obra em três atos se encerra com uma versão frevo da música que abriu o rolê lá no primeiro ato, a excelente “Reza Forte”. Aqui com a participação de Thiago França, a banda retoma o tema em uma citação instrumental que deixa o viajante mergulhado em memórias do disco que acabou de escutar.

4 – Giovanna Moraes – “Boogarins’ Are You Crazy?” (2)
Outro disco de camadas, umas claras de primeira ouvida e outras que vêm de encontro a você conforme o tempo de saboreá-lo vai se intensificando, é “III”, lançamento recente da multiartista paulistana Giovanna Moraes. Aqui, uma sagacidade sua foi premiada. Os Boogarins deram a sopa de largar um instrumental em seu álbum de sobras e a Giovanna foi lá e meteu uma letra sua. Agora a música é bem dela.

5 – Jadsa – “Sem Edição” (1)
“Sem Edição” é um som que mostra a capacidade de Jadsa de colocar muitas perspectivas na mesma conversa. Por aqui, Gal e Tulipa Ruiz interagem de igual para igual enquanto a música vem em forma de um mantra que cresce e acelera, uma brincadeira em um jazz que orgulharia João Gilberto e Itamar Assumpção, o grande homenageado do álbum.

6 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (3)
Potente o encontro da banda indie paulistana com a produção da carioca Ana Frango Elétrico. Nada a ver, mas tuuuudo a ver. É especial o quanto no momento mais pop da música o instrumental fica ainda ainda mais doido. Talvez seja isso que estamos precisando. E logo mais tem o disco cheio, esse sim estamos precisando.

7 – Thiago Elniño – “Dia De Saída” (Estreia)
Que sacada do Thiago em colocar a bela voz do Zé Manoel para cantar um refrão destes: “Quando a gente sair daqui/ Eu não quero ter que lembrar/ Dos dias que as lágrimas regaram dores/Que o tempo não vai conseguir apagar”. No rap, uma ideia forte sobre suas potências tão invisibilizada pelo racismo.

8 – Luna Vitrolira – “Aquenda” (Estreia)
Este trabalho da pernambucana Luna Vitrolira é um bom capítulo de um gênero às vezes deixado de lado por aqui, que é o spoken word. Vale dar uma sacada pela qualidade do texto de Luna e pela experiência em aplicar muito bem suas escritas em diversos gêneros musicais.

9 – FBC – “Gameleira” (4)
O rapper mineiro Fabiano Soares, o FBC, impressiona com sua consciência fora dos padrões sobre o rolê todo. Consciência do hip hop em si, do cotidiano (seu e nosso), da política e da comunicação nas redes. Deste seu novo EP, produzido pelo VHOOR, a gente destaca, entre tantos bons momentos, esse hip hop atabacado de reflexão sobre tradições, tanto na letra quanto no beat.

10 – Rico Dalasam – “Última Vez” (5)
Este é o terceiro som do novo álbum do Rico Dalasam que a gente coloca aqui no top 50. Já abordamos uma das canções mais políticas do disco, a mais radiofônica e agora uma mais sobre relacionamento interracial, onde um lado não assume o outro, em um dos desdobramentos que seguem sendo abordados em outras músicas, como “Brailler” e “Mudou Como?”.

11 – YMA – “White Peacock” (6)
12 – Frank Jorge e Kassin – “Tô Negativado” (7)
13 – Mbé – “Aos Meus” (8)
14 – Giovanna Moraes – “Tudo Bem?” (9)
15 – Rico Dalasam – “Estrangeiro” (10)
16 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (11)
17 – Jadsa – “Lian” (12)
18 – Djonga – “Eu” (13)
19 – Lupe de Lupe – “Cabo Frio” (14)
20 – LEALL – “Pedro Bala” (15)
21 – Barro e Luísa e os Alquimistas – “De Novo” (16)
22 – Felipe Ret – “F* F* M*” (17)
23 – Jadsa – “Raio de Sol” (18)
24 – BNegão – “Salve 2 (Ribuliço Riddim)” (19)
25 – Vanessa Krongold – “Dois e Dois” (20)
26 – Ale Sater – “Peu” (21)
27 – Jupiter Apple – “AJ1” (22)
28 – Apeles – “Eu Tenho Medo do Silêncio” (23)
29 – Lupe de Lupe – “Goiânia” (24)
30 – Rohmanelli – “Viúvo” (25)
31 – Boogarins -“Far and Safe” (26)
32 – Rincon Sapiência – “Som do Palmeiras” (27)
33 – Monna Brutal – “Neurose” (28)
34 – Luna França – “Terapia” (29)
35 – Yannick Hara – “Antidepressivos” (30)
36 – Ale Sater – “Nós” (31)
37 – Jadsa – “A Ginga do Nêgo” (32)
38 – Sessa – “Grandeza” (33)
39 – Artur Ribeiro – “Fragmentação” (34)
40 – Garotas Suecas – “Tudo Bem” (35)
41 – Winter – “Violet Blue” (36)
42 – Pluma – “Mais do Que Eu Sei Falar” (37)
43 – Tagore – “Tatu” (38)
44 – Kill Moves – “Perfect Pitch” (39)
45 – DJ Grace Kelly – “PPK” (40)
46 – Jamés Ventura – “Ser Humano” (41)
47 – Edgar – “Prêmio Nobel” (42)
48 – Jup do Bairro – “O Corre” e “O Corre” (Bixurdia Remix) (43)
49 – BK – “Mudando o Jogo” (44)
50 – Antônio Neves e Ana Frango Elétrico – “Luz Negra” (45)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora e guitarrista baiana Jadsa.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>